Posts Tagged 'The Last Story'

Press Start 2011: contemporâneo e nostálgico; épico e diversificado

Por Alexei Barros

Após o lançamento do mediano álbum Press Start 5th Anniversary e as enfadonhas reprises na comemoração dos cinco anos de existência dos concertos no Press Start 2010, o Press Start 2011 veio para retomar no dia 14 de agosto o principal motivo de estima pela série japonesa de récitas: seleções magistrais de jogos japoneses, velhos e novos, alguns difíceis de imaginar em outros espetáculos do gênero.

Comentarei as escolhas de faixas mais detalhadamente após o Hadouken, mas pareceu ter sido um evento extraordinário, o que faz aumentar o desejo pelo segundo CD. Na condução de Taizo Takemoto, a Kanagawa Philharmonic Orchestra tocou no Shinjuku Bunka Center Hall, em Tóquio, às 14 e depois às 18 horas locais. Vale lembrar que, pela primeira vez, será realizada uma terceira apresentação no Japão, marcada para o dia 19 de setembro em Nagoya, com a Nagoya Philharmonic Orchestra no Century Hall do Nagoya International Conference Hall e regência de Kosuke Tsunoda. Continue lendo ‘Press Start 2011: contemporâneo e nostálgico; épico e diversificado’

Symphonic Odysseys: 2011: Uma Odisseia do Uematsu


Por Alexei Barros

Odisseia. Como a de Homero, narra uma extensa epopeia, repleta de aventuras extraordinárias e acontecimentos dramáticos. Como a de Stanley Kubrick, um épico espacial com trilha sonora memorável. Como a de Nobuo Uematsu. Que palavra seria mais apropriada para nomear um espetáculo em tributo à portentosa carreira de um compositor como ele? Melhor: odisseias. Odisseias sinfônicas. Se cada jogo da série que mais se dedicou traz uma história diferente da outra, o plural é mais indicado para alguém de tamanha envergadura (o singular no título foi só para não perder a chance do trocadilho).

Já que cada concerto de Final Fantasy pode ser considerado uma homenagem a Uematsu na maioria das vezes, não é de estranhar que tenha demorado tanto tempo para isso acontecer, afinal, só em 2004, como freelancer, a variedade de franquias aumentou efetivamente. A primeira vez foi em 2007, na Itália, o Nobuo Uematsu Show, que se limitou a executar partituras conhecidas de Final Fantasy, Blue Dragon e Lost Odyssey. Agora, em 2011, o Symphonic Odysseys não tem nem comparação, com todos os arranjos novos em folha, oferecendo um recorte de sua trajetória.

Antes mesmo da realização do Symphonic Legends, o Symphonic Odysseys foi anunciado pelo então administrador da WDR Radio Orchestra Cologne, Winfried Fechner, em março de 2010 – ambos concertos que nasceram por consequência do sucesso espantoso do Symphonic Fantasies em 2009. Em dezembro do ano passado, os ingressos para os 2000 assentos do Cologne Philharmonic Hall do espetáculo às 20 horas locais esgotaram em 12 horas, um recorde para os concertos de games em Colônia. Uma nova apresentação às 15 horas foi marcada para o mesmo dia, 9 de julho, e também teve todos os bilhetes comprados. A alta demanda se explica por Square Enix, Nobuo Uematsu e Final Fantasy: a maioria das pessoas estava lá especialmente por conta do terceiro item.

E então chegamos ao set list. O primeiro ato corresponde ao passado do Uematsu e o segundo ao presente (exceção aos dois números do bis). Antevendo a realização do concerto, eu procurei ouvir as trilhas antigas do Uematsu e pude constatar que a discografia dele é mais variada do que aparenta, o problema é que muitos jogos são pulgas se comparados com a supremacia de Final Fantasy.

Obscuridades como Genesis, Alpha, Cruise Chaser Blassty, Cleopatra no Mahou, The 3-D Battles of WorldRunner, Nakayama Miho no Tokimeki High School, Square’s Tom Sawyer, Aliens 2, The Square’s Tom Sawyer… Além disso, confesso que da leva pré-histórica da Square tem pouca coisa verdadeiramente aproveitável. King’s Knight é um representante digno dessa era, assim como The Final Fantasy Legend e Final Fantasy Legend II. Os três nem saíram na Europa, uma área com lançamentos bem específicos e que recorrentemente sofre com a ausência de localizações. Por exemplo, Chrono Trigger só foi publicado por lá em 2009, na versão para Nintendo DS, como já havia comentado no relato do Symphonic Fantasies. Isso vale também para o segundo ato, com as colaborações para jogos da Mistwalker: The Last Story ainda não saiu na Europa; Blue Dragon e Lost Odyssey não se comparam com FF em popularidade. Anata wo Yurusanai, Away: Shuffle Dungeon, Lord of Vermilion, Sakura Note: Ima ni Tsunagaru são ainda mais desconhecidos, considerando os trabalhos recentes. Aliás, tudo foi considerando no início, inclusive trabalhos sem relação com jogos, como a trilha do anime Guin Saga, e Nobuo Uematsu deu total liberdade para a seleção de títulos e músicas.

Seria de meu agrado que Hanjuku Hero, por ter uma trilha melódica e grudenta, Rad Racer, por ser um jogo de corrida, e Front Mission: Gun Hazard, por diferenciar do que Uematsu fez naquela época, mas compreendo as ausências como o Symphonic Odysseys já traz um montante de jogos poucos conhecidos que não apareceria normalmente em outras produções. São raras as performances de Nobuo Uematsu que não de Final Fantasy, especialmente no ocidente: “Main Theme” do Blue Dragon e a “Main Theme” do Lost Odyssey pipocaram na turnê Play! A Video Game Symphony; em 2007, a Microsoft promoveu no Japão o concerto Orchestral Pieces From Lost Odyssey & Blue Dragon, com oito segmentos do Blue Dragon e sete do Lost Odyssey; no ano seguinte, no Press Start 2008, teve um medley de músicas antigas, com Alpha, King’s Knight, 3-D WorldRunner, Makai Toushi SaGa e Hanjuku Hero. O resto é tudo Final Fantasy.

O concerto leva em conta o quanto Uematsu compôs para a série, mas não foram executadas faixas de todos os episódios que ele participou. Assim como no Symphonic Fantasies, não teve FFVIII, FFIX, FFXI e FFXII (somente a “Kiss Me Good-Bye”) e não senti falta. O foco das apresentações recentes da série é nos capítulos de FFI a FFVII e FFX, e a prioridade era de músicas ainda não executadas (claro que existem tantas outras desses que ainda merecem ser tocadas).

A maioria dos arranjos foi feita por Jonne Valtonen (seis segmentos e uma suíte) e Roger Wanamo (dois números e outra suíte), ambos os finlandeses do time do Merregnon Studios do produtor Thomas Boecker. Mesmo assim, teve dois convidados: Jani Laaksonen, que também é da Finlândia e estudou na mesma universidade de Valtonen e Wanamo, a Tampere University of Applied Sciences, e é amigo dos dois; e Masashi Hamauzu, que elaborou três arranjos para o LEGENDS (Kirby e Pikmin, além de Donkey Kong Country, que constava no Symphonic Legends). Estreando na série Symphonic outro finlandês, o letrista Mikko Laine, que trabalhou com Valtonen anteriormente e participou do LEGENDS também com versos em inglês.

As partituras foram preparadas especificamente para o tamanho da WDR Radio Orchestra Cologne (representada por 72 instrumentistas, incluindo a pianista) e WDR Radio Choir Cologne (45 coristas), que retorna do Symphonic Fantasies após a ausência no Symphonic Legends. Repare que desta vez o coral esteve, por conta da falta de espaço, no andar de cima do palco, que é a maneira mais convencional; no Symphonic Fantasies e no Symphonic Legends o coro ficava posicionado no canto esquerdo, no mesmo andar da orquestra. A complexidade dos arranjos exigiu cinco dias de ensaios (geralmente duravam das 10h até às 14h30), bem menos que os 14 do Symphonic Fantasies, mas ainda assim mais do que o normal de concertos eruditos, que é dois dias. Ausente do Symphonic Legends, Arnie Roth voltou à batuta e sua regência tem o fator especial de ele ser amigo do Uematsu, uma parceria que se fortaleceu na turnê Distant Worlds. A mesma amizade vale para o pianista de uma suíte e dos dois bis, Benyamin Nuss, pelo álbum Benyamin Nuss Plays Uematsu, uma coletânea de piano dedicada ao compositor.

Foi um alívio ver a transmissão em vídeo da WDR funcionando perfeitamente como no Symphonic Fantasies, e todo o concerto pôde ser acompanhado ao vivo. A apresentação das 20h inclusive atrasou alguns minutos em decorrência da longa fila da sessão de autógrafos. Não por acaso: Nobuo Uematsu é uma celebridade, é carismático, é uma figura. Vê-lo em pessoa já é uma satisfação.

Depois do Hadouken, minhas extensas considerações sobre o Symphonic Odysseys. Em vez de colocar um monte de números dos contadores, optei por colocar links em alguns trechos específicos para você entender melhor o que quero dizer.
Continue lendo ‘Symphonic Odysseys: 2011: Uma Odisseia do Uematsu’

The Last Story Original Soundtrack: senta que lá vem a última história hollywoodiana


Por Alexei Barros

Pela rapidez com que The Last Story foi adicionado nos repertórios do Symphonic Odysseys e do Press Start 2011, precedendo a localização ocidental (que não foi anunciada), eu imaginava – já que enrolei para ouvir – que seria, no mínimo, a melhor das trilhas do Nobuo Uematsu para jogos da Mistwalker, superando Blue Dragon, Lost Odyssey e, não podemos esquecer, dos títulos para portáteis Blue Dragon Plus, Blue Dragon: Awakened Shadow e Away: Shuffle Dungeon.

Terminada a apreciação, a sensação foi inversa: achei a menos inspirada de todas da Mistwalker, prevalecendo estranhamento se o que ouvi era para um RPG e não para um Metal Gear Solid. A resposta de minha hesitação veio em uma declaração do Nobuo Uematsu ao site Eurogamer.de. “As primeiras três faixas que eu compus para o jogo foram: o tema principal, o tema de batalha e a música de fundo para a cidade. Todas as três foram rejeitadas”, afirma. “Então tentei pelo princípio de tentativa e erro muitas abordagens diferentes. Depois de hesitar, eu finalmente tentei me orientar com o som de uma trilha de Hollywood.”

Aproveito para fazer uma confissão: minha estima por game music não se estende, com algumas exceções, às trilhas de filmes. Em parte, é explicado pela preponderância em jogos de compositores japoneses, que focam suas obras na melodia. E quando um dos principais nomes do meio, reconhecido justamente pelo poder de criar melodias fantásticas se limita a imitar o estilo cinematográfico? É como se Hideo Kojima tivesse chamado Uematsu para um Metal Gear. E de fato um dos arranjadores do álbum colaborou para a série: direto do estúdio GEM Impact, Yoshitaka Suzuki, com participações em Metal Gear Solid Portable Ops e Metal Gear Solid 4 Guns of the Patriots. Mesmo assim, faixas do velho Uematsu sobreviveram e imagino que nessas os arranjos dos concertos. O que considero necessário: uma das maiores decepções é que a trilha faz uso reduzido de instrumentistas (entre no VGMdb se quiser ler mais detalhes), abusando de faixas sintetizadas que emulam timbres sinfônicos. Não há desculpa de limitação do espaço de mídia, muito menos de orçamento para a contratação de uma orquestra ou de musicistas avulsos, como foi o caso da Lost Odyssey Original Soundtrack.

Após o Hadouken, comento as músicas que mais gostei da The Last Story Original Soundtrack, formada por três discos com 15, 14 e 13 faixas que, dizem, não abarcam todas as músicas do jogo.
Continue lendo ‘The Last Story Original Soundtrack: senta que lá vem a última história hollywoodiana’

Press Start 2011: Gradius, Final Fantasy IV e Pokémon

Por Alexei Barros

Mesmo sabendo que não haverá quem grave as apresentações, que ainda é cedo esperar por um novo CD e que se sair deve ser com a reverberação absurda do Press Start The 5th Anniversary e que nem sempre as transições são as mais bem elaboradas, eu não consigo resistir ao set list do Press Start. Se antes parecia contemporâneo demais com os cinco números previamente anunciados no Twitter, os três segmentos comunicados na matéria da Famitsu e na abertura do site na versão Press Start 2011 garantem o fator nostalgia tão bem representado nas edições anteriores.

Já foram confirmados as datas, os locais e as orquestras e, pela primeira vez, haverá três apresentações em um ano. No dia 14 de agosto, o Shinjuku Bunka Center Hall abrigará duas execuções da Kanagawa Philharmonic Orchestra (a mesma do Press Start 2008 e 2010), sob a regência de Taizo Takemoto, às 14 horas e outra às 18 horas. Quase um mês depois, 19 de setembro, a Nagoya Philharmonic Orchestra realizará a performance no Century Hall do Nagoya International Conference Hall às 17 horas. A novidade é que neste dia o maestro Kosuke Tsunoda assumirá a batuta.

Com isso, me sinto mais confortável para comentar os oito jogos confirmados, mais do que suficiente para um ato, mesmo que cinco deles já tenha abordado superficialmente antes.

– El Shaddai: Ascension of the Metatron

Seleção de jogo lançado mais recentemente, dia 28 de abril. Fiquei impressionado nas primeiras impressões, mas depois de ouvir o álbum todo achei que a repetição acabou imperando, o que não tira o mérito das belíssimas faixas com coral e várias outras. Masahiro Sakurai garantiu a presença da “Theme of El Shaddai”, assinada por Masato Kouda, o compositor de Monster Hunter. Sonho com “Tragic Scream” e “Torn Heart”, mesmo sabendo que é improvável utilizarem um violonista virtuose para a primeira e coral na outra.

– Gradius

Gradius foi um dos 17 jogos escolhidos para o “Shooting Medley” do Press Start 2007 e, assim como Fantasy Zone em 2009, ganhará um segmento próprio muito aguardado (por todo mundo, como escrito no site oficial). Com todo o merecimento, dada a importância musical da trilha original assinada pela Miki Higashino e a extensa discografia, formada por muitos álbuns com versões orquestradas. Kazushige Nojima comentou que muitos jogadores nem tinham nascido quando Gradius foi lançado em 1985, e salientou o grande nível de desafio do shmup. Vai ser difícil não ficar épico o segmento.

– Super Mario Galaxy 2

Afora o Press Start 2006, Mario virou uma tradição do Press Start, e originou um disco promocional com seleções bigodudas, Super Mario Bros. 5th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition. Mas faltava SMG2, cuja trilha achei ainda melhor que do primeiro SMG. O texto do maestro Taizo Takemoto trouxe boas memórias, porque ele quem regeu a Mario Galaxy Orchestra na gravação das músicas realizada em fevereiro de 2010. Ainda sonhando com solos de violino, reforço a campanha pela “Square Timber”. Independentemente disso, faixas inspiradas não faltam.

– Xenoblade Chronicles

Desde que redigi aquele post, a localização do RPG para Wii foi confirmada, com o acréscimo de “Chronicles” em relação ao título japonês. No texto de introdução, é elogiada a diversidade da trilha, que é gigantesca e feita por seis compositores, entre eles Yoko Shimomura e Yasunori Mitsuda. Kazushige Nojima fez alguns comentários que fugiram de minha compreensão e diz estar ansioso pelo segmento. Temas mais pesados poderiam ser adaptados para orquestra e até com manutenção da guitarra, visto que Haruo Kubota costuma participar de todas as apresentações.

– NieR

O RPG do PlayStation 3 e Xbox 360 publicado pela Square Enix tem a trilha assinada por quatro compositores do estúdio Monaca: Keiichi Okabe, Kakeru Ishihama, Keigo Hoashi e Takafumi Nishimura, que criaram uma atmosfera única no jogo, com muitas faixas cantadas em idiomas fictícios e acompanhamento de piano. Nobuo Uematsu chegou a comentar a participação da cantora Emi Evans, que, aliás, tocou violoncelo no álbum Octave Theory da Earthbound Papas, mas infelizmente não compreendi o texto pelo tradutor, tampouco sei se ela participará do concerto. Desculpe-me.

– Final Fantasy IV

Considerando que “Final Fantasy Main Theme” (Press Start 2006) é um tema recorrente da série, nunca a série de concertos foi antes do FFVII: “Advent One-Winged Angel” (FFVII Advent Children) em 2007, “Melodies of Life” (FFIX) em 2008 e chegando ao cúmulo de tocar “At Zanarkand” (FFX) duas vezes, em 2009 e 2010. A escolha do jogo, que comemora 20 anos de lançamento e foi recentemente refeito no Final Fantasy IV: The Complete Collection para PSP, é para celebrar com fogos de artifício.

Sabendo que as supramencionadas escolhas foram todas de arranjos conhecidos, temo que o segmento não passe da “Theme of Love” do Shiro Hamaguchi do 20020220. Todavia, além de mencioná-la e comentar que a faixa foi usada em aulas de música para crianças, o texto também destaca a gloriosa “Red Wings”, que inclusive foi orquestrada em uma esquecida versão do Katsuhisa Hattori do OGC1. Pelo pouco que entendi no comentário do Masahiro Sakurai, parece que será um medley, então aguardo pelo melhor.

– Pokémon

Das principais franquias da Nintendo, era uma das poucas ainda não homenageadas, assim como Donkey Kong e Metroid. Difícil de entender a demora, sabendo da popularidade no Japão. Não será a primeira vez que as músicas serão arranjadas – a única iniciativa é o “Pokémon Medley” do Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert. Embora seja uma completa negação em Pokémon, não foram poucas as vezes que me chamaram a atenção para as músicas da série. O texto introdutório deixa a dúvida no ar se vão ser tocadas as faixas mais antigas ou as novas. Shogo Sakai, o autor do arranjo acima, reforça a qualidade das trilhas nesses 15 anos de série, e revela que Shota Kageyama da Game Freak é o responsável pelo arranjo.

– The Last Story

Quando o RPG lançado no começo da Wii foi confirmado no Press Start 2011, logo imaginei que o arranjo tinha tudo para ser diferente do Symphonic Odysseys, pela diferença de abordagem – a primeira mais literal e a segunda mais artística. Com o comentário do Nobuo Uematsu não há a menor dúvida, visto que os concertos na Alemanha não costumam apresentar as canções pop do jogo com as artistas originais. E é o que acontecerá no Japão: a faixa escolhida é a “Toberu mono”, que terá a mesma vocalista da trilha, Kanon. Enfim, um título da Mistwalker no Press Start, como Blue Dragon e Lost Odyssey não foram lembrados nos anos anteriores.

[via PRESS START, Nonsense Zone]

Na vanguarda, Press Start 2011 com Super Mario Galaxy 2, El Shaddai: Ascension of the Metatron e The Last Story


Por Alexei Barros

Nem sequer existe um logo do Press Start 2011 no site oficial, mas foram anunciadas três novidades quentes (pegando fogo quase) para o repertório do programa: Super Mario Galaxy 2, El Shaddai: Ascension of the Metatron e The Last Story. A notícia vem do recém-lançado Twitter do concerto.

SMG2 estava na cara, como Mario apareceu em todos os anos, menos em 2006. “Se for mantida a tradição de um Mario por Press Start deve ser o candidato com mais potencial a figurar na provável edição 2011”, eu disse, lembra?  Não obstante o pioneirismo, o Symphonic Legends já tinha corrido na frente, com a parte da “The Starship Travels” do “Super Mario Galaxy 2” no magnífico bis “Encore (Currendo. Saltando. Ludendo)”. Seria um sonho ter as composições do Ryo Nagamatsu, como “Fateful Decisive Battle” e a “Square Timber” (difícil de imaginar pelos efeitos eletrônicos e solo de violino).

El Shaddai: Ascension of the Metatron foi lançado ONTEM, 28 de abril, no Japão e a trilha sonora ANTEONTEM. Para quem não estava atento, é um jogo de ação para Xbox 360 e PlayStation 3 da Ignition Entertainment que ainda sairá no ocidente. O álbum El Shaddai: Ascension of the Metatron Original Soundtrack tem a peculiaridade da publicação da Square Enix, apesar de a produtora não estar envolvida no jogo. As faixas são assinadas pelos ex-Capcom Masato Kouda (Monster Hunter) e Kento Hasegawa (Devil May Cry 3 e 4), ambos do Design Wave, que também abriga Masakazu Sugimori, o compositor do Ace Attorney original. A página do VGMdb lista Shiro Hamaguchi, Hayato Matsuo e outros arranjadores do estúdio Imagine, portanto é coisa fina. Só precisa ver se vai haver coral no dia (no Press Start, coro que não de crianças, só em 2007), uma vez que várias músicas têm a performance do Eminence Symphonic Choir. Ouça a primeira metade do “Medley 4” e fique impressionado.

The Last Story, por sua vez, com lançamento que data de 27 de janeiro de 2011, perde um pouco de impacto porque foi um dos últimos números revelados do Symphonic Odysseys, espetáculo alemão em homenagem ao Nobuo Uematsu a acontecer 9 de julho. Como o Press Start é mais literal e o Symphonic mais artístico, creio que teremos dois arranjos bem diferentes.

Com Nier e Xenoblade, temos um quarteto de RPGs muito recentes, sendo que apenas o Nier saiu no ocidente, e ainda Super Mario Galaxy 2. Será que a nostalgia ficará para escanteio desta vez?

[via Twitter]

Symphonic Odysseys: de última hora, a estreia mundial de The Last Story

Por Alexei Barros

The Last Story saiu para Nintendo Wii dia 27 de janeiro no Japão, a The Last Story Original Soundtrack foi lançada 23 de fevereiro e o RPG da Mistwalker já estará representado no Symphonic Odysseys, o concerto em tributo à carreira do Nobuo Uematsu que ocorrerá 9 de julho em Colônia, Alemanha. Duvido que nesse meio tempo saia a localização ocidental, que nem sequer foi confirmada – e quando acontece, muitas vezes demora mais na Europa do que nos Estados Unidos.

Uma celeridade digna das apresentações japonesas, como Metal Gear Solid: Peace Walker, de abril de 2010, que apareceu em setembro do ano passado no Press Start 2010. Porém, você haverá de lembrar que o Super Mario Galaxy 2 (maio de 2010) logo foi colocado no Symphonic Legends (setembro de 2010). A meu ver, isso só é possível pelo interesse que as pessoas têm no nome de Nobuo Uematsu, uma vez que, a maioria do público, acredito eu, não deverá ter jogado o RPG em japonês. Ou seja, vale pela qualidade musical, não pelas memórias do jogo, porque elas não vão existir, evidentemente.

A novidade foi comunicada em vídeo pelo maestro Arnie Roth, que estará à frente da WDR Radio Orchestra Cologne e do WDR Radio Choir Cologne no dia 9 de julho de 2011. Os ingressos para o espetáculo às 20 horas locais no Cologne Philharmonic Hall foram esgotados em 12 horas, mas faltava comentar aqui que foi confirmada uma nova apresentação, no mesmo dia, no mesmo local, mais cedo, às 13 horas, sendo que a venda de ingressos dessa nova safra começou hoje.

[via Symphonic Odysseys]

The Last Story: anunciado álbum da trilha sonora; evento mostra canção-tema do jogo



Por Alexei Barros

Dia 27 de janeiro de 2011 sai no Japão The Last Story, próxima investida da Mistwalker. Como comentado, a edição limitada inclui o disco promocional The Last Story: The Premium Soundtrack, que não é a trilha completa. Então, dia 23 de fevereiro vai ser lançada a The Last Story Original Soundtrack, com três CDs e número de catálogo DERP-10012~4 – a publicação é do próprio selo de Nobuo Uematsu, Dog Ear Records. O preço é de 3000 ienes, o que hoje daria 61 reais.

Além disso, no dia 27 de dezembro, ocorreu um evento do jogo transmitido via Ustream que contou com as pariticipações de Hironobu Sakaguchi, Nobuo Uematsu e até Satoru Iwata. Foi mostrado o terceiro vídeo do RPG para Wii para quem está mais curioso para saber como será o sistema de combate:

E também ocorreu a apresentação ao vivo da Kanon com a música-tema do jogo, intitulada “Kanan’s Theme”. Na estrondosa trilha do Tales of Legendia assinada pelo Go Shiina, a cantora havia participado de duas faixas, a saber, “The Legendary Sorceror” e “Ancient Ship”. Mas ela já havia trabalhado com o Uematsu, com duas canções para o anime Guin Saga: “Marius’ Song” e “Out-of-Reach Feelings ~ Moonlight”, que estão registradas no álbum My Road~Songs from Guin Saga. Em relação à “Kanan’s Theme”, que não me impressinou tanto, o estilo mais melancólico me lembrou Lost Odyssey.

Grato ao Fabão pelos links via Twitter e ao Marcelo pela dica do vídeo.

[via SEMO]


RSS

Twitter

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: