Posts Tagged 'Tokyo Philharmonic Chorus'

Symphonic Fantasies Tokyo e Final Symphony ganham versões em vinil

Os vinis do Symphonic Fantasies Tokyo e do Final Symphony são itens de colecionador até para quem não tem uma vitrola

Por Alexei Barros

Apesar de a tendência atual ser de lançamentos digitais, é alentador surgir uma notícia como esta: Symphonic Fantasies Tokyo e Final Symphony, dois dos mais aclamados concertos de games, vão ser lançados em vinil. Ambos já haviam sido publicados em CD, mas, como os puristas bem sabem, o vinil garante uma reprodução de áudio muito mais orgânica.

O Symphonic Fantasies Tokyo foi gravado ao vivo no Japão em 2012, com performance da Tokyo Philharmonic Orchestra e do Tokyo Philharmonic Chorus e repertório com músicas de Kingdom Hearts, Secret of Mana, Chrono Trigger/Cross e Final Fantasy. Já o Final Symphony foi gravado no Abbey Road Studios com músicas de Final Fantasy VI, VII e X executadas pela London Symphony Orchestra.

Ambos os concertos estão disponíveis em um pacote de luxo com três vinis cada e possuem belas capas ilustradas. Cada um custa US$ 45 (fora impostos e outros gastos), mas podem ser adquiridos em conjunto por US$ 80.

Os dois espetáculos também foram relançados com esse acabamento de luxo em CD. Cada álbum duplo sai por US$ 15, ao passo que juntos custam US$ 25.

Os vinis e os CDs vão ser lançados em dezembro e já estão disponíveis para pré-venda no site da publicadora Laced Records.

Os dois álbuns em CD também ganharam novas ilustrações

[via release de imprensa]

Game Symphony Japan 14th Concert Sega Special: o dia em que a Sega voltou ao estrelato

l_5620b49b87337

O coral não perdeu a oportunidade de fazer uma coreografia

Por Alexei Barros

Confesso que ultimamente nem tenho me animado muito em falar dos concertos pró-amadores. À medida que eles aumentam de quantidade, os registros diminuem. Os posts sempre ficam na lamentação… Bom, este não será muito diferente, mas não tinha como passar batido.

l_5620b49b8d11f

O showman Takenobu Mitsuyoshi cantou músicas como “Let’s Go Away” e “Burning Hearts ~Angel~”

No dia 10 de outubro, o Tokyo Art Theater Concert Hall sediou o Game Symphony Japan 14th Concert Sega Special, simplesmente um concerto com músicas da Sega em um total de três atos. O primeiro foi dedicado ao Sonic; o segundo teve jogos variados como Fantasy Zone, Daytona USA, Virtua Fighter 2 e Burning Rangers; e o terceiro foi enfocado no NiGHTS into dreams…, chegando a contar com quase todas as músicas da trilha. Para completar, ainda teve um bis com algumas reprises.

Se isso por si só já não fosse sensacional o bastante, a apresentação ganhou um tom oficial pela presença de diversas personalidades da produtora: Yuji Naka, um dos criadores do Sonic; os compositores Hiroshi Kawaguchi, Takenobu Mitsuyoshi, Jun Senoue, Tomoko Sasaki, Naofumi Hataya e Tomoya Ohtani; o dublador Kagawa Nomizuwari; e o produtor Yosuke Okunari (responsável pela série 3D Classics na Sega). Até porque, para ter tanta gente assim, certamente eles adquiriram a licença para executar as músicas.

Mais fantástico é que tanto o Jun Senoue (na guitarra) como o Takenobu Mitsuyoshi (no vocal) participaram do espetáculo de uma forma que nunca tinha sido feita antes, já que não existiam arranjos orquestrados de Sonic Adventure e Daytona USA. Com regência de Kenichi Shimura, a performance foi da Tokyo Chamber Orchestra e do coral Tokyo Philharmonic Chorus. Também tocaram a banda Meine Meinung, o baterista Issei Machiyama e o tecladista Ryuta. No final, ainda teve o grupo vocal Sega Hard Girls, formado por seis cantoras.

Infelizmente, o Game Symphony Japan não tem costume de publicar gravações das apresentações e parece que não foi dessa vez que eles mudaram de hábito. Veja abaixo o set list, com links para as músicas originais.

Concert Sega Special_03

Jun Senoue tocando guitarra com a orquestra foi uma das grandes atrações do concerto. Como ninguém teve essa ideia antes?

Ato I
01. “Title” ~ “Green Hill Zone” (Sonic the Hedgehog)
02. “Chemical Plant Zone” (Sonic the Hedgehog 2)
03. “Sky Sanctuary Zone” ~ “Title” (Sonic & Knuckles)
04. “Emerald Coast Zone” (Sonic Adventure)
05. “Escape from the City” ~ “Live & Learn” (Sonic Adventure 2)

Ato II

06. “Segagaga March” (Segagaga)
07. “Mexican flyer” ~ “Ulala’s Swinging Report Show” ~ “Spaceport: Introducing Ulala!!” (Space Channel 5)
08. “ハロハロナリヤンス音頭” (New Roommania: Porori Seishun)
09. “Geki! Teikoku Kagekidan” (Sakura Wars)
10. “Opa-Opa!” (Fantasy Zone)
11. “Beginning” ~ “Akira” ~ “Lion” ~ “Kage” (Virtua Fighter 2)
12. “Let’s Go Away” (Daytona USA)
13. “Conquista Ciela” (Cyber Troopers Virtual-On Marz)
14. “I Will Die for You (Complete Version)” (Feel the Magic: XY/XX)
15. “赤ちゃんはどこからくるの?” (The Rub Rabbits!)
16. “Burning Hearts ~Angel~” (Burning Rangers)

Ato III

17. “Fragmented Nights” ~ “Gate of Your Dream” ~ “Paternal Horn” ~ “Gloom of The N.H.C.” ~ “Suburban Museum” ~ “The Amazing Water” ~ “Take The Snow Train” ~ “Under Construction” ~ “The Dragon Gave a Loud Scream” ~ “She Had Long Ears” ~ “Deep It Lies” ~ “E-LE-KI Sparkle” ~ “The Mantle” ~ “NiGHTS and Reala” ~ “Growing Wings” ~ “D’Force Master” ~ “Peaceful Moment” ~ “NiGHTS, Forever in Our Heart” ~ “Sowing Seeds” ~ “DREAMS DREAMS” ~ “Fragmented Nights:Epilogue Ver.” (NiGHTS into dreams…)

Bis

18. “ハロハロナリヤンス音頭” (New Roommania: Porori Seishun) [reprise]
19. “Geki! Teikoku Kagekidan” (Sakura Wars) [reprise]
20. 社歌 若い力 -SEGA HARD GIRLS MIX-

Concert Sega Special_02

Mais de 100 pessoas no palco, com convidados, instrumentistas, vocalistas… Dá para chamar esse concerto de amador?

Agradecido ao sempre atento seguista Rafael Fernandes por me manter atualizado sobre as novidades desse concerto.

[via Famitsu]

Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente


Por Alexei Barros

Por mais tempo que um indivíduo se dedique a uma determinada obra, sempre há espaço para melhorias. Quem é perfeccionista e vê o que foi feito anos depois, fica com vontade de mexer aqui, retocar ali e até, por que não, começar do zero. Isso em qualquer atividade. Nos videogames, esse aperfeiçoamento vem na forma das atualizações online. Na música e, especialmente, nas músicas orquestrais, o trabalho de aprimoramento é muito maior. Já imaginou ter que imprimir todas as partituras dos instrumentistas de novo? Pelo tempo e dinheiro que se gasta com isso, os polimentos são raros nos concertos de games.

Mas, quando o Symphonic Fantasies, originalmente executado em 2009 na Colônia, Alemanha, é frequentemente exaltado – “absoluto” e “impoluto” foram adjetivos frequentes quando me referi ao concerto e depois ao álbum publicado em 2010 –, logo você vai imaginar que a produção do espetáculo se acostumará com os elogios, repousando na confortável zona de conforto das reprises idênticas à primeira apresentação. Porém, nada disso aconteceu quando o Symphonic Fantasies foi mostrado em Tóquio em janeiro de 2012, récita esta registrada no álbum Symphonic Fantasies Tokyo, lançado em 11 de junho deste ano.

O impacto causado pelo Symphonic Fantasies foi muito grande há três anos. De uma só vez, o concerto revolucionou nas suítes gigantes (de cerca de 18 minutos), na transmissão em vídeo ao vivo para todo o mundo e na qualidade impecável da performance. Dessa forma, foram feitos convites para apresentações em outros países, e o próprio Nobuo Uematsu sugeriu levar o Symphonic Fantasies ao Japão. Mas, para chegar nesse nível, foram necessários 14 dias cheios de ensaios. Ter todo esse tempo livre nas agendas de orquestras pelo mundo não é comum.

Enquanto isso, graças ao êxito do Symphonic Fantasies, aconteceram mais dois concertos-tributo em Colônia: o Symphonic Legends, em homenagem à Nintendo, em 2010, e o Symphonic Odysseys, em reverência ao Nobuo Uematsu, em 2011. Ainda no ano passado aconteceu o LEGENDS, uma revisão do Symphonic Legends na Suécia que serviu para o produtor Thomas Boecker tirar a conclusão de que seria possível ter a mesma qualidade apresentada na Alemanha com apenas dois dias de ensaio. “A experiência em Estocolmo com LEGENDS me mostrou que, se as partituras forem bem-feitas e os músicos estiverem motivados e forem bons, vai funcionar”, disse antes da realização do Symphonic Fantasies em Tóquio. Além disso, os arranjos foram ajustados para otimizar a performance. “Quanto mais conhecimento o arranjador tiver, ele pode encontrar soluções para fazer soar bem sem ser MUITO difícil de tocar. Então é isso que vamos fazer. O tempo que vamos ganhar dessa forma será gasto para fazer soar ainda mais emocionante, mais bonito.”

Com isso, Boecker decidiu investir em 2012 no Symphonic Fantasies em Tóquio, no décimo ano consecutivo em que ele produz concertos de games, chegando ao país onde tudo começou. O primeiro dessa dezena, o First Symphonic Game Music Concert, em 2003, foi também primeiro espetáculo de game music fora do Japão. Para tanto, ele contratou a Tokyo Philharmonic Orchestra, a mais antiga orquestra de música erudita nipônica (formada em 1901), e o Tokyo Philharmonic Chorus, ambos recorrentes em álbuns e récitas de jogos eletrônicos. Benyamin Nuss no piano e Rony Barrak na darbuka voltaram ao palco e, no lugar do norte-americano Arnie Roth, o alemão Eckehard Stier assumiu a regência. Foram realizadas apresentações nos dias 7 e 8 de janeiro no Tokyo Bunka Kaikan, o mesmo local do Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert. No primeiro dia, estiveram presentes Hiroki Kikuta (Secret of Mana) e Yasunori Mitsuda (Chrono Trigger e Cross) e, no outro, além dos dois, a mestra Yoko Shimomura (Kingdom Hearts). Para completar o quarteto de compositores da Square que haviam comparecido ao espetáculo em Colônia, só ficou faltando mesmo o Nobuo Uematsu.

Como o Symphonic Fantasies original já tinha sido lançado em CD na Europa e no Japão, não seria de esperar que a versão mostrada em Tóquio também fosse. Eis que inesperadamente em maio de 2012 o álbum Symphonic Fantasies Tokyo foi anunciado e em junho foi lançado – por enquanto, somente com publicação no continente europeu.

A principal diferença é que, enquanto o álbum do Symphonic Fantasies original condensava todo o concerto em um CD e deixava o segmento do bis para lançamento digital, o álbum do Symphonic Fantasies Tokyo cobre o espetáculo na íntegra, forçando a divisão do programa em dois discos. O primeiro, com a abertura e as suítes de Kingdom Hearts e Secret of Mana; o outro com as suítes de Chrono e Final Fantasy e o novo bis.

O encarte, com 20 páginas repletas de fotos das apresentações e perfis dos envolvidos, possui agora um prefácio assinado pelo Masashi Hamauzu, que não teve músicas executadas no concerto, mas vem se tornando cada vez mais frequente nas produções do Thomas Boecker. Aliás, só de ver o nome dele, já me deu vontade de que fosse feita uma suíte da série SaGa – obscura no ocidente, mas popular no Japão –, com os seus trabalhos no SaGa Frontier II e especialmente no Unlimited Saga. Mas essa vontade fica para uma próxima. Outra decisão que achei acertada foi a adoção do inglês no texto, dada a universalidade do idioma, visto que, no álbum gravado na Alemanha, a edição japonesa estava escrita na língua local e, na europeia, em alemão. O único ponto um pouco chato disso é a dificuldade de retirar o encarte da caixa do álbum, porque ficou bastante justo, no limite. Se você conseguiu tirar uma vez, é provável que não vai querer fazer isso de novo com medo de estragar o papel.

Uma grande vantagem do Symphonic Fantasies Tokyo em relação ao Symphonic Fantasies é justamente o fato de o concerto ter sido gravado no Japão. Como dito aqui tantas vezes, o público nipônico é extremamente acanhado e, verdade seja dita, educado. Uma plateia inteligente, que respeita a performance e quer apreciá-la, quer fazer valer o ingresso. Durante os dois CDs não há um pio sequer da plateia e nem mesmo aplausos ao final da execução de cada número, o que dá ao Symphonic Fantasies Tokyo a impressão de ter sido gravado em estúdio tamanho o silêncio. No CD do Symphonic Fantasies dá para ouvir, durante a execução do tema dos Chocobos, um “woow” proferido por um fã tresloucado. Hoje, esse cara deve estar muito por feliz por ter o grito eternizado e arranhado a perfeição da performance. Aqui não há nada disso, muito felizmente. Por isso… viva os japoneses!

Já adianto que, excetuando o Encore, todo o resto da seleção de músicas arranjadas é similar ao primeiro Symphonic Fantasies. Mesmo que continue achando que algumas faixas poderiam entrar (nada vai me tirar da cabeça que fez muita falta a “Danger” no Secret of Mana e talvez mais alguma música animada do jogo), não vou repetir tudo o que já falei. É tudo uma questão de comparações. Se na ocasião do concerto eu confrontei os arranjos orquestrais com as originais e no review do álbum coloquei frente a frente os arranjos da mixagem do CD com a versão transmitida, o cotejo agora será entre os dois álbuns. As novidades do Symphonic Fantasies Tokyo estão nas entrelinhas, nas interpretações, nas sutilezas, portanto vamos revisitar aos poucos, com calma, as histórias contadas pelas suítes no palco do concerto realizado na Terra do Sol Nascente.

Continue lendo ‘Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente’


RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: