Posts Tagged 'Tokyo Philharmonic Orchestra'



Press Start 2013: os artistas do espetáculo (quase os mesmos de sempre)

Por Alexei Barros

O que pode ser mais tedioso do que duas rodadas inteiras de segmentos repetidos do Press Start? É a atualização do site oficial revelando os artistas do concerto, o que significa que o set list só vai ficar naquilo mesmo, salvo uma possível surpresa ou outra para o bis. Apesar de as atrações serem conhecidas, alguns nomes são novos. Veja a seguir:

Tokyo Philharmonic Orchestra

Os organizadores do Press Start costumam promover um rodízio de orquestras nas apresentações, e a escolhida da vez é a mesma de 2012, a Tokyo Philharmonic Orchestra (não confunda com a Tokyo City Philharmonic Orchestra, que tocou no Press Start 2006 e 2009). Fundada em 1911, coleciona diversas participações em trilhas sonoras e concertos de game music, entre os quais o Symphonic Fantasies Tokyo, os três espetáculos de Monster Hunter e ainda a sonhada récita de Phantasy Star realizada em 2013.

Emi Evans

Embora tenha sutis olhos puxados, a cantora Emi Evans, que tem mãe japonesa e pai britânico, nasceu na Inglaterra e também participou de diversas trilhas, como Dark Souls, Ace Combat: Assault Horizon, Wangan Midnight Maximum Tune 4 (trilha eletrônica do Koshirão) e até o Fantasy Life (músicas do Nobuo Uematsu). Como no Press Start 2011, a moça participará do medley do RPG NieR, que, vergonhosamente, repito, exclui a “Grandma”. Além de cantar, Emi Evans também toca violoncelo, como já fez na trilha do Time Hollow: Ubawareta kako wo motomete (DS) e na música “The Forest of Thousand Years” do disco Octave Theory da banda Earthbound Papas do Nobuo Uematsu. Bem que algum dia o Press Start poderia aproveitar a polivalência dela.

Manami Kiyota

Compositora, letrista e cantora, Kiyota já trabalhou diversas vezes com Nobuo Uematsu, por exemplo, cantando vocal solo no álbum com versões arranjadas Final Fantasy Song Book: mahoroba e no coral de The Black Mages III Darkness and Starlight. Repetindo a dose do Press Start 2011, ela vai emprestar a voz para o número do Xenoblade Chronicles, RPG de Wii que ela também assinou diversas músicas, entre as quais a “Sator, Phosphorescent Land / Night”, que faz parte do medley.

Sofi Persson

Nascida na Suécia e radicada no Japão, a cantora não tem nenhuma participação em trilhas originais de games, mas foi convidada no Press Start 2012 para cantar a maravilhosa “Song of Mana ~Opening Theme~”, tema de abertura do Legend of Mana. A música assinada pela Yoko Shimomura tem na trilha original a performance da também sueca Annika Ljungberg. Ao que tudo indica, a Sofi Persson a substituiu à altura. Até quando vamos ficar sem ouvir esse medley?

ACE

Como no segmento do Xenoblade Chronicles no Press Start 2011, a dupla CHiCO (cantora) e Tomori Kudo (guitarra) se juntará à Manami Kiyota e à orquestra. O duo também tem participações em jogos como: Emil Chronicle Online (PC), Code of Princess (3DS) e Fantasy Life (3DS), todos jogos não muito populares nos Estados Unidos.

HIDE-HIDE

Dupla consagrada que já tocou o segmento de “Okami” no Press Start 2009 e 2011, além de participarem do Monster Hunter Hunting Music Festival 2011 e do Monster Hunter Orchestra Concert ~Shuryou Ongakusai 2012~. Eles já têm cinco álbuns na discografia, o que mostra que o povo japonês gosta de ouvir os sons folclóricos do shamisen e do shakuhachi em diferentes estilos.

Akihiro Hayakawa

Wild Arms 2 foi tocado no Press Start 2008 e 2010, mas só na segunda vez o RPG ganhou o verdadeiro som do velho oeste, com a participação de Akihiro Hayakawa, assobiador profissional (o Japão tem de tudo mesmo) na “Into the Wilderness”, obra-prima da compositora Michiko Naruke. O rapaz está de volta para provar que assobiar afinadadamente não é para qualquer um (até porque algumas pessoas nem sequer sabem assobiar).

Haruo Kubota

Se minhas anotações estiverem corretas, o violonista e guitarrista Haruo Kubota esteve em todos os Press Start anteriores, com exceção dos dois últimos anos, 2011 e 2012. Também compositor e orquestrador, Kubota já trabalhou com vários artistas japoneses, incluindo nomes como Ryuichi Sakamoto (da YMO) e o extinto grupo Pizzicato Five. Considerando os diversos segmentos que ele já participou, Kubota deverá tocar violão no Chrono Trigger & Cross e Wild Arms.

Vagabond Suzuki

Enfim um nome novo. Masayuki “Vagabond” Suzuki integra o trio Pearl Kyoudai com o Haruo Kubota, ligação que deve explicar a sua participação neste ano. Seu instrumento é o baixo – não dá para saber se acústico ou elétrico, pois ele já tocou ambos em dezenas de trilhas de games e animes. Fica a dúvida. Eu acho que se fosse baixo acústico, mesmo para uma música mais jazzística que dispensasse o arco (nenhuma das seleções se encaixa nesse estilo), o baixista da própria orquestra geralmente consegue se virar muito bem. Por isso, eu acredito que ele vai tocar baixo elétrico, instrumento que só teve, como disse tantas vezes, no Press Start 2007 e trouxe alguns problemas na equalização pelos relatos que li. Embora aparentemente em nenhum dos segmentos o baixo elétrico seja indispensável, o instrumento pode dar um bom peso para medleys como o do Chrono Trigger e Cross.

Big-A

Do pouquíssimo que entendi (sem fotos e links fica difícil), será um coral de proporções reduzidas (aparentemente uma voz para cada naipe) para complementar as performances. O texto parece citar inclusive os integrantes do coro, os quais acredito ser bastante obscuros, pois a maioria não consegui confirmar a romanização dos nomes. O que faz menos sentido ainda é o texto citar Nobunaga’s Ambition, Crisis Core: Final Fantasy VII e Super Smash Bros. Brawl (não encontrei nada com esse nome nos créditos) e supostamente falar que esse coral vai participar do Press Start pela terceira vez… Quando foram as outras duas que eu não fiquei sabendo?

[via PRESS START]

Phantasy Star Series 25th Anniversary: o dia em que a fantasia foi escrita com “ph”


Por Alexei Barros

Em dezembro de 2012, Final Fantasy completou 25 anos de existência. De 2002 para cá, houve pelo menos um concerto a cada dois anos dedicado à série. Também em dezembro de 2012, Phantasy Star celebrou o aniversário de 25 anos. Apresentações musicais até então? Nenhuma. Se colocarmos as duas séries em uma balança, fica difícil de comparar por pesos-pesados como Square e Nobuo Uematsu, mas enfim a Sega se mexeu e encerrou a espera no dia 30 de março, dois dias depois muitos fãs não acreditariam e achariam uma mentira – como eu demorei para fazer o post. Nesse dia, aconteceu o Phantasy Star Series 25th Anniversary.

Foram duas apresentações no Hibiya Kokaido em Tóquio, Japão, com a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra regida por Masamichi Amano. Pelas fotos, achei a arquitetura do Hibiya Kokaido, que possui 2000 assentos, extremamente humilde e simples. Em contrapartida, um gigantesco telão com as imagens dos jogos da série tratou de melhorar a aparência no quesito show.

Agora, vamos ao que interessa: o set list. O que vinha causando mais apreensão nos fãs da série é o quanto da tetralogia inicial tomaria do programa. Fazendo uma rápida observação, a estima que os brasileiros têm hoje pelo Master System não equivale no Japão, onde o console equivalente Sega Mark III foi pulverizado pela liderança avassaladora do Famicom (o NES por aqui). Sendo assim, já considero uma vitória saber que melodias do primeiro Phantasy Star apareceram no “Phantasy Star Medley for Sympathy 2013”. De resto, foi um festival de músicas da vertente Phantasy Star Online que guarda sim boas composições, mas sem o mesmo impacto nostálgico evidentemente.

Para quebrar um pouco dessa erudição sinfônica, alguns números foram tocados sem orquestra, apenas por uma banda (pelas fotos, não me pareceram ser os integrantes da [H.]) formada por baixo, guitarra e keytar tocada pelo Hideaki Kobayashi, o compositor do Phantasy Star Online. Nos vocais, a cantora Annette Marie Cotrill, que participou de episódios recentes, e o carismático e imbatível Takenobu Mitsuyoshi. Ele ainda se deu ao direito de interpretar a “Burning Hearts ~Angel~” com essa formação de instrumentos – poxa vida, todo tema estilo tokusatsu que se preze deveria ter um naipe de metais acompanhando.

Aliás, o que Burning Rangers tem a ver com Phantasy Star? Nad… opa, ambos têm a participação de Yuji Naka. Mesmo há anos não trabalhando mais na Sega, o YU2 subiu ao palco. No sentido de homenagear figuras históricas, o concerto foi muito especial. Eu tenho a impressão que por algum motivo, a criadora Rieko Kodama não esteve por lá, mas a apresentação contou com as milagrosas e raríssimas aparições dos compositores veteranos Tokuhiko “Bo” Uwabo (Phantasy Star I e II) e Izuho “Ippo” Numata (Phantasy Star III) – foto acima. Depois de muito tempo longe dos holofotes, o Bo deu as caras no Facebook, ajudando a minimizar o mistério que havia em torno dele. Mas o caso da Ippo foi mais sério. Por muito tempo, houve quem acreditasse que esse era apenas um pseudônimo do Ippo Yamada, compositor de jogos recentes do Mega Man. Isso mesmo: nem se sabia se era “ele” ou “ela” ou se a pessoa existia mesmo. É a primeira foto que vejo dela.

Quando chego nesse trecho do texto, geralmente digo “agora é hora de aguardar pelo CD”, “não espere pelo CD”… A boa notícia é que a gravação do concerto já foi anunciada em CD, com lançamento marcado para setembro de 2013. Não chegou a ser anunciado um DVD, mas o Jorge, amigo do Orakio “O Gagá” Rob que mora no Japão e afortunadamente assistiu ao concerto, disse que viu câmeras e avisos de que o público poderia aparecer no vídeo. Então ainda há uma esperança.


Abaixo, o set list. Ficarei devendo os links para as faixas originais. Por desconhecer as trilhas, ficou difícil identificar as músicas.
01 – Fanfare
02 – Phantasy Star Medley for Sympathy 2013
03 – Phantasy Star Online OPENING THEME ~The whole new world~
04 – Can still see the light ~Phantasy Star Online ENDING THEME~
05 – “IDOLA” have the immortal feather & the divine blade Medley
06 – World with me ~Phantasy Star Online EPISODE2 ENDING THEME~
07 – “LET THE WINDS BLOW” – Theme of Phantasy Star Online Episode III-
08 – Underworld -equilibrium-
09 – Phantasy Star Zero
10 – たいせつなもの
11 – Save This World – Orchestra Version –
12 – Save This World – νMIX – (Hideaki Kobayashi com
Annette Marie Cotrill)
13 – Living Universe (Hideaki Kobayashi com
Annette Marie Cotrill)
14 – Go Infinity (Hideaki Kobayashi com
Takenobu Mitsuyoshi)
15 – Burning Hearts (Hideaki Kobayashi com
Takenobu Mitsuyoshi)
16 – Ignite Infinity (Hideaki Kobayashi com
Annette Marie Cotrill)
17 – Title – PSO2 –
18 – Stage Medley – PSO2 –
19 – Dark Ragne
20 – Big Varder & Quartz Dragon Medley
21 – Falz Arm & Dark Falz Elder Medley
22 – For Brighter Day – Orchestra Version –

Números 1 a 11, 17 a 22 tiveram a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra com regência do Masamichi Amano.

Peço desculpas pela incrível demora não só ao Gagá, que me passou algumas informações aqui compartilhadas, como outros fãs desta série muito estimada que conheço, infelizmente, só de nome.

[via Game Watch, 4Gamer.net e Famitsu]

“Four Nations, One Sky ~ A Tribute to the Cities” – Final Fantasy XI (Final Fantasy XI Vana♪Con Anniversary 11.11.11)

Por Alexei Barros

Aos poucos, os concertos de Final Fantasy vão se desgarrando da supremacia de Nobuo Uematsu para se lembrar das músicas de outros compositores. Hitoshi Sakimoto (FFXII) e Masashi Hamauzu (FFXIII) são os caras que mais fácil vêm à mente por honrar a camisa da série com belas composições. Mas tem mais gente. Meio que relegada a segundo, terceiro plano está o nome da Kumi Tanioka, que fez a trilha de FFXI com Naoshi Mizuta e o próprio Uematsu.

Mas no concerto Final Fantasy XI Vana♪Con Anniversary 11.11.11, realizado na efeméride dos dez anos do MMORPG, a compositora recebeu os merecidos holofotes quando, depois de apresentar músicas solo no piano, acompanhou a Tokyo Philharmonic Orchestra no mesmo instrumento com o “Four Nations, One Sky ~ A Tribute to the Cities”. Melodias belíssimas, solos belíssimos, intervenções belíssimas. Tudo belíssimo. Me deu até vontade de jogar o FFXI… não, deu não. Das quatro faixas, apenas uma é de fato assinada por ela, sendo o restante de autoria do Naoshi Mizuta, como veremos a seguir.

“The Kingdom of San d’Oria” tem timbres do que parece ser uma gaita de fole um tanto quanto áspera. Quando esse mesmo trecho passa a ser reproduzido na graciosidade dos clarinetes, oboés e fagotes, a faixa melhora 100%. Como se não bastasse, a Tanioka se aproxima da celebração musical, com o seu piano, seguido pela imponência dos metais. Viajando pelo mundo de FFXI, chegamos a “The Republic of Bastok”, a única assinada pela Tanioka – que melodia, que pintura. Nessa parte, o piano não se destaca tanto, ficando emparelhado com as flautas. No momento em que surge a “The Federation of Windurst”, após uma transição, devo confessar, no mínimo pouco criativa, a Tanioka mostra a que veio, com uma passagem cintilante no piano, instrumento que inexistia entre os timbres presentes na original. Simplesmente sublime. E é ela que faz a transição que culmina na formidável “The Grand Duchy of Jeuno”, praticamente uma valsa. Tanioka volta a ficar em evidência em certo trecho e no finzinho a peça dá uma acelerada. O arranjo da Sachiko Miyano não se desprendeu muito das originais, mas apenas a felicíssima seleção de faixas garante uma bela turnê musical pelo mundo online de Final Fantasy XI.

E o melhor: tudo isso pode ser visto na gravação com o mesmo nível de precisão do DVD do Monster Hunter, com vários ângulos e cortes precisos de câmera. Assistir ao vídeo em 720p é uma ordem. Faça o favor:

“Four Nations, One Sky ~ A Tribute to the Cities”
“The Kingdom of San d’Oria” ~ “The Republic of Bastok”“The Federation of Windurst” ~ “The Grand Duchy of Jeuno”

Press Start 2012: variado como nunca, competente como sempre

Por Alexei Barros

No dia 23 de setembro, aconteceu em Tóquio a sétima edição do concerto Press Start em duas apresentações, ambas com a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra sob a batuta do maestro Taizo Takemoto. Até aqui, nada de muito surpreendente, mas, confirmando a expectativa causada pelas excelentes seleções de jogos, o espetáculo neste ano aparentou ser dos mais inspirados.

Minhas impressões baseadas nas fotos do concerto e nas poucas informações compreensíveis pelo tradutor do Google foram publicadas depois do Hadouken.
Continue lendo ‘Press Start 2012: variado como nunca, competente como sempre’

Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente


Por Alexei Barros

Por mais tempo que um indivíduo se dedique a uma determinada obra, sempre há espaço para melhorias. Quem é perfeccionista e vê o que foi feito anos depois, fica com vontade de mexer aqui, retocar ali e até, por que não, começar do zero. Isso em qualquer atividade. Nos videogames, esse aperfeiçoamento vem na forma das atualizações online. Na música e, especialmente, nas músicas orquestrais, o trabalho de aprimoramento é muito maior. Já imaginou ter que imprimir todas as partituras dos instrumentistas de novo? Pelo tempo e dinheiro que se gasta com isso, os polimentos são raros nos concertos de games.

Mas, quando o Symphonic Fantasies, originalmente executado em 2009 na Colônia, Alemanha, é frequentemente exaltado – “absoluto” e “impoluto” foram adjetivos frequentes quando me referi ao concerto e depois ao álbum publicado em 2010 –, logo você vai imaginar que a produção do espetáculo se acostumará com os elogios, repousando na confortável zona de conforto das reprises idênticas à primeira apresentação. Porém, nada disso aconteceu quando o Symphonic Fantasies foi mostrado em Tóquio em janeiro de 2012, récita esta registrada no álbum Symphonic Fantasies Tokyo, lançado em 11 de junho deste ano.

O impacto causado pelo Symphonic Fantasies foi muito grande há três anos. De uma só vez, o concerto revolucionou nas suítes gigantes (de cerca de 18 minutos), na transmissão em vídeo ao vivo para todo o mundo e na qualidade impecável da performance. Dessa forma, foram feitos convites para apresentações em outros países, e o próprio Nobuo Uematsu sugeriu levar o Symphonic Fantasies ao Japão. Mas, para chegar nesse nível, foram necessários 14 dias cheios de ensaios. Ter todo esse tempo livre nas agendas de orquestras pelo mundo não é comum.

Enquanto isso, graças ao êxito do Symphonic Fantasies, aconteceram mais dois concertos-tributo em Colônia: o Symphonic Legends, em homenagem à Nintendo, em 2010, e o Symphonic Odysseys, em reverência ao Nobuo Uematsu, em 2011. Ainda no ano passado aconteceu o LEGENDS, uma revisão do Symphonic Legends na Suécia que serviu para o produtor Thomas Boecker tirar a conclusão de que seria possível ter a mesma qualidade apresentada na Alemanha com apenas dois dias de ensaio. “A experiência em Estocolmo com LEGENDS me mostrou que, se as partituras forem bem-feitas e os músicos estiverem motivados e forem bons, vai funcionar”, disse antes da realização do Symphonic Fantasies em Tóquio. Além disso, os arranjos foram ajustados para otimizar a performance. “Quanto mais conhecimento o arranjador tiver, ele pode encontrar soluções para fazer soar bem sem ser MUITO difícil de tocar. Então é isso que vamos fazer. O tempo que vamos ganhar dessa forma será gasto para fazer soar ainda mais emocionante, mais bonito.”

Com isso, Boecker decidiu investir em 2012 no Symphonic Fantasies em Tóquio, no décimo ano consecutivo em que ele produz concertos de games, chegando ao país onde tudo começou. O primeiro dessa dezena, o First Symphonic Game Music Concert, em 2003, foi também primeiro espetáculo de game music fora do Japão. Para tanto, ele contratou a Tokyo Philharmonic Orchestra, a mais antiga orquestra de música erudita nipônica (formada em 1901), e o Tokyo Philharmonic Chorus, ambos recorrentes em álbuns e récitas de jogos eletrônicos. Benyamin Nuss no piano e Rony Barrak na darbuka voltaram ao palco e, no lugar do norte-americano Arnie Roth, o alemão Eckehard Stier assumiu a regência. Foram realizadas apresentações nos dias 7 e 8 de janeiro no Tokyo Bunka Kaikan, o mesmo local do Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert. No primeiro dia, estiveram presentes Hiroki Kikuta (Secret of Mana) e Yasunori Mitsuda (Chrono Trigger e Cross) e, no outro, além dos dois, a mestra Yoko Shimomura (Kingdom Hearts). Para completar o quarteto de compositores da Square que haviam comparecido ao espetáculo em Colônia, só ficou faltando mesmo o Nobuo Uematsu.

Como o Symphonic Fantasies original já tinha sido lançado em CD na Europa e no Japão, não seria de esperar que a versão mostrada em Tóquio também fosse. Eis que inesperadamente em maio de 2012 o álbum Symphonic Fantasies Tokyo foi anunciado e em junho foi lançado – por enquanto, somente com publicação no continente europeu.

A principal diferença é que, enquanto o álbum do Symphonic Fantasies original condensava todo o concerto em um CD e deixava o segmento do bis para lançamento digital, o álbum do Symphonic Fantasies Tokyo cobre o espetáculo na íntegra, forçando a divisão do programa em dois discos. O primeiro, com a abertura e as suítes de Kingdom Hearts e Secret of Mana; o outro com as suítes de Chrono e Final Fantasy e o novo bis.

O encarte, com 20 páginas repletas de fotos das apresentações e perfis dos envolvidos, possui agora um prefácio assinado pelo Masashi Hamauzu, que não teve músicas executadas no concerto, mas vem se tornando cada vez mais frequente nas produções do Thomas Boecker. Aliás, só de ver o nome dele, já me deu vontade de que fosse feita uma suíte da série SaGa – obscura no ocidente, mas popular no Japão –, com os seus trabalhos no SaGa Frontier II e especialmente no Unlimited Saga. Mas essa vontade fica para uma próxima. Outra decisão que achei acertada foi a adoção do inglês no texto, dada a universalidade do idioma, visto que, no álbum gravado na Alemanha, a edição japonesa estava escrita na língua local e, na europeia, em alemão. O único ponto um pouco chato disso é a dificuldade de retirar o encarte da caixa do álbum, porque ficou bastante justo, no limite. Se você conseguiu tirar uma vez, é provável que não vai querer fazer isso de novo com medo de estragar o papel.

Uma grande vantagem do Symphonic Fantasies Tokyo em relação ao Symphonic Fantasies é justamente o fato de o concerto ter sido gravado no Japão. Como dito aqui tantas vezes, o público nipônico é extremamente acanhado e, verdade seja dita, educado. Uma plateia inteligente, que respeita a performance e quer apreciá-la, quer fazer valer o ingresso. Durante os dois CDs não há um pio sequer da plateia e nem mesmo aplausos ao final da execução de cada número, o que dá ao Symphonic Fantasies Tokyo a impressão de ter sido gravado em estúdio tamanho o silêncio. No CD do Symphonic Fantasies dá para ouvir, durante a execução do tema dos Chocobos, um “woow” proferido por um fã tresloucado. Hoje, esse cara deve estar muito por feliz por ter o grito eternizado e arranhado a perfeição da performance. Aqui não há nada disso, muito felizmente. Por isso… viva os japoneses!

Já adianto que, excetuando o Encore, todo o resto da seleção de músicas arranjadas é similar ao primeiro Symphonic Fantasies. Mesmo que continue achando que algumas faixas poderiam entrar (nada vai me tirar da cabeça que fez muita falta a “Danger” no Secret of Mana e talvez mais alguma música animada do jogo), não vou repetir tudo o que já falei. É tudo uma questão de comparações. Se na ocasião do concerto eu confrontei os arranjos orquestrais com as originais e no review do álbum coloquei frente a frente os arranjos da mixagem do CD com a versão transmitida, o cotejo agora será entre os dois álbuns. As novidades do Symphonic Fantasies Tokyo estão nas entrelinhas, nas interpretações, nas sutilezas, portanto vamos revisitar aos poucos, com calma, as histórias contadas pelas suítes no palco do concerto realizado na Terra do Sol Nascente.

Continue lendo ‘Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente’

Monster Hunter volta à caçada em novo concerto


Por Alexei Barros

O Monster Hunter 5th Anniversary Orchestra Concert ~Hunting Music Festival~, realizado em duas apresentações em 2009, há de ser uma das produções mais caprichadas dos últimos anos nos concertos de games, tanto o CD – qualidade que desbanca o Press Start 5th Anniversary; cinco das faixas deste foram gravadas no mesmo local –, quanto o DVD – corte de câmeras muito mais preciso e sem a dispensável sobreposição de imagens dos jogos como no VGL: Level 2.

Sendo assim, mesmo desconhecendo a série, lamentei a Capcom não ter organizado nada ano passado, considerando que em 2008 ocorreram três espetáculos de Ace Attorney. É com satisfação que recebi a notícia do regresso,  especialmente se publicarem registros tão esmerados  como antes. Maestro e orquestra iguais de dois anos atrás. Hirofumi Kurita e Tokyo Philharmonic Orchestra. Só muda o palco: o Tokyo International Forum Hall A, onde aconteceu o VGL no Japão em 2009 e foi gravado o Distant Worlds: music from Final Fantasy Returning Home, em vez do Tokyo Metropolitan Art Space. O dia: 20 de agosto de 2011.

À época do Monster Hunter 5th Anniversary Orchestra Concert, o Monster Hunter 3 não tinha saído nem no Japão, então o repertório ficou baseado nos jogos anteriores, apenas como uma música do sucesso do Wii, a “For Creatures”. O Monster Hunter Hunting Music Festival 2011 dará ênfase ao Monster Hunter 3, cuja trilha original já é soberba, com arranjos de Shiro Hamaguchi e muitas faixas com a FILMharmonic Orchestra Prague, e ao Monster Hunter Portable 3rd, lançado para PSP no território nipônico em 2010. Convidados? Foi confirmada a dupla Hide-Hide, formada por Hideki Ishigaki (shakuhachi) e Hideki Onue (shamisen), a mesma que tocou na “Okami” no Press Start 2009.

Grato ao Thomas Boecker por me alertar a novidade.

[via Famitsu, Monster Hunter]

“Mayoi Ayasato ~ Gyakuten Sisters’ Theme” – Phoenix Wright: Ace Attorney (Gyakuten Saiban Special Courtroom 2008 Orchestra Concert)

Por Alexei Barros

Como não publiquei isso antes? Para quem conhece a série Ace Attorney, a “Mayoi Ayasato ~ Gyakuten Sisters’ Theme”, tema das irmãs Maya e Mia Fey, é uma das mais icônicas, e não haveria muita novidade no vídeo se não fosse por uma particularidade. Na execução da “Mayoi Ayasato ~ Gyakuten Sisters’ Theme” do Gyakuten Saiban Special Courtroom 2008 Orchestra Concert o maestro Hirofumi Kurita cedeu a batuta para Noriyuki Iwadare, mesmo ele não sendo o autor deste tema – foi composto por Masakazu Sugimori.

Quem se recorda da “Mayoi Ayasato ~ Gyakuten Sisters’ Theme” do Gyakuten Saiban Orchestra Album notará que o tema foi modificado. Isso se deve ao fato de que Iwadare, conforme revelado em entrevista ao OSV, precisou fazer novos arranjos porque não caberia um piano (de cauda inteira pode chegar a 3 metros de comprimento) no palco do Shinjuku Bunka Center, ainda mais porque Iwadare solicitou à Tokyo Philharmonic Orchestra cordas e percussão adicionais, então as releituras que utilizavam o piano precisaram ser repensadas. Nesta, por exemplo, nota-se que o cravo foi excluído.

Abaixo a performance, e eu já fico matutando se haverá outro concerto de uma série específica da Capcom em 2010, como teve a apresentação de Monster Hunter nesse ano.


RSS

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: