A boa surpresa da biografia em HQ de Tetris

Por Claudio Prandoni

Nas últimas semanas estou relendo aos poucos o fantástico Console Wars, de Blake Harris, que narra e explica a incrível rivalidade entre Nintendo e Sega nos anos 90 – saiu aqui no Brasil como A Guerra dos Consoles, pela editora Intrínseca.

Porém, fiz uma pausa em alguns dias para encaixar outra leitura sobre games, o excelente Tetris: The Games People Play, de Box Brown (ainda sem lançamento oficial no Brasil, infelizmente).

Em formato de HQ o livro conta a história de criação do clássico puzzle Tetris, um dos meus games favoritos de todos os tempos.

A narrativa dá bastante atenção também para o complicado processo de licenciamento do jogo, culminando com a super popular versão portátil para Game Boy.

O traço caricato dá certa leveza para o conteúdo, que aborda de formas pontuais também o próprio conceito de jogo e a criação da Nintendo.

Mas pra mim a grande estrela mesmo é todo o drama para licenciar o Tetris, um jogo que não era exatamente de uma empresa, mas sim do próprio governo da União Soviética.

Um registro inusitado, mas bem representativo de um período importante da História recente e que ajuda a dar a dimensão da importância do Tetris, renovado até hoje, como nos hipnotizantes Tetris Effect e Tetris 99.

Artwork do dia: artes INÉDITAS de Alex Kidd in Miracle World

maxresdefault

Por Claudio Prandoni

Dia desses chegou ao Switch a versão SEGA AGES do fantabuloso Alex Kidd in Miracle World.

Guardo a aventura lançada em 1986 para o Master System com carinho no coração: foi o primeiro game que joguei na vida!

Assim, logo que essa nova edição saiu dei um jeito de comprar. O pacote é robusto e traz a função de rebobinar a partida em alguns segundos, jogar com música reproduzida ao estilo chip FM, desafios com rankings online e… artes INÉDITAS feitas especialmente de apresentação de cada fase!

Dias atrás pensava em você / Não é assim mas joguei o game do início ao fim e capturei cada telinha para dividir com você por aqui.

O que achou?

Dragon Quest 1 no mobile

Por Claudio Prandoni

O último jogo que terminei em 2018 foi o primeiro Dragon Quest. Isso mesmo, o comecinho da série, a estreia, o primogênito.

Digo mais: joguei o game inteiro no celular, ao longo de alguns poucos meses.

Nunca foi o ‘jogo principal’ da minha playlist, mas sim um jogo pra curtir em intervalos, nas salas de espera, no vai-e-vem do ônibus e metrô. Ajuda o fato de que não se trata de uma aventura gigantesca: com apenas um herói, o descendente do lendário Erdrick, a jornada acabou com algo entre 9 e 10 horas de partida.

Ajudou também a mecânica clássica JRPG estabelecida por jogos como o próprio Dragon Quest, que exige muito grind para subir de nível, melhorar atributos e conquistar poderes. Qualquer 15 minutos no metrô virou motivo pra entrar no game e matar alguns slimes pra acumular XP – e sem a preocupação de o 3G funcionar ou não, já que é um game todo offline, dos desconectados anos 80.

Agora embarquei em Dragon Quest 2, que já se mostra uma epopéia muito mais elaborada e desinibida, com um mundo consideravelmente maior e aliados para recrutar. Adiante, guerreirinhos!

Artworks da Nintendo mobile

Por Claudio Prandoni

Tempos doidos em que, já faz quase um ano, a Nintendo se lançou a experimentos no mundos dos tablets e smartphones.

Tanto Miitomo quanto Super Mario Run e o mais recente Fire Emblem Heroes (na minha opinião, o melhor da trinca) são produções caprichadas, que refletem tanto o esmero da Nintendo quanto o potencial que outros estúdios ainda podem explorar nas plataformas.

Ah, o empreendimento também abre espaço para iniciativas pouco convencionais de divulgação: Shigeru Miyamoto no palco de uma conferência da Apple para anunciar um jogo do Mario… e um vídeo mostrando ele desenhando o herói em um tablet (o trambolhudo iPad Pro) para divulgar o lançamento!

Acho sempre encantadoras as oportunidades de ver Miyamoto-san dando traços a um de seus filhos mais famosos. É daquelas raras ocasiões de ver o mestre encarando a própria obra e se aproximando da essência e ingenuidade que nortearam sua criação – ou algo do tipo, não só propaganda de algum investimento multi milionário nível 2.

Aproveito a deixa para colocar a seguir também um vídeo de Yusuke Kozaki desenhando a animada Sharena, de Fire Emblem Heroes. O cara é character design de FE desde o recente e excelente Awakening e também trabalhou em outra série que me é MUITO querida: No More Heroes.

Como a febre do Pokémon GO fez eu escrever meu primeiro livro

14021640_10154761267615348_1823160176121334569_n

Por Claudio Prandoni

Não sou muito chegado em autopromoções e ~jabás~ aqui no blog, foram poucos nestes quase 10 anos de estrada, mas é com MUITA alegria, carinho e realização que conto aqui sobre este livro – aliás, mais ou menos como a própria criação do Hadouken, láááááá atrás, foi um desdobramento da revista Continue – e também porque este blog e todo mundo que o acompanha ou o acompanhou também faz parte desta história.

Replico aqui em parte texto que já escrevi no Facebook sobre o assunto: nunca tinha pensado, de fato, planejado e tal, escrever um livro.

Já tinha pensado na situação, mais em tom de “E se…”, mas daí a realmente escrever são outros tantos, né.

De repente, não mais que repentinamente, a oportunidade surgiu a convite do Marcelo Duarte, um cara que acompanho e admiro desde a época de estudante – do Guia dos Curiosos, Loucos por Futebol e afins -, embarquei nessa aventura, mergulhando de cabeça, e olha no que deu.

Em Pokémon GO de A a Z, falo de uma de minhas séries preferidas e mais queridas desde a infância.

Trata-se de um livro de 96 páginas com diversas curiosidades e dicas sobre o game fenômeno da temporada, obra de mais ou menos duas semanas e meia extremamente intensas, de apuração, redação, testes e afins.

O livro já está pronto (clique aqui pra ver mais detalhes e se pá até comprar)! Olha essas fotos bonitas aí.

Fiz também uma apresentação ao vivo no Facebook, onde mostro e falo um pouco mais do livro (que é o meu primeiro, mas definitivamente não espero que seja o último!).

Agradecimentos imensos ao Marcelo Duarte, por essa incrível oportunidade, e também para toda a equipe da Editora Panda Books, que cuidou de tudo com muito carinho!

O novo ‘mascote’ da Kojima Productions já virou bonequinho(s)

kp

Por Claudio Prandoni

Ainda resta alguma dúvida de que a Konami errou feio, errou rude ao deixar Hideo Kojima partir de forma tão conturbada e mal explicada?

Em dezembro do ano passado ele revelou a versão redux do estúdio Kojima Productions, agora como uma parada ~meio indie~ e com certo apoio da Sony, assim como o novo logo da equipe: um astronauta caveirão.

Em maio ficamos sabendo que o tal puro-osso é Ludens – e nada mais.

Será ele personagem de Death Stranding, jogo que o Kojimão revelou na E3? Não sabemos. Ninguém negou ou confirmou. Resta só a especulação que, na boa, geralmente compõe boa parte da diversão em acompanhar a produção de um novo game de Kojima-san.

Enfim: o jogo nem saiu, nem sabemos o que(m) raios é Ludens e já temos bonequinho dele. Digo mais, bonequinhos, no plural mesmo.

A excelente fabricante Good Smile Company revelou uma action figure da linha Figma (proporção 1/12 e ampla variedade de articulações). Ainda em estágio de protótipo, o bonequinho traz luzes no capacete pra acender e revelar o caveira lá dentro.

Além do Figma, rola lançamento também na linha Nendoroid, um pouco menor e de proporções Super Deformed (o tal SD), com cabeção e trejeitos caricatos.

Pelas fotos, aliás, parece um enxame de Ludens: cinco modelos com cores diferentes e um maiorzinho, com capacete transparente estilizado mostrando o crânio de cálcio.

Por ora, nada de preços ou datas de lançamento, mas já rolam várias fotos maneiras. Seguem abaixo na galeria junto com algumas do Kojimão nerdeando na San Diego Comic-Con e mostrando que é geek como a gente.

Uma hora e meia jogando Pokémon Go no Brasil

Por Claudio Prandoni

Certamente você faz parte daquele 99% que já ouviu falar/está louco por Pokémon Go.

Por dois golpes de sorte, consegui jogar o game aqui no Brasil em duas oportunidades no meu celular, um Moto X Play.

A primeira foi bem no dia do lançamento: por aqueles esquemas de baixar o APK e instalar direto no celular, sem passar pela Google Play Store, algo que o próprio sistema permite.

Fiz o tutorial sem problemas, capturei um Charmander sem querer (queria o Bulbassauro) e ainda um Doduo e um Zubat (esses por querer mesmo). Fiquei meio perdido com o fato de o lance da realidade aumentada não ter funcionado no meu celular.

Achei que o problema fosse justamente por conta de o game não ter saído oficialmente por aqui, mas vi casos de pessoas aqui no Brasil jogando e conseguindo usar a câmera e também de pessoas nos EUA, onde o jogo já saiu, não conseguindo utilizar a realidade aumentada.

De fato, Pokémon Go é um jogo ainda de muitas dúvidas, dentro e fora do jogo em si.

Como, por exemplo, no último domingo, quando na virada para segunda-feira o jogo funcionou por mais uma horinha na qual consegui jogar.

Teste de servidor? Vacilo da Niantic e da Nintendo? Outra coisa? Minha aposta vai pra primeira opção.

Nessa segunda ocasião consegui testar melhor o lance de andar pelo mapa e interagir com os PokéStops, pontos especiais do mapa em que você pode ganhar itens e afins.

Ah, capturei mais um Zubat também e pude conferir, por exemplo, que o prédio da FIESP, na Avenida Paulista, é um dos ginásios do game – já imagino a turba de treinadores fazendo procissão por ali e acampando pra treinar seus monstrinhos de bolso.

Por ora, Pokémon Go segue sem lançamento definido no Brasil. No lançamento, ele saiu nos EUA, Austrália e Nova Zelândia. De lá pra cá, Europa parece ter virado prioridade: já pipocou na Alemanha, Reino Unido, Itália, Espanha e Portugal.

Aproveito pra vender o peixe rapidinho: pelo meu trabalho, lá no UOL Jogos, produzi algum conteúdo sobre Pokémon Go, incluindo esse vídeo aí abaixo, explicando mais ou menos como funciona o jogo.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: