Archive for the 'Literatura Gamer' Category

Literatura Gamer: A arte de Tomb Raider edition

Por Claudio Prandoni

Novo art book a caminho. E este tem tudo para agradecer aventureiros virtuais como mestre Hitzman, fãs das belas pern… perigosas aventuras de Lara Croft e seu fatal par de pei… pistolas.

Dia primeiro de março será lançado o The Art of Tomb Raider, uma série de dois volumes com artes das mais diversas referentes às estripulias da british gamer lady preferida da galera – talvez depois de Joanna Dark, de Perfect Dark para alguns.

O primeiro tomo abarca desde o primeiríssimo jogo até o hediondo Angel of Darkness, enquanto o segundo parte de Legend até o recente Underworld (mas deu tão pouquinho?).

Os principais chamarizes – ao menos na minha opinião – são algumas ilustrações conceituais do próprio Toby Gard, criador de Lara, quando concebia a moça na época em que ela ainda era Laura Cruz.

A coleção dá um total de 568 páginas, devidamente acompanhadas de uma caixinha para guardar os dois volumes. O pacote todo sai por 110 dólares e apenas 2 mil cópias serão impressas – ao menos a princípio.

Presentes ao blog são aceitos com o maior carinho e o endereço para pre-order da série é no site da editora Dreams and Visions, responsável pela publicação.

Na abertura do post você vê a capa bonitona e na galeria abaixo ela de novo junto com várias amostras de páginas dos livros, que parecem absolutamente fantásticos.

Literatura Gamer: A história de Street Fighter edition

Por Claudio Prandoni

Passaria batido não fosse a sagacidade do briguento mestre Deco. O editor Chris Carle, do IGN, está escrevendo o livro Street Fighter: The Complete History que, como o nome sucintamente sugere, conta toda a história da popular saga de jogos de luta da Capcom.

Não há informações específicas sobre que tipo de conteúdo novo veremos no epítome de 176 páginas que sai no final de março, mas a descrição oficial do livro em sites indica que há entrevistas com os produtores, total colaboração da Capcom e mais de 200 artes conceituais utilizadas no desenvolvimento.

Ver para crer e apreciar. Pode ter certeza que uma cópia hadoukeira já está a caminho. o preço sugerido é de 20 dólares.

Literatura Gamer: Castelo na Neblina Edition

51os8zjkljl__ss400_

Por Claudio Prandoni

Certas obras nos tocam sobremaneira. Tanto que nos incitam a dar vazão a tamanho encantamento por meio de outras obras, diretamente relacionadas ou não ao que nos fascinou.

Hitz exprime esse lirismo por meio de poesias assinadas por personagens secretos e Barros compõe melodias tão escondidas que nem ele mesmo as conhece ainda. Sira, por sua vez, elabora ARGs tão complexos e fantásticos que às vezes até ele mesmo perde a noção de realidade e jogo.

Já eu encontrei hoje um eco distante desse fascínio: um livretinho com a história do Sub-Zero que escrevi à mão há mais de uma década – maio de 1998 para ser preciso. Mas isso é papo para outro post…

Hoje falo aqui de ICO: Castle in the Mist, obra concebida pela escritora japonesa Miyabe Miyuki. Notória por obras de ficção científica e terror, a moça ficou tão perplexa pela obra de Fumito Ueda e Kenji Kaido que decidiu elaborar um lapidado epítome, vulgo um livrão desse tamanho de 537 páginas todo em japonês.

Não é obra oficial, mas tem a aprovação do Team ICO. Narra a aventura de Yorda e Ico pelo castelo, adicionando alguns personagens extras na narrativa e explicações criadas pela própria autora. Curiosamente, muitas se encaixam com Shadow of the Colossus, veja só, talvez atestando assim a personalidade marcante do minimalismo típico do Team ICO.

Hora da mancada: a única tradução existente da obra é para o idioma tailandês…

416px-castleinthemistEnquanto Dr. Mucioli e maestro Santana tem a oportunidade de apreciar a obra no idioma original, podemos nos contentar com o esforçado e devoto resumo detalhado em inglês feito pela usuária Anithin, do
 fórum The Cursed Lands
.

Logo acima, ilustrando a abertura do post, a capa nova criada para o relançamento da publicação no ano passado. Ao lado, a capa original, que por acaso é a mesma das versões européia e japonesa do game de PlayStation 2.

Tipo de artigo que se lançassem por aqui no Brasil – ou até mesmo nos EUA – eu acredito que sequer venderia metade do necessário para justificar o investimento. Mas que eu compraria uns dois, três fácil (sabe como é, alguns para preservar para a posteridade), ah, eu compraria sim.

Literatura Gamer: Versão demo de Rogue Leaders – The Story of LucasArts

habitatcoverPor Claudio Prandoni

Lembra deste livro aqui? Uma promissora publicação de luxo com toda a história da LucasArts, incluindo até revelações sobre games nunca antes revelados.

Pois bem, promessa é dívida e o pessoal do site Gamasutra confirmou isso ao ler e disponibilizar na íntegra um dos capítulos do livro! O excerto trata exatamente de Habitat, software para Commodore 64 que seria uma espécie de mundo virtual online, pelo qual os jogadores poderiam interagir, conversar e tal.

Isso, tipo um Second Life, só que em 1985! Impressionante, no mínimo.

A história completa dessa rara raridade você confere clicando exatamente aqui.

Literatura Gamer: LucasArts Point-and-Click Edition

rogueleaders1

Por Claudio Prandoni

Assim não pode, assim não dá. Não bastasse o caleidoscópio quase infinito de bons jogos saindo para todas as plataformas, já torrei uma boa grana com livros de games fantásticos nesta temporada de 2008.

Todavia, as tentações do jardim digital dos jogos eletrônicos não páram. A LucasArts anunciou hoje em parceria com a editora Chronicle Books o livro Rogue Leaders: The Story of LucasArts, obra de 256 páginas, capa dura e cerca de 300 imagens coloridas. Autoria de Rob Smith, com bênção de Jorginho George Lucas, que assina o prefácio.

O assunto: a história da LucasArts, com foco específico e ampliado no perído fértil de adventures aponte-e-clique, tão marcante e lembrado com saudade extrema pelos aficionados no gênero. As imagens englobam ilustrações promocionais, rascunhos e artes conceituais de séries chatas como Monkey Island, Grim Fandango, Indiana Jones, Star Wars: Knights of the Old Republic e até mesmo de games nunca antes revelados ao público.

Ainda não tem data para sair, mas vai sair caro: 60 dólares verdinhos norte-americanos. E confesso que pelo site oficial do livro não entendi se haverá quatro capas, mas todas são bacanas e não deixa de ser um item obrigatório, mesmo que tenha de esperar uma mega liquidação relâmpago.

Literatura gamer: Taikodom edition

Por Claudio Prandoni

Quem acompanha o Hadouken sabe que os Toperas não são exatamente fãs de MMO. Mal conseguem trasmitir suas mensagens em forma de grunhidos para outras pessoas no mundo real, quiçá no virtual.

Todavia, um novato no ramo tem feito certo barulho ultimamente e vem atacando em frentes de batalha diversas. Trata-se do Taikodom, o maior e mais ambicioso game já produzido no Brasil que ficou cerca de milhões oito anos em produção e finalmente chegou ao mercado no comecinho deste mês de outubro.

A empreitada é tão ousada que engloba também todo um extenso universo ficcional (ou fictício, não consegui descobrir ainda direito se realmente há diferença de sentido). Boa parte dele será contada por meio de livros e o primeiro chega já nesta semana e vai ter evento para celebrar. A imagem aí acima já se configura também como convite, mas não custa repetir as informações: dia 22 de outubro, quarta-feira, à partir das 19 horas na FNAC da Avenida Paulista, em São Paulo. Pode aparecer, vai rolar bate papo e sessão de autógrafos com o autor do livro J. M. Beraldo e coisa e tal.

Uma bela iniciativa para o ainda insípido mercado de literatura gamer aqui no Brasil.

Literatura Gamer: Festa de fliperama no oriente edition

Por Claudio Prandoni

Depois de ler este post inteiro você há de concordar comigo: eu deveria ter avisado antes. Mas, de qualquer maneira, antes tarde do que nunca e, de fato, valeria a pena citar este livro aqui só pela capa bacanuda dele.

Arcade Mania é um livro concebido por Brian Ashcraft, editor noturno do Kotaku, que trata dos megalomaníacos centros de jogos do Japão, lotados de fliperamas modernos, esquisitos, máquinas de pachinko e aquelas outras de pegar cápsulas com bonequinhos.

Bom, como o convite bem mostra acima, a festa de lançamento do livro acontece às 19 horas lá em Tóquio, ou seja, corresponde a sete da manhã aqui, vulgo daqui a pouco.

Porém, fica aqui a lembrança e prestígio, além da divulgação da capa que sem querer querendo faz alusão também a este blog o qual você lê no momento. Se calhar de algum leitor ir ao evento não deixe de mandar impressões / fotos / uma cópia do livro para nós!

Literatura Gamer: Mérau Guíar? Edition

Por Claudio Prandoni

Snake. Solid Snake.

Confesso que não sei por qual motivo, razão ou circunstância deixei de falar deste livro, mas tento compensar agora. Há pouco mais de um mês foi lançada nos EUA a novelização oficial do primeiro Metal Gear Solid.

De autoria de Raymond Benson, mas com o aval de Hideo Kojima e uma galera da Konami, o livro de bolso – ou nem tanto, já que ele até que é grandinho e maior do que outros do tipo – narra os eventos do incidente em Shadow Moses com adições mais do que bem vindas e insights deliciosos.

Afinal, era algo necessário. Não bastasse ser uma história já com dez anos, o MGS original conta com um remake, homenagens mil em MGS4 e as lembranças babonas de um zilhão de jogadores. Sendo assim, o livro inclui passagens sequer imaginadas no game e outros momentos que elucidam melhor acontecimentos paralelos a eventos chave da trama.

Isso acaba vindo a um preço: certas seqüências são drasticamente alteradas e mesmo as instalações descritas diferem por vezes bastante do jogo em si. Acabei de finalizar o capítulo no qual Solid Snake se defronta com Ocelot, sendo que o velho Shalashaska profere uma frase que não existe no game e, mesmo se estivesse lá, não faria o menor sentido à época. Transcrevo ela abaixo:

   “I’ve been looking forward to meeting you, Solid Snake,” Ocelot said. “You have quite a reputation to live up to. You know, it really is amazing how much you resemble Big Boss. I met him once.”
    “Did you?” Snake kept his hand on the SOCOM, ready to blast the guy once he finished reminiscing.
    “I first met him in the sixties! We had a duel.” Ocelot laughed. “Big Boss beat me, too, fair and square. Your daddy was quite the warrior. Do you measure up to him?”

Traduzindo…

    “Há muito tempo que quero me encontrar com você, Solid Snake,” disse Ocelot. “Você tem uma bela reputação a zelar. Sabe, é impressionante o quanto você é parecido com Big Boss. Eu o encontrei uma vez.”
    “Sério?” Snake manteve a mão na SOCOM, pronto para fuzilar o cara uma vez que ele parasse de divagar.
    “Eu o encontrei pela primeira vez nos anos 60! Duelamos.” riu Ocelot. “Big Boss me venceu, também, justo e limpo. Seu papai era um grande guerreiro. Você está à altura dele?”

Novamente, trago à baila aquela teoria que discorri acerca de MGS3, sobre como ele é visto sob a ótica de quem já acompanhou tudo que veio antes dele em termos de MGS – e vale o mesmo agora para o livro.

Enfim, a dica veio a princípio do Kotaku e depois dos mestres Hitz e Fabão, que adquiriram o livro. Eu depois acabei encomendando o meu também, um tanto quanto cético a princípio, imaginando que leria tudo que eu já sabia, mas agora plenamente satisfeito e surpreso com o tratamento dado até agora.

Para atiçar a curiosidade dos MGSmaníacos, escaneei o primeiro capítulo da obra, capaz de arrepiar os cabelos dos fãs mais fervorosos – e com alguns pequeniníssimos spoilers de MGS4. Sério mesmo!

RESULTADO PROMOÇÃO: Guia de GTA IV

Por Gustavo Hitzschky

Iluminados leitores, perdão a demora em postar o resultado desta promoção. Há pouco estava jogando Metal Gear Solid 4 e vocês devem imaginar que é impossível ficar apenas meia hora em frente à televisão, visto que cada cut-scene leva mais ou menos este tempo.

Muitíssimo obrigado pela participação maciça de todos vocês. A criatividade da galera é realmente impressionante. Eu, por exemplo, com a minha topeirice exacerbada, jamais conseguiria bolar respostas tão geniais quanto vocês.

Após quatro horas de reunião do conselho de sábios anciãos, foi registrado em ata que o vencedor do guia de GTA IV é:

BRUNO!!!!!!!

Parabéns, meu velho. Afinal, não é todos os dias que alguém consegue escrever mais conteúdo dentro dos parênteses do que no comentário em si. Em breve, estaremos enviando vou te mandar um e-mail para que você me passe seu endereço e tudo o mais. O comentário do brother foi o seguinte, acerca do crime mais cabeludo que cometeria para levar o prêmio:

“Eu mataria o ganhador dessa promoção e me passaria por ele(excluindo o autor dos últimos 4 comentários, pq se esses comentários de m#¨¨%a ganhar é pq o responsável pela promoção sofreu um estupro cerebral e pessoas assim merecem a morte, pois em hipótese alguma sua reprodução pode ser permitida.E devo ganhar também pq cometi um crime contra a etiqueta de comentários em blogs já que o parenteses do meu comentário é maior do que o meu próprio comentário).

Aos demais, valeu, de coração. Nunca será o bastante agradecer ao guru e mestre-zen Fabio Santana, que nos cedeu o guia. E fiquem ligados, porque o Hadouken volta logo menos com mais promoções (certo, Pranda?).

LEMBRETE PROMOÇÃO: Guia de GTA IV

Por Gustavo Hitzschky

Ainda dá tempo de levar para casa o belo guia de GTA IV em mais um capítulo de nossas promoções. Lembrando que o resultado será divulgado no Hadouken neste sábado, portanto coloque a cabeçorra para funcionar e reflita sobre o seguinte questionamento:

“Qual o crime mais bizarro, esdrúxulo, hediondo e estapafúrdio você cometeria para ter este guia?”

Abaixo, seguem as regras.

Regulamento:
- Para participar basta postar a resposta nos comentários
- Cada pessoa pode postar quantas respostas quiser, mas poderá ganhar apenas um prêmio
- As pessoas devem residir em um dos estados que compõem a República Federativa do Brasil (sorry, dudes)
- O resultado será divulgado aqui na próxima semana (ou assim espero). A saber exatamente: sábado, dia 28 de junho, para que as férias já comecem supimpa
- Como aquele par de meias que sua tia lhe dá no aniversário, “o presente é simples, mas é de coração”
- Não serão aceitas respostas com palavrões, ofensas e outros vocábulos de baixo calão. Pelo contrário, na presença deles chamaremos o Ninja Gaiden para ceifá-los impiedosamente com a foice que ele roubou da Morte do Castlevania após matá-la (e cuspir na cara dela)

Agradecemos novamente ao Fabão e à editora Europa. Valeu, dudes!


RSS

Twitter

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr bannerlateral_consolesonoro bannerlateral_zeebobrasil bannerlateral_snk-neofighters brawlalliance_banner_copy
hadoukeninenglish hadoukenenespanol hadoukenenfrancais hadoukeninitaliano hadoukenindeutscher hadoukenjapones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.513 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: