Archive for the 'Game Music' Category

Final Symphony II: sucesso absoluto em 2015

l_561c726a566b3

Thomas Boecker, Mischa Cheung, Masashi Hamauzu, Nobuo Uematsu, Eckehard Stier e os instrumentistas da LSO são ovacionados ao fim de uma das apresentações no Japão

Por Alexei Barros

Faz tempo que não falo do Final Symphony II, mas o concerto com músicas de Final Fantasy V, VIII, IX e XIII foi um imenso sucesso nas apresentações na Alemanha, Inglaterra e Japão em 2015.

Aliás, no espetáculo de Londres Nobuo Uematsu e o produtor Thomas Boecker ganharam prêmios do Guinness World Records. Uematsu recebeu o prêmio de compositor mais tocado em concertos de games e Boecker foi condecorado por ter produzido o primeiro concerto de games fora do Japão, o First Symphonic Game Music Concert em 2003. Não bastasse isso, Boecker também foi agraciado em novembro com o prêmio “Cultural and Creative Pilots” do governo federal da Alemanha.

Como não poderia deixar de ser, outro momento marcante neste ano foi a miniturnê do Final Symphony II no Japão, com uma apresentação em Osaka e duas em Yokohama com a London Symphony Orchestra e as presenças de Nobuo Uematsu e Masashi Hamauzu. Além deles, os compositores Koji Kondo, Yoko Shimomura, Mahito Yokota e Takenobu Mitsuyoshi assistiram ao espetáculo e ninguém menos do que Hironobu Sakaguchi, criador de Final Fantasy, também esteve presente. O público japonês, tradicionalmente tímido, aplaudiu efusivamente o concerto.

E não vai parar por aí. Em 2016, o Final Symphony II terá novas apresentações. No dia 1 de abril, o Tampere Hall na Finlândia receberá a Tampere Philharmonic Orchestra e o pianista Mischa Cheung, com a regência de Kimmo Tullila. Já em 9 de junho, será a vez da Royal Stockholm Philharmonic Orchestra e do pianista Terés Löf tocarem no Stockholm Concert Hall na Suécia sob a batuta do maestro Giedré Slekyté. Nesta última apresentação, Masashi Hamauzu será um convidado.

Além disso, o primeiro Final Symphony vai ganhar uma apresentação em Amsterdã, Holanda, no dia 7 de maio de 2016, com a Nederlands Philharmonisch Orkest e a pianista Katharina Treutler com o maestro Eckehard Stier. Da mesma forma, em 21 de outubro esse concerto chegará à cidade de Auckland, na Nova Zelândia. Novamente com Eckehard Stier na regência, a performance será da Auckland Philharmonia Orchestra e do pianista Stephen de Pledge no Aotea Centre.

E no dia 6 de outubro, o Symphonic Fantasies, originalmente tocado em 2009, ganhará uma reapresentação no Barbican Hall em Londres, Inglaterra, dessa vez com a London Symphony Orchestra e o London Symphony Chorus com Eckehard Stier. Além de Slava Sidorenko no piano, o concerto terá o percussionista Rony Barrak na darbuka.

Falando do Barbican Hall, os dois vídeos abaixo dão uma amostra da excelência do Final Symphony II. No primeiro aparecem apenas as músicas, enquanto que no outro há depoimentos de fãs de game music intercalados com as cenas do concerto em Londres. Agora é esperar pelo álbum do Final Symphony II…

Fire Emblem 25th Anniversary: a série tática da Nintendo em um concerto emblemático

fe25th_01

A cantora Renka, que dubla a personagem Azura, durante a performance de “if ~Hitori Omou~” (Fire Emblem Fates)

Por Alexei Barros

Neste ano marcado por muitas comemorações musicais no Japão, faltou eu falar do Fire Emblem 25th Anniversary, concerto que comemorou os 25 anos da série de RPG tático da Nintendo. Estranhamente, o espetáculo não foi reportado nos grandes sites japoneses, o que dificultou a garimpagem pela busca de informações.

No total, foram três apresentações: uma no dia 24 de julho e duas no dia 25 do mesmo mês, todas com a Tokyo Philharmonic Orchestra sob a batuta de Ikuro Fujiwara no Tokyo Dome City Hall. Masahiro Sakurai, criador de Kirby e Super Smash Bros., foi o anfitrião do evento que contou com a presença de diversos seiyuus (dubladores japoneses), dependendo da ocasião. Chegou a ser feita até uma performance ao vivo de um minidrama da série (uma espécie de radionovela). Eu estava na expectativa que a Yuka Tsujiyoko, compositora principal de Fire Emblem, tivesse comparecido, mas não foi dessa vez que ela deu as caras.

De acordo com o Fire Emblem Wiki, todos os jogos da série foram representados no programa, exceção feita a Fire Emblem: Thracia 776, um dos últimos jogos do Super Famicom (o título foi lançado em 1999). O site diz que o set list consiste de cinco suítes extensas à la Symphonic Fantasies, mas eu não estou certo disso, já que alguns dos números são medleys, e não faz muito sentido ter medleys dentro de suítes…

Ainda que não conste no site oficial, a canção “if ~Hitori Omou~” do Fire Emblem Fates para Nintendo 3DS foi apresentada, com a performance vocal da cantora Renka. Outra música ausente no site é o número do bis “Fire Emblem Theme (Opera Version)”, arranjo do tema principal originalmente feito para um comercial de TV e recriado para o Super Smash Bros. Brawl. Uma releitura dessa versão havia sido tocada no Press Start 2007.

Para completar, há uma bagunça de nomes das faixas e dos jogos. Fire Emblem do GBA, o primeiro jogo da série lançado no Ocidente, era o sétimo considerando todos que saíram no Japão. Embora os seis anteriores (dois do Famicom, três do Super Famicom e ainda um do GBA), não tenham aterrissado neste lado do mundo, a Nintendo criou os títulos oficiais em inglês de alguns desses jogos por conta da extensa participação dos personagens em Super Smash Bros. Esses nomes, por sua vez, se confundem com a tradução literal dos títulos em japonês. Para citar um exemplo: o supracitado Fire Emblem de 2003 é conhecido no Japão por Fire Emblem Rekka no Ken, que literalmente em inglês seria Fire Emblem: The Sword of Flame. Porém, o site do concerto se refere a esse jogo como  Fire Emblem: Blazing Sword. Para evitar a confusão, eu também coloquei links de referência para os jogos no programa.

Segundo o relato do site Serenes Forest, o concerto foi oficialmente gravado, mas por ora não há nenhuma informação a respeito do álbum em CD ou, sonhando muito, o DVD. A foto que abre o post é a única que eu encontrei do espetáculo. Em compensação, há diversas fotos da memorabilia disponível no evento aqui, aqui, aqui e aqui.

[ATUALIZAÇÃO 1] Foi só eu falar do concerto que anunciaram o DVD da apresentação! O lançamento foi agendado para 26 de fevereiro de 2016.

[ATUALIZAÇÃO 2] Um vídeo de procedência misteriosa mostra trechos da apresentação. Valeu MajoraMan28 pela descoberta.

Set list

Main Theme
01. “Fire Emblem Main Theme” (Fire Emblem: Ankoku Ryuu to Hikari no Tsurugi)

He Who Succeeds the Light

02. “Strife of Agustria” (Fire Emblem: Seisen no Keifu)
03. “Eldigan the Lionheart” (Fire Emblem: Seisen no Keifu)
04. “The Final Holy War” (Fire Emblem: Seisen no Keifu)
05. “Ending Ballad” (Fire Emblem: Seisen no Keifu)

Hero-King
06. “Shadow Dragon and Blade of Light Story Medley” (Fire Emblem: Ankoku Ryuu to Hikari no Tsurugi)
07. “Gaiden Story Medley” (Fire Emblem Gaiden)
08. “Legend of the Divine Dragon” (Fire Emblem: Monshou no Nazo)
09. “He Who Carves a New History” (Fire Emblem: Monshou no Nazo)

10. “if ~Hitori Omou~” (Fire Emblem Fates)

Manaketes and Sacred Stone
11. “The Binding Blade, Blazing Sword, Sacred Stones Battle Medley” (Fire Emblem: Fuuin no Tsurugi, Fire Emblem Rekka no Ken e Fire Emblem: The Sacred Stones)
12. “Suspicious -The Theme of the Three Dragon Generals-“ (Fire Emblem: Fuuin no Tsurugi)
13. “Winds Across the Plains” (Fire Emblem Rekka no Ken)
14. “Treasured Memories” (Fire Emblem: The Sacred Stones)

Radiance and Awakening
15. “Life Returns” (Fire Emblem: Path of Radiance)
16. “Bonds, Eternal” (Fire Emblem: Radiant Dawn)
17. “…somehow, it feels a bit itchy.” ~ “My name is MARTH.” (Fire Emblem: Awakening)
18. “Id” Medley (Fire Emblem: Awakening)

Bis
19. “Fire Emblem Theme (Opera Version)” (Super Smash  Bros. Brawl)

[via Fire Emblem 25th Anniversary, Fire Emblem Wiki, Barks, nijiiroleina.blog49, Reddit e Serenes Forest]

Game Symphony Japan 14th Concert Sega Special: o dia em que a Sega voltou ao estrelato

l_5620b49b87337

O coral não perdeu a oportunidade de fazer uma coreografia

Por Alexei Barros

Confesso que ultimamente nem tenho me animado muito em falar dos concertos pró-amadores. À medida que eles aumentam de quantidade, os registros diminuem. Os posts sempre ficam na lamentação… Bom, este não será muito diferente, mas não tinha como passar batido.

l_5620b49b8d11f

O showman Takenobu Mitsuyoshi cantou músicas como “Let’s Go Away” e “Burning Hearts ~Angel~”

No dia 10 de outubro, o Tokyo Art Theater Concert Hall sediou o Game Symphony Japan 14th Concert Sega Special, simplesmente um concerto com músicas da Sega em um total de três atos. O primeiro foi dedicado ao Sonic; o segundo teve jogos variados como Fantasy Zone, Daytona USA, Virtua Fighter 2 e Burning Rangers; e o terceiro foi enfocado no NiGHTS into dreams…, chegando a contar com quase todas as músicas da trilha. Para completar, ainda teve um bis com algumas reprises.

Se isso por si só já não fosse sensacional o bastante, a apresentação ganhou um tom oficial pela presença de diversas personalidades da produtora: Yuji Naka, um dos criadores do Sonic; os compositores Hiroshi Kawaguchi, Takenobu Mitsuyoshi, Jun Senoue, Tomoko Sasaki, Naofumi Hataya e Tomoya Ohtani; o dublador Kagawa Nomizuwari; e o produtor Yosuke Okunari (responsável pela série 3D Classics na Sega). Até porque, para ter tanta gente assim, certamente eles adquiriram a licença para executar as músicas.

Mais fantástico é que tanto o Jun Senoue (na guitarra) como o Takenobu Mitsuyoshi (no vocal) participaram do espetáculo de uma forma que nunca tinha sido feita antes, já que não existiam arranjos orquestrados de Sonic Adventure e Daytona USA. Com regência de Kenichi Shimura, a performance foi da Tokyo Chamber Orchestra e do coral Tokyo Philharmonic Chorus. Também tocaram a banda Meine Meinung, o baterista Issei Machiyama e o tecladista Ryuta. No final, ainda teve o grupo vocal Sega Hard Girls, formado por seis cantoras.

Infelizmente, o Game Symphony Japan não tem costume de publicar gravações das apresentações e parece que não foi dessa vez que eles mudaram de hábito. Veja abaixo o set list, com links para as músicas originais.

Concert Sega Special_03

Jun Senoue tocando guitarra com a orquestra foi uma das grandes atrações do concerto. Como ninguém teve essa ideia antes?

Ato I
01. “Title” ~ “Green Hill Zone” (Sonic the Hedgehog)
02. “Chemical Plant Zone” (Sonic the Hedgehog 2)
03. “Sky Sanctuary Zone” ~ “Title” (Sonic & Knuckles)
04. “Emerald Coast Zone” (Sonic Adventure)
05. “Escape from the City” ~ “Live & Learn” (Sonic Adventure 2)

Ato II

06. “Segagaga March” (Segagaga)
07. “Mexican flyer” ~ “Ulala’s Swinging Report Show” ~ “Spaceport: Introducing Ulala!!” (Space Channel 5)
08. “ハロハロナリヤンス音頭” (New Roommania: Porori Seishun)
09. “Geki! Teikoku Kagekidan” (Sakura Wars)
10. “Opa-Opa!” (Fantasy Zone)
11. “Beginning” ~ “Akira” ~ “Lion” ~ “Kage” (Virtua Fighter 2)
12. “Let’s Go Away” (Daytona USA)
13. “Conquista Ciela” (Cyber Troopers Virtual-On Marz)
14. “I Will Die for You (Complete Version)” (Feel the Magic: XY/XX)
15. “赤ちゃんはどこからくるの?” (The Rub Rabbits!)
16. “Burning Hearts ~Angel~” (Burning Rangers)

Ato III

17. “Fragmented Nights” ~ “Gate of Your Dream” ~ “Paternal Horn” ~ “Gloom of The N.H.C.” ~ “Suburban Museum” ~ “The Amazing Water” ~ “Take The Snow Train” ~ “Under Construction” ~ “The Dragon Gave a Loud Scream” ~ “She Had Long Ears” ~ “Deep It Lies” ~ “E-LE-KI Sparkle” ~ “The Mantle” ~ “NiGHTS and Reala” ~ “Growing Wings” ~ “D’Force Master” ~ “Peaceful Moment” ~ “NiGHTS, Forever in Our Heart” ~ “Sowing Seeds” ~ “DREAMS DREAMS” ~ “Fragmented Nights:Epilogue Ver.” (NiGHTS into dreams…)

Bis

18. “ハロハロナリヤンス音頭” (New Roommania: Porori Seishun) [reprise]
19. “Geki! Teikoku Kagekidan” (Sakura Wars) [reprise]
20. 社歌 若い力 -SEGA HARD GIRLS MIX-

Concert Sega Special_02

Mais de 100 pessoas no palco, com convidados, instrumentistas, vocalistas… Dá para chamar esse concerto de amador?

Agradecido ao sempre atento seguista Rafael Fernandes por me manter atualizado sobre as novidades desse concerto.

[via Famitsu]

Tales of Orchestra Concert: 20th Anniversary: duas décadas de contos musicais

Originalmente lançado para Super Famicom em 1995, Tales of Phantasia demorou 20 anos para ganhar segmentos orquestrados

Por Alexei Barros

Sei que vou soar bastante repetitivo, mas não me canso de ressaltar como ultimamente tem aumentado a quantidade de concertos focados em séries específicas que não sejam Dragon Quest e Final Fantasy. Uma dessas franquias pouquíssimo exploradas em apresentações orquestrais teve o seu dia de glória em 9 de dezembro: a série Tales of, da Namco, em comemoração dos seus 20 anos.

E o melhor é que o álbum desse espetáculo, o Tales of Orchestra Concert: 20th Anniversary, já foi confirmado para o dia 9 de março de 2016. Apresentada no Tokyo International Forum Hall A, a récita foi tocada pela Tokyo Philharmonic Orchestra, com a regência do maestro Hirofumi Kurita, o mesmo do Gyakuten Saiban Special Courtroom 2008 (concerto de Ace Attorney). Os compositores Motoi Sakuraba e Go Shiina Também compareceram no espetáculo.

Tales of Orchestra Concert_03

A cantora e compositora Bonnie Pink fez uma participação surpresa com a performance da canção de Tales of Vesperia

Devo confessar que sou uma completa negação de Tales of. Minha única experiência se limita ao Tales of Legendia, jogo que procurei avançar motivado justamente pela magnífica trilha musical orquestrada do compositor Go Shiina. Mas minha empolgação esfriou ao perceber que no jogo as músicas não soavam tão maravilhosas como no álbum Tales of Legendia Original Soundtrack. A explicação disso é que as faixas na verdade foram melhoradas para o lançamento em CD.

Por ter músicas orquestradas, Tales of Legendia marcou uma das poucas aparições da série em concertos, figurando em apresentações como o A Night in Fantasia 2007 e o Press Start 2009. No Tales of Orchestra Concert, o Legendia foi representado com apenas uma música, que pelo menos é diferente das que vinham sendo tocadas: a “A Firefly’s Light”, canção que teve a voz da mesma cantora da trilha original, a Mayumi Sudo. Mesmo assim, eu estava sonhando com “Chasing Shirley” com seu incrível violino ou então a “TAO -melfes version-“, arranjo sinfônico do tema cantado pelo grupo Do As Infinity.

Ainda sobre isso, me surpreendeu a quantidade de músicas originalmente interpretadas por artistas J-pop que ganharam arranjos, como a “progress” (Tales of Xiilia) da cantora Ayumi Hamasaki ou a “White Light” (Tales of Zestiria) da banda superfly. Até onde eu entendi, todas essas músicas foram orquestradas em versões instrumentais. Curiosamente, outra música executada com participação de uma cantora, a Bonnie Pink em “The Full Moon and the Morning Star ~ from “Ring a Bell”, é de uma faixa originalmente instrumental, simulando uma caixinha de música. De resto, o programa passeou por diferentes jogos com músicas de Motoi Sakuraba, incluindo o primeiro jogo, Tales of Phantasia, do Super Famicom. Lembro que é muito raro aparecerem composições dele nos concertos, portanto foi sem dúvidas uma ocasião bastante inesperada e especial. Felizmente, daqui a alguns meses tudo isso será apreciável no CD do espetáculo.

Tales of Orchestra Concert_02

Antes desse concerto, apenas Baiten Kaitos havia aparecido no Press Start entre as grandes trilhas de Motoi Sakuraba. Por ora, nada de Star Ocean, Valkyrie Profile ou Dark Souls orquestrados

Abaixo, o programa completo do concerto, com links para as músicas originais dos 18 números tocados. Não deixe de clicar nos links dos reports no fim do post para ver outras fotos da apresentação.

Ato I

01. “Sorey’s Theme ~Purity~” (Tales of Zestiria)
02. “The Dream Will Not Die ~The Spilling Drops of Time~” (Tales of Phantasia)
03. “For the sake of mutual proof” (Tales of Xillia 2) ~ “Lion-Irony of fate” (Tales of Destiny) ~ “Decisive” (Tales of Phantasia) ~ “Scutum – decisive battle” (Tales of Rebirth) ~ “Coup de Grbce” (Tales of Destiny 2)
04. “Raising a Curtain” ~ “The Second Act” ~ “Final Act” (Tales of Phantasia)
05. “Eternal Mind” (Tales of Eternia)
06. “Captivated by the Journey” (Tales of Xillia)
07. “Starry Heavens” (Tales of Symphonia)
08. “progress” (Tales of Xillia)
09. “The End of a Nightmare, But Still in the Middle of a Dream” ~ “This Advancement Will Not Be Stopped” (Tales of Innocence)

Ato II

10. “The Full Moon and the Morning Star ~ from “Ring a Bell” (Tales of Vesperia) – vocal: Bonnie Pink
11. “Richea’s Lullaby” (Tales of Hearts)
12. “Royal Capital ~Majestic Grandeur~” (Tales of Graces)
13. “A Firefly’s Light” (Tales of Legendia) – vocal: Mayumi Sudou
14. “Testing the Passionate Bonds” ~ “Competing with the Honor of the Land” ~ “The Melody of Water Will Lead the Way” ~ “Struggle Between the Wind and Twinkling Sky” (Tales of Zestiria)
15. “Journey’s End” (Tales of Zestiria)

Bis

16. mirrors ~ “meaning of birth” (Tales of the Abyss)
17. “White Light” (Tales of Zestiria)
18. “Like a Dream” (Tales of Destiny)

Tales of Orchestra Concert_04

O gigantesco telão do espetáculo alternava entre as imagens dos instrumentistas/solistas e as cenas em anime dos jogos da série Tales of

[via Tales of Orchestra, Famitsu, Gamer, Dengeki Online e 4Gamer.net]

Novo concerto de Phantasy Star no horizonte – desta vez, focado na vertente Online

Sympathy 2015

Por Alexei Barros

Foi com imensa surpresa que recebi dois anos atrás a notícia do concerto Sympathy 2013: Phantasy Star 25th Anniversary, que, como o nome diz, celebrou os 25 anos da série de RPGs iniciada no Master System. Esperava que essa fosse uma ocasião isolada, mas, pelo jeito, a Sega tomou gostou pela coisa, ainda que não da forma que os fãs mais inveterados gostariam.

No dia 23 de novembro, mais conhecido como amanhã, acontecerá o Sympathy 2015: Phantasy Star Online Series 15th Anniversary Concert no Pacifico Yokohama Convention Center. Desta vez, porém, o programa será totalmente dedicado à subsérie Online, que começou sua trajetória no Dreamcast. Chega a ser irônico, já que no espetáculo de 2013, houve apenas um único segmento da série clássica (excelente, por sinal) e o restante era dos jogos mais recentes da saga.

Com regência de Masamichi Amano, a performance será da Sympathy Special Orchestra e contará com a participação especial de diversos cantores como Annette Marie Cotrill, Emi Nitta, Halko Momoi e outros. O mais curioso é que entre eles está o Takenobu Mitsuyoshi. Segundo o set list já revelado, ele vai cantar de novo o tema do Burning Rangers (espero que a performance seja melhor).

O Sympathy 2015 terá uma transmissão online pelo Nico Nico (paga, evidentemente) e, além disso, no dia 24 de março de 2016 serão lançados um CD triplo com as músicas da apresentação e um Blu-ray.

Grato ao Fabão por esclarecer as dúvidas a respeito dessa notícia.

[via Famitsu, Sega]

Com Nobuo Uematsu, Piano Opera music from Final Fantasy chega a São Paulo em 2016

20150617_FFPO_Wildfaery_Header)_900x200
Por Alexei Barros

Segura a bomba: no  dia 2 de março de 2016, a turnê mundial Piano Opera music from Final Fantasy aterrissará em São Paulo, com a vinda do compositor Nobuo Uematsu. Essa notícia não é exatamente uma novidade, mas como era boa demais para ser verdade e já tivemos alarmes falsos antes, eu aguardei por mais informações. Em 2014, o pianista Hiroyuki Nakayama havia passado pelo Brasil e na ocasião prometeu que da próxima vez Uematsu viria com ele. E eu fiquei duvidando…

20150617_FFPO PhotosDiferentemente do concerto anterior, que foi gratuito, a apresentação de 2016 será paga. De acordo com o site oficial do evento, os ingressos estariam à venda no final de outubro, mas já estamos em novembro e até agora nada. De qualquer forma, para tirar fotos e pegar autógrafos de Nobuo Uematsu e Hiroyuki Nakayama, será preciso comprar um dos 150 ingressos VIPs. O espetáculo histórico para o contexto brasileiro acontecerá no Teatro Gamaro, no bairro da Mooca.

Enquanto o set list de 2014 passeava por Final Fantasy I a VI, o recital de 2016 será enfocado nos episódios VII, VIII e IX, com os arranjos do álbum Piano Opera Final Fantasy VII/VIII/IX. Dessa vez, haverá um telão mostrando cenas dos jogos – espero que isso não provoque no público um comportamento inapropriado para um concerto de solo de piano.

A visita à cidade de São Paulo faz parte de uma turnê mundial que começa em novembro deste ano e passará por 12 países. As apresentações acontecerão em Paris (França), Bruxelas (Bélgica), Estocolmo (Suécia), Londres (Inglaterra), Taipei (Taiwan), Seul (Coreia do Sul), Hong Kong, Singapura, Nova York e Los Angeles (EUA) e acabará na Cidade do México (México) – São Paulo vai ser a penúltima cidade a receber o evento.

[ATUALIZAÇÃO] O site do Ingresso Rápido já iniciou a venda de ingressos.

[via Wildfaery]

To Far Away Times: Chrono Trigger & Chrono Cross Arrangement Album: o aguardado CD que se perdeu no tempo e no espaço


Por Alexei Barros

Nove anos depois de prometido, enfim o álbum arranjado de Chrono Cross foi lançado,  dividindo essa honraria com o predecessor Chrono Trigger. Para ser direto, To Far Away Times: Chrono Trigger & Chrono Cross Arrangement Album não compensou, no meu entendimento, essa longa espera.

O disco aposta em performances vocais, mas também traz arranjos orquestrais e uma releitura com uma banda celta. Talvez o CD já comece errado por aí. Acredito que seria melhor ter mais versões sinfônicas e uma ou outra música com vocal como bônus – o Myth foi muito mais feliz nesse aspecto. Com tantas faixas cantadas, eu lançaria um outro disco só nesse estilo, como é o Final Fantasy Song Book: mahoroba, por exemplo. Porém, não é por isso que o To Far Away Times deixa de apresentar arranjos bastante apreciáveis, incluindo as releituras cantadas.

Além disso, se a ideia era abordar a série toda, o CD não promove nenhuma interação entre as músicas de Chrono Trigger e Cross, fazendo uma divisão muito clara entre cinco faixas para cada jogo. A suíte “Fantasy III: Chrono Trigger/Chrono Cross” do Symphonic Fantasies, que considero o ápice musical entre as homenagens que a série já recebeu, explora muito mais a relação entre os dois jogos, promovendo um diálogo entre ambos os trabalhos de Mitsuda. No To Far Away Times, apenas uma única faixa faz uma tímida associação entre as duas trilhas (“Schala’s Theme” – falo mais a respeito adiante). E outra: onde estão os medleys? Medley de temas de personagens, medley de temas de combate, medley de temas do mapa-múndi… Nada disso foi explorado.

Tudo fica ainda mais lamentável quando lembro que a própria trilha do Chrono Cross já faz muitas referências a Chrono Trigger. Quem não se lembra que o tema “Time’s Grasslands – Home World” evoca de maneira maravilhosa na cítara o tema principal “Chrono Trigger” ou então, ainda mais óbvio, que o tema da vitória “Victory ~Spring’s Gift~” de Chrono Cross é a “Fanfare 1 (Lucca’s Theme)” de Chrono Trigger?

Ainda que o álbum não tenha nenhuma abominação no nível da “Zeal Palace” do The Brink of Time ou alguma excentricidade como a “Kaze no you ni” do cantor J-pop Shota Shimizu (lembra?), eu fico com a sensação de que poderia ser muito melhor. Mas vejamos faixa por faixa.

01. “Scars of Time” (Chrono Cross)
Original: “Scars of Time”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Tomohiko Kira
Vocal: Koko Komine

Com tantas performances e exaustivas repetições, eu esperava muito mais de um arranjo oficial do tema mais famoso de Chrono Cross. Meu maior desgosto com essa releitura é justamente o vocal com versos em japonês da Koko Komine, embora a participação dela não seja tão extensa durante a canção. O andamento mais pausado tirou toda a empolgação na virada da música e nem a adição da guitarra ajudou a melhorar – a faixa perdeu todo o clima mágico, especialmente pela ausência do violino. Honestamente, é uma versão para esquecer.

02. “Radical Dreamers” (Chrono Cross)
Original: “Radical Dreamers”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Sachiko Miyano
Vocal: Sarah Àlainn

O álbum começa a esquentar, indo direto para o tema de encerramento de Chrono Cross. A diferença é que a música já era cantada na trilha original pela Noriko Mitose. Espero não chocar com esta afirmação, mas não morro de amores pela “Radical Dreamers” que toca no jogo. Agora essa nova releitura melhora a canção 100%. Em vez dos versos em japonês (mesmo na versão americana) e um solitário violão no acompanhamento, o arranjo é cantado em inglês e apresenta uma instrumentação de maior riqueza, com intervenções de piano, violino e violoncelo. A voz da australiana Sarah Àlainn é encantadora, deixando a experiência muito mais agradável.

03. “Wind Scene” (Chrono Trigger)
Original: “Wind Scene”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Kumi Tanioka e Sachiko Miyano

O tema de 600 A.D. aparecia brevemente no “Chrono Trigger Medley ~Orchestra Version~” do Orchestra Extra com a participação da flauta. Dessa vez, o arranjo não apresenta instrumentos de sopro e é totalmente centrado no piano e cordas. É em partituras assim que se destacam os grandes arranjadores, já que ele precisa explorar a melodia de várias formas e com variações coerentes. Essa tarefa foi cumprida com absoluto êxito pela dupla de arranjadoras Kumi Tanioka e Sachiko Miyano.

04. “Schala’s Theme” (Chrono Trigger)
Original: “Schala’s Theme”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Yasunori Mitsuda e Laura Shigihara
Vocal: Laura Shigihara

Reouvindo o tema da Schala original, dá para sentir um quê de Chrono Cross, mesmo que a trilha de Chrono Trigger tenha sido feita cinco anos antes. O arranjo aproveita isso de certa forma com o violão e o tin whistle que me fizeram lembrar a “The Girl Who Stole the Stars” de Chrono Cross. Os dois instrumentos permeiam o vocal mágico com versos em japonês da Laura Shigihara – pelo pouco que entendi da entrevista que Yasunori Mitsuda concedeu ao site da Famitsu, a semelhança foi intencional. A harpa e as cordas foram capazes de elevar essa versão ao estado sublime.

05. “The Frozen Flame” (Chrono Cross)
Original: “The Frozen Flame”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Natsumi Kameoka

Chegamos à metade do álbum e enfim uma música de Chrono Cross em um arranjo orquestral. Enquanto a faixa original contava com timbres de harpa, piano e um instrumento de sopro (uma flauta, talvez?), essa nova versão tira a mencionada variedade de instrumentos para se focar nas cordas em um trabalho simples, mas competente da Natsumi Kameoka.

06. “Marbule” (Chrono Cross)
Original: “Marbule”

Composição e arranjo: Yasunori Mitsuda

Diferentemente dos demais arranjos instrumentais do álbum que são sinfônicos, essa versão traz a performance de uma banda que reforça a influência celta da composição. A faixa começa com um acordeão que desperta a nostalgia e, com mais de um minuto de música, a percussão, o bouzouki e o tin whistle entram em cena. O violino é o instrumento que mais se destaca com um solo virtuosístico.

07. “The Bend of Time” (Chrono Cross)
Original: “The Bend of Time”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Natsumi Kameoka

Enfim aparece no álbum a primeira música revelada do projeto. Originalmente um solo de violão, ela ganhou uma nova camada de profundidade nesse reconfortante arranjo para cordas.

08. “Corridors of Time” (Chrono Trigger)
Original: “Corridors of Time”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Yasunori Mitsuda e Laura Shigihara
Vocal: Laura Shigihara

Agora cantando em inglês, Laura Shigihara se destaca com sua voz adocicada. A música original tinha um clima etéreo, com timbre de cítara, e essa atmosfera ganhou uma nova cara com o acompanhamento do piano e das cordas.

09. “On The Other Side” (Chrono Trigger)
Original: “Epilogue~To Good Friends”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Kazune Ogihara e Laura Shigihara
Vocal: Laura Shigihara

Na última participação de Shigihara, ela volta a cantar em inglês e esse foi o resultado que mais me surpreendeu, já que a simplicidade da música original combinou maravilhosamente bem com o arranjo vocal. O piano e, em menor grau, as cordas, sustentam a bela atuação de Shigihara. No final, ela se limita a cantarolar enquanto o piano toca a melodia.

10. “To Far Away Times” (Chrono Trigger)
Original: “To Far Away Times”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Sachiko Miyano
Vocal: Sarah Àlainn

Na música-título do álbum, o tema dos créditos de Chrono Trigger desponta nesse maravilhoso arranjo cantado. O início tranquilo da melodia já é de cortar o coração, mas a canção só melhora quando entra a bateria e o restante dos instrumentos. Mesmo com tudo isso, a releitura respeita a faixa original, colocando até o trecho que remete ao tema principal “Chrono Trigger”, imitando uma caixinha de música. Uma canção digna de homenagear os 20 anos de Chrono Trigger.


RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.625 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: