Arquivo para dezembro \30\UTC 2014

Diggin’ in the Carts: um fascinante documentário sobre game music japonesa


Por Alexei Barros

Documentários de game music em vídeo não aparecem todos os dias. Focados em game music japonesa então… Por conta da barreira de idioma, são quase inexistentes – uma exceção é o especial francês do Game One que publiquei anos atrás.

Por isso, uma superprodução como a Diggin’ in the Carts da Red Bull Music Academy deve ser aplaudida. Como muitos sabem e demorei séculos para comentar aqui, o documentário é dividido em seis episódios que falam sobre a evolução da game music nipônica, com declarações de compositores, artistas e produtores.

Hally, especialista de game music, e Rolling Uchizawa, ex-editor da Famitsu (que também aparecia no documentário da Game One), são os principais responsáveis pela excelente contextualização dos assuntos abordados, afinal eles viveram tudo aquilo de perto.

Fiquei pasmado com a quantidade de compositores expoentes que a reportagem conseguiu entrevistar: Nobuo Uematsu, Yuzo Koshiro, Hitoshi Sakimoto, Hiroshi Kawaguchi, Yoko Shimomura, Hirokazu Tanaka, Junko Ozawa…

O único problema é que quando isso acontece fica um gostinho de quero mais, já que não aparecem nomes importantes como Koji Kondo, Koichi Sugiyama, Yasunori Mitsuda, Motoi Sakuraba, Noriyuki Iwadare, Akira Yamaoka, Michiko Naruke, Takenobu Mitsuyoshi, Kenji Ito, Motoaki Furukawa, Hisayoshi Ogura, Masashi Hamauzu, Michiru Yamane, Miki Higashino, Hiroki Kikuta, Norihiko Hibino, Ayako Saso, Daisuke Ishiwatari, Shoji Meguro, Manabu Namiki… É meio impossível falar com todo mundo. Talvez com mais uns 34 episódios…

Ainda assim, fiquei bastante surpreso com as aparições de Akio Dobashi (Lagrange Point) e Masashi Kageyama (Gimmick!), que são extremamente obscuros no Ocidente e só os conhecia de nome. E nunca esperava ver o Hayato Matsuo em vídeo.

Fora isso, pode ser implicância minha, mas algumas falas dos artistas ocidentais não acrescentaram muita coisa e parecem meio deslocadas. Pelo menos alguns deles falaram algo útil e, no geral, foram influenciados pelo trabalho dos mestres japoneses. Não compromete, é claro. Outro ponto que deve ser elogiado é a direção de fotografia: simplesmente exuberante.

Para quem não viu ou já assistiu e quer rever, publico os seis episódios do Diggin’ in the Carts com breves comentários sobre cada parte, além dos episódios extras. Caso queira ver pelos links abaixo, não se esqueça de ativar as legendas do YouTube (tem em português), clicando no botão correspondente em cada janela.

[ATUALIZAÇÃO] Coincidentemente, a Folha de S. Paulo traz hoje (01/01/2015) uma ótima reportagem falando sobre o Diggin’ in the Carts. A parte mais interessante do artigo são as declarações do produtor do documentário, o neozelandês Nick Dwyer. Entre outras coisas, ele diz que o único compositor que queria incluir no vídeo e não conseguiu é o Koji Kondo, porém, por problemas de direitos autorais, a Nintendo não autorizou a participação do músico. Ou seja, ele não pode ser entrevistado em um vídeo jornalístico, mas tudo bem acompanhar no piano uma música do Imagine Dragons no The Game Awards 2014? Qual o sentido disso? E apenas uma chatice de minha parte: o único equívoco do texto foi falar que o NES foi lançado em 1983. Na verdade, o correspondente japonês do NES, o Famicom, é que saiu nesse ano. O NES chegou às lojas em 1985.

Episode 1: The rise of VGM

Primórdios da game music com Space Invaders e Rally X. Em uma raríssima entrevista, a compositora Junko Ozawa fala sobre seu trabalho em The Tower of Druaga e as limitações da época. Hiroshi Okubo, chefe da equipe de som da Bandai Namco, também ajuda a demonstrar como o áudio era rudimentar nos arcades antigos. Mais adiante, o mestre Hirokazu Tanaka relembra suas influências de reggae e como era trabalhar na Nintendo nos anos 80. Primoroso.

Episode 2: The outer reaches of 8-bit

A importância da Konami para a game music por jogos como Castlevania e Contra e pelo uso dos chips de canais adicionais de som, como o VRC6. Uma pena que os compositores que trabalharam na empresa ficaram no anonimato. Em compensação, o músico Akio Dobashi, que não é originário dos games, aparece  para dizer como foi diferente para ele compor a trilha do RPG Lagrange Point. Depois, o produtor Nobuhiro Yoshikawa, que lança trilhas de game music retrô pelo selo Clarice Disc (até onde eu sei, ele não é compositor, como diz o vídeo), lembra a importância musical da Sunsoft durante a era Famicom. Masashi Kageyama, autor da trilha de Gimmick!, faz uma inacreditável participação para rememorar os seus tempos de compositor – atualmente ele não trabalha mais com música.

Episode 3: The dawn of a new era

O advento da era 16-bit, com a surpreendente aparição de Hayaso Matsuo, que, embora hoje seja mais conhecido como um arranjador e orquestrador, relembra sua história como compositor de jogos antigos. Ele mesmo dá o gancho para o documentário abordar a carreira do Hitoshi Sakimoto. Para fechar de maneira magistral, a Yoko Shimomura é escalada para falar sobre a histórica trilha sonora de Street Fighter II. A explicação para a inspiração do tema do Blanka é sensacional.

Episode 4: The cool kid

A importância do Mega Drive na história da game music. O genial Hiroshi Kawaguchi faz uma essencial participação, comentando como foi criar as trilhas de Hang-On e OutRun. Ainda falando da Sega, os artistas se derretem pela nostalgia das trilhas do Sonic. Pena que não há declarações do compositor Masato Nakamura. No final, o mago do som Yuzo Koshiro fala sobre as restrições da época e as trilhas de The Revenge of Shinobi e especialmente Streets of Rage.

Episode 5: The Role of Role Play

Episódio dedicado totalmente ao Nobuo Uematsu e sua participação na série Final Fantasy. A parte de concertos de game music foi muito bem representada. O maestro e produtor da turnê Distant Worlds, Arnie Roth, revela a curiosa inspiração da “One-Winged Angel” em “Purple Haze” do Jimi Hendrix. Depois, o documentário viaja para a Suécia, no Stockholm Concert Hall, por ocasião do concerto Final Symphony. Ao som do piano tocado pela Katharina Treutler, o produtor Thomas Boecker fala sobre o First Symphonic Game Music Concert, primeiro concerto de games realizado fora do Japão que teve o Nobuo Uematsu como convidado. Mais adiante, ele comenta como os compositores não esperavam ser tão reconhecidos e viraram celebridades, com fãs pedindo autógrafos. Os arranjadores finlandeses Jonne Valtonen e Roger Wanamo também aparecem, embora só o segundo fale sobre o Final Symphony. Enquanto isso, trechos do poema do sinfônico de Final Fantasy VI podem ser apreciados.

Episode 6: The end of an era

O advento dos CDs, mostrando mais uma vez a importância da Namco nesse segmento. Aparece o produtor de Tekken, Katsuhiro Harada, e uma série de compositores que trabalham na empresa ou já estiveram lá: Kanako Kakino, Yoshie Takayanagi, Nobuyoshi Sano, Akitaka Tohyama, Taku Inoue, Rio Hamamoto, Keiichi Okabe e Yuu Miyake. Após esse bloco da Namco, Hideo Kojima fala sobre o áudio e as músicas cinematográficas de Metal Gear. O editor principal de áudio, Akihiro Teruda, também conta como é  produzir o design de som dos jogos da série. Nesse trecho, o único compositor entrevistado é o Ludvig Forssell, da Kojima Productions. A meu ver, este episódio não está no mesmo nível dos demais e fugiu um pouco do tema principal do documentário, embora não deixe de ser interessante.

Hidden Levels: Yoko Shimomura & Manami Matsumae

As compositoras relembram como era trabalhar na Capcom. A Manami Matsumae não chegou a aparecer no documentário principal.

Hidden Levels: Shinji Hosoe

Por algum motivo, Shinji Hosoe não é visto nos seis episódios, mas aqui ele discorre sobre a trilha de Ridge Racer. Pela quantidade de jogos na carreira, Hosoe merecia maior destaque.

Hidden Levels: Nobuo Uematsu

Nobuo Uematsu fala sobre as bandas e artistas que o influenciaram, especialmente Elton John.

“Final Fantasy XII Suite” – Final Fantasy XII (Music in Motion)


Por Alexei Barros

Desde o concerto PROMS: That’s Sound, That’s Rhythm realizado em 2008, as músicas de games entraram de vez nos programas da WDR Radio Orchestra Cologne. Após a conclusão da quadrilogia de espetáculos tributo Symphonic Shades, Fantasies, Legends e Odysseys, essa tradição perdurou com o Soundtrack Cologne – East meets West (2012) e o Symphonic Selections (2013). E em 2014? Neste ano aconteceu o Music in Motion, no qual os games dividiram o espaço com músicas de filmes e animes (aliás, todos os números desse bloco, que inclui algumas composições do Joe Hisaishi, tiveram a orquestração de Roger Wanamo).

Apesar de a apresentação não ter o nível de esmero desses concertos passados, houve algumas surpresas interessantes na parte de games, e uma delas é uma nova interpretação da “Kiss Me Good-bye” do Final Fantasy XII. Ao menos é assim que está creditado no programa – achei mais apropriado chamar o número de “Final Fantasy XII Suite”, já que não se trata de qualquer performance da “Kiss Me Good-bye”. Até porque o segmento não inclui apenas essa canção…

Dá para dizer que a extensa trilha do FFXII foi criada por três frentes, com o trio Hitoshi Sakimoto, Masaharu Iwata e Hayato Matsuo na ponta de lança, sonorizando a maior parte do jogo (especialmente o primeiro), o Nobuo Uematsu com a citada música-tema “Kiss Me Good-bye” e a inesperada participação da dupla Taro Hakase e Yuji Toriyama com a Symphonic Poem “Hope”.

Não é raro ver comentários de que a “Kiss Me Good-bye” destoa do clima sombrio do restante da trilha. E, apesar de a Symphonic Poem “Hope” ter sido inspirada pelo tema principal do Hitoshi Sakimoto como diz os créditos do encarte, é difícil imaginar uma performance dela com outras músicas do jogo. Reunir essas três frentes em um único segmento parece impossível dada a disparidade de estilos… Mas não para o Roger Wanamo, o responsável pelo arranjo. Embora o site da WDR não faça a menor questão de dizer, o número inclui sim fragmentos de músicas do Hitoshi Sakimoto e do Taro Hakase/Yuji Toriyama.

Surgem os segundos iniciais das cordas magistrais da “Overture”, primeiro movimento da Symphonic Poem “Hope” para logo confluir na “Ending Movie” do Sakimoto (na faixa original, corresponde ao trecho a partir de 3:57). A forma com que as músicas foram emendadas chega a ser inacreditável, a ponto de parecer que ela foi originalmente criada assim. Quando o clima dá uma acalmada, é possível ouvir as trompas e o oboé evocando ressonâncias da “Road of Hope”, o terceiro e mais fantástico movimento da Symphonic Poem “Hope”.

Entra em cena a cantora Viviane Essig com sua poderosa voz em um tipo de solo mais pop que não se costuma ver nos concertos de games da WDR. De fundo, não há o piano em destaque como na original (até porque o instrumento foi tocado pela própria Angela Aki, intérprete na versão do jogo), mas as cordas – em especial o contrabaixo. No interlúdio instrumental, inacreditavelmente surge uma nova lembrança da “Road of Hope” em um solo de violoncelo. O estrondo do tímpano interrompe essa música, e volta a melodia da “Kiss Me Good-bye” no trompete. A Viviane Essig torna a participar, desta vez acompanhada pela flauta e depois por toda a orquestra. Depois, surge uma nova e arrebatadora lembrança instrumental da “Kiss Me Good-bye” e a cantora regressa mais uma vez para colocar o fim nessa peça inesperada e surpreendente.

No geral, é interessante notar como a “Kiss Me Good-bye”, uma canção J-pop, ganhou no arranjo uma dose de erudição, até porque a performance não teve baixo elétrico e bateria como acontece originalmente (na versão do Voices, arranjada pela Sachiko Miyano, já não tinha banda mesmo). Realmente não poderia acreditar que as inserções da Symphonic Poem “Hope” e “Ending Movie” pudessem originar um arranjo com esse senso de unidade – tarefa que só um arranjador talentosíssimo como o Roger Wanamo é capaz de fazer.

O Music in Motion chegou a ser transmitido em vídeo quando aconteceu em novembro de 2014, mas soube do streaming somente na hora pelo Twitter e não consegui gravar. Aparentemente, ninguém registrou o vídeo e o site da WDR, ao menos por enquanto, não disponibilizou a gravação como aconteceu com outros concertos. Felizmente, o espetáculo foi reprisado em dezembro – somente o áudio, no entanto –, o qual consegui gravar e compartilho abaixo. Aproveite, porque arranjos novos de Final Fantasy não surgem todos os dias – quanto mais do Final Fantasy XII.

“Final Fantasy XII Suite”
Originais: “Overture” ~ “Ending Movie” ~ “Road of Hope” ~ “Kiss Me Good-bye” ~ “Road of Hope” ~ “Kiss Me Good-bye”

“The Legend of Zelda 25th Anniversary Medley” – Zelda, Zelda: A Link to the Past, Zelda: Ocarina of Time, Zelda: The Wind Waker, Zelda: Spirit Tracks (Play! 2011 em Virginia)

Por Alexei Barros

Demorei tanto tempo para postar este vídeo que o Play! A Video Game Symphony nem existe mais: a turnê foi reformulada e rebatizada para rePLAY Symphony of Heroes, que algum dia comento melhor. É mais para tapar uma lacuna.

Não consegui encontrar uma informação precisa, mas, a julgar pelo site do maestro Andy Brick, o concerto em Virginia realizado em julho de 2011 foi o último do Play!. Naquela época, o arranjador Chad Seiter ficou encarregado das novas releituras de Mario, Zelda, Castlevania e Metroid. Falei de todos esses, menos do Zelda.

Como o nome diz, o medley foi feito por ocasião dos 25 anos de Zelda e depois herdado pela turnê The Legend of Zelda: Symphony of the Goddesses, a qual eu mal comentei por aqui. É sempre um desafio pegar algumas músicas dentro de um universo de composições geniais e fazer um medley de 8 minutos capaz de representar essa série em um programa com diversos outros jogos. Mesmo sabendo disso, o segmento tem uma seleção de faixas meio aleatória, deixando um gosto amargo pela falta de inspiração com que as músicas foram arranjadas.

“Triforce Chamber” é uma escolha inusitada para o medley, mas funcionou bem como faixa introdutória em seus poucos segundos. Mais curiosa é a seleção seguinte: a “Steam Train Field 2” do Spirit Tracks, que, apesar de toda a sua simpatia, nem de longe considero uma das músicas mais representativas da série e, aparece, claro, com o realce da flauta.

Após uma transição terrível, surge a “Dragon Root Island” do The Wind Waker, no momento em que as trompas se destacam. O medley parece acabar, mas o tema da série é evocado em um tocante solo de violino. A orquestra regressa e mais uma vez a peça quer chegar ao fim, como se quisesse realizar o desejo do ouvinte – sinceramente, não entendi a razão de existir desse trecho. Meio que do nada, a icônica “Dark World” chega crescendo e é lembrada com certa pompa, mas a mim foi incapaz de transmitir a empolgação da original. Temos mais uma vez o tema principal seguido por uma boa e breve rendição da “Zelda’s Theme”, em uma imponência inesperada para uma música tão singela. Para não ser totalmente injusto, o final grandioso com a alternância entre o trompete e a flauta ficou bom.

A miscelânea foi gravada em estúdio no disco promocional The Legend of Zelda 25th Anniversary Special Orchestra CD, o qual disponibilizo o link abaixo, e só confirma como o medley é insosso e não honra as tradições musicais de Zelda.

“The Legend of Zelda 25th Anniversary Medley”

Originais: “Triforce Chamber” (The Legend of Zelda: A Link to the Past) ~ “Steam Train Field 2” (The Legend of Zelda: Spirit Tracks) ~ “Dragon Root Island” (The Legend of Zelda: The Wind Waker) ~ “Overworld” (The Legend of Zelda) ~ “Dark World” (The Legend of Zelda: A Link to the Past) ~ “Overworld” (The Legend of Zelda) ~ “Zelda’s Theme” (The Legend of Zelda: Ocarina of Time) ~ “Overworld” (The Legend of Zelda)

“Rose of May” – Final Fantasy IX (Distant Worlds 2014 em Londres)

Por Alexei Barros

Além da “Hunter Chance”, a turnê Distant Worlds acrescentou no repertório mais uma música do Final Fantasy IX que também estará registrada no álbum Distant Worlds III: a “Rose of May”. Trata-se de uma adição muito interessante: por ser um solo de piano, a faixa pede muito mais criatividade para o arranjo e a orquestração, e esse tipo de trabalho, quando bem executado, costuma resultar em peças fabulosas – vide a “Zanarkand” original no piano e a “Zanarkand” orquestrada.

Por isso, eu suponho que quem faz o arranjo da “Rose of May”, que estreou em novembro de 2014 na visita a Londres do Distant Worlds, não foi o maestro e produtor da turnê, Arnie Roth. Como disse dezenas de vezes, ele costuma ser o mais literal possível e um arranjo orquestral de um solo de piano exige alguém mais inventivo.

A peça não começa da maneira óbvia que seria apenas com o piano, mas, sim, com uma bela participação das cordas, da flauta e do oboé. Só depois o piano ganha mais destaque, com a bela melodia da “Rose of May”. Sem muita demora, as cordas divinas voltam, com o piano cintilante. Após um trecho de muita pompa, o piano retorna e a flauta fica encarregada de terminar a performance. Um belo arranjo, sem dúvidas.

VGO Live at Symphony Hall: a vez dos esquecidos Final Fantasy Tactics, Final Fantasy XII e Grandia

35736-1396846648
Por Alexei Barros

Quando fiz o primeiro post sobre a Video Game Orchestra lá em 2009, honestamente não imaginava que eles poderiam chegar tão longe, com a participação na gravação da Lightning Returns: Final Fantasy XIII Original Soundtrack. Não é para qualquer um. Não bastasse isso, a orquestra liderada por Shota Nakama vem protagonizando diversos crossovers com outras produções: em março de 2012, a VGO tocou no Distant Worlds; em fevereiro de 2015, vão tocar na turnê The Legend of Zelda: Symphony of Goddesses; e, em março, no Video Games Live!

Esse fato chama a atenção porque a VGO também possui espetáculos próprios, e a gravação da apresentação realizada em Boston no Boston’s Symphony Hall em outubro de 2012 estava há tempos prometida para sair em CD, com financiamento do Kickstarter. Depois de alguns adiamentos, o álbum Live at Symphony Hall finalmente foi lançado em abril de 2014 e cá estou para comentá-lo com meses de atraso.

No geral, o disco é muito competente na performance, mas vou me limitar a falar apenas de três dos dez segmentos que são os mais incomuns desse lançamento. Não que os outros não sejam bons, pelo contrário. Só que alguns jogos já cansaram pela repetição exaustiva de seus maiores hits, como Chrono Trigger, Portal, God of War, God of War II e Final Fantasy VII. Curiosamente, a página do Kickstarter falava que a “Snake Eater” do Metal Gear Solid 3 estaria no álbum. Acredito que deve haver algum problema em licenciar essa canção, visto que aconteceu a mesma coisa no The Greatest Video Game Music 2 (a música está prometida para o álbum Video Games Live: Level 4, a ser lançado em fevereiro de 2015).

Quanto ao Street Fighter II e Castlevania, ambos os números são tocados somente pela banda. Honestamente, não me empolgaram tanto quanto as faixas orquestradas, talvez pelo excesso de improvisações, mas não dá para negar que são instrumentistas habilidosos.

Vamos enfim aos três famigerados arranjos que mais me agradaram.

05 – “Final Fantasy Tactics Medley”
Originais: “Bland Logo ~ Title Black” ~ “Backborn Story”  ~ “Trisection” ~ “Ovelia’s Worries” (Final Fantasy Tactics) ~ “Sorrow (Liberation Army Version)” ~ “A Moment’s Rest” ~ “Boss Battle” (Final Fantasy XII)
Composição: Hitoshi Sakimoto
Arranjo: David Saulesco

Originalmente intitulado “Sakimoto Medley”, o que já achava impreciso, o medley ganhou um nome mais equivocado ainda porque cita apenas o Final Fantasy Tactics e acoberta a raríssima lembrança de músicas do Final Fantasy XII. Mais apropriado seria “Ivalice Alliance Medley”. Começando pela parte tática, a “Bland Logo ~ Title Black” aflora em toda a sua beleza orquestral com o toque militar característico do Sakimoto. O coral faz a incursão na peça com a “Backborn Story” até as cordas ficarem cada vez mais nervosas com a “Trisection”. O coro então retorna com a “Ovelia’s Worries”. Seguindo para o FFXII, há a “Sorrow (Liberation Army Version)”, nas cordas, e a “A Moment’s Rest”, com a flauta anunciando sua entrada. Duas músicas que são essencialmente de ambiente, mas caíram muito bem no medley. A percussão dá início ao apogeu da miscelânea, a poderosa “Boss Battle” em sua totalidade – no “Battle Medley 2012” do Final Fantasy Orchestral Album, a segunda parte da faixa não foi aproveitada, e aqui esse trecho ainda tem coral. Só esse final já vale o medley e a rara performance das composições do Hitoshi Sakimoto.

06 – “The End of the World” (Grandia)
Original: “The End of the World”
Composição e arranjo: Noriyuki Iwadare

É com extrema satisfação que ouço com a qualidade que merece a primeira aparição do Grandia original nos concertos, mas não dá deixar de esconder um desapontamento. No espetáculo, foram tocados quatro faixas arranjadas pelo próprio Noriyuki Iwadare, mas apenas duas delas estão no CD. E uma das eliminadas foi justamente a “Battle 1”, que tinha ficado simplesmente excepcional e me deixou estupefato quando vi a gravação amadora… – a outra cortada foi a “Farewell to Sue”.

A “Battle 1” era a única das selecionadas presente no Grandia Original Soundtracks II, segundo volume da trilha que contém as faixas originalmente sintetizadas no jogo. As outras três estão no primeiro Grandia Original Soundtracks e já são normalmente orquestradas. Falta de tempo no CD não é um problema, pois sobraram 14 minutos no disco. A única explicação que encontrei deve ser para não sobrecarregar a track list com Grandia, mas dada a singularidade do momento não haveria tanto problema.

Enfim falando da “The End of the World”, a música mostra toda a sensibilidade de Iwadare no uso dos violinos, que a VGO consegue reproduzir com maestria no concerto (o arranjo segue os passos da faixa original). É uma bela peça melódica que tem momentos de brilhantismo… Porém, se pudesse escolher ficaria com a “Battle 1”.

07 – “Theme of Grandia” (Grandia)
Original: “Theme of Grandia”
Composição e arranjo: Noriyuki Iwadare

Eis o grande momento que sonhei por anos: uma performance ao vivo de uma das maiores obras-primas de Iwadare, a magnífica “Theme of Grandia”, com todos os instrumentos que ela tem direito (e tudo sendo tocado ao vivo, é claro): bateria, percussão, baixo elétrico e guitarra (que aparece mais ao longo da peça e não só no solo). Assim como a faixa anterior, a partitura é bastante similar ao jogo (só não sei com certeza se é idêntica, porque sempre há sutilezas aqui e ali), com aquele solo de violino genial e, mais adiante, o já citado solo de guitarra. O canal da VGO inclusive publicou a gravação do segmento, o qual reproduzo abaixo. Momento histórico, sem dúvidas.

“Battle Medley” – Rudra no Hihou (String Quartet)

Por Alexei Barros

O que os grupos pró-amadores japoneses adoram as músicas da Square Enix não está no papel. Porém, essa paixão se limita, de maneira geral, às séries Final Fantasy, Dragon Quest, Chrono e SaGa. Por isso, é revigorante ver uma performance de uma pérola obscura como o Rudra no Hihou. Lançado somente no Japão em 1996 para o Super Famicom, o RPG conta com uma envolvente trilha musical assinada por Ryuji Sasai, que também criou melodias para Final Fantasy Legend III e Final Fantasy: Mystic Quest, entre outros jogos. Embora Sasai conte com um longo histórico de game music e tenha sido de fato funcionário da Square Enix, ele também é conhecido por participar como baixista de diversas bandas de J-Rock, como Novela, Action, Queen Mania e Spiders from Cabaret. Confesso que jamais escutei nenhuma delas – só tinha ouvido falar, muito por cima, da Novela.

De qualquer forma, essa veia rockeira do Sasai se manifestou nos videogames, especialmente nos temas de batalha: as faixas sintetizadas de fato trazem timbres que simulam uma banda de rock. E quando músicas assim são adaptadas para instrumentos de corda é difícil de errar. Aquele mesmo grupo chamado simplesmente String Quartet que tocou a “Battle #1” do SaGa Frontier selecionou quatro temas de combate do Rudra no Hihou para mais uma sessão de deleite sinfônico. A “Strange Encounters (Sion)” abre a peça com impressionante dinamismo e a viola depois reproduz a melodia. Logo o quarteto segue para a “The Flame and the Arrow (Riza)” (0:46), e agora é o primeiro violino que comanda a música. Em uma transição quase imperceptível, a “The Spirit Chaser (Surlent)” (1:52) surge com tudo – sabiamente, não foram aproveitados os 15 segundos iniciais da original, que é uma introdução meio lenta e quebraria o ritmo acelerado. Eis que surge “Blazing Impact (Dune)” (2:42) em mais um momento de pleno entrosamento dos quatro instrumentistas, acabando sem demorar esse breve, mas inspirador medley.

“Battle Medley”
Originais: “Strange Encounters (Sion)” ~ “The Flame and the Arrow (Riza)” ~ “The Spirit Chaser (Surlent)” ~ “Blazing Impact (Dune)”

“Mario Through The Years” – Super Mario Bros., Super Mario Bros. 2, Super Mario Bros. 3, Super Mario 64 e Super Mario Galaxy (Video Games in Concert 2012)

Por Alexei Barros

Tenho falado à exaustão nos últimos anos a respeito do quanto as músicas entre o primeiro Super Mario Bros. e o Super Mario Galaxy costumam ser ignoradas nos arranjos orquestrais. Ultimamente isso tem diminuído, é verdade. Mas um jogo ainda continua sendo deixado de lado: Super Mario Bros. 2. Em uma das muitas entrevistas que o Koji Kondo concedeu recentemente por ocasião de sua participação no Game Awards 2014, ele chegou a dizer até que faria a trilha diferente se soubesse que o jogo seria do Mario – o título que deu origem ao Super Mario Bros. 2 foi o Doki Doki Panic. Mesmo assim, ainda acho que as músicas desse jogo soam muito ao estilo Mario.

Esta performance da Young Classic Sound Orchestra comprova isso. Formada em 2004 pelo maestro Lahnor Adjei, a orquestra mescla jovens instrumentistas com músicos profissionais de diferentes regiões da Alemanha, em um total de cerca de 80 pessoas. Para atrair novos públicos, a YCSO inclui no repertório músicas de filmes e, claro, videogames.

O arranjo assinado por Cody Chavez está longe de ser dos meus sonhos, mas é muito honesto e coerente, com transições relativamente competentes, excluindo a passagem da “Slider” para a “Wind Garden”, na qual há um vazio. Além da bem-vinda presença da “Overworld” do Mario 2, o que me agradou nesse medley foi a participação da bateria, especialmente na “Wind Garden”, já que não há esse instrumento na música original, que é naturalmente orquestrada no Super Mario Galaxy.

Fora isso, vale o post pela gravação profissional do vídeo e áudio (só não entendi muito bem por que as imagens aleatórias do Super Mario 3D Land, que nem sequer foi representado no medley).

– “Mario Through The Years”
Originais: “Overworld” (Super Mario Bros.) ~ “Overworld” (Super Mario Bros. 2) ~ “Athletic” (Super Mario Bros. 3) ~ “Slider” (Super Mario 64) ~ “Wind Garden” (Super Mario Galaxy) ~ “Course Clear” (Super Mario Bros.)


RSS

Twitter

RSS Box art do dia

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: