Posts Tagged 'Shota Nakama'

Distant Worlds: music from Final Fantasy The Journey of 100: quase sem novidades

Por Alexei Barros

Se eu já estava atrasado comentando sobre concertos que aconteceram há meses, o que dizer deste que foi organizado quase três anos atrás? Mesmo sem empolgar muito, me sinto na obrigação de falar dos lançamentos do Distant Worlds e notei que tinha faltado comentar este e o próximo que pelo menos é mais recente.

Distant Worlds: music from Final Fantasy The Journey of 100, como o nome sugere, foi a centésima apresentação da turnê que aconteceu em janeiro de 2015 e foi lançada em Blu-ray em agosto do mesmo ano.  É o terceiro concerto registrado em vídeo do Distant Worlds, sucedendo o DVD Returning Home (2011) e o Blu-ray The Celebration (2013).

O espetáculo se deu em Tóquio, com a Tokyo Philharmonic Orchestra e o DWFF Tokyo Choir sob a regência de Arnie Roth. A cantora americana Susan Calloway, que costuma cantar todos os temas vocais da série, esteve presente, mas a “Melodies of Life” foi cantada pela artista original do Final Fantasy IX, a Emiko Shiratori.

Os álbuns em estúdio da turnê, como o Distant Worlds III que saiu antes deste Blu-ray, não creditam individualmente os arranjadores. Porém, os lançamentos em vídeo têm esse cuidado, o que permite confirmar algumas suspeitas. Quando fiz posts dos segmentos “Balance is Restored” e “Character Theme Medley” do Final Fantasy VI, eu não sabia quem eram os arranjadores. Pois bem, a “Balance is Restored”, que é basicamente a parte final da “Ending Theme”, foi arranjada pelo Hiroyuki Nakayama (aquele mesmo pianista que veio duas vezes para o Brasil) e era a que eu tinha gostado mais, apesar de estar longe do ideal, que é ter o tema completo. Já a “Character Theme Medley”, que apresenta uma transição muito ruim, foi feita pelo próprio Arnie Roth e o seu filho Eric Roth. A “Rose of May” do Final Fantasy IX eu imaginei algo semelhante. Parecia elaborada demais para ser feito pelo Arnie Roth, que é bastante literal em suas partituras. Não é que o arranjo também é do Hiroyuki Nakayama?

Posto isso, comento os dois segmentos novos que estrearam especificamente na apresentação desse Blu-ray The Journey of 100. Por ora, não há os registros completos dos números em questão no YouTube, então tive de apelar para os vídeos incompletos do canal da Square Enix. Em compensação, clicando nos nomes das músicas, é possível ouvir os arranjos gravados em estúdio para o álbum Distant Worlds IV, que ainda vou abordar melhor em um post futuro.

14. “Torn from the Heavens” (Final Fantasy XIV)
Original: “Torn from the Heavens”

Composição: Masayoshi Soken
Arranjo: Yoshitaka Suzuki e Shota Nakama

Liberada na versão orquestrada como bônus para download do álbum Heavensward: Final Fantasy XIV Original Soundtrack, esta peça imponente e magnífica chama a atenção por dois pontos. O primeiro deles é não ser uma composição de Nobuo Uematsu, mas sim do mexicano Masayoshi Soken, um dos nomes mais importantes da safra de compositores mais novos da Square Enix. O outro é o arranjo ser de uma dupla inusitada formada por Yoshitaka Suzuki, que tem um currículo impressionante por jogos como Metal Gear Solid 4, Bayonetta e Final Fantasy XIII-2; e Shota Nakama, o líder da Video Game Orchestra que vem conquistando cada vez mais espaço nas gravações das trilhas das séries Final Fantasy e Kingdom Hearts. Não sei mensurar qual a porcentagem de participação de cada um no arranjo, mas a performance incisiva do coral chama a atenção. Esta e outras adições recentes mostram que enfim a turnê está mais aberta a músicas que não são compostas pelo Nobuo Uematsu.

19. “Jenova Complete” (Final Fantasy VII)
Original: “Jenova Complete”

Composição Nobuo Uematsu
Arranjo: Hiroyuki Nakayama

Também conhecida por “Jenova Absolute” ou “Perfect Jenova”, dependendo da tradução, esta faixa eu confesso que estava fora dos meus radares quando só depois me lembrei que ela aparece em um arranjo supremo no terceiro movimento “The Planet’s Crisis” da sinfonia de Jonne Valtonen para o concerto/álbum Final Symphony. Mesmo assim, acho que há espaço para esta releitura por ser um número avulso e, diferentemente da versão do finlandês, ela usa coral. Mais um arranjo competente de Hiroyuki Nakayama, que conseguiu captar bem o caos da música sintetizada. Por que não acionam mais ele?

Anúncios

VGO Live at Symphony Hall: a vez dos esquecidos Final Fantasy Tactics, Final Fantasy XII e Grandia

35736-1396846648
Por Alexei Barros

Quando fiz o primeiro post sobre a Video Game Orchestra lá em 2009, honestamente não imaginava que eles poderiam chegar tão longe, com a participação na gravação da Lightning Returns: Final Fantasy XIII Original Soundtrack. Não é para qualquer um. Não bastasse isso, a orquestra liderada por Shota Nakama vem protagonizando diversos crossovers com outras produções: em março de 2012, a VGO tocou no Distant Worlds; em fevereiro de 2015, vão tocar na turnê The Legend of Zelda: Symphony of Goddesses; e, em março, no Video Games Live!

Esse fato chama a atenção porque a VGO também possui espetáculos próprios, e a gravação da apresentação realizada em Boston no Boston’s Symphony Hall em outubro de 2012 estava há tempos prometida para sair em CD, com financiamento do Kickstarter. Depois de alguns adiamentos, o álbum Live at Symphony Hall finalmente foi lançado em abril de 2014 e cá estou para comentá-lo com meses de atraso.

No geral, o disco é muito competente na performance, mas vou me limitar a falar apenas de três dos dez segmentos que são os mais incomuns desse lançamento. Não que os outros não sejam bons, pelo contrário. Só que alguns jogos já cansaram pela repetição exaustiva de seus maiores hits, como Chrono Trigger, Portal, God of War, God of War II e Final Fantasy VII. Curiosamente, a página do Kickstarter falava que a “Snake Eater” do Metal Gear Solid 3 estaria no álbum. Acredito que deve haver algum problema em licenciar essa canção, visto que aconteceu a mesma coisa no The Greatest Video Game Music 2 (a música está prometida para o álbum Video Games Live: Level 4, a ser lançado em fevereiro de 2015).

Quanto ao Street Fighter II e Castlevania, ambos os números são tocados somente pela banda. Honestamente, não me empolgaram tanto quanto as faixas orquestradas, talvez pelo excesso de improvisações, mas não dá para negar que são instrumentistas habilidosos.

Vamos enfim aos três famigerados arranjos que mais me agradaram.

05 – “Final Fantasy Tactics Medley”
Originais: “Bland Logo ~ Title Black” ~ “Backborn Story”  ~ “Trisection” ~ “Ovelia’s Worries” (Final Fantasy Tactics) ~ “Sorrow (Liberation Army Version)” ~ “A Moment’s Rest” ~ “Boss Battle” (Final Fantasy XII)
Composição: Hitoshi Sakimoto
Arranjo: David Saulesco

Originalmente intitulado “Sakimoto Medley”, o que já achava impreciso, o medley ganhou um nome mais equivocado ainda porque cita apenas o Final Fantasy Tactics e acoberta a raríssima lembrança de músicas do Final Fantasy XII. Mais apropriado seria “Ivalice Alliance Medley”. Começando pela parte tática, a “Bland Logo ~ Title Black” aflora em toda a sua beleza orquestral com o toque militar característico do Sakimoto. O coral faz a incursão na peça com a “Backborn Story” até as cordas ficarem cada vez mais nervosas com a “Trisection”. O coro então retorna com a “Ovelia’s Worries”. Seguindo para o FFXII, há a “Sorrow (Liberation Army Version)”, nas cordas, e a “A Moment’s Rest”, com a flauta anunciando sua entrada. Duas músicas que são essencialmente de ambiente, mas caíram muito bem no medley. A percussão dá início ao apogeu da miscelânea, a poderosa “Boss Battle” em sua totalidade – no “Battle Medley 2012” do Final Fantasy Orchestral Album, a segunda parte da faixa não foi aproveitada, e aqui esse trecho ainda tem coral. Só esse final já vale o medley e a rara performance das composições do Hitoshi Sakimoto.

06 – “The End of the World” (Grandia)
Original: “The End of the World”
Composição e arranjo: Noriyuki Iwadare

É com extrema satisfação que ouço com a qualidade que merece a primeira aparição do Grandia original nos concertos, mas não dá deixar de esconder um desapontamento. No espetáculo, foram tocados quatro faixas arranjadas pelo próprio Noriyuki Iwadare, mas apenas duas delas estão no CD. E uma das eliminadas foi justamente a “Battle 1”, que tinha ficado simplesmente excepcional e me deixou estupefato quando vi a gravação amadora… – a outra cortada foi a “Farewell to Sue”.

A “Battle 1” era a única das selecionadas presente no Grandia Original Soundtracks II, segundo volume da trilha que contém as faixas originalmente sintetizadas no jogo. As outras três estão no primeiro Grandia Original Soundtracks e já são normalmente orquestradas. Falta de tempo no CD não é um problema, pois sobraram 14 minutos no disco. A única explicação que encontrei deve ser para não sobrecarregar a track list com Grandia, mas dada a singularidade do momento não haveria tanto problema.

Enfim falando da “The End of the World”, a música mostra toda a sensibilidade de Iwadare no uso dos violinos, que a VGO consegue reproduzir com maestria no concerto (o arranjo segue os passos da faixa original). É uma bela peça melódica que tem momentos de brilhantismo… Porém, se pudesse escolher ficaria com a “Battle 1”.

07 – “Theme of Grandia” (Grandia)
Original: “Theme of Grandia”
Composição e arranjo: Noriyuki Iwadare

Eis o grande momento que sonhei por anos: uma performance ao vivo de uma das maiores obras-primas de Iwadare, a magnífica “Theme of Grandia”, com todos os instrumentos que ela tem direito (e tudo sendo tocado ao vivo, é claro): bateria, percussão, baixo elétrico e guitarra (que aparece mais ao longo da peça e não só no solo). Assim como a faixa anterior, a partitura é bastante similar ao jogo (só não sei com certeza se é idêntica, porque sempre há sutilezas aqui e ali), com aquele solo de violino genial e, mais adiante, o já citado solo de guitarra. O canal da VGO inclusive publicou a gravação do segmento, o qual reproduzo abaixo. Momento histórico, sem dúvidas.

“Final Fantasy VII Suite” – Final Fantasy VII (VGO ~Awakening~)

Por Alexei Barros

Enfim chegou no YouTube o momento que mais ansiava do último concerto da Video Game Orchestra: o medley de 17 minutos do Final Fantasy VII. Reúne o que a VGO já fez de melhor dos segmentos do jogo nas apresentações anteriores, com forte influência da estrutura de suíte (e até de alguns arranjos) do Symphonic Fantasies e das versões hard rock dos Black Mages.

A banda acompanha a orquestra em grande parte da miscelânea, em certos momentos toca sozinha, como no do tema de combate contra chefes “Those Who Fight Further”, embora ficasse curioso para saber como soaria orquestrada. As guitarras prevalecem na “Those Who Fight”, esta também com a participação do coral à la “Fantasy IV (Final Fantasy)”, na “J-E-N-O-V-A” e, claro, na “One-Winged Angel”. As músicas mais calmas aparecem menos, mais para fazer as transições, que, de modo geral, são bem feitas. Poderiam ser inclusas umas menos badaladas. Que tal a “Cid’s Theme” ou então “The Birth of God”?

Gostei da dupla aparição da “Final Fantasy” (no FFVII o tema principal só é ouvido no final da “Staff Roll”), na interpretação sinfônica no início e rock pesado no encerramento.

– “Final Fantasy VII Suite”
“Prelude” ~ “Final Fantasy” ~ “Those Who Fight” ~ “Those Who Fight Further” ~ “Aerith’s Theme” ~ “Chocobo!” ~ “J-E-N-O-V-A” ~ “One-Winged Angel” ~ “FF VII Theme” ~ “Final Fantasy”

“Super Mario Galaxy Medley” – Super Mario Galaxy (VGO Concert Fall 2008)

Por Alexei Barros

Os vídeos com qualidade profissional registrados no Berklee Performance Center da Video Game Orchestra nos deixaram mal acostumados, mas mesmo assim faço questão de postar. Essa performance brotou hoje no YouTube, e é daquela apresentação Concert Fall 2008 feita na igreja Church of the Covenant em Boston, ainda que nem a acústica do local e a execução da VGO sejam perfeitas.

Reproduzir as músicas de Super Mario Galaxy é mais fácil pelo fato de as originais já serem orquestradas. Só que em vez de optar pelo simples – tocar uma única faixa ao vivo -, Shota Nakama optou por fazer um medley com o “Super Mario Galaxy” (tema dos créditos), “Wind Garden” (Gusty Garden Galaxy) e “Chico”.

Sempre eu falando das transições… A passagem da primeira para a segunda ficou muito súbita, mas da segunda para terceira ficou boa. Por mais que os metais deem uma escorregadela e haja algumas desafinações, não é todo dia que se vê Super Mario Galaxy ao vivo.

“Super Mario Galaxy Medley”

“Super Mario Galaxy” ~ “Wind Garden” ~ “Chico”


RSS

Twitter

RSS Box art do dia

  • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: