Posts Tagged 'Final Fantasy IX'

Piano Opera music from Final Fantasy 2016: Bravo! A incrível passagem de Nobuo Uematsu pelo Brasil

IMG_20160302_202851838_HDR

Um piano, um telão e muitas lembranças

Por Alexei Barros

Apesar do imenso potencial para receber espetáculos oficiais de game music, o Brasil ainda tem uma tradição bastante limitada nesse cenário. Um dos mais importantes capítulos dessa humilde trajetória aconteceu no dia 2 de março, com a realização do Piano Opera music from Final Fantasy no Teatro Gamaro em São Paulo.

O principal motivo para isso foi a presença de Nobuo Uematsu em território nacional – algo que eu julgava quase impossível uns anos atrás – nessa performance de piano do Hiroyuki Nakayama das músicas de Final Fantasy de I a IX. Em 2014, o pianista já havia se apresentado no Grande Auditório do MASP em São Paulo e prometeu na ocasião que traria o compositor para o País.

A demanda para esse tipo de espetáculo por aqui é notória, considerando a rapidez com que os mais de 750 ingressos foram esgotados, dos quais 150 eram VIP e garantiam o chamado “Meet & Greet” com Uematsu e Nakayama após o recital – uma foto com os dois japoneses e o direito de ter itens de coleção autografados, além de uma cópia do CD promocional Final Fantasy Music Sampler CD -Limited Edition-. Um desses itens inclusive podia ser adquirido no próprio local: o Piano Opera Final Fantasy I-IX Piano Arrangement Album, que foi vendido por R$ 220. Não é um valor absurdo se considerarmos que se trata de um álbum triplo, que abrange todas as músicas executadas no dia e tantas outras da série.

Se a localização do Teatro Gamaro não é das melhores para quem mora perto do centro de São Paulo, havia estações de metrô próximas que garantiam a facilidade de acesso. Do interior da casa de espetáculo eu tenho muitos elogios: é um lugar perfeito para uma apresentação mais intimista. A acústica do ambiente também garantia que a performance no piano, que teve o som amplificado com microfones, fosse plenamente apreciada. A arquitetura do Teatro Gamaro permitia uma visualização perfeita do palco e, mesmo sentado no segundo mezanino, pude ver o teclado do piano sem esforçar a vista. Minha única queixa do local é a ausência de luzes nas escadas. As pessoas que entraram depois, já no escuro, ficavam perdidas, com dificuldade de encontrar os assentos certos.

Marcada para as 20 horas, a apresentação atrasou alguns minutos e, com as luzes meio apagadas, um certo senhor bigodudo de rabo de cabalo vestido de branco entrou rapidamente no palco, acompanhado da tradutora. Era, enfim, Nobuo Uematsu, saudando o público em português.

IMG_20160302_201027439

Com muita simpatia, a tradutora transmitiu todo o bom humor de Nobuo Uematsu

Foi com surpresa e certa ponta de decepção que ouvi da boca dele o estímulo para a plateia se manifestar a qualquer momento que desse vontade, sem precisar esperar a música acabar. Os gritos até eram de certo modo “organizados”: Uematsu distribuiu botons para algumas pessoas aleatórias, que deveriam bradar “Bravo!” no meio do espetáculo. Com seu tradicional bom humor, ele falou que mesmo quem não tivesse recebido também podia berrar.

O público brasileiro, claro, toma esse tipo de incentivo como uma ordem. Na maioria das vezes, as pessoas não esperavam nem a música começar para gritar “Bravo!”. O maior paradoxo de tudo isso é que os gritos nitidamente desconcertavam Nakayama.

Por várias vezes, ele aproximava as mãos do piano, mas hesitava em começar a tocar a cada grito de “Bravo!” que tirava sua concentração. Em certos momentos, o próprio Nakayama pediu que a plateia se acalmasse, dando a impressão que a fala de Uematsu no início parecia mais uma trollada com o instrumentista. Felizmente, durante as músicas, com a performance já em andamento, os gritos em passagens virtuosísticas ou em cenas que eram projetadas no telão (falarei mais adiante sobre isso) não atrapalharam o talentoso pianista.

Além disso, conforme os jogos se repetiam no programa, as pessoas já ficavam mais anestesiadas de ver os logos de seus episódios favoritos e pareciam se dar conta de que não valia a pena ficar gritando tanto. É bom que se diga que, quando aconteciam, os gritos não eram tão prolongados e não interferiam tanto na apreciação da performance. Em nenhum momento eu me perguntei: “O que eu estou fazendo aqui se não dá para ouvir nada?”.

Devo confessar que considero o telão dispensável, mas já que a apresentação se propõe a ter as cenas de jogos, eu me sinto à vontade para comentar. Alguns vídeos, especialmente nos jogos 8-bit, estavam com uma taxa de quadros muito baixa, quase parando. Em uma época em que há vídeos 1080p de jogos antigos aos montes no YouTube, esperava que eles estivessem em melhor qualidade. Também seria interessante se os vídeos identificassem os nomes das músicas, pois algumas faixas tocadas não são tão conhecidas. Ao menos, os trechos de gameplay eram intercalados com a câmera que focava o teclado do piano, algo muito mais válido, apesar do pequeno delay entre a performance e a imagem projetada. Sei que estou soando muito chato reclamando desses detalhes, mas nessas horas eu digo: quem mandou ter telão?

Falando enfim do que realmente interessa, que são as músicas, o programa foi em sua maior parte baseado no Piano Opera Final Fantasy VII/VIII/IX, terceiro álbum da coleção que não havia sido lançado na apresentação de 2014. Do total de 12 faixas do disco, apenas três ficaram de fora: “Fight On” (FFVII), “Liberi Fatali” (FFVIII) e “Roses of May” (FFIX). A omissão das duas primeiras é curiosa, já que estão entre as mais famosas composições de Nobuo Uematsu. Eu que sou intolerante com a repetição de algumas músicas, não seria louco reclamar de ouvi-las ao vivo, considerando o ineditismo da ocasião.

O set list foi complementado com a “Prelude ~ Opening” (FF) e “Town Medley” (FF I, II e III) do Piano Opera Final Fantasy I/II/III, além de “Kefka” e “Dancing Mad” (FFVI), “Troian Beauty” (FFIV) e “Clash on the Big Bridge” (FFV) do Piano Opera Final Fantasy IV/V/VI. Curiosamente, todos esses segmentos dos dois primeiros álbuns são reprises da apresentação de 2014. Por que não tocar músicas diferentes, como “Battle Medley” e “Red Wings ~ Kingdom Baron”?

De qualquer forma, eu reclamo de boca cheia, porque “Festival of the Hunt” (FFIX), “The Man with the Machine Gun” (FFVIII), “Clash on the Big Bridge” (FFV) e especialmente a magnânima “Dancing Mad” (FFVI) estão entre as minhas músicas favoritas do Uematsu e me provocaram arrepios de nostalgia – reforçando o que falei acima, esse sentimento foi proporcionado pelas melodias, não pelas imagens do telão. Na parte do bis, deu para ouvir na plateia pedidos de “One-Winged Angel” (FFVII) e “At Zanarkand” (FFX), mas vale lembrar que todo o repertório é baseado nos arranjos que o próprio Nakayama fez para os três álbuns Piano Opera e ambas as músicas não aparecem na coleção – FFX então nem sequer está representado nesses CDs.

Em um dos intervalos das músicas, foram ditas algumas informações bacanas sobre composições da série, enquanto Nakayama tocava de fundo a “Theme of Love” (FFIV). Por exemplo, o fato de a equipe de produção de FFVII achar a “One-Winged Angel” uma música tensa demais para entrar no jogo, embora isso não tenha sido muito bem explicado na hora. Outro acontecimento curioso é que a “Prelude” foi feita às pressas. Uematsu disse ironicamente que se soubesse que Final Fantasy ia durar tanto tempo teria feito algo melhor. Talvez a curiosidade mais interessante é que a letra da “The Dream Oath ‘Maria and Draco'” de FFVI foi escrita por Yoshinori Kitase como uma declaração para a sua namorada, que depois se tornou sua esposa. Nesse bloco também foi citada a premiada canção “Eyes on Me” (FFVIII), que Uematsu chegou a cantarolar brevemente. Só o final do espetáculo foi meio estranho, já que não tinha ficado claro se haveria mais alguma música a ser executada, deixando o público indeciso e com gosto de quero mais. Quem comprou o ingresso normal demorou um pouco para ir embora.

A noite do dia 2 de março vai ficar para sempre na memória dos presentes e, o melhor de tudo, o sentimento muito promissor no ar da realização de novas apresentações no futuro, tomara que contemplando outras cidades do País. E digo mais: depois do que presenciei naquela quarta-feira, sonhar com o Distant Worlds no Brasil já não me parece uma loucura.

A passagem de Nobuo Uematsu por São Paulo foi rápida como um cometa e sem espaço para entrevistas, mas mesmo assim, o comparsa Claudio Prandoni conseguiu arrancar dele a informação de que ele se motivou a fazer a “Samba de Chocobo!” (FFIV) pela paixão pelo samba brasileiro, tema que ainda merece ser aprofundado.

Set list:

Ato I

01. “Prelude ~ Opening” (Final Fantasy)
02. “Ami” (Final Fantasy VIII)
03. “Festival of the Hunt” (Final Fantasy IX)
04. “Words Drowned by Fireworks” (Final Fantasy VII)
05. “Town Medley” (Final Fantasy I, II e III)
06. “Not Alone” (Final Fantasy IX)
07. “Cosmo Canyon” (Final Fantasy VII)
08. “The Man with the Machine Gun” (Final Fantasy VIII)

Ato II

09. “Opening ~ Bombing Mission” (Final Fantasy VII)
10. “Kefka” (Final Fantasy VI)
11. “Troian Beauty” (Final Fantasy IV)
12. “Melodies of Life” (Final Fantasy IX)
13. “Dancing Mad” (Final Fantasy VI)

Bis

14. “Force Your Way” (Final Fantasy VIII)
15. “Clash on the Big Bridge” (Final Fantasy V)

IMG_20160302_203028926

Uma cena que dificilmente se imaginaria acontecer no Brasil

Grato ao Fabão, que tirou uma foto com o Hiroyuki Nakayama e o Nobuo Uematsu, e ao report do Final Fantasy Brasil: ambos me ajudaram a lembrar das ordens das músicas do set list (por que eu não levei uma caneta?).

Fotos: Claudio Prandoni

Final Symphony II: sucesso absoluto em 2015

l_561c726a566b3

Thomas Boecker, Mischa Cheung, Masashi Hamauzu, Nobuo Uematsu, Eckehard Stier e os instrumentistas da LSO são ovacionados ao fim de uma das apresentações no Japão

Por Alexei Barros

Faz tempo que não falo do Final Symphony II, mas o concerto com músicas de Final Fantasy V, VIII, IX e XIII foi um imenso sucesso nas apresentações na Alemanha, Inglaterra e Japão em 2015.

Aliás, no espetáculo de Londres Nobuo Uematsu e o produtor Thomas Boecker ganharam prêmios do Guinness World Records. Uematsu recebeu o prêmio de compositor mais tocado em concertos de games e Boecker foi condecorado por ter produzido o primeiro concerto de games fora do Japão, o First Symphonic Game Music Concert em 2003. Não bastasse isso, Boecker também foi agraciado em novembro com o prêmio “Cultural and Creative Pilots” do governo federal da Alemanha.

Como não poderia deixar de ser, outro momento marcante neste ano foi a miniturnê do Final Symphony II no Japão, com uma apresentação em Osaka e duas em Yokohama com a London Symphony Orchestra e as presenças de Nobuo Uematsu e Masashi Hamauzu. Além deles, os compositores Koji Kondo, Yoko Shimomura, Mahito Yokota e Takenobu Mitsuyoshi assistiram ao espetáculo e ninguém menos do que Hironobu Sakaguchi, criador de Final Fantasy, também esteve presente. O público japonês, tradicionalmente tímido, aplaudiu efusivamente o concerto.

E não vai parar por aí. Em 2016, o Final Symphony II terá novas apresentações. No dia 1 de abril, o Tampere Hall na Finlândia receberá a Tampere Philharmonic Orchestra e o pianista Mischa Cheung, com a regência de Kimmo Tullila. Já em 9 de junho, será a vez da Royal Stockholm Philharmonic Orchestra e do pianista Terés Löf tocarem no Stockholm Concert Hall na Suécia sob a batuta da maestrina Giedré Slekyté. Nesta última apresentação, Masashi Hamauzu será um convidado.

Além disso, o primeiro Final Symphony vai ganhar uma apresentação em Amsterdã, Holanda, no dia 7 de maio de 2016, com a Nederlands Philharmonisch Orkest e a pianista Katharina Treutler com o maestro Eckehard Stier. Da mesma forma, em 21 de outubro esse concerto chegará à cidade de Auckland, na Nova Zelândia. Novamente com Eckehard Stier na regência, a performance será da Auckland Philharmonia Orchestra e do pianista Stephen de Pledge no Aotea Centre.

E no dia 6 de outubro, o Symphonic Fantasies, originalmente tocado em 2009, ganhará uma reapresentação no Barbican Hall em Londres, Inglaterra, dessa vez com a London Symphony Orchestra e o London Symphony Chorus com Eckehard Stier. Além de Slava Sidorenko no piano, o concerto terá o percussionista Rony Barrak na darbuka.

Falando do Barbican Hall, os dois vídeos abaixo dão uma amostra da excelência do Final Symphony II. No primeiro aparecem apenas as músicas, enquanto que no outro há depoimentos de fãs de game music intercalados com as cenas do concerto em Londres. Agora é esperar pelo álbum do Final Symphony II…

Com Nobuo Uematsu, Piano Opera music from Final Fantasy chega a São Paulo em 2016

20150617_FFPO_Wildfaery_Header)_900x200
Por Alexei Barros

Segura a bomba: no  dia 2 de março de 2016, a turnê mundial Piano Opera music from Final Fantasy aterrissará em São Paulo, com a vinda do compositor Nobuo Uematsu. Essa notícia não é exatamente uma novidade, mas como era boa demais para ser verdade e já tivemos alarmes falsos antes, eu aguardei por mais informações. Em 2014, o pianista Hiroyuki Nakayama havia passado pelo Brasil e na ocasião prometeu que da próxima vez Uematsu viria com ele. E eu fiquei duvidando…

20150617_FFPO PhotosDiferentemente do concerto anterior, que foi gratuito, a apresentação de 2016 será paga. De acordo com o site oficial do evento, os ingressos estariam à venda no final de outubro, mas já estamos em novembro e até agora nada. De qualquer forma, para tirar fotos e pegar autógrafos de Nobuo Uematsu e Hiroyuki Nakayama, será preciso comprar um dos 150 ingressos VIPs. O espetáculo histórico para o contexto brasileiro acontecerá no Teatro Gamaro, no bairro da Mooca.

Enquanto o set list de 2014 passeava por Final Fantasy I a VI, o recital de 2016 será enfocado nos episódios VII, VIII e IX, com os arranjos do álbum Piano Opera Final Fantasy VII/VIII/IX. Dessa vez, haverá um telão mostrando cenas dos jogos – espero que isso não provoque no público um comportamento inapropriado para um concerto de solo de piano.

A visita à cidade de São Paulo faz parte de uma turnê mundial que começa em novembro deste ano e passará por 12 países. As apresentações acontecerão em Paris (França), Bruxelas (Bélgica), Estocolmo (Suécia), Londres (Inglaterra), Taipei (Taiwan), Seul (Coreia do Sul), Hong Kong, Singapura, Nova York e Los Angeles (EUA) e acabará na Cidade do México (México) – São Paulo vai ser a penúltima cidade a receber o evento.

[ATUALIZAÇÃO] O site do Ingresso Rápido já iniciou a venda de ingressos.

[via Wildfaery]

Press Start 2015: o fim de uma era

press2015Por Alexei Barros

Pelo excesso de reprises, eu esperava uma despedida um tanto melancólica do Press Start. Mesmo assim, estava no aguardo do tradicional report do concerto no site da Famitsu, que produziu a série japonesa de espetáculos orquestrais. E eu fiquei esperando… esperando… esperando… E nada. Nada de fotos da apresentação também.

O jeito foi me basear nas análises dos blogues japoneses, que sempre se preocupam em detalhar o set list o máximo possível. O concerto foi realizado em duas apresentações no dia 8 de agosto (e eu extrapolando todos os limites da demora para fazer post), com performance da Kanagawa Philharmonic Orchestra no Tokyo Metropolitan Art Space. Pelo menos foi feita uma surpresa bacana no final. Set list e minhas considerações a seguir.

Ato I

01. Final Fantasy VIII: “Liberi Fatali”
02. “Classic Medley 2015 Ver.”
03. Super Mario Bros.: “Overworld” ~ “Underwater” ~ “Underworld” ~ “Overworld”
04. The Legend of Zelda: “Main Theme”
05. Shadow of the Colossus: “Revived Power ~ Battle With the Colossus” ~ “Grotesque Figures ~ Battle With the Colossus~”
06. Ace Combat Zero: The Belkan War: “Zero”
07. Legend of Mana: “Legend of Mana ~Title Theme~” ~ “Colored Earth” ~ “Hometown Domina” ~ “Ruined Sparkling City” ~ “Song of Mana ~Opening Theme~”

Ato II

08. Ore no Shikabane o Koete Yuke: “Flower”
09. Rhythm Heaven: “Ninja”
10. El Shaddai: Ascension of the Metatron: “Theme of El Shaddai” ~ “The Faraway Creation ~ Enoch’s Theme” ~ “Tragic Scream”
11. Xenoblade Chronicles: “Xenoblade” ~ “Gaur Plains” ~ “Mechanical Rhythm” ~ “Riki the Legendary Hero” ~ “Sator, Phosphorescent Land / Night” ~ “Those Who Bear Their Name” ~ “Confrontation with the Enemy”
12. Mother: “Pollyanna (I Believe In You)” ~ “Bein’ Friends” ~ “Eight Melodies”
13. Chrono Trigger/Cross: “A Premonition” ~ “Chrono Trigger” ~ “Wind Scene” ~ “Frog’s Theme” ~ “Decisive Battle with Magus” ~ “Epilogue ~ To Beloved Friends” (Chrono Trigger) ~ “Frozen Flame” ~ “Marbule: Home” ~ “Scars of Time” (Chrono Cross)
14. “Goodbye Medley”:
Press Start 2006
– ICO
– PopoloCrois Story
– Ys I & II
Press Start 2007
– Kingdom Hearts
– Space Invaders
– Super Smash Bros. Brawl
– Sakura Wars
Press Start 2008
– Wild Arms 2
– Spelunker
– Final Fantasy IX
Press Start 2009
– Persona 4
– Okami
– Final Fantasy X
– Kirby’s Dream Land
Press Start 2010
– New Super Mario Bros. Wii
– Muramasa: The Demon Blade
– Famicom Disk System Start-up
Press Start 2011
– 428 ~Fuusasareta Shibuya de~
– Pokémon Red & Blue
– NieR
– Xenogears
Press Start 2012
– Kid Icarus: Uprising
– Final Fantasy XI
– Ihatovo Monogatari
Press Start 2014
– Toukiden
– Final Fantasy XIII
– Super Smash Bros. for Wii U e 3DS

“Liberi Fatali” é uma das reprises mais batidas em concertos da série Final Fantasy, mas nunca tinha sido tocada no Press Start. Aliás, a escolha dessa música do FFVIII foi uma surpresa para mim, porque o Press Start não vinha usando corais em suas apresentações. Acredito que foi usado um coro não muito grande.

– Em relação aos convidados, a soprano Oriko Takahashi mais uma vez cantou a “Zero” de Ace Combat Zero. Mesmo sem ter participado da gravação da trilha original, ela foi a intérprete mais recorrente dessa música fabulosa com toques de flamenco no Press Start.

– A “Song of Mana” teve a voz da australiana Louise Bylund, que morou por diversos anos de sua vida na Suécia e atualmente reside no Japão. Essa mistura garantiu que ela fosse a escolhida para a performance dessa maravilhosa canção, que tem versos em sueco.

– A Lioko Kihara foi outra convidada do espetáculo e, diferentemente das outras duas cantoras, ela também tocou piano ao melhor estilo Angela Aki no segmento de Ore no Shikabane o Koete Yuke.

– Como de praxe, o duo ACE formado por Tomori Kudo (guitarra) e CHiCO (vocal) participou da performance de Xenoblade Chronicles, além da cantora Manami Kiyota.

– O segmento de Mother é o mesmo tocado no Press Start 2010, inclusive com os versos do álbum vocal Mother (1989) escritos pela letrista Linda Henrick (provavelmente um pseudônimo). Na ocasião, a performance contou com a voz da cantora Melody Chubak, que na época tinha 13 anos. Agora com 18, a moça voltou as palcos para cantar no mesmo segmento.

– Além do quinteto que produz o concerto (Taizo Takemoto, Kazushige Nojima, Shogo Sakai, Nobuo Uematsu e Masahiro Sakurai), também estiveram presentes os compositores Keiki Kobayashi e Masato Kouda. A Yoko Shimomura deixou uma mensagem em vídeo.

– Não foi feita nenhuma homenagem musical a Satoru Iwata, mas o desfecho do concerto foi bastante especial. Embora muito provavelmente não seja um segmento com transições elaboradas, o medley final resgata seleções icônicas de todas as edições anteriores do Press Start, com exceção de 2013, ano que foi tomado por reprises. Fantástica a ideia!

– Foi uma satisfação ter acompanhado e feito os posts sobre o Press Start durante esses nove anos, mesmo com tão raros registros oficiais das performances. Mal custo a acreditar que o primeiro post que fiz no Hadouken, lá em 2006, era justamente sobre a primeira edição do concerto a qual fiquei extasiado com uma mera gravação da plateia.

Não existiu outra série de apresentações com um repertório tão diversificado, cheio de seleções únicas e surpreendentes. Claro que tamanha variedade me fez querer mais e é uma pena saber que o Press Start acabou sem tocar músicas de jogos que dificilmente veremos nos demais concertos, como Bayonetta, Eternal Sonata, Panzer Dragoon, Valkyria Chronicles, Front Mission, Dark Souls e tantos outros.

Eu torço fortemente para que se não o próprio Press Start, outra série de concertos japonesa apareça algum dia sem demorar muito – houve um hiato de nove anos entre o Orchestral Game Concert 5 de 1995 e o Press Start 2006, considerando apresentações sinfônicas no Japão que abrangem diversas franquias.

Press Start: vou sentir saudades.

Grato ao Fabão pelos links e também pelas diversas informações e traduções nos posts do Press Start.

Foto tirada no Press Start 2008, com alguns dos maiores nomes japoneses de game music (além de outros desenvolvedores): Noriyuki Iwadare, Nobuo Uematsu, Motoi Sakuraba, Yasunori Mitsuda, Mahito Yokota, Kazushige Nojima, Michiko Naruke, Shogo Sakai, Koichi Sugiyama, Masahiro Sakurai e Koji Kondo

[via sarian198919, mugendai, comdoc5964nijiiroleina 1, 2 e 3]

Final Symphony II: detalhes do programa

finalsymphony21Por Alexei Barros

Anunciado em março, o concerto Final Symphony II, que terá músicas de Final Fantasy V, VIII, IX e XIII, já estava com cinco apresentações marcadas para os meses de agosto e setembro, passando por Alemanha, Inglaterra e Japão. Até então não havia nenhuma informação sobre o programa, mas chegou o momento que aguardava com mais expectativa.

Cada episódio teve quatro faixas reveladas. Evidentemente, haverá outras músicas nas suítes que devem ter de 15 a 20 minutos de duração cada. Como de costume, uma fanfarra original assinada por Jonne Valtonen abrirá o espetáculo. Minhas considerações a respeito de cada uma após o set list:

01. “In a Roundabout Way – Fanfare”
Composição, arranjo e orquestração: Jonne Valtonen

02. Final Fantasy XIII – “Utopia in the Sky”
(“Prelude to Final Fantasy XIII” | “Vanille’s Theme” | “Nautilus” | “Blinded by Light” etc.)
Composição: Masashi Hamauzu
Arranjo: Masashi Hamauzu e Jonne Valtonen

03. Final Fantasy IX – “For the People of Gaia”
(“Vivi’s Theme” | “Hunter Chance” | “Mourning the Sky” | “Assault of the Silver Dragons” etc.)
Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Roger Wanamo

04. Final Fantasy VIII – “Mono no aware”
(“Don’t be Afraid” | “The Landing” | “Waltz for the Moon” | “The Oath” etc.)
Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Roger Wanamo

05. Final Fantasy V – “Library of Ancients”
(“Main Theme of Final Fantasy V” | “Lenna’s Theme” | “The Dragon Spreads Its Wings” | “The Evil Lord Exdeath” etc.)
Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Jonne Valtonen

– Final Fantasy XIII: ainda não houve uma performance de FFXIII que não fosse uma reprodução literal ou então muito similar às músicas do jogo. Ouvir as majestosas composições de Masashi Hamauzu em uma única suíte promete ser um segmento e tanto. Como as faixas já são naturalmente orquestradas, fico curioso para ver como elas serão reinventadas. Por exemplo, a “Vanille’s Theme”, uma das escolhidas, é um solo de piano na trilha original. Será que ela vai continuar assim? O tema de combate “Blinded by Light” era obrigatório. Evidentemente, também gostei da confirmação da belíssima “Prelude to Final Fantasy XIII” e da pomposa “Nautilus”. A mistura de estilos de Masashi Hamauzu e Jonne Valtonen, que arranjaram a suíte, deverá ser bastante interessante.

–  Final Fantasy IX: a trilha do último Final Fantasy para PlayStation é a mais extensa da série, com mais de uma centena de músicas. Logo de cara me chamou a atenção a “Hunter Chance”. A versão do Distant Worlds já era boa, mas com um arranjador mais talentoso como o Roger Wanamo promete ficar melhor ainda. “Mourning the Sky” não era uma música que estava nos meus radares, e sua melodia emocionante merecia ser arranjada para cordas reais. A militar “Assault of the Silver Dragons” e a irreverente “Vivi’s Theme” mostram que esse segmento deve ser bastante eclético.

– Final Fantasy VIII: o tema de combate “Don’t be Afraid” já foi arranjado pelo Shiro Hamaguchi no 20020220, mas sempre é uma boa pedida. “The Oath” também já teve um arranjo orquestral, dessa vez no Tour de Japon. As outras duas, em compensação, jamais foram tocadas em concertos oficiais da série. Não me lembrava da “The Landing”, uma música cuja sintetização não permitia transmitir toda a imponência da composição. “Waltz for the Moon”, a famosa música da CG do baile, promete ser um dos pontos altos da suíte. Embora não tenha sido confirmada, a “Liberi Fatali” deve fazer alguma aparição – em algum arranjo sem coral, já que o concerto terá apenas orquestra.

– Final Fantasy V: já cansei de dizer o quanto aprecio a era SNES na carreira de Nobuo Uematsu e, como não poderia deixar de ser, esse é o segmento que estou com mais expectativa. A “Main Theme” já foi arranjada duas vezes (OGC2 e Tour de Japon), porém não podia ser ignorada dada a sua importância. Acredito ser um dos temas de abertura mais empolgantes da série. Agora… “The Dragon Spreads Its Wings”? Dado o meu histórico com músicas favoritas não arranjadas, não imaginei que essa faixa pudesse ser escolhida. Fantástico! A emotiva “Lenna’s Theme” é um tema que talvez já teria sido arranjado antes se FFV fosse um jogo mais popular. Para fechar, ainda tem a poderosa “The Evil Lord Exdeath”.

[via Spielemusikkonzerte]

Final Symphony II ganha miniturnê no Japão com a London Symphony Orchestra

Final Symphony II_JapanPor Alexei Barros

Não é a novidade que as produções da Merregnon Studios vêm invadindo o Japão, como as apresentações do Symphonic Fantasies (2012) e Final Symphony (2014) em Tóquio. Com o anúncio do Final Symphony II, concerto com músicas dos episódios V, VIII, IX e XIII de Final Fantasy, seria de esperar que esse espetáculo também aparecesse no Japão. Mas não da forma como vai acontecer.

No total, serão três apresentações do Final Symphony II na Terra do Sol Nascente: uma no Festival Hall em Osaka no dia 27 de setembro e duas no Minato Mirai Hall em Yokohama em 4 de outubro. A novidade é que, em vez de usar orquestras locais, esse trio de concertos terá a performance da renomada London Symphony Orchestra, que também vai executar essa récita em Londres, dia 12 de setembro. Nunca um concerto de games japonês teve a performance de uma orquestra ocidental, e os espetáculos no Japão serão promovidos pela KAJIMOTO, uma das maiores empresas nipônicas na área de gerência de música erudita.

Faltou comentar por aqui também que a première do Final Symphony II acontecerá no dia 29 de agosto no Beethovenhalle em Bonn, Alemanha, com a atuação da Beethoven Orchestra. Todas as apresentações terão a regência do maestro Eckehard Stier; o pianista Slava Sidorenko tocará em Londres e nas demais Mischa Cheung, do grupo instrumental Spark, será o pianista. Nobuo Uematsu e Masashi Hamauzu também estarão presentes em todas essas ocasiões, com exceção da première mundial, que só contará com Hamauzu.

Com tantas apresentações assim, fico na expectativa se alguma delas vai originar algum CD ou se o álbum do concerto será gravado em estúdio como o primeiro Final Symphony. Mesmo após o anúncio do sucessor, esse concerto não foi esquecido e ganhará uma nova apresentação no Concertgebouw em Amsterdã, com a Netherlands Philharmonic Orchestra no dia 7 de maio de 2016.

[via Spielemusikkonzerte]

Final Symphony II anunciado com músicas de Final Fantasy V, VIII, IX e XIII

finalsymphony21Por Alexei Barros

Por esta eu realmente não esperava: Final Symphony II. Enquanto ainda estamos absorvendo o banquete musical do álbum do Final Symphony, já foi anunciado seu sucessor para o dia 12 de setembro de 2015, com a produção de Thomas Boecker e arranjos de Jonne Valtonen, Roger Wanamo e Masashi Hamauzu. O encarte do Symphonic Legends em Londres havia sugerido uma nova apresentação de game music e ontem foi prometido que aconteceria o anúncio. Mas, de novo, essa revelação me pegou de surpresa.

Enquanto o predecessor homenageava as músicas de Final Fantasy VI, VII e X, desta vez os capítulos escolhidos para terem as faixas arranjadas são quatro: FFV, VIII, IX e XIII. Há um imenso terreno a ser explorado por Valtonen e Wanamo, já que, com exceção do FFV, os demais jogos ainda não tinham aparecido no Symphonic Fantasies ou Symphonic Odysseys.

Embora tenha ficado triste com o esquecimento do FFIV, a trilha do FFV me empolga sobremaneira por ter sido feita em um período de grande inspiração do Nobuo Uematsu e que foi lembrada raras vezes nos concertos da série. Também estou na expectativa por FFXIII, já que a trilha original do Masashi Hamauzu está, a meu ver, entre as melhores da série. Inclusive o próprio compositor será o responsável pelo arranjo. Como o primeiro Final Symphony em Londres, o concerto terá performance da London Symphony Orchestra e regência do maestro Eckehard Stier. É interessante notar que, como antes, não haverá coral. A novidade será o ucraniano Slava Sidorenko no piano, substituindo a Katharina Treutler.

Aos interessados, os ingressos estarão à venda a partir do dia 20 de março. Antes do concerto, Nobuo Uematsu vai responder questões do público em um bate-papo que exige ingressos à parte do espetáculo e que também estarão à venda na mesma data.

[via Spielemusikkonzerte]

“Rose of May” – Final Fantasy IX (Distant Worlds 2014 em Londres)

Por Alexei Barros

Além da “Hunter Chance”, a turnê Distant Worlds acrescentou no repertório mais uma música do Final Fantasy IX que também estará registrada no álbum Distant Worlds III: a “Rose of May”. Trata-se de uma adição muito interessante: por ser um solo de piano, a faixa pede muito mais criatividade para o arranjo e a orquestração, e esse tipo de trabalho, quando bem executado, costuma resultar em peças fabulosas – vide a “Zanarkand” original no piano e a “Zanarkand” orquestrada.

Por isso, eu suponho que quem faz o arranjo da “Rose of May”, que estreou em novembro de 2014 na visita a Londres do Distant Worlds, não foi o maestro e produtor da turnê, Arnie Roth. Como disse dezenas de vezes, ele costuma ser o mais literal possível e um arranjo orquestral de um solo de piano exige alguém mais inventivo.

A peça não começa da maneira óbvia que seria apenas com o piano, mas, sim, com uma bela participação das cordas, da flauta e do oboé. Só depois o piano ganha mais destaque, com a bela melodia da “Rose of May”. Sem muita demora, as cordas divinas voltam, com o piano cintilante. Após um trecho de muita pompa, o piano retorna e a flauta fica encarregada de terminar a performance. Um belo arranjo, sem dúvidas.

“Hunter Chance” – Final Fantasy IX (Distant Worlds 2014 em Londres)

Por Alexei Barros

Já cansei de falar sobre minha preferência pelas eras 8 e 16-bit da série Final Fantasy e o quanto elas são negligenciadas nos arranjos para orquestra (nos últimos tempos, nem tanto, é verdade), mas isso não exclui o fato de que ainda há muitas músicas para serem exploradas da trinca de jogos para o PlayStation.

É o caso da “Hunter Chance” (também conhecida por “Festival of the Hunt”) do FFIX, que inacreditavelmente ainda não tinha sido orquestrada e enfim estreou na apresentação em Londres da turnê Distant Worlds em novembro de 2014. Só por causa daquela explosiva versão “Hunter’s Chance”, arranjada pelo Tsuyoshi Sekito para o segundo álbum dos The Black Mages, fico na expectativa por qualquer outro tipo de arranjo dessa composição.

A maior parte das últimas partituras têm sido preparada pelo próprio maestro e produtor da turnê, Arnie Roth, que costuma fazer um bom trabalho, mas nada no nível de um Shiro Hamaguchi, o principal arranjador de Final Fantasy nos espetáculos da série. Por conta desse solo de trompete no início eu arrisco dizer que não é o Arnie Roth, visto que não há esse elemento na música original e ele costuma fazer arranjos literais. Traduzida para orquestra, a faixa consegue manter a empolgação da original, com alternâncias entre as cordas, as madeiras e os metais – os trombones são os que mais se destacam. O áudio só ficou um pouco prejudicado por causa da percussão, mas o iminente álbum Distant Worlds III vai permitir saber melhor se o arranjo é bom mesmo, seja lá quem tenha feito.

Final Fantasy Orchestral Album: tudo por um medley

Por Alexei Barros

Ouvir as 23 faixas do Final Fantasy Orchestra Album me deixa um sentimento duvidoso: ao mesmo tempo em que o álbum traz coisas que vinha pedindo desde o início da turnê Distant Worlds (mais faixas da era 16-bit, uma faixinha do FXII que fosse), essas novidades se diluem em arranjos já tocados, repetidos e exaustivamente gravados (alguns há uma década).

Essa sensação já estava presente no Distant Worlds: music from Final Fantasy (2007) e depois Distant Worlds II: more music from Final Fantasy (2010). A desculpa era: “agora os arranjos vão receber gravações definitivas em estúdio, sem qualquer interferência da plateia”. Daí veio o Distant Worlds: music from Final Fantasy Returning Home. A desculpa foi: “gravação de concerto no Japão, desde 2006 não acontecia nada lá”.  E agora com o Final Fantasy Orchestral Album (mesmo que o álbum não seja da turnê, é dos mesmos produtores) passou a ser: “todas as músicas vão estar em uma qualidade superior, em Blu-ray de áudio”. Eu me pergunto se em 2013 haverá outro lançamento requentado – porque as desculpas, com todo o respeito, já acabaram. Se for levada adiante a tradição de publicações anuais de álbuns, não deve fugir muito disso.

Para completar, a produção fez um expediente que eu considero ainda pior que é incluir as músicas orquestradas já presentes nas trilhas originais ou álbuns arranjos antigos, tendo como subterfúgio a qualidade 24bit/96kHz. É o que acontece com oito faixas do álbum, como a “Memory of the Wind ~Legend of the Eternal Wind~” do Final Fantasy III Original Soundtrack ou a a “Fang’s Theme” do Final Fantasy XIII Original Soundtrack. Os créditos não deixam enganar que são as mesmas gravações dos álbuns citados, mas em qualidade superior. Misturar essas faixas com as novas não é algo que considero digno de um álbum de aniversário de 25 anos da série.

Com isso passado a limpo, finalmente me sinto mais confortável para falar dos novos segmentos gravados pela FILMharmonic Orchestra Prague no Rudolfinum, Dvorak Hall, na República Tcheca. Não todos, porque outra leva se resume a novas gravações de arranjos já conhecidos, como o “Medley 2002”. Espremendo a laranja, temos isto de arranjos seminovos ou inéditos (alguns eu já comentei em posts passados nas apresentações do Distant Worlds):

04 – “The Dreadful Fight” (Final Fantasy IV)
Original: “The Dreadful Fight”

Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Rika Ishige

Final Fantasy IV? Tô dentro. Todo o impacto, a emoção e o sentimento de perigo deste tema de batalha contra chefes do primeiro episódio da série para SNES está aqui, traduzido para as nuances da orquestra. Como já havia afirmado, a faixa original é bastante curta e isso permite variações um pouco mais ousadas na interpretação. A novata Rika Ishige fez isso, explorando a percussão, o naipe de cordas e as alternâncias de metais. Um estouro. Não achei que viveria para ouvir mais FFIV orquestrado em pleno 2013 – não preciso contar de novo o quanto o jogo foi negligenciado através desses anos, preciso?

08 – “Opera “Maria and Draco” Full Version” (Final Fantasy VI)
Originais: “Overture” ~ “Aria Di Mezzo Carattere” ~ “The Wedding Waltz ~ Duel” ~ “Aria Di Mezzo Carattere”

Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Shiro Hamaguchi e Tsutomu Narita
Solistas: Etsuya Ota (mezzo soprano), Tomoaki Watanabe (tenor), Tetsuya Odagawa (baixo)
Coral: Taeko Saito, Eri Ichikawa, Saeco Suzuki, Maiko Tachibana
Narração: Masao Koori

Este número está intitulado “Full Version” porque à versão arranjada por Shiro Hamaguchi que estreou no Tour de Japon, foram acrescentadas as novidades implementadas no arranjo “Darkness and Starlight”, presente no último álbum da finada banda The Black Mages: narração (cadê o balde para eu vomitar?) e um novo excerto que não existia no jogo e inclui a participação do coral. Basicamente, essa parte que só conhecíamos por meio das guitarras e pelo coro formado pelos integrantes do Black Mages foi orquestrada pelo Tsutomu Narita – é um tema de batalha bastante empolgante. Talvez pelo fato de agora serem coristas profissionais e não os próprios músicos dos Black Mages e, justiça seja feita, a narração, na companhia da orquestra, não soar tão deslocada quanto com a banda, o resultado foi melhor. Porém, ainda fico com a épica, avassaladora e paradigmática versão “The Dream Oath ‘Maria and Draco'” de 23 minutos do Orchestral Game Concert 4, única de todas a incluir a “Grand Finale?” (da batalha contra o Ultros), mesmo que não exista um consenso de que essa música faz parte da ópera.

09 – “The Mystic Forest” (Final Fantasy VI)
Original: “The Mystic Forest”

Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Hiroyuki Nakayama

Posso fazer uma confissão: por mais que o FFVI seja o meu favorito e não exista, na minha opinião, uma faixa ruim desse jogo, eu não morro de amores pela “The Mystic Forest” a ponto de querer que ela fosse orquestradas antes de tantas outras. Mas, tudo bem, não há o que reclamar se este é um arranjo novo da era 16-bit. Mesmo que a versão do Symphonic Fantasies soe mais misteriosa pelo coral, esta tem o seu valor. O trecho na flauta é uma pintura e as cordas nos levam de volta às florestas labirínticas do FFVI.

13 – “Eyes On Me” (Final Fantasy VIII)
Original: “Eyes On Me”

Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Shiro Hamaguchi e Tsutomu Narita
Vocal: Crystal Kay

Chega a ser inacreditável que uma das mais famosas composições do Nobuo Uematsu não vinha sendo tocada nos concertos da série. A única vez em que isso aconteceu, acredite, foi no Voices (2006), em uma interpretação voz e piano da Angela Aki. Versão orquestrada? Jamais executada ao vivo, incrivelmente. A canção original já tinha cordas e banda, e agora o Tsutomu Narita deu uma leve enriquecida na orquestração (agora tem umas trompas bem inseridas) e, como sempre acontece nos concertos de Final Fantasy, limando a bateria, o baixo e a guitarra. A graciosa voz da Crystal Kay combinou bem com a música, talvez deixando menos melosa do que com a Faye Wong.

17 – “Unfulfilled Feelings” (Final Fantasy IX)
Original: “Unfulfilled Feelings”

Composição: Nobuo Uematsu
Arranjo: Hiroyuki Nakayama

Tamanha a minha satisfação com os novos arranjos da era 16-bit, eu quase passei despercebido por este segmento. A música introspectiva e sintetizada com timbres que remetem ao cravo ganhou novas dimensões no arranjo do Nakayama, soando até bombástica e grandiosa em alguns momentos. Boa releitura, mas não me comoveu tanto.

21 – “The Dalmasca Estersand” (Final Fantasy XII)
Original: “The Dalmasca Estersand”

Composição: Hitoshi Sakimoto
Arranjo: Arnie Roth e Eric Roth

Neste momento ímpar, enfim temos o registro oficial da música orquestrada que foi originalmente assinada pelo Hitoshi Sakimoto. Ainda que não seja pelas mãos de um arranjador de excelência como o Hayato Matsuo, que tanto sabe lidar com o estilo do Sakimoto, a dupla de pai e filho Roth fez um bom trabalho arroz e feijão, isto é, um arranjo literal da faixa sintetizada (uma ótima escolha, aliás). Que a turnê Distant Worlds explore mais o mundo de Ivallice.

23 – “Battle Medley 2012” (Final Fantasy I~XIV)
Originais: “Prelude” ~ “Battle Scene” (Final Fantasy) ~ “Battle 1” (Final Fantasy II) ~ “Battle 2” (Final Fantasy III) ~ “Fight 2” (Final Fantasy IV) ~ “The Last Battle” (Final Fantasy V) ~ “The Decisive Battle” (Final Fantasy VI) ~ “Those Who Fight” (Final Fantasy VII) ~ “Force Your Way” (Final Fantasy VIII) ~ “Battle 1” (Final Fantasy IX) ~ “Otherworld” (Final Fantasy X) ~ “Awakening” (Final Fantasy XI) ~ “Boss Battle” (Final Fantasy XII) ~ “Blinded by Light” (Final Fantasy XIII) ~ “Prelude” (Final Fantasy)

Composição: Nobuo Uematsu, Kumi Tanioka, Hitoshi Sakimoto e Masashi Hamauzu
Arranjo: Hiroyuki Nakayama

Todo e qualquer aborrecimento se dissipou com a magnitude deste medley de temas de combate. Isso é algo que sempre me perguntei. As músicas de batalha são as que o jogador vai ouvir por mais vezes durante o jogo. Por que então a maioria delas nunca sequer foi arranjada oficialmente?

Por mais que a “Prelude” seja um início clichê para qualquer medley de diferentes jogos da série, o negócio vai esquentando até culminar em explosões de nostalgia. A “Battle Scene”, tema convencional das batalhas do primeiro FF, ficou estrondosa, e logo passa o bastão para a “Battle 1” do FFII, outro tema de batalha normal, que, com as mesmas alternâncias entre flautas e metais, cativa principalmente quem tem na memória os temas em versão 8-bit. No crescendo, a faixa alterna para a “Battle 2” do FFIII, desta vez um tema de chefe que me faz repensar em todos os milagres que o Uematsu concebia no NES. A música dá uma acalmada, mas só para enganar, indo para a geração 16-bit, com a caótica “Fight 2” (FFIV), mais um tema de chefe… Nessa, devo confessar que quase vim a falecer. O que é aquela tuba, penetrando as memórias, atravessando as emoções?

Mas pode ficar melhor na passagem para a “The Last Battle” (FFV), que toca na segunda metade da última batalha. Os metais se destacam no trecho mais fantástico da melodia, enquanto as cordas começam a tocar a… “The Decisive Battle” do FFVI! Há até um solo de piano, posteriormente acompanhado pela flauta, quando os metais voltam a tomar conta. Eis que surge…

A “Those Who Fight”, tema de combate normal do FFVII, já foi arranjada várias vezes, inclusive em versões melhores do que esta (como nas rendições com coral no Symphonic Fantasies e Symphonic Odysseys), mas o que importa? É arrepio atrás de arrepio. Depois de tanta empolgação, o medley dá uma esfriada com uma versão anticlimática da “Force Your Way”, tema de batalha de chefe do FFVIII, que começa no solo de piano e ganha o acompanhamento da orquestra e ficou… calmo demais. Em vez de entrar a 200 km/h e aproveitar o piano para tocar a introdução, essa parte começa a 20 km/h e termina a uns 50 km/h. Soa tão fora da rota que a seguinte já recupera a empolgação: a “Battle 1”, dos combates normais do FFIX. Daí a seguinte, meu amigo, foi um choque equiparável ao ouvir os temas 16-bit: a “Otherworld” do FFX! As guitarras e o vocal da canção heavy metal adaptadas para os metais da orquestra. Verdadeiramente chocante.

Mais uma nova desaceleração acontece com a “Awakening” do FFXI, que adquire mais empolgação com a entrada da percussão e as cordas afiadas. Na sequência, temos a redenção de Hitoshi Sakimoto com a “Boss Battle” do FFXII, mas, infelizmente, esse trecho não pega o tema por inteiro, deixando a parte que considero a melhor, de fora, para privilegiar a transição para a “Blinded by Light” do FFXIII, que não impacta como as demais por já ser orquestrada na trilha original, embora tenha uma ênfase maior nos metais.

O que deveria vir agora é um tema do FFXIV, certo? Só que de maneira picareta, pelo que li no fórum do VGMdb, essa repetição da “Prelude” é considerada a homenagem ao FFXIV. Aparece o logo de cada jogo em cada tema quando o Blu-ray é reproduzido, e nessa hora aparece o logo do MMORPG. Esses grandes momentos compensam os pontos baixos do medley e, por que não do álbum todo, deixando a impressão geral positiva.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: