Posts Tagged 'The Last Guardian'

Enfim revelado o compositor de The Last Guardian – não é o Kow Otani

Por Alexei Barros

Um dos elementos mais enigmáticos a respeito de The Last Guardian e que mais me vinha intrigando era a trilha sonora. Tamanha curiosidade se justificava especialmente pelo fato de que as músicas do predecessor espiritual Shadow of the Colossus foram magistrais e definitivamente estão entre as melhores da história dos videogames. Minha expectativa era de que o autor delas, Kow Otani, pudesse repetir a dose em The Last Guardian, mas infelizmente não é o que vai acontecer.

Como já disse várias vezes, no trailer de revelação do jogo tocava a música “Opening Titles”, composição de Carter Burwell para o filme Miller’s Crossing. Nos vídeos posteriores, como naquele do retorno na E3 2015, ficava difícil ter alguma noção do que esperar da trilha sonora. Só agora, em 2016, no que deve ser (assim espero) o ano de lançamento do título, foram reveladas mais informações sobre esse aspecto do jogo.

Em entrevista exclusiva para o IGN, o próprio diretor Fumito Ueda revelou quem é o responsável pelas músicas: o japonês Takeshi Furukawa, residente em Los Angeles, EUA. Seguindo a tendência de compositores ocidentais da atualidade, ele inclui em seu currículo participações em filmes e seriados. Seu trabalho de maior projeção é na orquestração do filme de animação Star Wars: A Guerra dos Clones e na composição da série homônima. Nos videogames, ele também coleciona duas pequenas participações com músicas adicionais em Star Wars: The Clone Wars e em GoldenEye 007 (aquele remake de 2010 que, devo confessar, achei medianíssimo). Em seu site oficial, há diversos samples de suas composições, que me deixaram uma ótima impressão pela habilidade em fazer músicas orquestradas sentimentais, com muita ênfase nas cordas.

Por sinal, a trilha de The Last Guardian foi gravada nada mais nada menos do que pela London Symphony Orchestra, a mesma do concerto Final Symphony, no London Air Studios na Inglaterra. Pelo vídeo dá para ver que também foi usado um coral (ora garotos, ora mulheres). Alguns trechos da trilha podem ser apreciados, além de considerações de Fumito Ueda sobre esse aspecto em suas produções.

Algo me diz que as músicas de The Last Guardian serão belíssimas, porém não vão chegar no nível de Shadow of the Colossus.

Como venho comentando todas as aparições de The Last Guardian através dos anos, também não posso deixar de recomendar este outro vídeo do IGN no qual Ueda fala mais a respeito das idas e vindas desse aguardado projeto.

Anúncios

A volta de The Last Guardian

2886484-tlg_e315_07
Por Alexei Barros

Para mim, um dos grandes momentos da E3 2015 foi, sem sombra de dúvidas, a abertura da conferência da Sony com a volta de The Last Guardian. Revelado oficialmente na E3 2009, o jogo marcaria a estreia do minimalismo de Fumito Ueda no PlayStation 3, dando continuidade ao legado de ICO e Shadow of the Colossus em uma nova plataforma. Depois de mais duas aparições – TGS 2009 e TGS 2010 –, The Last Guardian ficou preso em um limbo de incertezas e falta de informações.

A expectativa já tinha se transformado em impaciência, depois em indignação e não demorou muito para prevalecer o conformismo: com tantos rumores, muitos já se acostumavam com o cancelamento de The Last Guardian. No final de 2011, surgiu a notícia de que Fumito Ueda tinha deixado a Sony, embora permanecesse trabalhando no jogo. Para saber de todo o vai e vem dos boatos, recomendo esta linha temporal compilada pelo Kotaku americano (que, aliás, precisava ser atualizada).

Na E3 2015 enfim foi esclarecido que Ueda fundou o gen DESIGN, que trabalha na parte criativa de The Last Guardian. Espero que depois desse jogo essa parceria com a Sony não acabe por aí – por exemplo, em uma relação parecida da que o estúdio Sora de Masahiro Sakurai teve com a Nintendo (inclusive essa softhouse nem existe mais).

O desenvolvimento de The Last Guardian começou em 2007, e tanta demora foi justificada por problemas técnicos, pois o PlayStation 3 não seria capaz de atender à visão que Ueda tinha para o projeto. Por mais que pareça uma desculpa esfarrapada (afinal, são oito anos!), outros game designers falaram a respeito da dificuldade de trabalhar com o hardware do PS3 – como Kazunori Yamauchi, criador de Gran Turismo. Com isso, The Last Guardian migrou do PlayStation 3 para o PlayStation 4, repetindo a história de ICO, cujo projeto começou no primeiro PlayStation, mas foi realocado para o PlayStation 2.

Um dos aspectos menos comentados do jogo até agora é a trilha sonora. O trailer da E3 2009 não mostrou muito esmero nesse aspecto, pois reciclava a “Opening Titles” do filme Miller’s Crossing, apesar de a música combinar belissimamente com a interação do garoto protagonista com o animal indefinido. Os demais vídeos, incluindo o trailer da E3 2015, trouxeram músicas sinfônicas incidentais, mas nada digno de chamar a atenção. Considerando o resultado primoroso da trilha sonora de Shadow of the Colossus, que parece melhorar a cada ano que passa, eu torceria para as músicas ficarem sob a batuta de Kow Otani. Nem sei se existiria uma opção melhor que ele.

Eu só espero que o jogo seja realmente lançado em 2016 como prometido. Passou tanto tempo que alguns até acham que The Last Guardian nem seria mais necessário nos tempos atuais da indústria, como neste artigo do Kotaku americano. Discordo frontalmente dessa visão, já que um jogo artístico com esse escopo e a sensibilidade única de Fumito Ueda é bem-vindo em qualquer época ou contexto do mercado.

Depois de rever os trailers antigos e assistir ao vídeo mais recente com toda a resolução que tem direito, concluo que The Last Guardian está sim mais bonito, embora ainda sem o impacto gráfico que muitos esperariam de um jogo do PlayStation 4.

The Last Guardian: o trailer fascinante da TGS 2010 e as lembranças chifrudas e colossais em alta definição

Por Alexei Barros

Quando The Last Guardian sequer foi mencionado na E3 2010, imaginei que estavam guardando para revelar tudo na TGS 2010, incluindo a data de lançamento. Apareceu no final do trailer, mas pela imagem borrada na transmissão ao vivo, que sucedeu por aqui cerca de 2:30 da matina, não tive certeza quando vi 2011. Pior foi quando ocorreu a confirmação: final de 2011. Qual é a tua, Fumito Ueda? Estamos no meio da TGS! (piada interna)

Cada vez mais o Team ICO vem se notabilizando por criar um jogo para cada geração. Você vai replicar dizendo que ICO e Shadow of the Colossus são do PlayStation 2. Confirmo, mas faço a ressalva que originalmente ICO seria lançado para PlayStation.

Para justificar a alcunha de “time olímpico”, The Last Guardian deveria ser entregue em 2009, visto que os predecessores saíram em 2001 e 2005. Daí quando o ciclo de desenvolvimento aumenta de quatro para seis anos eu começo a querer que a atual geração dure mais uns dez anos para que dê tempo de outra obra-prima do Fumito Ueda no PlayStation 3.

Falando do trailer propriamente dito, mais uma vez se destaca a capacidade do Team ICO sensibilizar – a não ser pelos jogadores imediatistas com coração de pedra alheios às obras de arte digitais –, seja pela relação amistosa entre protagonista e animal para superar obstáculos, seja pela música tocante e singela, acredito que original, não reciclada do filme Ajuste Final (Miller’s Crossing) como aconteceu anteriormente. Eu queria acreditar que o Kow Otani é o compositor, mas não sei se a faixa tem muito a cara dele.

Quase como um pedido de desculpas aos fãs que imaginavam poder jogá-lo no final de 2010, foi finalmente confirmada oficialmente a coletânea com os remakes de ICO e Shadow of the Colossus em alta definição para PlayStation 3, com suporte para 3D estereoscópico. Data de lançamento: terceiro trimestre de 2011. Não me empolguei tanto como o supracitado, uma vez que terminei ambos, e não tenho lá muita vontade de encerrá-los de novo mesmo com o visual repaginado – acredito que ICO é o que mais precisava, porque a resolução gráfica, não qualidade artística, era bem baixa mesmo para os padrões de 2001. Todavia, será de grande serventia especialmente para quem não comprou uma cópia de ICO de PlayStation 2, mesmo sendo recomendado por este que vos escreve a adquiri-lo ao módico preço de 100 reais em 2003, numa época em que os jogos costumavam custar 250.

The Last Guardian: diário do desenvolvedor e trailer da TGS 2009

Por Alexei Barros

Algo de estranho aconteceu no Hadouken: esse vídeo do The Last Guardian foi revelado há quase um mês na Tokyo Game Show 2009 e mesmo sendo desde sempre um dos jogos mais aguardados por cinco entre cada quatro topeiras ninguém se lembrou de publicar.

Pois então, faço agora. A primeira parte faz uma retrospectiva da breve (em termos de quantidade de jogos) trajetória do Team ICO, e logo em seguida há declarações do gênio subestimado Fumito Ueda sobre o indecifrável animal que acompanha o garoto protagonista. Também se vê alguns esboços e um pouco da rotina do estúdio, que tem a regalia de trabalhar sem prazos. Levando em conta que ICO saiu em 2001 (o vídeo diz que foi em 2002, mas essa é a data de lançamento europeia, não a japonesa e a americana) e Shadow of the Colossus em 2005, supostamente deveríamos ter The Last Guardian neste ano… não é o que irá acontecer. O Team ICO já não é mais um time olímpico.

A outra parte traz o trailer. Não entrarei em detalhes sobre as imagens, mas chamarei a atenção para o que quase não costumo falar: a música. Aquele primeiro vídeo que vazou (quando o jogo ainda era conhecido como Project Trico) e foi melhorado para a E3 2009, utilizava como tema de fundo a “Opening Titles” do filme Ajuste Final (Miller’s Crossing). Novamente se ouve a composição, só que em um arranjo diferente, o que leva a crer que não se tratava de uma medida provisória, e que a faixa do filme estará de fato na versão final do jogo.

A origem da singeleza auditiva do vídeo do Project Trico

Project Trico

Por Alexei Barros

Acho uma tremenda picaretagem o fato de um jogo reciclar uma faixa já pronta, como a “Here’s To You”, composta por Ennio Morricone para o filme Sacco e Vanzetti, que foi reaproveitada para o Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots. Perde-se toda a distinção usar algo não criado especialmente para o game. Mas abrirei uma exceção.

O suposto vídeo do Project Trico encantou não somente pela sensibilidade das imagens, como pela música altamente encantadora que até acreditei ser obra do mestre Kow Otani (Shadow of the Colossus). Nem se sabe se o trailer é mesmo do jogo do Team Ico e evidentemente se for o tema não entrará na versão final. Aparenta ser provisório. Mas a faixa casou de maneira tocante com as cenas exibidas. O momento em que o garoto sobe em cima do grifo-ratazana e a câmera se volta para a deslumbrante paisagem é arrepiante. Isso que sequer conhecemos os personagens ou a história.

Como o Eric Ietsugu bem apontou, a música provém do filme Miller’s Crossing (1990), localizado por aqui como Ajuste Final. Escrita pelo norte-americano Carter Burwell, é inspirada na música tradicional irlandesa “Lament for Limerick”.

Seja como for, segue o link do Goear para apreciação da referida obra-prima:

“Opening Titles” (Miller’s Crossing)

Pelo bem do universo, não pode ser fake

Por Gustavo Hitzschky

Mestre Pranda acaba de mandar a mim e ao maestro um e-mail com um vídeo do suposto próximo game do Team ICO, intitulado até então Project Trico. Fake? De repente até é. Mas pensar que pode se tratar de fato do novo jogo dos caras é algo que extrapola os limites da emoção.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: