Posts Tagged 'Shoji Meguro'

Game Symphony Japan 21st Concert Atlus Special ~Persona 20th Anniversary~: entre tantos shows, um surpreendente concerto de aniversário


Por Alexei Barros

E falando em Persona orquestrado… No dia 6 de dezembro foi lançado no Japão o Blu-ray Game Symphony Japan 21st Concert Atlus Special ~Persona 20th Anniversary~, que corresponde ao concerto comemorativo de 20 anos da série Persona realizado no ano passado, em 25 de dezembro de 2016. O lançamento custa 7344 ienes, o equivalente hoje a indecentes 214 reais (com taxas e impostos, o negócio vai ainda mais longe).

A Game Symphony costuma fazer essas apresentações temáticas e esta foi a primeira vez em que um espetáculo deles saiu oficialmente. Antes disso, apenas dois números de Puyo Puyo daquele concerto temático da Sega da Game Symphony saíram na coletânea Puyo Puyo 25th Anniversary CD.

Eu gosto bastante dos shows com banda da série Persona que acontecem desde 2008, porém sempre sentia falta de um naipe de metais mais encorpado (só um saxofone?) e cordas em algumas músicas – por exemplo, sempre sonhei ouvir a “Signs of Love” com todos os violinos que a música tem direito. Na verdade, vou continuar sonhando porque essa faixa não foi tocada.

De qualquer forma, o set list buscou resgatar as raízes da série, com blocos de cerca de quatro músicas para cada jogo, desde o Persona original até Persona 5 – na época da realização da apresentação, o RPG do PlayStation 3 e 4 ainda nem tinha sido lançado nos EUA. A diferença que faz a performance de uma orquestra nas composições de Shoji Meguro fica evidente na amostra no vídeo abaixo que, entre algumas músicas, brilha com o tema de abertura “Wake Up, Get Up, Get Out There” de Persona 5 na voz da cantora Lyn.

Além dela, as cantoras Yumi Kawamura, Shihoko Hirata (figuras frequentes nos shows com banda) e Tomoko Komiya (cantora lírica da “Poem for Everyone’s Souls”) também participaram do concerto que teve a performance da Tokyo Chamber Orchestra e do Tokyo Philharmonic Chorus, com regência do maestro Kenichi Shimura. Pelo vídeo, deu para ver que uma banda com bateria, baixo, guitarra e teclado também tocou em uma mistura interessante com a orquestra.

Como bônus, o Blu-ray ainda contém números extras tocados em apresentações passadas, com direito até a uma música de Persona Q: Shadow of the Labyrinth (pena que não é a estupidamente fantástica “Disturbances – The One Called from Beyond” do Yuzo Koshiro).

Tracklist:

Game Symphony Japan 21st Concert – 25/12/2016 (Suntory Hall)
01. “Poem for Everyone’s Souls” (Revelations: Persona)
02. “Opening” (Revelations: Persona)
03. “Legends Awaken” (Revelations: Persona)
04. “Battle ~ Tesso” (Shin Megami Tensei: Persona)
05. “Between Life and Death” (Revelations: Persona)
06. “Snow Queen” (Revelations: Persona)
07. “Opening” (Persona 2: Innocent sin.)
08. “Knights of the Holy Spear” (Persona 2: Innocent Sin.)
09. “Joker Theme” (Persona 2: Innocent Sin.)
10. “Kimi no Tonari” (Persona 2: Innocent Sin – PSP)
11. “Opening” (Persona 2: Eternal Punishment)
12. “Maya Theme” (Persona 2: Eternal Punishment)
13. “Boss Battle” (Persona 2: Eternal Punishment)
14. “Change Your Way” (Persona 2: Eternal Punishment)
15. Burn My Dread (Persona 3)
16. “Heartful Cry” (Persona 3)
17. “Because I Will Protect You” (Persona 3)
18. “Memories of You” (Persona 3)
19. “Pursuing My True Self” (Persona 4)
20. “I’ll Face Myself -Battle-“ (Persona 4)
21. “Mist” (Persona 4)
22. “Never More” (Persona 4)
23. “Wake Up, Get Up, Get Out There” (Persona 5)
24. “Life Will Change” (Persona 5)
25. “Beneath the Mask” (Persona 5)
26. “Our Beginning” (Persona 5)
27. Hoshi To Bokura To (Persona 5)
28. “「Hymn No.109」Silent Night, Holy Night”
29. “Satomi Tadashi Pharmacy Song” (Shin Megami Tensei: Persona)
30. “Jika Net Tanaka” (Persona 3)
31. “Persona Ondo” (Persona 2: Innocent Sin.)
32. “Battle for Everyone’s Souls” (Persona 3)

Game Symphony Japan 18th Concert – 13/08/2016 (Tokyo Metropolitan Theatre Concert Hall)
33. “Poem for Everyone’s Souls” (Revelations: Persona)

Game Symphony Japan 19th Concert – 27/11/2016 (Tokyo Opera City Concert Hall)
34. “changing me” (Persona Q: Shadow of the Labyrinth)
35. “Price” (Persona 5)
36. “Satomi Tadashi Pharmacy Song” (Shin Megami Tensei: Persona)
37. “Jika Net Tanaka” (Persona 3)
38. “Persona Ondo” (Persona 2: Innocent Sin.)
39. “Junes Theme” (Persona 4)

[via Mastard Records]

Anúncios

The Game Awards 2017: o despertar para a game music do Japão

Por Alexei Barros

Performances musicais costumam ser comuns no The Game Awards, mas nesta edição de 2017 o evento foi permeado por três números orquestrais, além de uma música da banda francesa Phoenix. Se não estiver me esquecendo de nada, apenas no Spike Video Awards 2012, como a premiação era chamada na época, uma orquestra apresentou um medley com os candidatos a jogo do ano na ocasião.

Antes de comentar a parte sinfônica, preciso fazer uma confissão: eu tenho uma bronca com essas participações de orquestras em eventos ocidentais. Enquanto no Japão isso acontece com a maior trivialidade há tempos, no Ocidente o negócio costuma ser feito nas coxas ou então apresentar músicas pouco interessantes ou até mesmo tediosas. Falo isso quando me lembro da E3 2011 num tempo em que a Nintendo ainda fazia conferências ao vivo com uma orquestra de estudantes meio desencontrada tocando Zelda. A conferência da Sony na E3 2016 com abertura de God of War me pareceu mais caprichada, mas não achei a música executada tão fora de série.

Por isso, não tinha muita expectativa para o The Game Awards 2017 nesse aspecto musical, porém fui bastante surpreendido pelo resultado, ainda que nem tudo seja perfeito como veremos. Os três números foram tocados pela não tão numerosa The Game Awards Orchestra, que foi reforçada por talentosos instrumentistas adicionais posicionados à frente do palco.

– Abertura

O formato de medley, mesmo que seja basicamente uma sucessão de músicas simples, é um dos meus favoritos, desde que exista alguma relação entre as escolhas, o que não parece ser o caso na abertura do evento – a menos que eu tenha perdido alguma coisa. Por mais que fosse aleatório, ao menos o medley poderia se destacar em alguns pontos… O problema é que as músicas foram tocadas tão rapidamente, em tão poucos segundos, que ficou difícil reconhecer as faixas ou mesmo ter tempo o suficiente para apreciar as melodias, especialmente considerando que o telão não avisava de qual jogo era a música que estava sendo executada. Não acho o telão fundamental, mas já que estava lá… Aproveito inclusive para agradecer o comentário do Júlio César no YouTube detalhando todas as músicas, o que me poupou horas de pesquisa e tentativas de identificar cada pedaço (muitas eu provavelmente nunca descobriria).

A “Life Will Change” do Persona 5 é impactante logo de início, mas não entendo muito bem a ideia de interromper o solo de guitarra do nada – ainda mais sendo esta tocada por ninguém menos do que Synyster Gates, da banda Avenged Sevenfold. Outro momento curioso é o solo do bizarro otamatone da Michaela Nachtigall (violinista da fantástica banda Tetrimino, que eu ainda preciso falar a respeito) durante a música de Super Mario World.

Pesquisando aqui e ali consegui descobrir todos os instrumentistas extras e, entre eles, destaco a Tina Guo, violoncelista chinesa que já tocou em várias trilhas de filmes (Mulher-Maravilha), games (Journey, Assassin’s Creed Syndicate, Call of Duty: Black Ops III) e até lançou no início deste ano um álbum solo com arranjos de músicas de jogos chamado Game On!.

Otamatone: Michaela Nachtigall
Guitarra: Synyster Gates
Violoncelo: Tina Guo
Flauta: Pedro Eustache
Baixo: Jerry Watts Jr.
Violino: Molly Rogers e Leah Zeger
Bateria: Satnam Ramgotra

“Life Will Change” (Persona 5) ~ “Main Theme” (Dragon Age Inquisition) ~ “Main Theme” (The Witcher 3: Wild Hunt) ~ “Main Theme” (The Last of Us) ~ “Opening Theme” (The Secret of Monkey Island) ~ “Botanic Panic” (Cup Head) ~ “Overworld” (Super Mario World) ~ “At Doom’s Gate” (Doom) ~ “Dragonborn” (The Elder Scrolls V: Skyrim) ~ “Journey” (Destiny 2) ~ “Techno Syndrome” (Mortal Kombat) ~ “Main Theme” (The Legend of Zelda)

– Overwatch

Não havia me atentado para a trilha sonora do popular FPS multiplayer da Blizzard, mas fui surpreendido por uma bela peça orquestral neste espaço dado ao GOTY 2016, ainda que bem diminuta. Ouvi mais melodias do que costumo encontrar nos outros jogos da casa. Como este número não é exatamente o que me motivou a fazer o post, confesso que não me dei ao trabalho de identificar as faixas executadas. Mas fica o registro.

– GOTY 2017

Diferentemente da abertura, que foi meio aleatória, este medley tinha um razão de existir e, para completar, as músicas de cada jogo foram tocadas por mais tempo e com imagens ilustrativas. Repetindo o que foi feito no Spike VGA 2012, foi apresentado um medley dos candidatos a GOTY. A diferença é que, dessa vez, a parte musical dos jogos é infinitamente mais interessante. Ver jogos tão recentes, com muitos representantes japoneses… Acho que não cometo nenhuma heresia se falar que eu senti um gostinho do extinto Press Start nessa miscelânea.

Logo de início, Tina Guo mostra a que veio no violoncelo, sendo acompanhada pouco depois pela flauta do venezuelano Pedro Eustache que confere uma sonoridade latina ao tema emotivo de Horizon Zero Dawn (de certa forma presente bem de leve no início da faixa original). Muito brevemente Eustache também brilha em Zelda, mas são os violinos é quem mais se destacam.

O que vem depois é o momento “para tudo”: Persona 5? Com orquestra? Com baixo elétrico? Uns anos atrás se me falassem que um jogo japonês como Persona 5 iria aparecer em uma apresentação ocidental dessas (ainda mais em um evento não focado especificamente em game music) eu não ia acreditar. Além dos violinos afiadíssimos da Molly Rogers e da Leah Zeger, eu mais uma vez preciso elogiar a participação de Eustache nesse momento. Na faixa original não tem nada parecido com flauta e é realmente surpreendente que uma composição moderna, ainda que japonesa, combinasse tanto com suas assopradas no ritmo da música. No próprio YouTube, Eustache comentou que ele mesmo desenhou e produziu em uma impressora 3D um bocal de uma Bulul (flauta oblíqua da Armênia) e o adicionou à sua flauta tranversal.

Em uma boa transição, o medley segue para o sucesso Playerunknown’s Battlegrounds com a música menos melódica da performance. Li muitos comentários irônicos de que o jogo nem sequer tem trilha sonora e, para completar, não consegui identificar a faixa (aparentemente, o tema do menu da atualização de novembro de 2017 é a que chega mais perto entre as faixas que escutei).

Eu já estava morto desde o Persona 5 quando observo incrédulo a Kate Higgins entrando para o palco para cantar a “Jump Up, Super Star!” que elogiei tanto no post passado. Seria perfeito se não fosse um detalhe. De maneira muito suspeita, o sincronismo labial da cantora não bate com a música, e a performance vocal soa parecida demais com a original. Muito provavelmente, Higgins não se sentiu confiante o bastante para cantar ao vivo, embora parecesse estar com a letra na ponta da língua. Pelo menos, os metais e o baixo de Jerry Watts Jr. deram o tom na envolvente canção jazzística.

Violoncelo: Tina Guo
Flauta: Pedro Eustache
Baixo: Jerry Watts Jr.
Violino: Molly Rogers e Leah Zeger
Bateria: Satnam Ramgotra
Vocal: Kate Higgins

“Aloy’s Theme” (Horizon Zero Dawn) ~ “Main Theme” (The Legend of Zelda: Breath of the Wild) ~ “Rivers in the Desert” (Persona 5) ~ (Playerunknown’s Battlegrounds) ~ “Jump Up, Super Star!” (Super Mario Odyssey)

A maior ironia do evento, como muitos já comentaram no YouTube e no Twitter, é que NieR:Automata venceu o prêmio de melhor trilha sonora de 2017 e não teve nenhuma música tocada durante a apresentação (diferentemente de Doom em 2016). De qualquer forma, um jogo japonês ganhar esse prêmio ocidental também me parecia algo impossível uns anos atrás. Basta relembrar que na época do Spike VGA, trilhas como Shadow of the Colossus e Super Mario Galaxy nem sequer foram nomeadas. Ou nem precisa ir tão longe e ver que Bloodborne também não foi aventado nessa categoria. Tirando isso, fica na memória a boa impressão deixada pela The Game Awards Orchestra, que, a julgar pela descrição no site oficial, estreou neste ano para tocar em futuras edições do evento.

Press Start 2015: o fim de uma era

press2015Por Alexei Barros

Pelo excesso de reprises, eu esperava uma despedida um tanto melancólica do Press Start. Mesmo assim, estava no aguardo do tradicional report do concerto no site da Famitsu, que produziu a série japonesa de espetáculos orquestrais. E eu fiquei esperando… esperando… esperando… E nada. Nada de fotos da apresentação também.

O jeito foi me basear nas análises dos blogues japoneses, que sempre se preocupam em detalhar o set list o máximo possível. O concerto foi realizado em duas apresentações no dia 8 de agosto (e eu extrapolando todos os limites da demora para fazer post), com performance da Kanagawa Philharmonic Orchestra no Tokyo Metropolitan Art Space. Pelo menos foi feita uma surpresa bacana no final. Set list e minhas considerações a seguir.

Ato I

01. Final Fantasy VIII: “Liberi Fatali”
02. “Classic Medley 2015 Ver.”
03. Super Mario Bros.: “Overworld” ~ “Underwater” ~ “Underworld” ~ “Overworld”
04. The Legend of Zelda: “Main Theme”
05. Shadow of the Colossus: “Revived Power ~ Battle With the Colossus” ~ “Grotesque Figures ~ Battle With the Colossus~”
06. Ace Combat Zero: The Belkan War: “Zero”
07. Legend of Mana: “Legend of Mana ~Title Theme~” ~ “Colored Earth” ~ “Hometown Domina” ~ “Ruined Sparkling City” ~ “Song of Mana ~Opening Theme~”

Ato II

08. Ore no Shikabane o Koete Yuke: “Flower”
09. Rhythm Heaven: “Ninja”
10. El Shaddai: Ascension of the Metatron: “Theme of El Shaddai” ~ “The Faraway Creation ~ Enoch’s Theme” ~ “Tragic Scream”
11. Xenoblade Chronicles: “Xenoblade” ~ “Gaur Plains” ~ “Mechanical Rhythm” ~ “Riki the Legendary Hero” ~ “Sator, Phosphorescent Land / Night” ~ “Those Who Bear Their Name” ~ “Confrontation with the Enemy”
12. Mother: “Pollyanna (I Believe In You)” ~ “Bein’ Friends” ~ “Eight Melodies”
13. Chrono Trigger/Cross: “A Premonition” ~ “Chrono Trigger” ~ “Wind Scene” ~ “Frog’s Theme” ~ “Decisive Battle with Magus” ~ “Epilogue ~ To Beloved Friends” (Chrono Trigger) ~ “Frozen Flame” ~ “Marbule: Home” ~ “Scars of Time” (Chrono Cross)
14. “Goodbye Medley”:
Press Start 2006
– ICO
– PopoloCrois Story
– Ys I & II
Press Start 2007
– Kingdom Hearts
– Space Invaders
– Super Smash Bros. Brawl
– Sakura Wars
Press Start 2008
– Wild Arms 2
– Spelunker
– Final Fantasy IX
Press Start 2009
– Persona 4
– Okami
– Final Fantasy X
– Kirby’s Dream Land
Press Start 2010
– New Super Mario Bros. Wii
– Muramasa: The Demon Blade
– Famicom Disk System Start-up
Press Start 2011
– 428 ~Fuusasareta Shibuya de~
– Pokémon Red & Blue
– NieR
– Xenogears
Press Start 2012
– Kid Icarus: Uprising
– Final Fantasy XI
– Ihatovo Monogatari
Press Start 2014
– Toukiden
– Final Fantasy XIII
– Super Smash Bros. for Wii U e 3DS

“Liberi Fatali” é uma das reprises mais batidas em concertos da série Final Fantasy, mas nunca tinha sido tocada no Press Start. Aliás, a escolha dessa música do FFVIII foi uma surpresa para mim, porque o Press Start não vinha usando corais em suas apresentações. Acredito que foi usado um coro não muito grande.

– Em relação aos convidados, a soprano Oriko Takahashi mais uma vez cantou a “Zero” de Ace Combat Zero. Mesmo sem ter participado da gravação da trilha original, ela foi a intérprete mais recorrente dessa música fabulosa com toques de flamenco no Press Start.

– A “Song of Mana” teve a voz da australiana Louise Bylund, que morou por diversos anos de sua vida na Suécia e atualmente reside no Japão. Essa mistura garantiu que ela fosse a escolhida para a performance dessa maravilhosa canção, que tem versos em sueco.

– A Lioko Kihara foi outra convidada do espetáculo e, diferentemente das outras duas cantoras, ela também tocou piano ao melhor estilo Angela Aki no segmento de Ore no Shikabane o Koete Yuke.

– Como de praxe, o duo ACE formado por Tomori Kudo (guitarra) e CHiCO (vocal) participou da performance de Xenoblade Chronicles, além da cantora Manami Kiyota.

– O segmento de Mother é o mesmo tocado no Press Start 2010, inclusive com os versos do álbum vocal Mother (1989) escritos pela letrista Linda Henrick (provavelmente um pseudônimo). Na ocasião, a performance contou com a voz da cantora Melody Chubak, que na época tinha 13 anos. Agora com 18, a moça voltou as palcos para cantar no mesmo segmento.

– Além do quinteto que produz o concerto (Taizo Takemoto, Kazushige Nojima, Shogo Sakai, Nobuo Uematsu e Masahiro Sakurai), também estiveram presentes os compositores Keiki Kobayashi e Masato Kouda. A Yoko Shimomura deixou uma mensagem em vídeo.

– Não foi feita nenhuma homenagem musical a Satoru Iwata, mas o desfecho do concerto foi bastante especial. Embora muito provavelmente não seja um segmento com transições elaboradas, o medley final resgata seleções icônicas de todas as edições anteriores do Press Start, com exceção de 2013, ano que foi tomado por reprises. Fantástica a ideia!

– Foi uma satisfação ter acompanhado e feito os posts sobre o Press Start durante esses nove anos, mesmo com tão raros registros oficiais das performances. Mal custo a acreditar que o primeiro post que fiz no Hadouken, lá em 2006, era justamente sobre a primeira edição do concerto a qual fiquei extasiado com uma mera gravação da plateia.

Não existiu outra série de apresentações com um repertório tão diversificado, cheio de seleções únicas e surpreendentes. Claro que tamanha variedade me fez querer mais e é uma pena saber que o Press Start acabou sem tocar músicas de jogos que dificilmente veremos nos demais concertos, como Bayonetta, Eternal Sonata, Panzer Dragoon, Valkyria Chronicles, Front Mission, Dark Souls e tantos outros.

Eu torço fortemente para que se não o próprio Press Start, outra série de concertos japonesa apareça algum dia sem demorar muito – houve um hiato de nove anos entre o Orchestral Game Concert 5 de 1995 e o Press Start 2006, considerando apresentações sinfônicas no Japão que abrangem diversas franquias.

Press Start: vou sentir saudades.

Grato ao Fabão pelos links e também pelas diversas informações e traduções nos posts do Press Start.

Foto tirada no Press Start 2008, com alguns dos maiores nomes japoneses de game music (além de outros desenvolvedores): Noriyuki Iwadare, Nobuo Uematsu, Motoi Sakuraba, Yasunori Mitsuda, Mahito Yokota, Kazushige Nojima, Michiko Naruke, Shogo Sakai, Koichi Sugiyama, Masahiro Sakurai e Koji Kondo

[via sarian198919, mugendai, comdoc5964nijiiroleina 1, 2 e 3]

Press Start 2014: a celebração musical de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS

Como na época do Super Smash Bros. Brawl, o Press Start foi no embalo de um lançamento da série. Neste ano, o primeiro ato inteiro e o bis tiveram relação com o novo jogo para o 3DS


Por Alexei Barros

Se você estava contando os dias para o lançamento de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS eventualmente soube que o jogo saiu 13 de setembro no Japão. Aproveitando a ocasião, o Press Start 2014 aconteceu nesse dia, com duas apresentações no Tokyo Metropolitan Art Space e performance da Kanagawa Philharmonic Orchestra com programa idêntico em ambas as ocasiões. O primeiro ato foi todo dedicado às músicas relacionadas com o jogo portátil, ao passo que o segundo foi mais variado. Seguindo a tradição, confira o set list detalhado para depois saber minhas observações sobre o concerto baseado nas informações que consegui filtrar do report da Famitsu.

Ato I

01. Super Smash Bros. for Nintendo 3DS: “Main Theme”
02. Super Mario Bros.: Medley
03. Super Metroid: “Space Warrior – Samus Aran’s Theme”
04. Star Fox: “Planet Corneria”
05. Donkey Kong Country: “Jungle Level”
06. Animal Crossing: New Leaf: Kotobuki Land Medley
07. Kirby’s Dream Land: “Green Greens”
08. Kid Icarus Uprising: “Dark Pit’s Theme”
09. The Legend of Zelda: Ocarina of Time: “Gerudo Valley”
10. Mega Man 2: Medley
11. Fire Emblem: Shadow Dragon: “Fire Emblem”
12. Pokémon X & Y: Battle! (Trainer Battle)

Ato II

13. Persona 4: “Poem for the Souls of Everybody” ~ “Reach Out To The Truth” ~ “A Corner of Memory”
14. Castlevania: Symphony of the Night: “Dracula’s Castle” ~ “Wood Carving Partita” ~ “Lost Painting” ~ “Dance of Pales” ~ “Death’s Ballad”
15. Etrian Odyssey: “Labyrinth I – Emerald Woodlands [Dungeon 1F~5F]” ~ “Battle – Initial Strike [Normal Battle – First Part]” ~ “Battle – Destruction Begets Decay [Normal Battle – Last Part]” ~ “Labyrinth V – The Fallen Capital of Shinjuku [Dungeon 21F~25F]”
16. Suikoden: “Into a World of Illusions”
17. Toukiden: “The Time of Oni” ~ “Ephemeral” ~ “March of Heroes” (Toukiden: The Age of Demons) ~ “ウタカタ・秋艶” ~ “千年ヲ駆ケシモノ” (Toukiden Kiwami)
18. Pokémon X & Y: “Title Screen” ~ “Kalos Region Theme” ~ “Lumiose City” ~ “Snowbelle City” ~ “The Sun Shines Down”
19. Final Fantasy XIII: “Vanille’s Theme” ~ “Blinded By Light” ~ “Final Fantasy XIII – The Promise”

Bis

20. The Legend of Zelda: Ocarina of Time: “Zelda’s Lullaby” ~ “Song of Storms” ~ Epona’s Song ~ “Song of Time” ~ “Saria’s Song”
21. EarthBound: “Onett”
22. Super Smash Bros. for Nintendo 3DS: “Staff Roll (Super Smash Bros.) Ver. 2”

Continue lendo ‘Press Start 2014: a celebração musical de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS’

Press Start 2014 anunciado com boas novidades na primeira meia dúzia de segmentos

Por Alexei Barros

Estava demorando, mas enfim: pelo nono ano consecutivo será realizado o concerto Press Start no Japão. Em 2014, o espetáculo está agendado para o dia 13 de setembro no Tokyo Metropolitan Art Space, que já recebeu a apresentação em 2009, 2010 e 2013. Com regência de Taizo Takemoto, a performance será da Kanagawa Philharmonic Orchestra, que tocou nas edições de 2008, 2010 e 2011 do Press Start.

Diferente de 2013, que foi um ano repleto de reprises e me forçou a exagerar na embromação dos posts, o Press Start 2014 promete resgatar a maior virtude do concerto: as seleções bastante incomuns de jogos japoneses que, por algum motivo ou outro, jamais apareceriam em apresentações ocidentais. Ao menos a primeira meia dúzia de jogos me deixou uma boa impressão. Vamos a elas.

– Super Smash Bros. (com músicas das séries Super Mario, Donkey Kong, The Legend of Zelda, Metroid, Kirby, Star Fox, Pokémon, Fire Emblem, Kid Icarus, Animal Crossing e Mega Man)

Veja que coisa: exatamente no dia da realização do Press Start 2014, 13 de setembro, a versão de Super Smash Bros. para 3DS vai ser lançada no Japão. Então é provável que a maioria do público esteja travando altos embates com Mario, Sonic, Mega Man e Pac-Man enquanto aguardam pelo início do concerto.

Quanto ao segmento, o Press Start já tem um longo histórico com Super Smash Bros., até porque o criador da série Masahiro Sakurai é um dos responsáveis pela produção. Não dá para se esquecer do impacto do tema de abertura do Super Smash Bros. Brawl tocado em uma versão explosiva no Press Start 2007 (em 2006, a faixa foi executada em uma performance instrumental).

A diferença é que, pelo que entendi, em 2014 será um medley com músicas de toda a série. Além de contar com o vastíssimo repertório musical da Nintendo, a série se caracteriza por ótimas composições originais, como comprovado em um medley fantástico em um show da Nintendo com uma big band que vergonhosamente não publiquei aqui ainda. Mas o “Smash Bros. Great Medley” do Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert (com faixas do Melee) já deixou uma boa esperança de que o arranjo será bem interessante.

[ATUALIZAÇÃO] Quando escrevi o texto, imaginei que o segmento seria formado por músicas originais da série, mas essa impressão foi por água abaixo com a atualização posterior do site. Pelo que entendi, na verdade o medley vai abranger faixas das séries cujos personagens aparecem no jogo. Em resumo: é mais um pretexto para tocar uma miscelânea com músicas de jogos da Nintendo, o que, no meu entendimento, está se tornando cansativo. Ao menos, o Mega Man dá uma quebrada nessa seleção nintendista.

– Etrian Odyssey: “Labyrinth I – Emerald Woodlands [Dungeon 1F~5F]” ~ Battle – Initial Strike [Normal Battle – First Part] ~ “Battle – Destruction Begets Decay [Normal Battle – Last Part]” ~ “Labyrinth V – The Fallen Capital of Shinjuku [Dungeon 21F~25F]”

Finalmente! Do que joguei de Etrian Odyssey, confesso que não consegui gostar das dungeons impiedosas do jogo, mas as trilhas musicais me conquistaram. E não é difícil entender o motivo: Yuzo Koshiro. O texto do site pergunta como as músicas criadas em som FM vão soar com orquestra. Creio que, pela riqueza das melodias, devem ficar majestosas, sublimes. E dois trabalhos permitem ter uma ideia: Live Music by Piano and Strings: Sekaiju no MeiQ I & II Super Arrange Version, álbum arranjado com arranjos para piano e quarteto de cordas, e Shin Sekaiju no Meikyuu Millennium no Shoujo Original Sound Track, trilha do Etrian Odyssey Untold: The Millennium Girl, remake do jogo original que tem performance de instrumentos reais.

Foram selecionadas duas faixas de labirintos e dois temas de batalha do primeiro jogo da série, e fico feliz que entre eles esteja a vigorosa “Battle – Destruction Begets Decay [Normal Battle – Last Part]”. Etrian Odyssey tem tudo para ser um dos melhores segmentos do concerto.

– Toukiden: “The Time of Oni” ~ “Ephemeral” ~ “March of Heroes” (Toukiden: The Age of Demons) ~ “ウタカタ・秋艶” ~ “千年ヲ駆ケシモノ” (Toukiden Kiwami)

Confissão: esse jogo de ação da Tecmo Koei para PSP e PS Vita passou longe dos meus radares. É uma novidade completa para mim. O segmento vai incluir duas faixas do Toukiden: The Age of Demons e mais duas do Toukiden Kiwami, versão aprimorada do jogo original com conteúdo adicional programada para sair em 28 de agosto de 2014 no Japão. Por isso, ainda não dá para conhecer as composições do Toukiden Kiwami (e tampouco a tradução dos nomes das faixas, como dá para reparar ali em cima). As músicas do primeiro são magníficas e peço que escute o belo trabalho de Hideki Sakamoto. Como já deu para perceber pelas inclusões do Okami e Muramasa: The Demon Blade em outras edições, nota-se um esforço dos organizadores para incluir segmentos ligados às raízes da música tradicional japonesa, e o Toukiden é mais um dessa linhagem.

[ATUALIZAÇÃO] A seleção de faixas do segmento foi alterada, conforme avisou uma atualização do site no dia 13 de agosto. Da parte do Toukiden, saiu “Oni Utsu Mono”, entraram duas músicas já atualizadas acima. As duas do Toukiden Kiwami foram alteradas, mas só poderemos conhecê-las depois, porque a trilha sonora ainda não foi lançada. A título de curiosidade, a escolha de músicas anterior continha: “Oni Utsu Mono” ~ “March of Heroes” (Toukiden: The Age of Demons) ~ “百鬼隊” ~ “ウタカタ・秋艶” (Toukiden Kiwami)

– Final Fantasy XIII: “Vanille’s Theme” ~ “Blinded By Light” ~ “Final Fantasy XIII – The Promise”

Vamos relembrar: em todas as suas edições, o Press Start teve um segmento de Final Fantasy, mas, tirando o FFXI no Press Start 2012 sempre foi baseado em composições de autoria de Nobuo Uematsu. Por isso, me causa extrema satisfação ver que o concerto também vai render homenagem a uma das grandes obras-primas de Masashi Hamauzu, repetindo os passos da turnê da Distant Worlds, que também integrou FFXIII no repertório. Se não me falhe a memória, trata-se de um medley inédito, embora me pareça um pouco conservador, preocupado em apresentar as faixas mais icônicas da trilha, o que para um primeiro momento não é nada mal.

– Persona 4: “Poem for the Souls of Everybody” ~ “Reach Out To The Truth” ~ “A Corner of Memory”

Incrível como o RPG lançado em 2008 para PlayStation 2 não sai da boca do povo, não só por conta dos relançamentos (para PS Vita e PlayStation 3), como também pelos spin-offs que o jogo originou.

Por todo esse sucesso, o segmento, originalmente apresentado no Press Start 2009, vai ser reprisado em 2014. Esse arranjo do “Persona 4” inclusive foi eternizado no álbum Press Start The 5th Anniversary. O medley se destaca por incluir a  “Reach Out To The Truth” em uma versão instrumental (e sem guitarra), com o naipe de metais reproduzindo a melodia do empolgante tema de batalha.

– Pokémon X e Y: Title Screen ~ “Kalos Region Theme” ~ “Lumiose City” ~ Snowbelle City ~ “The Sun Shines Down”

O Press Start já havia apresentado um medley do Pokémon em 2011, mas, no caso, era reservado a jogos mais clássicos da série. Como o concerto tem mostrado a tendência de tocar segmentos atualizados de jogos da Nintendo (e ignorar sumariamente Metroid e Donkey Kong), agora o espetáculo contará com um medley de cinco músicas do Pokémon X e Y, os bem-sucedidos jogos lançados para Nintendo 3DS. Nesse caso, acredito que a orquestração deve enfim fazer jus aos timbres das belas composições, que no jogo são meramente sintetizadas.

[via PRESS START]

“Persona 4 Medley” – Persona 4 (Game Addict’s Music Ensemble 4th Concert)

Por Alexei Barros

Persona 4 foi uma imensa surpresa no PlayStation 2 em 2008, quando a atual geração já estava em voga. Seu impacto ecoa até hoje. Afinal, foi por causa desse clamor que o PS Vita teve a versão Golden no final do ano passado. Infelizmente, mais uma vez, não estive preparado para uma jornada de 100 horas e me limitei a ouvir a trilha sonora. Até já perdi a conta de quantos shows da série foram feitos enfocados nesse jogo (alguns inclusive eu creio ter passado batido), mas sempre com os vocalistas acompanhados por uma banda muito competente. A única tentativa de levar o jogo para uma sala de concerto foi, claro, no Press Start 2009. O segmento “Persona 4”, que, por sorte, está registrado no Press Start 5th Anniversary, é ótimo, enfocando o lado sinfônico/erudito da trilha. Mas para que existem as orquestras japonesas pró-amadoras senão para misturar as duas coisas em performances imprevisíveis?

Novamente temos a excelente orquestra de sopro Game Band, acompanhada pelo coral Chor Crystal Mana. Antes do medley principal, há uma minimiscelânea com três músicas, simulando a troca de canal de um televisor. Eu imagino que isso deve ser uma referência ao jogo que só quem conhece vai compreender, então peço desculpas pela ignorância. A “Jika Net Tanaka”, aliás, é do Persona 3. Mas já lamento pela referência à “specialist” ser tão breve – nem deu para sentir o gostinho.

Chegado o medley, temos a impactante “Pursuing My True Self” reproduzida maravilhosamente no piano e na bateria. A Game Band já mostra a que veio com o naipe de metais no trecho da abertura que, na original é sintetizado, e nos shows com banda é reproduzido por um mero saxofone. Com todos os metais, fica outra coisa. Mas aí vem a parte cantada que definitivamente tira o brilho da performance. É muito interessante a ideia de colocar o coral todo para cantar a parte que é entoada apenas pela Shihoko Hirata na original, mas o sotaque japonês muito forte (a letra é em inglês), deixa um clima de karaokê na performance.

Sem nenhuma transição (a Game Band não se importa muito com elas), temos na sequência a erudita “Poem for the Souls of Everybody”, que também tem toda a participação do coral e não só de uma soprano. Como o coro não articula nenhuma palavra, o resultado é muito melhor do que na “Pursuing My True Self”.

Mudando da água para o vinho, o medley volta a ficar animado com a jazzística “Like a dream come true”, com o sax fazendo a vez do teclado da original. De novo alterando o clima, a misteriosa “Who Is There?” aparece, seguido pela obrigatória “Reach Out To The Truth”. O guitarrista está de parabéns por escolher um timbre muito semelhante à original, e os metais mais uma vez roubam a cena por desbancar aquele solitário saxofone dos shows oficiais. Só a parte cantada não é tão boa quanto, até porque as apresentações tem os cantores originais, mas mais uma vez é válida a ideia de colocar o coral para encorpar a parte cantada. Aqui, o sotaque não comprometeu muito.

Finalmente o medley tem uma cadência melhor com a inserção da “The Genesis”, que, na trilha original, é uma versão instrumental da “Reach Out To The Truth”. Até já poderia ter acabado aí, mas vem a empolgante “Period”. Para finalizar, tem a “Never More” com o coral arrematando a performance que você nunca vai ver igual em um concerto ocidental.

– “Persona 4 Medley”
“Jika Net Tanaka” ~ “Theme of Junes” ~ “specialist”

“Pursuing My True Self” ~ “Poem for the Souls of Everybody” ~ “Like a dream come true” ~ “Who Is There?” ~ “Reach Out To The Truth” ~ “The Genesis” ~ “Period” ~ “Never More”

Press Start The 5th Anniversary: desfalcado, reverberado e abrupto


Por Alexei Barros

Arranjos exclusivos, fartura de jogos nipônicos, seleções obscuras… são alguns motivos para mostrar tanta admiração pela série de concertos Press Start, que conta com apresentações desde 2006 no Japão. A cada ano lamentava pela inexistência de CDs e DVDs, o que significava que as performances se perderiam no tempo e no espaço, exceto pelas gravações da plateia que surgiram em 2006 e 2007, sendo que de 2008 em diante não passou do terreno da imaginação.

Então o impossível aconteceu: em agosto foi anunciada a compilação comemorativa de aniversário Press Start The 5th Anniversary, à venda em 11 de setembro, dia da realização do Press Start 2010. Apesar de celebrar o quinto aniversário, o álbum mescla seleções de somente duas apresentações: do Press Start 2008, com a Kanagawa Philharmonic Orchestra no Bunkamura Orchard Hall, e do Press Start 2009, com a Tokyo City Philharmonic Orchestra no Tokyo Metropolitan Art Space. Sempre que um produto muito aguardado finalmente é lançado, vem a inevitável pergunta: a espera valeu a pena? Respondo de cara: não. O que leva a outro questionamento: “você ficava elogiando toda hora e agora vem dizer que não é tão bom assim?”. Calma.

À primeira vista chateia a pouca quantidade de faixas para uma coletânea: nove, em um total de 50 minutos – para efeitos de comparação, o Video Games Live: Level 2 e o Play! A Video Game Symphony Live estão entupidos até a boca, com 74 minutos. Ou seja, sobraram 24 minutos de CD. Se fossem segmentos de seis minutos, caberiam mais quatro faixas. Imagino a substância que trariam Out Run, Castlevania, Mega Man 2 e Wild Arms. Isso até daria para relevar.

O principal problema do álbum é a equalização equivocada, que conta com muita reverberação (valeu, 00Agent!), prejudicando a nitidez dos instrumentos, a ponto de parecer que a orquestra está muito mais longe do que verdadeiramente está. Fora isso, não existe a profundidade sonora que torna as performances orquestradas tão especiais. Ainda que gravado ao vivo, é inaceitável para um CD como ambas as apresentações aconteceram em salas de concerto, onde a arquitetura privilegia a acústica. Seria covardia comparar com o Symphonic Fantasies, um exemplo de perfeição entre os concertos de games. Para pegar um caso mais próximo, japonês, cotejo com o Monster Hunter 5th Anniversary Orchestra Concert ~Hunting Music Festival~, que, inclusive, aconteceu no Tokyo Metropolitan Art Space, o mesmo local do Press Start 2009, e viceja uma qualidade invejável de produção. Mais desanimador é que a reverberação exagerada persiste no Super Mario Bros. 25th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition, que ainda farei um post específico.

Segundo, os arranjos não são tão bons quanto deveriam. As transições que reclamo tanto são irregulares em vários números do álbum. Não que sejam ruins, é que o Kazuhiko Toyama e o Nobuyuki Nakamura definitivamente não estão entre os melhores arranjadores do mundo. Falta polimento em muitas passagens e percepção de como encadear as músicas em um medley. Às vezes parece que as faixas e a sequência são pré-definidas por alguém e eles têm que se virar com isso, no momento em que mudanças e cortes poderiam ser feitos para o bem dos arranjos.

Mesmo assim, a track list foge do padrão do que se costuma ouvir nos concertos ocidentais. Importante ressaltar que o disco não representa a totalidade da experiência, como não há nada da Square Enix e da Nintendo. Depois do Hadouken minhas pútridas impressões do álbum que, mesmo com os já mencionados contratempos, tem os seus momentos.

Continue lendo ‘Press Start The 5th Anniversary: desfalcado, reverberado e abrupto’


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: