Posts Tagged 'Score'

“Uncharted 2 Medley” – Uncharted 2: Among Thieves (Score)

Por Alexei Barros

Não tiro o mérito de o Video Games Live realizar a estreia mundial do Uncharted 2: Among Thieves. Mas, como em tantas outras ocasiões, me descontento ao perceber os instrumentos imaginários. Bom, isso eu devo ter falado milhares de vezes (só no ano passado). A diferença é que agora eu tenho um exemplo para cotejar: o medley apresentado pelo concerto Score, realizado na Suécia em 2010.

O erhu da “Reunion”, que é pré-gravado no VGL, no arranjo do espetáculo escandinavo é reproduzido por muitas cordas (não saberia precisar quais), o que dá uma encorpada na sonoridade da música. Se não superou, ficou muito interessante o resultado. Além de mais autêntica, a miscelânea do Score inclui outra faixas. Logo na sequência (1:49), vem o trecho caótico da “A Rock And A Hard Place” (1:04 a 1:45 na original). Apaziguados os ânimos (2:25), segue o início suntuoso da “Desperate Times” (até 0:55 na original). A melancólica Marco Polo” é outra com erhu, e de novo há um desfile de excelência das cordas da Gothenburg Symphony Orchestra na interpretação, que ganhou um reforço extra das trompas. Aqui, nem fez falta a “Nate’s Theme 2.0”, presente na versão do VGL.

Quem gravou o vídeo se deu ao trabalho de editar com cenas do jogo, portanto a performance aparece somente em alguns momentos.

– “Uncharted 2 Medley”
“Reunion” ~ “A Rock And A Hard Place” ~ “Desperate Times” ~ “Marco Polo”

Anúncios

“Opening Theme” – Wizardry (Score)

Por Alexei Barros

Eis a prova definitiva de que a organização do Score andou ouvindo os CDs da série Orchestral Game Concert (1991-1995) – bom, o “Nintendo Medley” já demonstrava isso. Uma escolha incomum desprovida atualmente de apelo comercial que nem sequer aparece hoje nos concertos japoneses: Wizardry, cuja origem se confunde com a história do gênero RPG (me limito a dizer isso, dada a minha profunda ignorância para com a franquia).

A adaptação de Wizardry: Proving Grounds of the Mad Overlord para NES e um carregamento de computadores nipônicos (FM-Towns, MSX2, PC-8801 e por aí vai) foi agraciada com a trilha musical de Kentaro Haneda, mencionado profusas vezes no blog. Falecido de câncer de fígado em 2007, o compositor e maestro desfilou uma carreira prolífica em diversas áreas, atuando também em animes e seriados (como na fantástica “Wonderful Guys” do Seibu Keisatsu Part-II elogiada aqui).

Pois foi o próprio Haneken, como era apelidado, que regeu e conduziu a “Opening Theme” do Wizardry, logo a primeira faixa do OGC1. É um tema de abertura soberbo quem nem dá para imaginar que originalmente era de um jogo 8-bits (primeiro conheci a versão orquestrada antes de ouvir a “Opening Theme” sintetizada).

Por isso, bate um saudosismo ver a Gothenburg Symphony Orchestra, mesmo com toda a precariedade da gravação, dar vida a uma música que havia apenas ouvido do longínquo concerto realizado em 1991.

Pouco depois da performance, Orvar Säfström, produtor do concerto, faz a apresentação. Pode ignorar, a não ser que você entenda sueco.

“Nintendo Medley” – Super Metroid, Star Fox, Super Mario Bros. e The Legend of Zelda (Score)

Por Alexei Barros

Medleys apenas com jogos da Nintendo têm aos montes. São sempre centrados em um tema (como os da linha Touch! Generations no Press Start 2008), plataforma (Famicom, no Press Start 2009 e 2010) ou série (exemplos desnecessários). O concerto sueco Score, em contrapartida, apresentou uma miscelânea de ideia similar somente com a produtora em comum.

É nomeado “Nintendo Medley”, mas poderia se chamar muito bem “Orchestral Game Concert Nintendo Medley”, como todas as músicas usam como base arranjos antigos da série de espetáculos. Infelizmente, as emendas não foram muito elaboradas, com vazios entre um jogo e outro. Apesar de toda a reciclagem, achei de certa forma interessante acompanhar em vídeo a performance algumas partituras que antes só ouvia das gravações em CD do OGC e por sutis adaptações.

A “Theme of Super Metroid” é baseada no medley “Theme~Space Warrior Samus Aran’s Theme~Big Boss BGM~Ending” (OCG4), enquanto que a “Main Theme” (Star Fox) no “Theme of Star Fox” (OGC3). A parte do Super Mario Bros., de maneira previsível, vem da mastigada “Super Mario Bros.” (OGC). O excerto do Zelda, acredito, deve ser totalmente novo, porque não consigo encontrar na “Legend of Zelda Theme” (OGC) um trecho de semelhante grandiloquência. É de nível John Williams a interpretação da “Overworld”, e valeu todo o arranjo.

“Nintendo Medley”
“Theme of Super Metroid” (Super Metroid) ~ “Main Theme” (Star Fox) ~ “Overworld” ~ “Underworld” (Super Mario Bros.) ~ “Title” ~ “Overworld” (The Legend of Zelda)

“BioShock 2 Suite” – BioShock 2 (Score)

Por Alexei Barros

O estilo modernista em trilhas sonoras de jogos foi importado dos filmes. Do cinema para os games. Dos games para os concertos. BioShock é um exemplo de como um gênero avesso às melodias acessíveis dos jogos pode ser apreciado normalmente em uma apresentação de game music, como a “Welcome to Rapture” do Games in Concert 3 e o “BioShock Medley” – pasme – do Video Games Live.  Pasme porque é um show que procura ser básico e mainstream ao extremo na abordagem. Mais recentemente, o arranjo “Super Metroid (Suite: Samus Aran – Galactic Warrior)” do Torsten Rasch para o Symphonic Legends trilhou pela mesma vereda, surpreendendo quem imaginava reconhecer músicas do Super Metroid com mais facilidade.

A tendência é que a safra modernista aumente, e o concerto Score sai à frente por tocar uma suíte da continuação, BioShock 2, com trilha de Garry Schyman como no predecessor. Da mesma maneira que achar que “videogames são apenas diversão” é uma leitura simplista da coisa, é igualmente superficial pensar que “concertos de games servem somente para divertir o público com as músicas mais nostálgicas e conhecidas”. O segmento é totalmente perturbador, transmitindo tensão e medo como poucas vezes se ouviu em espetáculo similar.

“Pairbond – Bioshock 2 Theme” (0:55) parte das cordas melancólicas para um solo de violino tristonho à la “Welcome to Rapture”, seguindo para um diálogo com o violoncelo. Sublime a interpretação dos instrumentistas. Mesmo sem uma transição, caiu bem a “Big Sister On The Move” (3:22) em seguida porque é uma faixa para impactar, com violinos nervosos na sequência. O clima acalma um pouco com a música que começa em 4:40 e vai até 5:49, em participação marcante da celesta. Não consegui encontrar de forma alguma no Sounds From The Lighthouse: Official BioShock 2 Score tal excerto. Se alguém souber a resposta não hesite em se manifestar. A última, “Escape” (5:51), foi aproveitada a partir de 2:01 na original. Permita-me perguntar em caixa alta: O QUE É ESSE CORAL? Na versão do jogo surgem uns bramidos (provavelmente feitos por um coro sampleado). Aqui as 80 vozes esparsas do Gothenburg Symphony Chorus criam uma atmosfera assustadora inigualável.

Pelo estilo incomum, é para ficar contente com as palmas efusivas do público, importante salientar, quando a performance acaba.

– “BioShock 2 Suite”
“Pairbond (Bioshock 2 Theme)” ~ “Big Sister On The Move” ~ “Escape”

“Ormus”, “The Miracle” e “Gnosis” – Xenosaga Episode I: Der Wille zur Macht (Score)

Por Alexei Barros

É, Xenosaga mesmo. Em mais uma amostra de audácia do Score, a trilha do Yasunori Mitsuda, originalmente gravada em Londres, foi representada em três faixas avulsas no concerto sueco. Não dá para chamar de medley porque há interrupções, inclusive com palmas do público.

Exceção aos corais da série de espetáculos alemães Symphonic (Shades, Fantasies e Legends), é difícil de achar um coro grandioso e impactante o bastante. Na maioria das vezes se vê um coralzinho minúsculo e, quando é um pouquinho maior, são de estudantes. Aqui não!

O Gothenburg Symphony Chorus mostra a sua idoneidade na faixa a cappella “Ormus” (0:07), que poderia ser entoada nas catedrais sem que ninguém percebesse que foi criada para um jogo, e na luxuosa “The Miracle” (5:26), esta com acompanhamento da orquestra. Para fechar a trinca, há a instrumental “Gnosis”, igualmente potente. É difícil de precisar a quantidade de integrantes pela distância da câmera, mas quando os coristas sentam (por volta de 5:20), nota-se que não é pouca coisa.

Por curiosidade, vale frisar que na outra oportunidade em que Xenosaga apareceu em um concerto, no A Night in Fantasia 2007: Symphonic Games Edition, nenhum das três aqui selecionadas foram executadas. Na ocasião, a apresentação australiana tocou “Zarathustra” e “World to be Born”.

“Ormus”“The Miracle”“Gnosis”

“Angel’s Fear” – Secret of Mana (Score)

Por Alexei Barros

Aos poucos o tema de abertura “Angel’s Fear” do Secret of Mana tornou-se uma música frequente nos concertos no Japão e na Europa. Mais interessante, sempre com arranjos diferentes, como a “Angel’s Fear” do Nobuo Kurita para o Orchestral Game Concert 3 e a “Angel’s Fear” do Jonne Valtonen para o Fifth Symphonic Game Music Concert. Mais recentemente, a faixa norteou a grandiloquência da “Fantasy II: Secret of Mana” do Symphonic Fantasies, com quatro aparições em diferentes interpretações ao longo da suíte.

Ao portentoso histórico deve ser acrescentada a versão do concerto secreto Score realizado na Suécia. Curiosamente, é a única a colocar o piano na introdução, instrumento que o timbre imita na original, e que foi substituído nas releituras anteriores pelo oboé (no OGC3) e violino (no Fifth SGMC e na introdução da suíte do SF). Mais adiante, é a vez da flauta tocar a melodia emotiva do tema, encerrando com uma variação grandiosa.

De todos os arranjos provavelmente é a mais fiel à sintetizada, o que de forma alguma desmerece a criatividade das demais em conferir novas ideias a uma das melhores músicas de tela-título da era 16-bits. Tudo depende da proposta dos concertos, enfim.

O primeiro vídeo é da performance do concerto, e o outro é um vídeo promocional, com áudio em qualidade muito melhor, que registrou o ensaio, com detalhes nos instrumentistas da Gothenburg Symphony Orchestra.

“Into a World of Illusions” – Suikoden (Score)

Por Alexei Barros

Apesar da vasta discografia e da excelência musical, a série Suikoden foi pouco homenageada nos concertos. Bem verdade que isso vem mudando, visto que o CD Press Start The 5th Anniversary registra uma performance do Press Start 2009 da “Into a World of Illusions” arranjada por Kousuke Yamashita, por sinal, um exímio compositor não só de games, como de animes e J-dramas.

Se no Japão há esse exemplo único, no ocidente, curiosamente, a situação melhora graças à ousadia dos espetáculos suecos produzidos por Orvar Säfström, a exemplo da “Opening” do Suikoden II executada no Settings – Orchestral Game Music. No recém-realizado Score, por sua vez, alguém teve a misericórdia de registrar a reprodução do tema de abertura do Suikoden original.

O solo de violino logo de início me lembrou a versão do Yamashita da “Into a World of Illusions” no álbum Genso Suikoden Produced by Kentaro Haneda (provavelmente similar à do Press Start 2009), mas notam-se algumas tênues diferenças: aquele solo de piano com uma toada jazzística inexiste nesta performance, sendo que todos os holofotes ficam voltados para a atuação exímia do spalla da Gothenburg Symphony Orchestra.

Essa gravação foi feita por um espectador diferente  dos outros dois vídeos que publiquei anteriormente. A câmera está mais próxima do palco, mas a fileira da frente não ajudou muito na captação das imagens. Em compensação, o áudio pode ser apreciado em todo o seu esplendor.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: