Posts Tagged 'WDR Radio Choir Cologne'

“Turrican II – Anthology Suite” – Turrican II: The Final Fight (Soundtrack Cologne – East meets West)


Por Alexei Barros

Nas cinco edições da série Symphonic Game Music Concert, em cada uma delas houve pelo menos um segmento com músicas de Chris Huelsbeck, e a série que mais lembranças recebeu foi Turrican, em especial o segundo jogo. Para completar, quando foi a vez do compositor alemão ser homenageado no espetáculo Symphonic Shades, o Turrican II ganhou um concerto para piano que é uma das grandes obras-primas do arranjador Jonne Valtonen.

Para quem não conhece o jogo, é natural pensar que já estava de bom tamanho tantas performances, mas não foi nenhuma surpresa saber que o Turrican II ganhou uma inédita e bem-vinda releitura para o Soundtrack Cologne – East meets West. O mais bacana é que esse novo arranjo ficou sob os auspícios do Roger Wanamo, que ainda não fazia parte da equipe do Merregnon Studios na época do Symphonic Shades (sua estreia seria no Symphonic Fantasies, na suíte do Chrono). Com isso, o finlandês construiu uma suíte de 11 minutos com vários temas do Turrican II como veremos mais detalhadamente a seguir.

Para um início pomposo, foi perfeita a escolha da “Concerto for Lasers and Enemies” (tema da primeira das três fases de navinha do jogo, a 3-1). O brilho dos metais dão todo o clima John Williams que o tema tem direito. Logo aos 1:10, há uma competente transição para o “The Final Fight” (da tela-título), o tema que Valtonen usou em todo o concerto para piano. Esse trecho explora as cordas e, diferentemente do Symphonic Shades, também faz uso do coral, dando uma sensação bem diferente de outros arranjos do Turrican já feitos. Em meio ao pizzicato dos violinos, há um solo de clarinete bem inesperado, enquanto o coro cria um clima sombrio e imponente. Depois de explorar muito bem esse tema, a viagem vai para a introspectiva “The Great Bath” (ela toca apenas nas áreas aquáticas da fase 2-1). Depois de uma pausa para pensar, o coral entoa a melodia a capella em um momento de pura inspiração, e pouco depois a orquestra se junta em plena harmonia. Aos 8:00, a “Concerto for Lasers and Enemies” retorna brevemente para fazer a ponte até surgir, aos 8:20, a “Freedom” (tema dos créditos), orquestrada pela primeira vez. Em uma bela participação do coral, a melodia genial da música é tocada de maneira magnífica, terminando com o regresso da “The Final Fight” aos 9:47.

Pode parecer brincadeira, mas ainda não acho que o segmento tenha encerrado a cota de músicas do Turrican II que deviam ser orquestradas no meu entendimento. Um dia ainda queria ouvir a surpreendente “Traps” (da fase 1-2) e a envolvente “The Hero” (tela de hi-score), para citar apenas as composições do Turrican II. Se abrirmos para a série toda, a “Wormland”, do Super Turrican 2 é outra indispensável.

“Turrican II – Anthology Suite”
Originais: “Concerto for Lasers and Enemies” ~ “The Final Fight” ~ “The Great Bath” ~ “Concerto for Lasers and Enemies” ~ “Freedom” ~ “The Final Fight”

Anúncios

Symphonic Odysseys: 2011: Uma Odisseia do Uematsu


Por Alexei Barros

Odisseia. Como a de Homero, narra uma extensa epopeia, repleta de aventuras extraordinárias e acontecimentos dramáticos. Como a de Stanley Kubrick, um épico espacial com trilha sonora memorável. Como a de Nobuo Uematsu. Que palavra seria mais apropriada para nomear um espetáculo em tributo à portentosa carreira de um compositor como ele? Melhor: odisseias. Odisseias sinfônicas. Se cada jogo da série que mais se dedicou traz uma história diferente da outra, o plural é mais indicado para alguém de tamanha envergadura (o singular no título foi só para não perder a chance do trocadilho).

Já que cada concerto de Final Fantasy pode ser considerado uma homenagem a Uematsu na maioria das vezes, não é de estranhar que tenha demorado tanto tempo para isso acontecer, afinal, só em 2004, como freelancer, a variedade de franquias aumentou efetivamente. A primeira vez foi em 2007, na Itália, o Nobuo Uematsu Show, que se limitou a executar partituras conhecidas de Final Fantasy, Blue Dragon e Lost Odyssey. Agora, em 2011, o Symphonic Odysseys não tem nem comparação, com todos os arranjos novos em folha, oferecendo um recorte de sua trajetória.

Antes mesmo da realização do Symphonic Legends, o Symphonic Odysseys foi anunciado pelo então administrador da WDR Radio Orchestra Cologne, Winfried Fechner, em março de 2010 – ambos concertos que nasceram por consequência do sucesso espantoso do Symphonic Fantasies em 2009. Em dezembro do ano passado, os ingressos para os 2000 assentos do Cologne Philharmonic Hall do espetáculo às 20 horas locais esgotaram em 12 horas, um recorde para os concertos de games em Colônia. Uma nova apresentação às 15 horas foi marcada para o mesmo dia, 9 de julho, e também teve todos os bilhetes comprados. A alta demanda se explica por Square Enix, Nobuo Uematsu e Final Fantasy: a maioria das pessoas estava lá especialmente por conta do terceiro item.

E então chegamos ao set list. O primeiro ato corresponde ao passado do Uematsu e o segundo ao presente (exceção aos dois números do bis). Antevendo a realização do concerto, eu procurei ouvir as trilhas antigas do Uematsu e pude constatar que a discografia dele é mais variada do que aparenta, o problema é que muitos jogos são pulgas se comparados com a supremacia de Final Fantasy.

Obscuridades como Genesis, Alpha, Cruise Chaser Blassty, Cleopatra no Mahou, The 3-D Battles of WorldRunner, Nakayama Miho no Tokimeki High School, Square’s Tom Sawyer, Aliens 2, The Square’s Tom Sawyer… Além disso, confesso que da leva pré-histórica da Square tem pouca coisa verdadeiramente aproveitável. King’s Knight é um representante digno dessa era, assim como The Final Fantasy Legend e Final Fantasy Legend II. Os três nem saíram na Europa, uma área com lançamentos bem específicos e que recorrentemente sofre com a ausência de localizações. Por exemplo, Chrono Trigger só foi publicado por lá em 2009, na versão para Nintendo DS, como já havia comentado no relato do Symphonic Fantasies. Isso vale também para o segundo ato, com as colaborações para jogos da Mistwalker: The Last Story ainda não saiu na Europa; Blue Dragon e Lost Odyssey não se comparam com FF em popularidade. Anata wo Yurusanai, Away: Shuffle Dungeon, Lord of Vermilion, Sakura Note: Ima ni Tsunagaru são ainda mais desconhecidos, considerando os trabalhos recentes. Aliás, tudo foi considerando no início, inclusive trabalhos sem relação com jogos, como a trilha do anime Guin Saga, e Nobuo Uematsu deu total liberdade para a seleção de títulos e músicas.

Seria de meu agrado que Hanjuku Hero, por ter uma trilha melódica e grudenta, Rad Racer, por ser um jogo de corrida, e Front Mission: Gun Hazard, por diferenciar do que Uematsu fez naquela época, mas compreendo as ausências como o Symphonic Odysseys já traz um montante de jogos poucos conhecidos que não apareceria normalmente em outras produções. São raras as performances de Nobuo Uematsu que não de Final Fantasy, especialmente no ocidente: “Main Theme” do Blue Dragon e a “Main Theme” do Lost Odyssey pipocaram na turnê Play! A Video Game Symphony; em 2007, a Microsoft promoveu no Japão o concerto Orchestral Pieces From Lost Odyssey & Blue Dragon, com oito segmentos do Blue Dragon e sete do Lost Odyssey; no ano seguinte, no Press Start 2008, teve um medley de músicas antigas, com Alpha, King’s Knight, 3-D WorldRunner, Makai Toushi SaGa e Hanjuku Hero. O resto é tudo Final Fantasy.

O concerto leva em conta o quanto Uematsu compôs para a série, mas não foram executadas faixas de todos os episódios que ele participou. Assim como no Symphonic Fantasies, não teve FFVIII, FFIX, FFXI e FFXII (somente a “Kiss Me Good-Bye”) e não senti falta. O foco das apresentações recentes da série é nos capítulos de FFI a FFVII e FFX, e a prioridade era de músicas ainda não executadas (claro que existem tantas outras desses que ainda merecem ser tocadas).

A maioria dos arranjos foi feita por Jonne Valtonen (seis segmentos e uma suíte) e Roger Wanamo (dois números e outra suíte), ambos os finlandeses do time do Merregnon Studios do produtor Thomas Boecker. Mesmo assim, teve dois convidados: Jani Laaksonen, que também é da Finlândia e estudou na mesma universidade de Valtonen e Wanamo, a Tampere University of Applied Sciences, e é amigo dos dois; e Masashi Hamauzu, que elaborou três arranjos para o LEGENDS (Kirby e Pikmin, além de Donkey Kong Country, que constava no Symphonic Legends). Estreando na série Symphonic outro finlandês, o letrista Mikko Laine, que trabalhou com Valtonen anteriormente e participou do LEGENDS também com versos em inglês.

As partituras foram preparadas especificamente para o tamanho da WDR Radio Orchestra Cologne (representada por 72 instrumentistas, incluindo a pianista) e WDR Radio Choir Cologne (45 coristas), que retorna do Symphonic Fantasies após a ausência no Symphonic Legends. Repare que desta vez o coral esteve, por conta da falta de espaço, no andar de cima do palco, que é a maneira mais convencional; no Symphonic Fantasies e no Symphonic Legends o coro ficava posicionado no canto esquerdo, no mesmo andar da orquestra. A complexidade dos arranjos exigiu cinco dias de ensaios (geralmente duravam das 10h até às 14h30), bem menos que os 14 do Symphonic Fantasies, mas ainda assim mais do que o normal de concertos eruditos, que é dois dias. Ausente do Symphonic Legends, Arnie Roth voltou à batuta e sua regência tem o fator especial de ele ser amigo do Uematsu, uma parceria que se fortaleceu na turnê Distant Worlds. A mesma amizade vale para o pianista de uma suíte e dos dois bis, Benyamin Nuss, pelo álbum Benyamin Nuss Plays Uematsu, uma coletânea de piano dedicada ao compositor.

Foi um alívio ver a transmissão em vídeo da WDR funcionando perfeitamente como no Symphonic Fantasies, e todo o concerto pôde ser acompanhado ao vivo. A apresentação das 20h inclusive atrasou alguns minutos em decorrência da longa fila da sessão de autógrafos. Não por acaso: Nobuo Uematsu é uma celebridade, é carismático, é uma figura. Vê-lo em pessoa já é uma satisfação.

Depois do Hadouken, minhas extensas considerações sobre o Symphonic Odysseys. Em vez de colocar um monte de números dos contadores, optei por colocar links em alguns trechos específicos para você entender melhor o que quero dizer.
Continue lendo ‘Symphonic Odysseys: 2011: Uma Odisseia do Uematsu’

Symphonic Odysseys: suíte de Lost Odyssey terá coral e órgão de tubo; três músicas confirmadas

Por Alexei Barros

Se Final Fantasy será a série representada em maior quantidade do Symphonic Odysseys, ocupando quase 50% do programa, possivelmente o jogo que vem em segundo lugar é Lost Odyssey, como já sugeria o nome do espetáculo, com uma suíte à Symphonic Fantasies de 15 minutos.

Se a suíte correspondente a Final Fantasy é um concerto para piano, deve ficar reservada para o primeiro ato, ao passo que Lost Odyssey é destinada para o segundo, haja vista os elementos normalmente apresentados mais próximos do encerramento do concerto: coral e órgão de tubo. O primeiro será o WDR Radio Choir Cologne, o mesmo do Symphonic Fantasies, que regressa ao palco do Cologne Philharmonic Hall após a ausência em 2010. Por melhor que fosse o State Choir Latvija no Symphonic Legends, tenho a sensação que o WDR Radio Choir Cologne é superior, com 40 vozes potentes e afinadas. Aparentemente, como nunca o instrumento terá tanto destaque na série Symphonic tal qual neste segmento; o órgão de tubo explodia apenas na “Lavos’ Theme” durante o “Encore (Final Boss Suite)” do Symphonic Fantasies e na “Theme of Super Metroid” do “Encore (Currendo. Saltando. Ludendo)” do Symphonic Legends. Quem sabe o instrumento também não possa ser usado para rendições de “Dancing Mad” do Final Fantasy VI e “Atlas” do Front Mission: Gun Hazard, cujas sintetizadas emulam órgão de tubo.

As três composições divulgadas são, em minha opinião, algumas das melhores da trilha e não poderiam faltar para um número tão extenso enfocado em mostrar a aura de Lost Odyssey. Incrivelmente nenhuma delas apareceu no Orchestral Pieces From Lost Odyssey & Blue Dragon, concerto que conseguiu a proeza de executar sete faixas do RPG do Xbox 360 lançado em 2007 que não estas.

“Prologue”

Trata-se da primeira faixa da trilha, uma versão instrumental da poderosa “Main Theme” que já foi tocada no próprio Orchestral Pieces, além do Play! A Video Game Symphony e do Nobuo Uematsu Show. Provavelmente abrirá a suíte – será que logo de cara o solo similar da “Main Theme” se expandirá para todo o coral entoando a tocante melodia?

“Dark Saint”

Tensa, nervosa, explosiva. Tem tudo para ficar estupenda no arranjo do Jonne Valtonen: já que não haverá guitarra no concerto, como será que ele vai adaptar os inflamados solos do instrumento da original para orquestra? A parte do coral, com os assombrosos vocais masculinos em destaque, também é digna de nota.

“Light of Blessing ~ A Letter”

Em uma palavra: morri. Pouco antes de serem reveladas as faixas, assim que foi divulgada a combinação Lost Odyssey, coral e órgão de tubo pensei nesta música, que é uma das maiores obras-primas do Nobuo Uematsu, com uma sensibilidade digna dos seus primeiros trabalhos na Square Enix sob uma roupagem moderna no melhor estilo John Williams. Será que Jonne Valtonen poderá melhorar o que já é sublime?

[via Symphonic Odysseys]

Symphonic Fantasies: as fantasias reais eternizadas em um CD imaculado

Por Alexei Barros

Seis meses de arranjo e orquestração. Catorze dias de ensaios. Para pouco mais de 1 hora e 20 minutos de apresentação. Compensa tanto tempo e labor? Respondo com um decisivo sim (sem esquecer o processo de seleção de faixas, a parte burocrática de licenciamento e a fadiga dos instrumentistas e envolvidos). Vale não apenas pela experiência musical ímpar que se vivencia naquela hora – inesquecível para os 2000 espectadores in loco; memorável para tantos outros mundo afora –, como também porque agora o resultado do processo esmeroso ficou imortalizado em um disco para infindáveis apreciações.

Falo evidentemente do Symphonic Fantasies, concerto em homenagem à Square Enix que foi aclamado em diversas partes do planeta graças à inédita transmissão em streaming de vídeo, a ponto de ser elogiado pelos responsáveis de outras produções, como Tommy Tallarico, do Video Games Live, e Hiroaki Yura, do A Night in Fantasia. A fórmula inovadora delineada pelo produtor Thomas Boecker e idealizada pelo arranjador Jonne Valtonen de coadunar temas das mesmas séries em suítes longas de alto valor artístico se mostrou muito mais acessível do que se poderia imaginar para um público acostumado com arranjos presos aos temas originais, que é o que os concertos de games, em sua imensa maioria, costumam oferecer.

Tudo aconteceu no dia 12 de setembro de 2009, no suntuoso Philharmonic Cologne Hall na cidade de Colônia, Alemanha, com a performance da WDR Radio Orchestra Cologne, com aproximadamente 80 integrantes, e do WDR Radio Choir Cologne, formado por 40 coristas, sob a regência de Arnie Roth. Na plateia, estavam Yoko Shimomura, representando a série Kingdom Hearts; Hiroki Kikuta, Secret of Mana; Yasunori Mitsuda, Chrono Trigger e Chrono Cross; e, finalmente, Nobuo Uematsu, a série Final Fantasy.

Depois de rumores esparsos, o disco foi anunciado pelo administrador da WDR Orchestra, Winfried Fechner, em entrevista ao SEMO realizada em março de 2010. A data de lançamento foi veiculada pelo site da Amazon alemã inicialmente para dia 21 de maio com publicação da Sony Classical Germany. Todavia, tratava-se de um equívoco da loja virtual, que alterou a data para 31 de dezembro. Posteriormente ocorreu a revelação oficial para setembro, desta vez com o selo da Decca (Universal Music). Em seguida, o lançamento alemão foi precisado para o dia 24 e, numa decisão rara, adiantado para uma semana antes, 17 de setembro, pouco mais de um ano depois da realização do concerto. Dois dias antes, a Square Enix publicou o álbum no Japão com número de catálogo SQEX-10202.

O conteúdo musical é o mesmo, a diferença é o encarte. A edição germânica possui na capa um estiloso controle-violino de madeira, ao passo que a japonesa possui a imagem da lateral de uma espécie de enciclopédia com os nomes dos compositores em destaque. No livreto há perfis dos principais envolvidos, mas infelizmente a compreensão do texto é limitada aos entendedores dos dois idiomas locais. Um detalhe que poderia ser acrescentado são as letras em latim e tradução das suítes de Secret of Mana e Final Fantasy como foram escritas especialmente para o concerto de acordo com os universos dos respectivos jogos e séries. Cada suíte tem quatro faixas detalhadas (exatamente as anunciadas antes do concerto), e não seria muito pedir que fossem arroladas todas as músicas homenageadas – a ordem é impossível, eu sei, pelo menos a lista completa, ainda que na maioria dos álbuns a informação não seja divulgada oficialmente.

Apesar de planejado para ser executado ao vivo, o conceito do Symphonic Fantasies está muito mais de acordo com um álbum. Explico. Exceção à suíte de Final Fantasy, que segue formato mais simples de medley, ou seja, faixa A + faixa B + faixa C e assim por diante com devidas transições, as outras três suítes são quebra-cabeças, com idas e vindas, variações, sobreposições de melodias e alusões sutis. É impossível absorver tudo de primeira, por isso é um imperativo novas audições. Por que então ouvir o CD se as gravações estão no YouTube e afins?

Primeiro porque é muito mais recompensador possuir uma recordação material de um espetáculo histórico e caprichado como o Symphonic Fantasies, e outro porque a qualidade está ainda melhor, acredite você, como se não bastasse a perfeição da transmissão ao vivo. Editada e mixada no WDR Radio Studios, a gravação passou pelo crivo do arranjador e dos quatro compositores e foi masterizada no Abbey Road Studios. Parece gravado em estúdio pela nitidez de som estonteante, e só se percebe que é ao vivo pelos aplausos no final de cada um dos cinco números e pelos risos ao fundo acompanhado de um “woow!” de um infeliz da plateia quando é tocado o tema dos Chocobos.

Falei cinco números. O sexto, “Encore (Symphonic Fantasies)”, que era um medley convencional de oito minutos com quatro temas de batalha contra chefe, acabou não cabendo no CD e está somente disponível na versão digital. Embora preferisse dois discos para que fosse registrada a experiência do concerto em sua plenitude, não é uma ausência vital. Não deixa de ser uma decisão ousada, visto que a miscelânea acabava com a “One-Winged Angel”, e não é todo dia que sai um álbum de um concerto relacionado com Final Fantasy sem o tema considerado muitas vezes pelos fãs casuais como obrigatório.

Posto isso tudo, revisitei a abertura e as quatro suítes com o perdão da sua paciência porque há muitos detalhes que vieram à tona com a mixagem do CD. Não mencionei novamente as músicas que senti falta ou então comparei com outros arranjos. Seria redundante, sem falar que um ano depois, passo a compreender a ausência de algumas, porque cada segmento possui a própria vibração e complementa o outro no contexto do concerto, em uma escala gradativa. Foi tudo planejado e equilibrado para não enfastiar ou cansar os ouvidos no decorrer das suítes e na récita como um todo.

Depois do Hadouken você também pode conferir no Goear as suítes nas versões do álbum, mas fica o aviso: nada se compara ao CD, que está superior evidentemente. Um concerto com semelhante perfeição de performance suplica para ser apreciado na melhor qualidade possível.

Continue lendo ‘Symphonic Fantasies: as fantasias reais eternizadas em um CD imaculado’

Symphonic Fantasies: as fantasias que se tornam realidade

Symphonic Fantasies
Por Alexei Barros

Era bom demais para ser verdade. Um concerto exclusivo da Square Enix com arranjos 100% inéditos presenciado por quatro dos principais compositores nipônicos que passaram pela empresa na Alemanha. Transmitido para todo o mundo ao vivo via streaming em áudio. Em vídeo. Gratuitamente. Parecia uma fantasia ensandecida demais para ser verdade, e de fato foi no dia 12 de setembro de 2009.

Symphonic FantasiesUm ano antes, em setembro de 2008, a ideia do Symphonic Fantasies foi levada à Square Enix pelo produtor Thomas Boecker, como terceira parte do acordo inicial com o administrador da WDR Radio Orchestra Cologne, Winfried Fechner, para a realização de três concertos de games que fossem únicos e distintos dos outros espetáculos. O primeiro, PROMS That’s sound, that’s rhythm (fevereiro de 2008), que mesclou música erudita com Castlevania, Shenmue, Grand Monster Slam e Final Fantasy VIII serviu mais de teste. Era a primeira vez que a WDR Radio executava game music. O segundo, Symphonic Shades (agosto de 2008), prestou homenagem ao compositor alemão Chris Huelsbeck, e o terceiro, Symphonic Fantasies, ofereceria tributo a uma produtora, Square Enix. O sucesso foi tamanho que um novo concerto já foi anunciado para setembro de 2010. A princípio, o Symphonic Fantasies coincidiria com a Gamescon, que acabou passando para os dias 19 a 23 de agosto, deixando o concerto sem o apoio de um grande evento de games. Nem precisava. Ainda em novembro de 2008 ocorreu a revelação, ainda que vaga, e em janeiro de 2009 a confirmação de que as séries Mana, Chrono, Final Fantasy e Kingdom Hearts seriam as selecionadas, e que três compositores (quatro no final das contas) viriam especialmente para a ocasião.

Surpreende que nunca tenha acontecido um concerto da Square Enix no Japão, apenas com apresentações exclusivas de Dragon Quest e Final Fantasy, que estiveram juntas na série Orchestral Game Concert no início da década de 1990, ironicamente quando Square e Enix eram separadas. Por isso, SaGa raramente aparece. Nunca existiram performances em concertos profissionais de Front Mission, Xenogears e Vagrant Story. Das séries de outros estúdios que a produtora faz a publicação, como Star Ocean e Valkyrie Profile da tri-Ace, e Grandia da Game Arts, idem.

Voltando para a Alemanha, as escolhas do quarteto foram baseadas na popularidade local. Isso explica porque a suíte de Mana ficou restrita à Secret of Mana – Seiken Densetsu 3, como o nome mostra, não teve versão em inglês, e Legend of Mana nem foi lançado na Europa. Chrono Cross também não, é verdade, mas o jogo foi poderoso o bastante para superar qualquer deficiência de localização. E sabe quando Chrono Trigger foi lançado oficialmente na Europa? Em 2009! Só agora, na versão de DS.  Se Final Fantasy por si só justifica uma apresentação própria, estaria lá para sustentar as outras séries que não tem a mesma representatividade. Por mais que Kingdom Hearts, Mana e Chrono sejam conhecidas, sozinhas não garantiriam concertos exclusivos fora do Japão – em termos de público mainstream, não de fartura musical, é claro.

Definidas as séries, me intrigava o porquê das músicas não terem sido anunciadas se não no começo, nos próximos meses após a revelação. Resposta: o formato das suítes. “Esse tipo de abordagem aberta se tornou impossível anunciar as músicas de início – simplesmente porque nós nunca podíamos falar se certas músicas planejadas realmente fariam parte do arranjo ou não”, afirma Thomas Boecker. “Nós queríamos total liberdade – e não nos sentiríamos confortáveis em colocar certas músicas simplesmente porque um anúncio antecipado nos obrigaria a fazê-lo”.

Jonne ValtonenLevando em consideração a maioria das favoritas dos compositores, as faixas foram escolhidas imaginando a ordem em que seriam apresentadas em cada suíte, sempre com espaço para alterações. “Durante o desenvolvimento você percebe que as mudanças fazem sentido – e que a ideia original poderia ter sido boa, mas há soluções melhores”, diz. Para o arranjo e a orquestração das músicas, o produtor escalou o finlandês Jonne Valtonen, que teve seis meses para completar a tarefa de grande responsabilidade, afinal mexeria com algumas das mais geniais composições de game music. Ele fez a maior parte do exaustivo trabalho, e no segmento de Chrono Trigger & Cross e no Encore recebeu o amparo de Roger Wanamo, também da Finlândia.

O principal diferencial das suítes do Symphonic Fantasies é que não foram pensadas como medleys convencionais, que possuem uma sequência lógica em que uma música acaba e inicia a outra. Ao longo da peça há diversas interpretações de uma mesma faixa em diferentes momentos, o que exige muito mais criatividade. As músicas não foram simplesmente amontoadas e socadas para caber o máximo possível em segmentos de 17 minutos, mas sim houve um trabalho em cada faixa, com variações na instrumentação e no ritmo que são muito mais complexos do que a maioria das orquestrações que primam pela literalidade. Tudo isso exige um número de ensaios maior (em torno de 14 dias cheios), que o convencional, e só foi possível porque houve tempo suficiente que normalmente inexistiria, por exemplo, em uma turnê de concertos de games com agenda apertada. Também dependeu muito da qualidade suprema da WDR Radio Orchestra Cologne e do WDR Radio Choir Cologne, que totalizam mais de 120 pessoas (cerca de 80 da orquestra e 40 do coral), em perfeito entrosamento com o experiente maestro Arnie Roth, que considerou o Symphonic Fantasies o concerto mais difícil que regeu.

As cerca de 2000 pessoas que assistiram in loco no Philharmonic Cologne Hall tiveram a oportunidade de pegar autógrafos de Nobuo Uematsu, Yasunori Mitsuda, Yoko Shimomura e Hiroki Kikuta. Não é todo dia que se vê o quarteto reunido, principalmente porque hoje todos não trabalham mais na Square Enix. O vídeo abaixo mostra uma fração da experiência do Symphonic Fantasies antes da apresentação. De acordo com a organização do local, nunca houve tantas pessoas numa sessão de autógrafos, e foi elogiado o comportamento sereno dos fãs, sem quaisquer gritos ou escândalos. Além dos compositores, é possível ver em certo momento, próximo de Uematsu, o diretor da Dog Ear Records, Hiroki Ogawa, conversando com o produtor Thomas Boecker.

Ainda é difícil acreditar que a apresentação preparada com capricho durante tanto tempo foi transmitida pela internet – pude ver na melhor qualidade, de banda larga, sem nenhum tropeço na conexão. Geralmente os concertos de games demoram meses para o lançamento em CD ou DVD, isso quando são lançados. As três câmeras da WDR captaram os instrumentistas e coristas em todos os detalhes, com um senso artístico nos enquadramentos que seria difícil de imaginar que não era um DVD. Tem um errinho aqui, outro acolá, mas, puxa vida, era ao vivo, e se esvaem diante de toda a experiência. Incrível ver os compositores na plateia, em especial Hiroki Kikuta, que nunca havia acompanhado antes uma performance orquestrada de uma música dele, e estava fora dos holofotes, compondo trilhas para jogos hentai dos mais obscuros no ocidente.

Depois da extensa introdução, os comentários após o Hadouken sobre cada suíte com links para a essencial apreciação no Goear (ininterruptamente) e YouTube (dividido). Alerto que quando cito o tempo das músicas me refiro ao contador do Goear.

Continue lendo ‘Symphonic Fantasies: as fantasias que se tornam realidade’

Symphonic Fantasies: três das seleções de Final Fantasy

Por Alexei Barros

A suíte de Final Fantasy terá a árdua missão de realizar o fechamento do Symphonic Fantasies, concerto alemão que se dará nos dias 11 e 12 de setembro – não está longe. Indiscutivelmente, é a franquia que contou com mais músicas orquestradas no passado, uma vez que é a única que teve espetáculos próprios dentre as quatro séries selecionadas. No entanto, se parece factível condensar em 17 minutos a alma sonora de Kingdom Hearts, Secret of Mana e Chrono Trigger e Cross, já que são poucos jogos, por conseguinte menos músicas, Final Fantasy foi um desafio e tanto criar uma unidade com fanta fartura e diversidade.

Primeiro pela quantidade. Sabendo que na suíte haverá apenas as composições de Nobuo Uematsu (não espere por faixas de FFX, XI, XII e XIII e spin-offs feitas por outros músicos), são nada menos do que 578, levando em conta que as icônicas foram reprisadas no decorrer dos anos. Mas mais que 500 são com certeza. Ademais, o ecletismo de estilos. Enquanto no princípio o erudito era mais adotado, com o passar dos anos Uematsu enveredou pelo rock, techno, celta, pop, e algumas dessas músicas até foram orquestradas.

Final Fantasy: 20
Final Fantasy II: 23
Final Fantasy III: 44
Final Fantasy IV: 44
Final Fantasy V: 67
Final Fantasy VI: 61
Final Fantasy VII: 85
Final Fantasy VIII: 74
Final Fantasy IX: 110
Final Fantasy X: 32 (e mais 14 com Masashi Hamauzu e 2 com Junya Nakano)
Final Fantasy XI: 11
Final Fantasy XII: 7
Total: 578

Na suíte de Final Fantasy, a WDR Radio Orchestra será acompanhada, como no segmento de Secret of Mana, pelo WDR Radio Choir. A confirmação do coral pode sinalizar a presença de músicas como “One-Winged Angel”, “Liberi Fatali” e “FFXI Opening Theme”, mas não necessariamente. É muito provável que o coro seja implementado em músicas que não tenham vozes na versão original. Isso, aliás, já foi realizado, com êxito absoluto, no primeiro concerto da série, Final Fantasy Symphonic Suite, como na “Scene I”, releitura da “Main Theme” (FFII).

Enfim, falemos de três das escolhas. Uma não poderia faltar pela representatividade, outra me agradou, apesar de mais conhecida, e a última… absolutamente fantástica.

“Prelude” (Final Fantasy)

Fina FantasyA melodia que perdurou ao longo da série é uma das mais icônicas, e está intimamente relacionada à Final Fantasy. Até por ser um tema simples, foi executada na maioria das apresentações em medleys, quase sempre abrindo uma longa sequência de músicas – ocorrência que também deve se repetir no Symphonic Fantasies. A primeira lembrança da “Prelude” ocorreu no FF Symphonic Suite, em arranjo do Takayuki Hattori, no medley “Scene V ~Prelude~”, em que é executada na harpa com acompanhamento da flauta (de 1:26 a 3:57), após um início original, sem ser baseado em alguma música do Uematsu. No espetáculo posterior de FF, 20020220, a música abre o “Final Fantasy I-III Medley”, e o mesmo acontece no “Final Fantasy I-III Medley 2004”, que tem seleções diferentes, no Tour de Japon, ambos com arranjo de Shiro Hamaguchi. O tema só veio a ser executado em um segmento próprio no Voices, em que a “Prelude” ficou magnífica com o acompanhamento do coral GYA em arranjo da Sachiko Miyano.

“Bombing Mission” (Final Fantasy VII)

Final Fantasy VIIA música da primeira missão de FFVII é bem conhecida, embora seja muitas vezes preterida por outros temas de popularidade ainda maior do jogo. Debutou no Tour de Japon, foi reprisada no More Friends e faz parte do repertório do Distant Worlds. Sou fascinado pela versão do Shiro Hamaguchi, e ainda não me cansei dela. Fica a dúvida de que forma a “Bombing Mission” aparecerá na suíte como é uma música de abertura – papel que presumo ser desempenhado pela “Prelude”.

[ATUALIZAÇÃO] Interessantemente, a parte “Opening” da música não será executada no Symphonic Fantasies, somente a “Bombing Mission”, apesar de ambas estarem juntas em uma mesma faixa na Final Fantasy VII OST. Na original “Opening ~ Bombing Mission”, a “Bombing Mission” inicia em 1:13.

“Clash on the Big Bridge” (Final Fantasy V)

Fina Fantasy VMorri. Alguém poderia explicar como uma das músicas mais criativas do Nobuo Uematsu jamais foi orquestrada? Vai me dizer que porque FFV é injustamente considerado um jogo inferior? O fato é que no Orchestral Game Concert 2 foram tocadas quatro faixas do jogo, mas não a “Clash on the Big Bridge”. No 20020220, mais uma, “Dear Friends”, nome que inspirou a turnê americana Dear Friends, e no Tour de Japon, outra, a “Ahead On Our Way”, que havia aparecido no OGC2, mas não a “Clash on the Big Bridge”. E revoltante é que a música poderia ser eleita para a turnê Distant Worlds, e o público acabou escolhendo a “J-E-N-O-V-A” (FFVII), mas não a “Clash on the Big Bridge”. Depois de tantas indas e vindas, enfim Jonne Valtonen será o responsável pelo famigerado arranjo sinfônico, agora sim, da “Clash on the Big Bridge”.

Na terça-feira que vem, no dia 1 de setembro, saberemos mais uma música de cada suíte, totalizando outras quatro. Todo o restante será surpresa.

[via Symphonic Fantasies]

Symphonic Fantasies: três das seleções de Secret of Mana

Por Alexei Barros

Das quatro suítes do Symphonic Fantasies – music from Square Enix, a correspondente à série Mana é a única dedicada a apenas um título, Secret of Mana. Será, portanto, o jogo que contará com a maior quantidade de músicas no concerto alemão, sobretudo se levarmos em conta que há diversas faixas de curta duração e que a suíte terá por volta de 17 minutos. É, depois de 16 anos do lançamento, um tributo merecido à trilha sonora que menos orquestrações recebeu dentre as séries homenageadas na apresentação, Kingdom Hearts, Chrono e Final Fantasy.

Assim que ocorreu a confirmação do Secret of Mana no Symphonic Fantasies, tentei quebrar a cabeça para vislumbrar como soariam arranjadas, levando em consideração o estilo do arranjador Jonne Valtonen, da WDR Radio Orchestra e dos solistas. Mas duas informações me deixaram intrigado, conforme revelou o maestro Arnie Roth. Primeiro, a participação do WDR Radio Choir – a primeira do concerto, ou seja, não haverá coral em Kingdom Hearts –, com versos em latim relacionados com a história escritos por Michael Hauser, o mesmo de “X-Out (Main Theme)” (também em latim) e “R-Type (Main Theme)” (em grego) do Symphonic Shades. Como a trilha é sintetizada e não há à primeira vista timbres que simulem um coro, mal consigo imaginar em quais músicas se encaixaria. Talvez nas sombrias. A outra diz respeito à confirmação de uma faixa que comentei abaixo. Seja como for, de acordo com o produtor Thomas Boecker, a suíte ficou fantástica e é um dos arranjos mais espetaculares que já ouviu. Tanto ele como Valtonen ficaram especialmente orgulhosos com o resultado.

Minha maior dúvida é quanto à adaptação dos timbres graves da trilha original que claramente imitam baixo elétrico – não é apenas ênfase, mas há solos em diversas músicas. Já que não é um instrumento convencional em uma orquestra sinfônica como a WDR Radio Orchestra, fica a dúvida, pois não existe, no meu entendimento, um instrumento acústico que tenha o mesmo peso.

Enfim, três das faixas que serão tocadas no concerto:

“Angel’s Fear”

Secret of ManaApesar de Arnie Roth ter revelado como “Fear of the Heavens”, nome da versão europeia, prefiro manter a nomenclatura japonesa “Angel’s Fear”, que transpassou a série Mana para se tornar uma marca do Hiroki Kikuta – o site pessoal dele chama-se Angel’s Fear. Embora tenha sido orquestrada em duas oportunidades no passado, no Orchestral Game Concert 3 (1993), por Nobuo Kurita, e no Fifth Symphonic Game Music Concert (2007), pelo próprio Jonne Valtonen, a faixa-título era obrigatória pela representatividade. Minha aposta é que a emotiva música abrirá a suíte.

“Into the Thick of It”

Secret of ManaSe a intenção de cada suíte é recriar a experiência de jogo, a “Into the Thick of It” não poderia faltar porque é ouvida na área de exploração do mapa, e durante muito tempo. E como havia comentado antes, talvez não se justificaria uma performance apenas dela, mas no meio do medley trará boas recordações – até projeto os solos de flauta. Quem jogou inevitavelmente a reconhecerá e lembrará dos passeios pelas regiões bucólicas.

“The Oracle”

Secret of ManaEssa é a faixa que havia mencionado na introdução que no jogo ouve-se durante a batalha contra o Dark Licht. É indecifrável, com batidas fortes  da percussão e ruídos bizarros, perturbadora. Não faço a menor ideia de como possa ser orquestrada e ainda assim ficar reconhecível. Indubitavelmente, foi a maior surpresa, e deve ter colocado a criatividade de Valtonen à prova.

Semana que vem é a vez de sabermos três das seleções da série Chrono.

[via Symphonic Fantasies, SEMO]


RSS

Twitter

RSS Box art do dia

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: