Posts Tagged 'Oriko Takahashi'

Press Start 2015: o fim de uma era

press2015Por Alexei Barros

Pelo excesso de reprises, eu esperava uma despedida um tanto melancólica do Press Start. Mesmo assim, estava no aguardo do tradicional report do concerto no site da Famitsu, que produziu a série japonesa de espetáculos orquestrais. E eu fiquei esperando… esperando… esperando… E nada. Nada de fotos da apresentação também.

O jeito foi me basear nas análises dos blogues japoneses, que sempre se preocupam em detalhar o set list o máximo possível. O concerto foi realizado em duas apresentações no dia 8 de agosto (e eu extrapolando todos os limites da demora para fazer post), com performance da Kanagawa Philharmonic Orchestra no Tokyo Metropolitan Art Space. Pelo menos foi feita uma surpresa bacana no final. Set list e minhas considerações a seguir.

Ato I

01. Final Fantasy VIII: “Liberi Fatali”
02. “Classic Medley 2015 Ver.”
03. Super Mario Bros.: “Overworld” ~ “Underwater” ~ “Underworld” ~ “Overworld”
04. The Legend of Zelda: “Main Theme”
05. Shadow of the Colossus: “Revived Power ~ Battle With the Colossus” ~ “Grotesque Figures ~ Battle With the Colossus~”
06. Ace Combat Zero: The Belkan War: “Zero”
07. Legend of Mana: “Legend of Mana ~Title Theme~” ~ “Colored Earth” ~ “Hometown Domina” ~ “Ruined Sparkling City” ~ “Song of Mana ~Opening Theme~”

Ato II

08. Ore no Shikabane o Koete Yuke: “Flower”
09. Rhythm Heaven: “Ninja”
10. El Shaddai: Ascension of the Metatron: “Theme of El Shaddai” ~ “The Faraway Creation ~ Enoch’s Theme” ~ “Tragic Scream”
11. Xenoblade Chronicles: “Xenoblade” ~ “Gaur Plains” ~ “Mechanical Rhythm” ~ “Riki the Legendary Hero” ~ “Sator, Phosphorescent Land / Night” ~ “Those Who Bear Their Name” ~ “Confrontation with the Enemy”
12. Mother: “Pollyanna (I Believe In You)” ~ “Bein’ Friends” ~ “Eight Melodies”
13. Chrono Trigger/Cross: “A Premonition” ~ “Chrono Trigger” ~ “Wind Scene” ~ “Frog’s Theme” ~ “Decisive Battle with Magus” ~ “Epilogue ~ To Beloved Friends” (Chrono Trigger) ~ “Frozen Flame” ~ “Marbule: Home” ~ “Scars of Time” (Chrono Cross)
14. “Goodbye Medley”:
Press Start 2006
– ICO
– PopoloCrois Story
– Ys I & II
Press Start 2007
– Kingdom Hearts
– Space Invaders
– Super Smash Bros. Brawl
– Sakura Wars
Press Start 2008
– Wild Arms 2
– Spelunker
– Final Fantasy IX
Press Start 2009
– Persona 4
– Okami
– Final Fantasy X
– Kirby’s Dream Land
Press Start 2010
– New Super Mario Bros. Wii
– Muramasa: The Demon Blade
– Famicom Disk System Start-up
Press Start 2011
– 428 ~Fuusasareta Shibuya de~
– Pokémon Red & Blue
– NieR
– Xenogears
Press Start 2012
– Kid Icarus: Uprising
– Final Fantasy XI
– Ihatovo Monogatari
Press Start 2014
– Toukiden
– Final Fantasy XIII
– Super Smash Bros. for Wii U e 3DS

“Liberi Fatali” é uma das reprises mais batidas em concertos da série Final Fantasy, mas nunca tinha sido tocada no Press Start. Aliás, a escolha dessa música do FFVIII foi uma surpresa para mim, porque o Press Start não vinha usando corais em suas apresentações. Acredito que foi usado um coro não muito grande.

– Em relação aos convidados, a soprano Oriko Takahashi mais uma vez cantou a “Zero” de Ace Combat Zero. Mesmo sem ter participado da gravação da trilha original, ela foi a intérprete mais recorrente dessa música fabulosa com toques de flamenco no Press Start.

– A “Song of Mana” teve a voz da australiana Louise Bylund, que morou por diversos anos de sua vida na Suécia e atualmente reside no Japão. Essa mistura garantiu que ela fosse a escolhida para a performance dessa maravilhosa canção, que tem versos em sueco.

– A Lioko Kihara foi outra convidada do espetáculo e, diferentemente das outras duas cantoras, ela também tocou piano ao melhor estilo Angela Aki no segmento de Ore no Shikabane o Koete Yuke.

– Como de praxe, o duo ACE formado por Tomori Kudo (guitarra) e CHiCO (vocal) participou da performance de Xenoblade Chronicles, além da cantora Manami Kiyota.

– O segmento de Mother é o mesmo tocado no Press Start 2010, inclusive com os versos do álbum vocal Mother (1989) escritos pela letrista Linda Henrick (provavelmente um pseudônimo). Na ocasião, a performance contou com a voz da cantora Melody Chubak, que na época tinha 13 anos. Agora com 18, a moça voltou as palcos para cantar no mesmo segmento.

– Além do quinteto que produz o concerto (Taizo Takemoto, Kazushige Nojima, Shogo Sakai, Nobuo Uematsu e Masahiro Sakurai), também estiveram presentes os compositores Keiki Kobayashi e Masato Kouda. A Yoko Shimomura deixou uma mensagem em vídeo.

– Não foi feita nenhuma homenagem musical a Satoru Iwata, mas o desfecho do concerto foi bastante especial. Embora muito provavelmente não seja um segmento com transições elaboradas, o medley final resgata seleções icônicas de todas as edições anteriores do Press Start, com exceção de 2013, ano que foi tomado por reprises. Fantástica a ideia!

– Foi uma satisfação ter acompanhado e feito os posts sobre o Press Start durante esses nove anos, mesmo com tão raros registros oficiais das performances. Mal custo a acreditar que o primeiro post que fiz no Hadouken, lá em 2006, era justamente sobre a primeira edição do concerto a qual fiquei extasiado com uma mera gravação da plateia.

Não existiu outra série de apresentações com um repertório tão diversificado, cheio de seleções únicas e surpreendentes. Claro que tamanha variedade me fez querer mais e é uma pena saber que o Press Start acabou sem tocar músicas de jogos que dificilmente veremos nos demais concertos, como Bayonetta, Eternal Sonata, Panzer Dragoon, Valkyria Chronicles, Front Mission, Dark Souls e tantos outros.

Eu torço fortemente para que se não o próprio Press Start, outra série de concertos japonesa apareça algum dia sem demorar muito – houve um hiato de nove anos entre o Orchestral Game Concert 5 de 1995 e o Press Start 2006, considerando apresentações sinfônicas no Japão que abrangem diversas franquias.

Press Start: vou sentir saudades.

Grato ao Fabão pelos links e também pelas diversas informações e traduções nos posts do Press Start.

Foto tirada no Press Start 2008, com alguns dos maiores nomes japoneses de game music (além de outros desenvolvedores): Noriyuki Iwadare, Nobuo Uematsu, Motoi Sakuraba, Yasunori Mitsuda, Mahito Yokota, Kazushige Nojima, Michiko Naruke, Shogo Sakai, Koichi Sugiyama, Masahiro Sakurai e Koji Kondo

[via sarian198919, mugendai, comdoc5964nijiiroleina 1, 2 e 3]

Press Start 2014: antes da hora, os artistas do evento

Por Alexei Barros

A atualização com os instrumentistas e vocalistas do Press Start costumava suceder a revelação dos segmentos do set list, mas, neste ano, foi diferente. Com apenas oito segmentos confirmados, o site do concerto já trouxe a relação dos artistas que vão participar da apresentação no dia 13 de setembro. Felizmente, há alguns nomes novos desta vez e assim o post não fica tão repetitivo. O único problema é que com somente metade do programa confirmada fica difícil fazer as minhas especulações.

Kanagawa Philharmonic Orchestra

player_ph01A premiada orquestra já é velha conhecida do Press Start, tendo participado das edições 2008, 2010 e 2011. Com uma vasta discografia de registros de peças eruditas históricas, a Kanagawa Philharmonic Orchestra também é receptiva para outros tipos de mídia. Prova disso é que a orquestra já tocou em outras apresentações de games, como o Orchestral Game Concert 5, Distant Worlds: music from Final Fantasy e Distant Worlds: music from Final Fantasy The Celebration Returning Home.

Oriko Takahashi

player_ph04A soprano, que transita com naturalidade entre diferentes gêneros da música erudita, indo da música contemporânea ao barroco, já é uma artista conhecida do concerto. No Press Start 2007, ela cantou a “Main Theme” de Super Smash Bros. Brawl; no mesmo ano, solou na “Zero” do Ace Combat Zero: The Belkan War, número que ela reprisou no Press Start 2009; e nesse mesmo evento ela participou do medley de Persona 4 na icônica “Poem for the Souls of Everybody”. Já sabemos que o Persona 4 vai ser repetido no Press Start 2014, mas, se prevalecer a tradição de a Oriko Takahashi cantar dois números por concerto, provavelmente ela vai participar de outro segmento não revelado (não acredito que o tema principal do Brawl apareça no medley do Super Smash Bros.).

HIDE+HIDE

player_ph06A dupla formada por Hideki Ishigaki (shakuhachi) e Hideki Onoue (shamisen) ganhou um aditivo, já que a grafia mudou de HIDE-HIDE para HIDE+HIDE por algum motivo que não descobri. Eles colecionam três participações no Press Start, sempre tocando Okami: 2009, 2011 e 2013 (a primeira performance pode ser conferida em vídeo). Dos segmentos confirmados, é fácil imaginar pela presença de instrumentos folclóricos que o duo vai tocar Toukiden, embora isso não tenha acontecido na trilha original. Falando em Toukiden, a seleção de faixas do jogo foi alterada (atualizei o post com as mudanças).

Yoshiyuki Miyaji

player_ph07Pela primeira vez, o site do concerto anunciou a participação de um baterista, ainda que não seja novidade a presença do instrumento nas performances do Press Start. Mesmo assim, não consigo destacar algum dos segmentos anunciados que revele alguma participação mais contundente da bateria. Nascido em Tóquio, Miyaji já atuou em diversas bandas e musicais. Mais recentemente, vem tocando na companhia da NHK Symphony Orchestra. A julgar pela ausência do nome dele em créditos de álbuns no VGMdb, não parece ter experiência em trilhas de games.

Vagabond Suzuki

player_ph05O contrabaixista Masayuki “Vagabond” Suzuki que tocou em diversas gravações de trilhas de games e animes (especialmente animações, como dá para conferir pelo seu perfil no VGMdb) estreou no Press Start 2013. No ano passado, fiquei na dúvida se ele tocou baixo acústico ou elétrico e hoje posso dizer que… não sei. Apesar dessa foto do perfil mostrar ele com o baixo acústico, em alguns álbuns de sua discografia ele tocou baixo elétrico. E não há nenhuma imagem do report da Famitsu que mostre o instrumentista, tampouco alguma gravação da plateia salvadora para tirar a dúvida (há anos perdi as esperanças).

Haruo Kubota

player_ph03Compositor e orquestrador experiente, Kubota é figura conhecida do concerto desde a estreia, lá em 2006. No violão ou na guitarra, ele participou de todas as edições do Press Start, com exceção de 2011 e 2012. Neste ano, porém, não consigo destacar nenhum segmento entre os oito revelados que apresente alguma preponderância desses instrumentos como já aconteceu em outros anos. Vamos ver como ele vai participar. Se manter a média, deve tocar em um ou dois números.

Tomoki Ihira

player_ph02Sabendo que Kubota assumirá o violão ou a guitarra, chama a atenção que a apresentação tenha mais um guitarrista/violonista. Na verdade, isso não é totalmente uma novidade, uma vez que no Press Start 2009 a “Zero” foi tocada com duas violões como pede a original, sendo que, além do Haruo Kubota, a performance contou na ocasião com o Takanori Goto. Tomoki Ihira, por sua vez, é um nome novo no Press Start. Ele tem experiência em shows de diferentes artistas, como o grupo vocal EXILE, aquele do Street Fighter IV. Pelo VGMdb, dá para ver que ele já participou da gravação de algumas trilhas de animes. Mas no Press Start 2014 nem vou arriscar um palpite de como será sua participação.

[via PRESS START]

Press Start The 5th Anniversary: desfalcado, reverberado e abrupto


Por Alexei Barros

Arranjos exclusivos, fartura de jogos nipônicos, seleções obscuras… são alguns motivos para mostrar tanta admiração pela série de concertos Press Start, que conta com apresentações desde 2006 no Japão. A cada ano lamentava pela inexistência de CDs e DVDs, o que significava que as performances se perderiam no tempo e no espaço, exceto pelas gravações da plateia que surgiram em 2006 e 2007, sendo que de 2008 em diante não passou do terreno da imaginação.

Então o impossível aconteceu: em agosto foi anunciada a compilação comemorativa de aniversário Press Start The 5th Anniversary, à venda em 11 de setembro, dia da realização do Press Start 2010. Apesar de celebrar o quinto aniversário, o álbum mescla seleções de somente duas apresentações: do Press Start 2008, com a Kanagawa Philharmonic Orchestra no Bunkamura Orchard Hall, e do Press Start 2009, com a Tokyo City Philharmonic Orchestra no Tokyo Metropolitan Art Space. Sempre que um produto muito aguardado finalmente é lançado, vem a inevitável pergunta: a espera valeu a pena? Respondo de cara: não. O que leva a outro questionamento: “você ficava elogiando toda hora e agora vem dizer que não é tão bom assim?”. Calma.

À primeira vista chateia a pouca quantidade de faixas para uma coletânea: nove, em um total de 50 minutos – para efeitos de comparação, o Video Games Live: Level 2 e o Play! A Video Game Symphony Live estão entupidos até a boca, com 74 minutos. Ou seja, sobraram 24 minutos de CD. Se fossem segmentos de seis minutos, caberiam mais quatro faixas. Imagino a substância que trariam Out Run, Castlevania, Mega Man 2 e Wild Arms. Isso até daria para relevar.

O principal problema do álbum é a equalização equivocada, que conta com muita reverberação (valeu, 00Agent!), prejudicando a nitidez dos instrumentos, a ponto de parecer que a orquestra está muito mais longe do que verdadeiramente está. Fora isso, não existe a profundidade sonora que torna as performances orquestradas tão especiais. Ainda que gravado ao vivo, é inaceitável para um CD como ambas as apresentações aconteceram em salas de concerto, onde a arquitetura privilegia a acústica. Seria covardia comparar com o Symphonic Fantasies, um exemplo de perfeição entre os concertos de games. Para pegar um caso mais próximo, japonês, cotejo com o Monster Hunter 5th Anniversary Orchestra Concert ~Hunting Music Festival~, que, inclusive, aconteceu no Tokyo Metropolitan Art Space, o mesmo local do Press Start 2009, e viceja uma qualidade invejável de produção. Mais desanimador é que a reverberação exagerada persiste no Super Mario Bros. 25th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition, que ainda farei um post específico.

Segundo, os arranjos não são tão bons quanto deveriam. As transições que reclamo tanto são irregulares em vários números do álbum. Não que sejam ruins, é que o Kazuhiko Toyama e o Nobuyuki Nakamura definitivamente não estão entre os melhores arranjadores do mundo. Falta polimento em muitas passagens e percepção de como encadear as músicas em um medley. Às vezes parece que as faixas e a sequência são pré-definidas por alguém e eles têm que se virar com isso, no momento em que mudanças e cortes poderiam ser feitos para o bem dos arranjos.

Mesmo assim, a track list foge do padrão do que se costuma ouvir nos concertos ocidentais. Importante ressaltar que o disco não representa a totalidade da experiência, como não há nada da Square Enix e da Nintendo. Depois do Hadouken minhas pútridas impressões do álbum que, mesmo com os já mencionados contratempos, tem os seus momentos.

Continue lendo ‘Press Start The 5th Anniversary: desfalcado, reverberado e abrupto’


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: