Posts Tagged 'Eckehard Stier'

Video Game Music in Concert: uma nova transmissão em vídeo direto da Alemanha

motiv_03-400x400
Por Alexei Barros

Há tempos que não acontecia um concerto de games na Alemanha com transmissão em vídeo – a verdade é que o Symphonic Fantasies, lá em 2009, nos deixou mal acostumados. Depois do Symphonic Odysseys (2011), se não me engano, o último havia sido o Symphonic Selections (2013).

Esse hiato vai acabar com a transmissão em vídeo do Video Game Music in Concert, concerto com a Munich Radio Orchestra no Prince Regent Theatre em Munique, Alemanha. O espetáculo será conduzido pelo maestro Eckehard Stier, com moderação de Nino Kerl.

O programa será um mix de números já executados em outros concertos, mas com alguns segmentos curiosos, como  Angry Birds e Clash of Clans. Do pouco que vi no YouTube de transmissões de apresentações com outras temáticas, a captação de imagens é suprema.

Jonne Valtonen: Fanfare for the Common 8-bit Hero
Chris Huelsbeck: Turrican II: Concerto for Laser and Enemies
Nobuo Uematsu: Blue Dragon: Waterside
Ari Pulkkinen: Angry Birds – Medley
Nobuo Uematsu: Final Fantasy VI – Symphonic Poem
Jonne Valtonen: Albion Online – Medley
Ari Pulkkinen: Super Stardust – Medley
Martin Schiøler: Clash of Clans
Chris Huelsbeck: Great Giana Sisters- Suite

A récita está marcada o dia 1 de fevereiro, e o concerto vai começar às 16h30 no horário de Brasília. O link para a transmissão é este – inclusive há até uma contagem regressiva para o início do espetáculo.

[ATUALIZAÇÃO] No mesmo link da transmissão é possível ver a gravação do concerto na íntegra.

[via BR-Klassik Concert, Münchner Rundfunkorchester]

Final Symphony II: sucesso absoluto em 2015

l_561c726a566b3

Thomas Boecker, Mischa Cheung, Masashi Hamauzu, Nobuo Uematsu, Eckehard Stier e os instrumentistas da LSO são ovacionados ao fim de uma das apresentações no Japão

Por Alexei Barros

Faz tempo que não falo do Final Symphony II, mas o concerto com músicas de Final Fantasy V, VIII, IX e XIII foi um imenso sucesso nas apresentações na Alemanha, Inglaterra e Japão em 2015.

Aliás, no espetáculo de Londres Nobuo Uematsu e o produtor Thomas Boecker ganharam prêmios do Guinness World Records. Uematsu recebeu o prêmio de compositor mais tocado em concertos de games e Boecker foi condecorado por ter produzido o primeiro concerto de games fora do Japão, o First Symphonic Game Music Concert em 2003. Não bastasse isso, Boecker também foi agraciado em novembro com o prêmio “Cultural and Creative Pilots” do governo federal da Alemanha.

Como não poderia deixar de ser, outro momento marcante neste ano foi a miniturnê do Final Symphony II no Japão, com uma apresentação em Osaka e duas em Yokohama com a London Symphony Orchestra e as presenças de Nobuo Uematsu e Masashi Hamauzu. Além deles, os compositores Koji Kondo, Yoko Shimomura, Mahito Yokota e Takenobu Mitsuyoshi assistiram ao espetáculo e ninguém menos do que Hironobu Sakaguchi, criador de Final Fantasy, também esteve presente. O público japonês, tradicionalmente tímido, aplaudiu efusivamente o concerto.

E não vai parar por aí. Em 2016, o Final Symphony II terá novas apresentações. No dia 1 de abril, o Tampere Hall na Finlândia receberá a Tampere Philharmonic Orchestra e o pianista Mischa Cheung, com a regência de Kimmo Tullila. Já em 9 de junho, será a vez da Royal Stockholm Philharmonic Orchestra e do pianista Terés Löf tocarem no Stockholm Concert Hall na Suécia sob a batuta do maestro Giedré Slekyté. Nesta última apresentação, Masashi Hamauzu será um convidado.

Além disso, o primeiro Final Symphony vai ganhar uma apresentação em Amsterdã, Holanda, no dia 7 de maio de 2016, com a Nederlands Philharmonisch Orkest e a pianista Katharina Treutler com o maestro Eckehard Stier. Da mesma forma, em 21 de outubro esse concerto chegará à cidade de Auckland, na Nova Zelândia. Novamente com Eckehard Stier na regência, a performance será da Auckland Philharmonia Orchestra e do pianista Stephen de Pledge no Aotea Centre.

E no dia 6 de outubro, o Symphonic Fantasies, originalmente tocado em 2009, ganhará uma reapresentação no Barbican Hall em Londres, Inglaterra, dessa vez com a London Symphony Orchestra e o London Symphony Chorus com Eckehard Stier. Além de Slava Sidorenko no piano, o concerto terá o percussionista Rony Barrak na darbuka.

Falando do Barbican Hall, os dois vídeos abaixo dão uma amostra da excelência do Final Symphony II. No primeiro aparecem apenas as músicas, enquanto que no outro há depoimentos de fãs de game music intercalados com as cenas do concerto em Londres. Agora é esperar pelo álbum do Final Symphony II…

Versão ocidental do Final Symphony entra em pré-venda; veja trecho da suíte de FFVII

Por Alexei Barros

Com músicas de Final Fantasy VI, VII e X, o Blu-ray de áudio do espetáculo Final Symphony estará à venda no Japão no dia 16 de setembro. Ainda não há uma data de lançamento para a versão ocidental, mas o álbum entrou em pré-venda no site americano da Square Enix.

Para celebrar a ocasião, foi publicado um vídeo que mostra um excerto da “Words Drowned by Fireworks”, o segundo movimento da extensa suíte de Final Fantasy VII arranjada por Jonne Valtonen. Como o Final Symphony não foi transmitido ao vivo, o vídeo gravado com a London Symphony Orchestra no Abbey Road Studios dá um gostinho de como seria ver a apresentação.

O trecho corresponde à bela faixa romântica também conhecida por “Interrupted by Fireworks”, que não costumava ser uma música lembrada em concertos. Com todo o hype provocado pelo anúncio do remake de Final Fantasy VII, não poderia haver momento mais apropriado para resgatar memórias do RPG do PlayStation.

Link para a pré-venda americana aqui.

Final Symphony ganha Blu-ray de áudio

53591-1435317963Por Alexei Barros

Gravado no Abbey Road Studios com a London Symphony Orchestra, o espetáculo Final Symphony, que já havia sido publicado digitalmente em fevereiro de 2015, enfim receberá lançamento físico. Para comportar mais de 90 minutos de música de FFVI, VII e X arranjadas por Jonne Valtonen, Roger Wanamo e Masashi Hamauzu, o álbum será um Blu-ray de áudio, que garante a qualidade 96 kHz/24 bit e som 5.1. Surround.

Além do disco, o pacote inclui um livreto com informações sobre os arranjos e fotos coloridas de todas as sessões de gravação em Londres – sempre gosto desse tipo de coisa.

Com número de catálogo SQEX-20021, o Blu-ray do Final Symphony será publicado pela Square Enix com lançamento marcado para o dia 16 de setembro no Japão ao preço de ¥ 4.500 (fora as taxas). O álbum também terá uma versão ocidental, com data a ser anunciada.

Para os afortunados espectadores das apresentações do sucessor Final Symphony II em Bonn no dia 29 de agosto e em Londres, em 12 de setembro, há planos de que o Blu-ray já esteja à venda nessas cidades.

[via Spielemusikkonzerte, Square Enix]

 

Final Symphony: concerto será gravado no Abbey Road Studios com a London Symphony Orchestra

header_finalsymphony
Por Alexei Barros

Chegou o momento: o espetáculo Final Symphony finalmente vai ganhar um álbum, previsto para o início de 2015. Com extensas suítes de Final Fantasy VI, VII e X arranjadas, respectivamente, por Roger Wanamo, Jonne Valtonen e Masashi Hamauzu, o concerto estreou lá em maio de 2013 na Alemanha e já havia passado pela Inglaterra, Suécia, Dinamarca, Finlândia e Japão. Até então apreciá-lo com a qualidade que a apresentação merece era um privilégio só para quem viu ao vivo nas respectivas casas de espetáculos desses países (a não ser pelo fantástico vídeo da “Final Fantasy VI Symphonic Poem (Born with the Gift of Magic)” gravado em Estocolmo).

Diferentemente dos CDs do Symphonic Shades, Symphonic Fantasies e Symphonic Odysseys, que foram registrados ao vivo, a gravação será feita em estúdio, mas não em qualquer estúdio: no renomado Abbey Road Studios em Londres (a mixagem e a masterização também), com a supervisão de Nobuo Uematsu, compositor original da maioria das músicas da série que foram arranjadas para esse espetáculo (as demais foram assinadas pelo Masashi Hamauzu). Cada local contou com a participação de uma orquestra diferente, mas a escolhida para a performance foi a London Symphony Orchestra, que evidentemente tocou na apresentação do Final Symphony em Londres, no que foi o primeiro concerto de games dessa afamada orquestra.

O maestro Eckehard Stier, que conduziu a maioria das apresentações do Final Symphony, regerá a gravação e quem tocará piano é a Katharina Treutler – ela foi a solista nos concertos na Dinamarca, Suécia e Japão. A distribuição será feita pela X5 Music Group, que recentemente fez o lançamento digital do Symphonic Fantasies Tokyo. “O álbum vai mostrar a game music em sua qualidade mais alta e eu mal posso esperar para compartilhá-lo com o mundo”, afirma o produtor Thomas Boecker.

O anúncio foi feito hoje na rádio britânica Classic FM, a maior rádio de música erudita do planeta, que reservou um especial na sua programação com as melhores composições de game music de 2014 (acompanhei parte da transmissão e achei bem interessante). O melhor é que antes do lançamento do Final Symphony, a Classic FM vai transmitir com exclusividade um trecho do álbum.

[via Spielemusikkonzerte]

Final Symphony: report in loco do concerto alemão com Final Fantasy VI, VII e X

Por Alexei Barros

Não, eu não ia passar batido, claro: no sábado passado, dia 11 de maio, foi apresentado na Alemanha o Final Symphony, o novo concerto com a mesma turma da série Symphonic e que tanto já mencionei aqui: Thomas Boecker, Jonne Valtonen, Roger Wanamo, Benyamin Nuss etc. Desta vez, porém, a apresentação não teve a performance da WDR Radio Orchestra, que tocou diferentes programas de games de 2008 a 2012. A simples presença dessa orquestra garantia que o concerto sempre fosse transmitido ao vivo – o que até então era um ineditismo – não só pelo rádio, como em algumas ocasiões em vídeo também.

Neste ano, o espetáculo foi executado pela Sinfonieorchester Wuppertal, curiosamente sem a companhia de nenhum coral como nas outras oportunidades. Com isso, o privilégio de ouvir as músicas em interpretações sinfônicas ficou restrito aos espectadores da apresentação, como o Luiz “Radical Dreamer” Macedo, frequente comentarista aqui no blog (os posts é que não são tão mais frequentes). O Luiz já havia assistido in loco, em Colônia, ao Symphonic Odysseys em 2011 e, se vocês se lembrarem bem, ainda descolou autógrafos do Nobuo Uematsu em três CDs. Agora, aproveitando o intercâmbio na França, ele repetiu a dose e esteve presente no concerto na cidade de Wuppertal, no que acredito ter sido uma experiência ímpar, porque sei da admiração dele pelo Masashi Hamauzu.

A novidade é que o Luiz escreveu um report para compartilhar no Hadouken! Para não deixar os leitores apenas na vontade, eu disponibilizo logo aqui no começo o set list completo do Final Symphony, com links para uma gravação amadora compartilhada pela internet de ótima qualidade que permite ter uma bela noção do que foi o espetáculo. Como faço com os meus reports à distância, também linkei as músicas originais que o Luiz mencionou ao longo da análise.

Ato I
01 – “Fantasy Overture: Circle Within a Circle Within a Circle”
02 – “Final Fantasy VI Symphonic Poem (Born with the Gift of Magic)”
03A  – “Final Fantasy X Piano Concerto: I. Zanarkand”
03B – “Final Fantasy X Piano Concerto: II. Inori”
03C – “Final Fantasy X Piano Concerto: III. Kessen”

Ato II
04A – “Final Fantasy VII: Symphony in Three Movements: I. Nibelheim Incident”
04B – “Final Fantasy VII: Symphony in Three Movements: II. Words Drowned by Fireworks”
04C – “Final Fantasy VII: Symphony in Three Movements: III. The Planet’s Crisis”
05 – “Encore I: Final Fantasy VII”
06 – “Encore II: Final Fantasy VI” Continue lendo ‘Final Symphony: report in loco do concerto alemão com Final Fantasy VI, VII e X’

Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente


Por Alexei Barros

Por mais tempo que um indivíduo se dedique a uma determinada obra, sempre há espaço para melhorias. Quem é perfeccionista e vê o que foi feito anos depois, fica com vontade de mexer aqui, retocar ali e até, por que não, começar do zero. Isso em qualquer atividade. Nos videogames, esse aperfeiçoamento vem na forma das atualizações online. Na música e, especialmente, nas músicas orquestrais, o trabalho de aprimoramento é muito maior. Já imaginou ter que imprimir todas as partituras dos instrumentistas de novo? Pelo tempo e dinheiro que se gasta com isso, os polimentos são raros nos concertos de games.

Mas, quando o Symphonic Fantasies, originalmente executado em 2009 na Colônia, Alemanha, é frequentemente exaltado – “absoluto” e “impoluto” foram adjetivos frequentes quando me referi ao concerto e depois ao álbum publicado em 2010 –, logo você vai imaginar que a produção do espetáculo se acostumará com os elogios, repousando na confortável zona de conforto das reprises idênticas à primeira apresentação. Porém, nada disso aconteceu quando o Symphonic Fantasies foi mostrado em Tóquio em janeiro de 2012, récita esta registrada no álbum Symphonic Fantasies Tokyo, lançado em 11 de junho deste ano.

O impacto causado pelo Symphonic Fantasies foi muito grande há três anos. De uma só vez, o concerto revolucionou nas suítes gigantes (de cerca de 18 minutos), na transmissão em vídeo ao vivo para todo o mundo e na qualidade impecável da performance. Dessa forma, foram feitos convites para apresentações em outros países, e o próprio Nobuo Uematsu sugeriu levar o Symphonic Fantasies ao Japão. Mas, para chegar nesse nível, foram necessários 14 dias cheios de ensaios. Ter todo esse tempo livre nas agendas de orquestras pelo mundo não é comum.

Enquanto isso, graças ao êxito do Symphonic Fantasies, aconteceram mais dois concertos-tributo em Colônia: o Symphonic Legends, em homenagem à Nintendo, em 2010, e o Symphonic Odysseys, em reverência ao Nobuo Uematsu, em 2011. Ainda no ano passado aconteceu o LEGENDS, uma revisão do Symphonic Legends na Suécia que serviu para o produtor Thomas Boecker tirar a conclusão de que seria possível ter a mesma qualidade apresentada na Alemanha com apenas dois dias de ensaio. “A experiência em Estocolmo com LEGENDS me mostrou que, se as partituras forem bem-feitas e os músicos estiverem motivados e forem bons, vai funcionar”, disse antes da realização do Symphonic Fantasies em Tóquio. Além disso, os arranjos foram ajustados para otimizar a performance. “Quanto mais conhecimento o arranjador tiver, ele pode encontrar soluções para fazer soar bem sem ser MUITO difícil de tocar. Então é isso que vamos fazer. O tempo que vamos ganhar dessa forma será gasto para fazer soar ainda mais emocionante, mais bonito.”

Com isso, Boecker decidiu investir em 2012 no Symphonic Fantasies em Tóquio, no décimo ano consecutivo em que ele produz concertos de games, chegando ao país onde tudo começou. O primeiro dessa dezena, o First Symphonic Game Music Concert, em 2003, foi também primeiro espetáculo de game music fora do Japão. Para tanto, ele contratou a Tokyo Philharmonic Orchestra, a mais antiga orquestra de música erudita nipônica (formada em 1901), e o Tokyo Philharmonic Chorus, ambos recorrentes em álbuns e récitas de jogos eletrônicos. Benyamin Nuss no piano e Rony Barrak na darbuka voltaram ao palco e, no lugar do norte-americano Arnie Roth, o alemão Eckehard Stier assumiu a regência. Foram realizadas apresentações nos dias 7 e 8 de janeiro no Tokyo Bunka Kaikan, o mesmo local do Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert. No primeiro dia, estiveram presentes Hiroki Kikuta (Secret of Mana) e Yasunori Mitsuda (Chrono Trigger e Cross) e, no outro, além dos dois, a mestra Yoko Shimomura (Kingdom Hearts). Para completar o quarteto de compositores da Square que haviam comparecido ao espetáculo em Colônia, só ficou faltando mesmo o Nobuo Uematsu.

Como o Symphonic Fantasies original já tinha sido lançado em CD na Europa e no Japão, não seria de esperar que a versão mostrada em Tóquio também fosse. Eis que inesperadamente em maio de 2012 o álbum Symphonic Fantasies Tokyo foi anunciado e em junho foi lançado – por enquanto, somente com publicação no continente europeu.

A principal diferença é que, enquanto o álbum do Symphonic Fantasies original condensava todo o concerto em um CD e deixava o segmento do bis para lançamento digital, o álbum do Symphonic Fantasies Tokyo cobre o espetáculo na íntegra, forçando a divisão do programa em dois discos. O primeiro, com a abertura e as suítes de Kingdom Hearts e Secret of Mana; o outro com as suítes de Chrono e Final Fantasy e o novo bis.

O encarte, com 20 páginas repletas de fotos das apresentações e perfis dos envolvidos, possui agora um prefácio assinado pelo Masashi Hamauzu, que não teve músicas executadas no concerto, mas vem se tornando cada vez mais frequente nas produções do Thomas Boecker. Aliás, só de ver o nome dele, já me deu vontade de que fosse feita uma suíte da série SaGa – obscura no ocidente, mas popular no Japão –, com os seus trabalhos no SaGa Frontier II e especialmente no Unlimited Saga. Mas essa vontade fica para uma próxima. Outra decisão que achei acertada foi a adoção do inglês no texto, dada a universalidade do idioma, visto que, no álbum gravado na Alemanha, a edição japonesa estava escrita na língua local e, na europeia, em alemão. O único ponto um pouco chato disso é a dificuldade de retirar o encarte da caixa do álbum, porque ficou bastante justo, no limite. Se você conseguiu tirar uma vez, é provável que não vai querer fazer isso de novo com medo de estragar o papel.

Uma grande vantagem do Symphonic Fantasies Tokyo em relação ao Symphonic Fantasies é justamente o fato de o concerto ter sido gravado no Japão. Como dito aqui tantas vezes, o público nipônico é extremamente acanhado e, verdade seja dita, educado. Uma plateia inteligente, que respeita a performance e quer apreciá-la, quer fazer valer o ingresso. Durante os dois CDs não há um pio sequer da plateia e nem mesmo aplausos ao final da execução de cada número, o que dá ao Symphonic Fantasies Tokyo a impressão de ter sido gravado em estúdio tamanho o silêncio. No CD do Symphonic Fantasies dá para ouvir, durante a execução do tema dos Chocobos, um “woow” proferido por um fã tresloucado. Hoje, esse cara deve estar muito por feliz por ter o grito eternizado e arranhado a perfeição da performance. Aqui não há nada disso, muito felizmente. Por isso… viva os japoneses!

Já adianto que, excetuando o Encore, todo o resto da seleção de músicas arranjadas é similar ao primeiro Symphonic Fantasies. Mesmo que continue achando que algumas faixas poderiam entrar (nada vai me tirar da cabeça que fez muita falta a “Danger” no Secret of Mana e talvez mais alguma música animada do jogo), não vou repetir tudo o que já falei. É tudo uma questão de comparações. Se na ocasião do concerto eu confrontei os arranjos orquestrais com as originais e no review do álbum coloquei frente a frente os arranjos da mixagem do CD com a versão transmitida, o cotejo agora será entre os dois álbuns. As novidades do Symphonic Fantasies Tokyo estão nas entrelinhas, nas interpretações, nas sutilezas, portanto vamos revisitar aos poucos, com calma, as histórias contadas pelas suítes no palco do concerto realizado na Terra do Sol Nascente.

Continue lendo ‘Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente’


RSS

Twitter

RSS Box art do dia

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: