Posts Tagged 'Tokuhiko Uwabo'

“Phantasy Star Medley for Sympathy 2013” – Phantasy Star I, II, III e IV (Phantasy Star Series 25th Anniversary Concert Sympathy 2013 Live Memorial Album)


Por Alexei Barros

Enfim chegamos ao lançamento de um dos álbuns de game music mais aguardados do segundo semestre: a gravação do concerto comemorativo de 25 anos da série Phantasy Star ocorrido em março deste ano.

O Phantasy Star Series 25th Anniversary Concert Sympathy 2013 Live Memorial Album é bastante generoso, cobrindo todos os segmentos do espetáculo. Até mesmo músicas sem relação com a série estão presentes, como a Burning Hearts ~Burning Angel~” do Burning Rangers. Aliás, a performance ficou muito aquém do que poderia: em vez da parte dos metais ser feita pela Tokyo Philharmonic Orchestra, esses instrumentos foram pré-gravados, apenas com a banda tocando ao vivo. Para completar, o Takenobu Mitsuyoshi não estava em um dos seus melhores dias.

Não vou falar de todos os números do álbum e me concentrar somente em comentar o aguardado “Phantasy Star Medley for Sympathy 2013”, miscelânea dos quatro primeiros episódios da série (o jogo inicial para Master System e os demais para Mega Drive). Afinal de contas, não é surpresa alguma ouvir uma orquestra tocando Phantasy Star Online; o ineditismo está em ouvir as músicas do Tokuhiko Uwabo (PSI e II), Izuho Numata (PSIII e IV) e Masaki Nakagaki (PSIV) em versões orquestradas. Embora seja um mal da Sega essa baixa representação em concertos e álbuns sinfônicos, por algum motivo Phantasy Star ficou atrás até de outros RPGs do Mega Drive, como Shining Force, com o Symphonic Suite the Another Story of Shining Force e Symphonic Suite Shining Force II ~Ancient Sealing~ e o obscuro Tougi Ou: King Colossus, com o álbum supremo Image from King Colossus -Warrior King Fantasy Suite-. Vinte e cinco anos de espera depois…

Já ouvia escutado as trilhas antigas, mas na tentativa de identificar cada parte do medley voltei a visitar as músicas e havia me esquecido o quão boas elas são. Dava tranquilamente para cada um dos quatro episódios de Phantasy Star receber um medley próprio. Porém, eles decidiram colocar tudo em um segmento só de pouco mais de oito minutos que segue a ordem de lançamento dos jogos. Por conta desse formato, as melodias algumas vezes são abordadas muito rapidamente, sem nenhum grande desenvolvimento sinfônico – nada como uma suíte, por exemplo. Mas é o suficiente para as faixas serem reconhecidas e apreciadas, ainda mais que não havia nada antes disso para comparar em termos de qualidade. Felizmente, as transições são competentes e a partitura do Masamichi Amano tem um começo, meio e fim; não é uma mera colagem de faixas sem lógica.

O senso comum dos medleys de jogos geralmente costuma indicar que o tema da faixa-título costuma ser o mais apropriado para abrir o segmento. No entanto, aqui no caso, a animada música de “Palma” faz esse papel – e muito bem. Pouco depois a “Title” surge um pouco mais rica, com um belo trabalho das madeiras e depois das cordas. Não se acostume muito, porque da tela inicial a peça já mergulha de cabeça em uma dungeon, com a fantástica “Dungeon 2”, em uma empolgante participação dos instrumentos de sopro. O mistério e a tristeza latente de “Sky City” se manifestam em seguida nas cordas.

Pouco mais de dois minutos de medley depois já prosseguimos para o Phantasy Star II, com a “Rise or Fall”, que se manifesta de maneira vigorosa por toda a orquestra. Dando uma acalmada, surge a introspectiva “Power” em uma sequência do oboé, fagote e flauta. Ela prepara o terreno para o Phantasy Star III, com a obrigatória “Main Theme”. Embora o tema seja perfeito para orquestra, os arranjos oficiais da música até então tinham sido tocados por bandas, como na “A New Journey” da S.S.T. Band. Nessa versão do concerto, após um breve pizzicato, as cordas fazem uma bela participação.

Como uma marcha, aparece depois a “The Ground(Quintet)”. Aos poucos a tensão aumenta até a caótica “Wings of Evil”. Nesse clima de urgência, o Phantasy Star IV irrompe com o tímpano avassalador que traz a “The end of millennium”. Suavemente o xilofone relembra as primeiras notas da esperançosa  “The Promising Future 2”, logo interrompida pela aparição da sensacional “Land master AXV-25”. A faixa animada ganhou uma releitura mais pomposa e triunfal, avisando que estamos próximos do final dessa jornada. A “The Promising Future 2” cintila mais uma vez até o desfecho apoteótico.

Mesmo sendo um fã nominal da série, devo confessar que senti falta de algumas músicas, embora seja incapaz de mensurar com certeza a importância delas na experiência de jogo. Da parte do primeiro Phantasy Star, por exemplo, lamentei a ausência da  “Motavia” (e imagino que o comparsa Eric “New Motavia” Fraga Cosmonal esteja lamentando mais ainda). De tanto que eu gosto da  “Field Medley” do Phantasy Star Collection: Sound Collection I também acho que a simpática melodia da “Restration” (Phantasy Star II) cairia muito bem no medley. Mas, por ora, só nos resta agradecer ao Masamichi Amano pelo grande trabalho e realização de um sonho.

“Phantasy Star Medley for Sympathy 2013”

“Palma” ~ “Title” ~ “Dungeon 2” ~ “Sky City” (Phantasy Star) ~ “Rise or Fall” ~ “Power” (Phantasy Star II) ~ “Main Theme” ~ “The Ground(Quintet)” ~ “Wings of Evil” (Phantasy Star III: Generations of Doom) ~ “The end of millennium” ~ “The Promising Future 2” ~ “Land master AXV-25” ~ “The Promising Future 2” (Phantasy Star IV: The End of the Millennium)

Fantasiosamente agradecido ao fã enrustido de RPGs Rafael Fernandes pelo auxílio na identificação das faixas.

Phantasy Star Series 25th Anniversary: o dia em que a fantasia foi escrita com “ph”


Por Alexei Barros

Em dezembro de 2012, Final Fantasy completou 25 anos de existência. De 2002 para cá, houve pelo menos um concerto a cada dois anos dedicado à série. Também em dezembro de 2012, Phantasy Star celebrou o aniversário de 25 anos. Apresentações musicais até então? Nenhuma. Se colocarmos as duas séries em uma balança, fica difícil de comparar por pesos-pesados como Square e Nobuo Uematsu, mas enfim a Sega se mexeu e encerrou a espera no dia 30 de março, dois dias depois muitos fãs não acreditariam e achariam uma mentira – como eu demorei para fazer o post. Nesse dia, aconteceu o Phantasy Star Series 25th Anniversary.

Foram duas apresentações no Hibiya Kokaido em Tóquio, Japão, com a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra regida por Masamichi Amano. Pelas fotos, achei a arquitetura do Hibiya Kokaido, que possui 2000 assentos, extremamente humilde e simples. Em contrapartida, um gigantesco telão com as imagens dos jogos da série tratou de melhorar a aparência no quesito show.

Agora, vamos ao que interessa: o set list. O que vinha causando mais apreensão nos fãs da série é o quanto da tetralogia inicial tomaria do programa. Fazendo uma rápida observação, a estima que os brasileiros têm hoje pelo Master System não equivale no Japão, onde o console equivalente Sega Mark III foi pulverizado pela liderança avassaladora do Famicom (o NES por aqui). Sendo assim, já considero uma vitória saber que melodias do primeiro Phantasy Star apareceram no “Phantasy Star Medley for Sympathy 2013”. De resto, foi um festival de músicas da vertente Phantasy Star Online que guarda sim boas composições, mas sem o mesmo impacto nostálgico evidentemente.

Para quebrar um pouco dessa erudição sinfônica, alguns números foram tocados sem orquestra, apenas por uma banda (pelas fotos, não me pareceram ser os integrantes da [H.]) formada por baixo, guitarra e keytar tocada pelo Hideaki Kobayashi, o compositor do Phantasy Star Online. Nos vocais, a cantora Annette Marie Cotrill, que participou de episódios recentes, e o carismático e imbatível Takenobu Mitsuyoshi. Ele ainda se deu ao direito de interpretar a “Burning Hearts ~Angel~” com essa formação de instrumentos – poxa vida, todo tema estilo tokusatsu que se preze deveria ter um naipe de metais acompanhando.

Aliás, o que Burning Rangers tem a ver com Phantasy Star? Nad… opa, ambos têm a participação de Yuji Naka. Mesmo há anos não trabalhando mais na Sega, o YU2 subiu ao palco. No sentido de homenagear figuras históricas, o concerto foi muito especial. Eu tenho a impressão que por algum motivo, a criadora Rieko Kodama não esteve por lá, mas a apresentação contou com as milagrosas e raríssimas aparições dos compositores veteranos Tokuhiko “Bo” Uwabo (Phantasy Star I e II) e Izuho “Ippo” Numata (Phantasy Star III) – foto acima. Depois de muito tempo longe dos holofotes, o Bo deu as caras no Facebook, ajudando a minimizar o mistério que havia em torno dele. Mas o caso da Ippo foi mais sério. Por muito tempo, houve quem acreditasse que esse era apenas um pseudônimo do Ippo Yamada, compositor de jogos recentes do Mega Man. Isso mesmo: nem se sabia se era “ele” ou “ela” ou se a pessoa existia mesmo. É a primeira foto que vejo dela.

Quando chego nesse trecho do texto, geralmente digo “agora é hora de aguardar pelo CD”, “não espere pelo CD”… A boa notícia é que a gravação do concerto já foi anunciada em CD, com lançamento marcado para setembro de 2013. Não chegou a ser anunciado um DVD, mas o Jorge, amigo do Orakio “O Gagá” Rob que mora no Japão e afortunadamente assistiu ao concerto, disse que viu câmeras e avisos de que o público poderia aparecer no vídeo. Então ainda há uma esperança.


Abaixo, o set list. Ficarei devendo os links para as faixas originais. Por desconhecer as trilhas, ficou difícil identificar as músicas.
01 – Fanfare
02 – Phantasy Star Medley for Sympathy 2013
03 – Phantasy Star Online OPENING THEME ~The whole new world~
04 – Can still see the light ~Phantasy Star Online ENDING THEME~
05 – “IDOLA” have the immortal feather & the divine blade Medley
06 – World with me ~Phantasy Star Online EPISODE2 ENDING THEME~
07 – “LET THE WINDS BLOW” – Theme of Phantasy Star Online Episode III-
08 – Underworld -equilibrium-
09 – Phantasy Star Zero
10 – たいせつなもの
11 – Save This World – Orchestra Version –
12 – Save This World – νMIX – (Hideaki Kobayashi com
Annette Marie Cotrill)
13 – Living Universe (Hideaki Kobayashi com
Annette Marie Cotrill)
14 – Go Infinity (Hideaki Kobayashi com
Takenobu Mitsuyoshi)
15 – Burning Hearts (Hideaki Kobayashi com
Takenobu Mitsuyoshi)
16 – Ignite Infinity (Hideaki Kobayashi com
Annette Marie Cotrill)
17 – Title – PSO2 –
18 – Stage Medley – PSO2 –
19 – Dark Ragne
20 – Big Varder & Quartz Dragon Medley
21 – Falz Arm & Dark Falz Elder Medley
22 – For Brighter Day – Orchestra Version –

Números 1 a 11, 17 a 22 tiveram a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra com regência do Masamichi Amano.

Peço desculpas pela incrível demora não só ao Gagá, que me passou algumas informações aqui compartilhadas, como outros fãs desta série muito estimada que conheço, infelizmente, só de nome.

[via Game Watch, 4Gamer.net e Famitsu]

As sinfonias sintetizadas que quase enganam

Por Alexei Barros

Eu sempre tive certa repulsa às músicas sintetizadas que emulam orquestras pelo artificialismo dos timbres. Apenas um Yuzo Koshiro – e olhe lá – consegue utilizar timbres verdadeiramente convincentes que deixam na dúvida se a gravação foi reproduzida por dezenas de instrumentistas ou simulada por computador – dúvida que é elucidada, na medida do possível, ao ver créditos ou não dos musicistas no encarte ou no próprio jogo.

Mas mudo meu conceito neste post. Nesse terreno de diversidade de conteúdo que é o YouTube, há arranjadores amadores, se é que já não viraram profissionais, que mostraram a excelência de versões sinfônicas sintetizadas. Se não nos enganam por completo, matam a avidez por arranjos de músicas que dificilmente entrariam em concertos. E, caso fossem escolhidas, demorariam muito pela natureza obscura de alguns jogos.

Em vez de redigir um post para cada arranjo, preferi concentrar todos os interessantes que encontrei em um, porque, apesar de tudo, uma versão sintetizada não tem o mesmo peso de uma verdadeira. Mas nada impede que, se surgirem outras, eu faça um post no estilo daquela série Músicas que não faltam… ah, deixa pra lá.

Alex Kidd in Miracle World – “Alex Kidd (Main Theme)”

Alex Kidd é um jogo meio ingrato para aparecer em concertos, porque é o tipo de título antigo que apareceria no Press Start, isso se o Master System não fosse uma pulga perto do colosso Famicom no Japão.

Blake Robinson, nome que você lerá muitas vezes neste post, fez uma versão bem curta do tema principal imitando uma orquestra. Só que ele não se deu por feliz e colocou um coro de crianças virtual. Combinou perfeitamente.

DuckTales – “The Moon”

“The Moon” é uma das faixas mais incríveis não só do NES, não só da Capcom, de toda a geração inteira 8-bit. Mas quem mandou fazer uma música tão boa em um jogo licenciado? Isso talvez poderia trazer alguma dificuldade na hora de a composição entrar em um concerto… ou não.

A vontade de ouvir a “The Moon” orquestrada é tanta que existem cerca de cinco ou seis arranjos orquestrais diferentes, mas, até que me convençam o contrário, este é o melhor de todos, com um bom jogo de pizzicatos edulcorados por um piano incidental.

Golden Axe II – “Boss (Stage 1-3)”

Ouvi antes o arranjo e fiquei espantado como, orquestrada, a música ganhou uma nova dimensão. A escolha dos metais para reproduzir a melodia é adequada, e é incrível que os trompetes simulados soem tão bem.

Mario Paint – “BGM 1”

Se nem todos os jogos da série principal do Mario foram lembrados nos concertos, o que dirá os títulos de outros gêneros que levam a assinatura bigoduda. Mario Paint é um desses e, convenhamos, com Hirokazu Tanaka envolvido na composição, não tem por que dar errado um arranjo desse tipo. Ah, se o Orchestral Game Concert tivesse mais dez edições…

Mario Party – “The Stolen Star”

Mario Party nem é, a meu ver, o jogo do Mario não canônico de maior expressão, mas tem algo interessante na composição na autoria desta trilha: é do Yasunori Mitsuda. O dia em que fizerem um concerto de tributo a ele, um arranjo competente como este daria uma bela variada em meio aos Chronos e Xenos.

Metal Gear: “Operation Intrude N313” ~ “Theme of Tara” ~ “Red Alert”

Com toda a fama da vertente Solid, muitos podem estranhar que existe vida na série Metal Gear antes de 1998. E mais: que há músicas boas dos primeiros jogos da era MSX2. Este arranjo consegue transmitir a tensão e o nervosismo da missão de Snake, em uma tradução muito fiel para orquestra sintetizada das faixas originais. O autor do feito é o brasileiro André Colares, que já fez trilhas pra curtas e peças de teatro e almeja entrar na área de games. Se você curtiu, não deixe de entrar no canal do rapaz para ouvir composições originais. E eu se fosse você também pediria que ele fizesse mais arranjos de músicas de games.

Sonic the Hedgehog – “Final Zone”

O arranjo “Sonic the Hedgehog: Staff Credits” do Richard Jacques para o Video Games Live tem todas as músicas das zonas do Sonic 1, certo? Todas, menos a “Final Zone”. Assim como no Alex Kidd, Blake Robinson colocou timbres de coral, mas aqui no caso adulto mesmo. E mais uma vez foi uma escolha certeira. Deu um clima meio Super Mario Galaxy, não?

Sonic the Hedgehog 4: Episode I – “Splash Hill Zone Act 1”

Há um longo caminho (Sonic 2, Sonic 3…) até chegarmos às versões orquestradas do Sonic 4, mas o Blake Robinson já deu uma palhinha de como ficaria o tema da fase inicial do Episode I, provavelmente o melhor do jogo. Só deixaria num andamento mais rápido.

Streets of Rage 2 – “Back to The Industry”

A dificuldade para achar arranjos orquestrais de Streets of Rage não está no papel. Claro, não é uma tarefa fácil pela característica dançante das músicas. O arranjador ubergrau conseguiu extrair uma sinfonia da “Back to The Industry”, rendendo uma bela peça orquestral e sem descaracterizar a faixa. Nem está entre as minhas favoritas a original, mas se ele fizesse o mesmo com outras do Koshirão…

Se você conhecer outros arranjos do tipo, sinta-se à vontade para se manifestar nos comentários. Quem sabe eu não me anime a fazer uma segunda parte.

Agradeço secretamente o espião Rafael Fernandes pela indicação do canal do Blake Robinson.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: