Arquivo para outubro \18\UTC 2012

“Theme of Grandia” – Grandia (Video Game Orchestra ~Live at Boston Symphony Hall~)

Por Alexei Barros

Uma vez que Grandia foi escolhido para integrar o programa do concerto da Video Game Orchestra em Boston de 2012, a “Theme of Grandia”, evidentemente, era uma escolha obrigatória, mesmo que eu tenha ficado mais surpreso pela rendição espetacular da “Battle 1”.

Como comentado no post anterior, o arranjo para a apresentação foi preparado pelo próprio compositor do RPG do Saturn e adaptado para PlayStation, Noriyuki Iwadare, que assistiu à performance in loco. No post do espetáculo no fórum do Soundtrack Central, aliás, eu soube que a homenagem à Grandia foi além do esperado: também estava na plateia a viúva do criador da série e fundador do estúdio Game Arts, Takeshi Miyaji, falecido em 2011 de complicações cirúrgicas realizadas em decorrência de um tumor no cérebro. Bela homenagem póstuma.

Diferentemente da “Battle 1”, originalmente sintetizada, a “Theme of Grandia” já era orquestrada na trilha do jogo, contando também com bateria, baixo elétrico e guitarra – que, na OST, foi tocada pelo talentoso Jun Kajiwara, frequente em diversos álbuns com arranjos da SNK. O mais legal é que a VGO tem todos esses instrumentos normalmente e não depende de subterfúgios duvidosos – falo do repulsivo uso do playback. Por isso, vale a emoção de ouvir essa música de abertura que incorpora o espírito de aventura e descoberta do jogo.

Destaque para o solo de violino de cortar o coração maravilhosamente tocado e, claro, aquele solo de guitarra que o instrumentista fica na ânsia a música toda esperando só para mostrar a que veio. Obrigado, Shota Nakama. Obrigado, VGO.

Anúncios

Minhas duas Festas do Chá em Boston

Por Claudio Prandoni

Na primeira vez em que falei de Assassin’s Creed III por aqui, cometi uma injustiça. Na base do puro achismo e desconhecimento total da História dos Estados Unidos critiquei a escolha de período histórico do jogo.

Levei um belo e merecido puxão de orelha e dou o braço a torcer: a época da Revolução Americana é pano de fundo tão perfeito quanto foram as Cruzadas no primeiro AC e o Renascimento Cultural na trilogia de Ezio.

Por motivos de gosto pessoal e ascendência – minha família é originária da Itália -, ainda prefiro o cenário histórico de Ezio, mas isso já não vem tanto ao caso.

Por conta de meu trabalho como jornalista, tive a chance de há cerca de um mês ir até Boston, nos EUA, para testar o Assassin’s III e finalmente ter algum contato com a história americana.

Além de jogar o game, eu e os outros jornalistas presentes (incluindo aí os colegas brazucas Humberto Martinez e Renato Almeida) fomos até o museu da Boston Tea Party, um ato de rebeldia dos colonos americanos contra a realeza britânica que aconteceu em 1773 e foi estopim para uma série de eventos e batalhas que culminou com a independência dos EUA.

Em resumo, um grande carregamento de chá foi destruído sendo jogado ao mar no porto de Boston, como uma provocação aos ingleses.

A visita incluiu uma visita a uma réplica de um dos navios envolvidos no incidente, assim como um passeio por um edifício com filmes e relíquias sobre o evento – como uma das caixas “sobreviventes” no episódio.

Por tudo mostrado, deu para ver como a revolta americana foi fruto de nobre luta por liberdade, guiada e organizada pelos próprios colonos. Pode parecer que estou fazendo média pelas minhas críticas anteriores (dica: não é), mas pareceu bem emocionante.

Enfim, não só o evento em si é um episódio marcante como amarrou bem com o teste do Assassin’s Creed III, que só aconteceu no dia seguinte: a sequência de missões disponibilizada para teste encerrava exatamente com o novo herói Connor liderando os colonos rebeldes na tal Festa do Chá, destruindo vários caixotes e tudo mais.

Ainda no jogo, foi bacana perceber como nem tudo é retratado de forma tão dualista como nos jogos anteriores ou mesmo como a História americana coloca os dois lados do conflito: em ACIII, nem todos os colonos americanos rebeldes são “do bem”, assim como nem todos os britânicos são “do mal”, o que promete tornar o enredo do jogo bem intrigante.

BÔNUS: Na viagem ainda rolou um jantar responsa na Green Dragon Tavern, uma taverna onde os colonos rebeldes – como Paul Revere e Benjamin Franklin – se reuniam para traçar seu planos. Não é exatamente a mesma-mesma daquela época, mas simboliza o lugar.O jantar lá foi um belo de um hambúrguer – e algumas cervejas locais.

Press Start 2012: variado como nunca, competente como sempre

Por Alexei Barros

No dia 23 de setembro, aconteceu em Tóquio a sétima edição do concerto Press Start em duas apresentações, ambas com a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra sob a batuta do maestro Taizo Takemoto. Até aqui, nada de muito surpreendente, mas, confirmando a expectativa causada pelas excelentes seleções de jogos, o espetáculo neste ano aparentou ser dos mais inspirados.

Minhas impressões baseadas nas fotos do concerto e nas poucas informações compreensíveis pelo tradutor do Google foram publicadas depois do Hadouken.
Continue lendo ‘Press Start 2012: variado como nunca, competente como sempre’

“Battle 1” – Grandia (Video Game Orchestra ~Live at Boston Symphony Hall~)

Por Alexei Barros

Ouvir de uma vez por todas Grandia em um concerto de games, ainda que em uma gravação amadora do YouTube, é a realização de um sonho. Por que demorou tanto? Mesmo que a série não tenha prosperado, é muita música boa para ser ignorada.

Como disse no outro post, Grandia foi mostrado em um concerto da Video Game Orchestra no Boston’s Symphony Hall. A história contada pelo líder da VGO, Shota Nakama, é que alguns meses atrás ele pediu ao compositor Noriyuki Iwadare para incluir músicas do Grandia na apresentação. Iwadare respondeu: “Ok, eu vou fazer um arranjo para você”.

A informação era de que seria uma suíte de 15 minutos do jogo. Bem, apesar da minha empolgação provocada pela lembrança do RPG da Game Arts, não considero o que vi e ouvi exatamente uma suíte, que seria um segmento com várias faixas tocadas continuamente, com transições entre elas. Na verdade, foram executadas quatro músicas avulsas intercaladas por interrupções. Não dá para dizer que estou completamente decepcionado dado o ineditismo da performance.

Das quatro escolhidas, a que mais me empolgou, pela ordem das seleções, foi a segunda: “Battle 1”, ou seja, o primeiro tema de batalha do jogo (que grande observação essa). É que, com o passar da aventura, a música para os combates normais muda e não fica aquela repetição toda muito recorrente nos Final Fantasies da vida.

Ver uma orquestra dessa envergadura, com guitarra, teclado, baixo, bateria e percussão à sua frente no palco, tocando uma música empolgante como a “Battle 1”… não tem como resistir: eu simplesmente me esqueci do quão espetacular era esse tema de combate. A versão é um pouco diferente da original. Basicamente, em vez do solo de teclado, há um solo de guitarra e o naipe de metais tem uma participação mais incisiva. Só uma pena que a gravação, a de qualidade mais aceitável que encontrei, não permite escutar o baixo elétrico. Mas, felizmente, aquele álbum financiado via Kickstarter conseguiu atingir o valor necessário e Grandia está na track list para podermos ouvir essa maravilha em melhor qualidade (nem que seja um sample).


RSS

Twitter

  • RT @UOLJogos: Com "Medal of Honor", Steven Spielberg definiu os jogos de Segunda Guerra uol.com/bnklrr @UOL 16 hours ago
  • RT @CapcomUnityBR: Celebre 30 Anos de #StreetFighter com Street Fighter 30th Anniversary Collection em Maio de 2018! Trailer e detalhes no… 22 hours ago
  • RT @midiplex: 『Distant Worlds: music from FINAL FANTASY JIRITSU / 而立』お邪魔してきましたー!1ユーザーとして、『FFXV』作曲家の一人として、とっても幸せで楽しい時間を過ごさせて頂きました(*'▽'*) 全ての… 1 day ago

RSS Box art do dia

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: