Posts Tagged 'Ryo Nagamatsu'

“Main Theme” (The Legend of Zelda: Tri Force Heroes)

Por Alexei Barros

A parte musical da Nintendo vem surpreendendo bastante nos últimos anos com trilhas gravadas com instrumentos reais e ainda vídeos mostrando os bastidores da produção. O melhor é que essa divulgação não se restringe apenas aos grandes lançamentos como foi Mario Kart 8.

Ainda que não seja exatamente um jogo da série principal, The Legend of Zelda: Tri Force Heroes, que sai hoje (dia 23/11) para o portátil Nintendo 3DS, recebeu o mesmo tratamento com um vídeo que apresenta dois instrumentistas que tocaram no tema principal simplesmente encantador. Uma pena que ambos não estão creditados, mas tenho palpites. Tudo leva a crer que quem toca acordeão é o Yoshiaki Sato, que havia participado do Mario Kart 8. Pelo que comparei nas fotos, a violinista do vídeo se parece muito com a Aska Kaneko.

Também não há a confirmação da autoria da música. Pelo que se diz na internet afora, o compositor é o Ryo Nagamatsu, que já havia feito a trilha de The Legend of Zelda: A Link Between Worlds e criado músicas geniais como a “Square Timber” de Super Mario Galaxy 2.

Grato ao Thales Nunes Moreira pela dica do vídeo.

Super Mario Bros. 30th Anniversary Live: o melhor espetáculo da galáxia

Mario 30th_01

O palco recriou os detalhes do cenário de Super Mario Bros., mas as cortinas lembram mais a abertura de Super Mario Bros. 3

Por Alexei Barros

Tenho para mim o Mario & Zelda Big Band Live CD como uma das apresentações mais importantes de game music de todos os tempos, mas ela foi facilmente superada pelo Super Mario Bros. 30th Anniversary Live. Realizado nos dias 20 de setembro em Osaka e 21 do mesmo mês em Tóquio, o espetáculo fez por merecer o legado musical de 30 anos da série e contou com as aparições de Koji Kondo, Shigeru Miyamoto e Takashi Tezuka.

Por que estou tão convicto disso? Normalmente, eu recorro aos sites japoneses para garimpar informações usando o tradutor do Google e dessa vez foi feito até um report em inglês do evento no US Gamer assinado pelo jornalista Jeremy Parish. Pois então, o post nesses moldes já estava praticamente redigido, quando descobri que uma alma caridosa publicou no YouTube uma gravação da plateia do espetáculo em Osaka. Lá fui eu ouvir sem muita expectativa… Resultado: por diversas vezes eu tive que parar o que estava fazendo porque fiquei extasiado com a performance simplesmente alucinante com um humilde registro de qualidade 160 kbps. Essa experiência me fez lembrar o já saudoso Press Start, finalizado neste ano, cujas primeiras edições eu me deliciava com meros bootlegs.

Na incerteza de um lançamento oficial – por favor, Nintendo, o CD de um show desse naipe é uma obrigação! –, eu me empolguei a ponto de querer falar individualmente dos segmentos. No caso de o álbum sair, eu me sinto no dever de revisitar o show e me aprofundar nos comentários.

O Super Mario Bros. 30th Anniversary Live contou com uma big band (banda e metais), formada por instrumentistas japoneses (além do trompetista cubano Luis Valle). Em relação àquela relação inicial de músicos, foi feita uma substituição no violino (Sayaka no lugar de Toshihiro Nakanishi). A banda ainda teve os reforços de Hironori Akiyama (guitarra e banjo) e Tomomi Oda (teclado), que chegou até a cantarolar algumas músicas como veremos adiante.

Super Mario Special Band
Direção musical e teclado: Masanori Sasaji
Baixo: Shingo Tanaka
Bateria: Senri Kawaguchi
Guitarra: Kenji Kitajima
Guitarra e banjo: Hironori Akiyama
Percussão: Asa-Chang
Trompete: Koji Nishimura e Luis Valle
Trombone: Eijiro Nakagawa
Trombone baixo: Katsuhisa Asari
Saxofone: Osamu Yoshida, Takuo Yamamoto e Ryoji Ihara
Violino: Sayaka
Teclado e vocal: Tomomi Oda

Mario 30th_02

A big band parece pequena, mas com instrumentistas dessa qualidade nem precisou ser maior. A performance foi fenomenal

Sobre o programa, agora enfim justifico minha afirmação no parágrafo inicial de que o Super Mario Bros. 30th Anniversary Live supera fácil o Mario & Zelda Big Band Live CD. Embora evidentemente esse espetáculo de agora não tenha Zelda, naquela época (2003) não existia as vertentes Super Mario Galaxy, New Super Mario Bros. e Super Mario 3D Land/World. Além disso, os números referentes a jogos antigos, como Super Mario Bros. 3 e World, são muito melhores e, sim, eles tocaram músicas que anos eu esperava por versões arranjadas. A maior surpresa nesse sentido é, enfim, um medley de Mario Kart que ficou simplesmente fantástico. Talvez eu não sobrevivesse se visse esse segmento ao vivo.

Sem mais enrolações, abaixo as considerações sobre cada número. Subi faixa por faixa no Goear, mas, se você preferir, pode escutar o show continuamente no link do YouTube, que também possui o falatório entre um segmento e outro – se você não entender japonês, não tem muito o que ouvir mesmo.
Continue lendo ‘Super Mario Bros. 30th Anniversary Live: o melhor espetáculo da galáxia’

Press Start 2011: contemporâneo e nostálgico; épico e diversificado

Por Alexei Barros

Após o lançamento do mediano álbum Press Start 5th Anniversary e as enfadonhas reprises na comemoração dos cinco anos de existência dos concertos no Press Start 2010, o Press Start 2011 veio para retomar no dia 14 de agosto o principal motivo de estima pela série japonesa de récitas: seleções magistrais de jogos japoneses, velhos e novos, alguns difíceis de imaginar em outros espetáculos do gênero.

Comentarei as escolhas de faixas mais detalhadamente após o Hadouken, mas pareceu ter sido um evento extraordinário, o que faz aumentar o desejo pelo segundo CD. Na condução de Taizo Takemoto, a Kanagawa Philharmonic Orchestra tocou no Shinjuku Bunka Center Hall, em Tóquio, às 14 e depois às 18 horas locais. Vale lembrar que, pela primeira vez, será realizada uma terceira apresentação no Japão, marcada para o dia 19 de setembro em Nagoya, com a Nagoya Philharmonic Orchestra no Century Hall do Nagoya International Conference Hall e regência de Kosuke Tsunoda. Continue lendo ‘Press Start 2011: contemporâneo e nostálgico; épico e diversificado’

“Super Mario Medley” – Super Mario Bros., Super Mario Bros. 3, New Super Mario Bros., Super Mario Galaxy e Super Mario Galaxy 2 (Play! 2011 em Vienna)

Por Alexei Barros

Foi só eu clamar pelos bootleggers que eles brotaram: se os concertos em Seattle do Play! A Video Game Symphony mal foram gravados, a apresentação em Vienna no último dia 8 de julho foi mais bem registrada, com vídeos dos números novos. Ainda não é ideal pela qualidade meia-boca do áudio, o que impede de analisar a qualidade da performance da National Symphony Orchestra. Por isso, eu me limito a comentar o arranjo e a seleção de faixas.

Evidentemente, Mario fazia parte do repertório da turnê desde o início. Em vez de reaproveitar o arranjo do Nobuo Kurita do OGC1 como fizeram muitos concertos, foi feito um novo exclusivo, “Super Mario Bros. Suite”, preparado por Jonne Valtonen. Com as mudanças promovidas nas últimas apresentações, o segmento de Mario foi reformulado e desta vez foi arranjado de Chad Seiter. Logo de cara afirmo sem medo: não gostei.

Por mais que eu entenda que uma excursão tende a focar em seleções mainstream, não consigo engolir a primeira parte referente ao Super Mario Bros. cumprida de maneira muito igual a tudo o que foi feito dezenas de vezes em outros espetáculos, sem nenhuma novidade ou resquício de criatividade. Tem um “Main Theme” do New Super Mario Bros. ali (1:14) e a “Airship” (Super Mario Bros. 3) aqui (2:17), mas ambas já são conhecidas e poderiam dar lugar para tantas músicas boas nunca executadas antes – o que as pessoas têm contra “Enemy Battle” e “Fortress Boss”? Se você me permitir contundência maior, a rendição da “Castle” do Super Mario Bros. ficou ridícula; além de estupidamente curta, tanto a entrada (1:41) quanto a saída (1:50) são abruptas. O medley ganha pontos por executar a magnificente “Fateful Decisive Battle” do Ryo Nagamatsu do Super Mario Galaxy 2, com coral como na original. Antes ainda tem a “Egg Planet” do primeiro SMG e um trecho de 4:26 a 4:39 que não faço ideia de onde veio.

Mas há um bom motivo para nunca terem tocado os Marios antigos e os Marios Galaxy em um mesmo segmento: são de estilos diferentes. Em uma peça não há um sentido de unidade. Sinceridade? Fiquei com saudade de alguns arranjos amadores que publiquei por aqui…

Outra coisa que me incomodou sobremaneira foi a reação do público às cenas dos jogos no telão durante a execução. A forma banal com que a nostalgia é evocada me faz perguntar se estou ficando velho demais para não me extasiar mais com frases tão “desconhecidas” como “Thank You Mario! But Our Princess Is In Another Castle!”. Será que a turnê vai ter que mudar o nome para Play! A Video Games Live Symphony? Espero que não aconteça a fusão.

– “Super Mario Medley”

“Course Clear” ~ “Overworld” (Super Mario Bros.) ~ “Main Theme” (New Super Mario Bros.) ~ “Castle” ~ “Underworld” (Super Mario Bros.) ~ “Airship” (Super Mario Bros. 3) ~ “Underwater” (Super Mario Bros.) ~ “Egg Planet” (Super Mario Galaxy) ~ “Fateful Decisive Battle” (Super Mario Galaxy 2)

“Super Mario Galaxy 2 Medley” – Super Mario Galaxy 2 (L’Orchestre de Jeux Vidéo)

Por Alexei Barros

Quando não desenterram seleções fantasticamente obscuras, as orquestras pró-amadoras estão na vanguarda, como é o caso da canadense L’Orchestre de Jeux Vidéo com Super Mario Galaxy 2. A performance tem algumas falhas, em especial os trompetes volta e meia desafinados, estranhamente muito piores do que no “Super Mario Medley” que publiquei tempos atrás. Mas se antes nem sequer houve a intenção de estabelecer transições, aqui o arranjo parece mais bem elaborado, ainda que o resultado não seja ideal na totalidade. Por exemplo, a extremamente singela “The Tico and the Hat” foi espremida pela bombástica “Magma Monster” e pela imponente “The New Galactic Empire”. Então por que trago o vídeo?

Mesmo com a imperfeição da atuação e também sabendo que, por ser uma orquestra de sopro não há instrumentos de cordas, a genialidade das músicas do SMG2 é tamanha que é capaz de maravilhar, apesar de todas as limitações – imagine com uma orquestra profissional. “Theme of SMG2”emociona logo no começo, emendando na “Koopa Jr.’s Fortress” e o mesmo pode ser dito sobre a maravilhosa “Super Mario Galaxy 2”. Isso que o medley não tem nenhuma das composições novas do Koji Kondo. E a L’Orchestre de Jeux Vidéo também ganha pontos pela criatividade. A “Fateful Decisive Battle” perderia muito se não contasse com coral como na original. E quem disse que não teve? Os próprios musicistas cantam! Prevalece somente o rufar dos tímpanos. Em seguida, são os metais que fazem a vez do coro no momento mais surpreendente.

“Super Mario Galaxy 2 Medley”
“Theme of SMG2” ~ “Koopa Jr.’s Fortress” ~ “Magma Monster” ~ “The Tico and the Hat” ~ “The New Galactic Empire” ~ “Fateful Decisive Battle” ~ “Super Mario Galaxy 2”

Press Start 2011: Gradius, Final Fantasy IV e Pokémon

Por Alexei Barros

Mesmo sabendo que não haverá quem grave as apresentações, que ainda é cedo esperar por um novo CD e que se sair deve ser com a reverberação absurda do Press Start The 5th Anniversary e que nem sempre as transições são as mais bem elaboradas, eu não consigo resistir ao set list do Press Start. Se antes parecia contemporâneo demais com os cinco números previamente anunciados no Twitter, os três segmentos comunicados na matéria da Famitsu e na abertura do site na versão Press Start 2011 garantem o fator nostalgia tão bem representado nas edições anteriores.

Já foram confirmados as datas, os locais e as orquestras e, pela primeira vez, haverá três apresentações em um ano. No dia 14 de agosto, o Shinjuku Bunka Center Hall abrigará duas execuções da Kanagawa Philharmonic Orchestra (a mesma do Press Start 2008 e 2010), sob a regência de Taizo Takemoto, às 14 horas e outra às 18 horas. Quase um mês depois, 19 de setembro, a Nagoya Philharmonic Orchestra realizará a performance no Century Hall do Nagoya International Conference Hall às 17 horas. A novidade é que neste dia o maestro Kosuke Tsunoda assumirá a batuta.

Com isso, me sinto mais confortável para comentar os oito jogos confirmados, mais do que suficiente para um ato, mesmo que cinco deles já tenha abordado superficialmente antes.

– El Shaddai: Ascension of the Metatron

Seleção de jogo lançado mais recentemente, dia 28 de abril. Fiquei impressionado nas primeiras impressões, mas depois de ouvir o álbum todo achei que a repetição acabou imperando, o que não tira o mérito das belíssimas faixas com coral e várias outras. Masahiro Sakurai garantiu a presença da “Theme of El Shaddai”, assinada por Masato Kouda, o compositor de Monster Hunter. Sonho com “Tragic Scream” e “Torn Heart”, mesmo sabendo que é improvável utilizarem um violonista virtuose para a primeira e coral na outra.

– Gradius

Gradius foi um dos 17 jogos escolhidos para o “Shooting Medley” do Press Start 2007 e, assim como Fantasy Zone em 2009, ganhará um segmento próprio muito aguardado (por todo mundo, como escrito no site oficial). Com todo o merecimento, dada a importância musical da trilha original assinada pela Miki Higashino e a extensa discografia, formada por muitos álbuns com versões orquestradas. Kazushige Nojima comentou que muitos jogadores nem tinham nascido quando Gradius foi lançado em 1985, e salientou o grande nível de desafio do shmup. Vai ser difícil não ficar épico o segmento.

– Super Mario Galaxy 2

Afora o Press Start 2006, Mario virou uma tradição do Press Start, e originou um disco promocional com seleções bigodudas, Super Mario Bros. 5th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition. Mas faltava SMG2, cuja trilha achei ainda melhor que do primeiro SMG. O texto do maestro Taizo Takemoto trouxe boas memórias, porque ele quem regeu a Mario Galaxy Orchestra na gravação das músicas realizada em fevereiro de 2010. Ainda sonhando com solos de violino, reforço a campanha pela “Square Timber”. Independentemente disso, faixas inspiradas não faltam.

– Xenoblade Chronicles

Desde que redigi aquele post, a localização do RPG para Wii foi confirmada, com o acréscimo de “Chronicles” em relação ao título japonês. No texto de introdução, é elogiada a diversidade da trilha, que é gigantesca e feita por seis compositores, entre eles Yoko Shimomura e Yasunori Mitsuda. Kazushige Nojima fez alguns comentários que fugiram de minha compreensão e diz estar ansioso pelo segmento. Temas mais pesados poderiam ser adaptados para orquestra e até com manutenção da guitarra, visto que Haruo Kubota costuma participar de todas as apresentações.

– NieR

O RPG do PlayStation 3 e Xbox 360 publicado pela Square Enix tem a trilha assinada por quatro compositores do estúdio Monaca: Keiichi Okabe, Kakeru Ishihama, Keigo Hoashi e Takafumi Nishimura, que criaram uma atmosfera única no jogo, com muitas faixas cantadas em idiomas fictícios e acompanhamento de piano. Nobuo Uematsu chegou a comentar a participação da cantora Emi Evans, que, aliás, tocou violoncelo no álbum Octave Theory da Earthbound Papas, mas infelizmente não compreendi o texto pelo tradutor, tampouco sei se ela participará do concerto. Desculpe-me.

– Final Fantasy IV

Considerando que “Final Fantasy Main Theme” (Press Start 2006) é um tema recorrente da série, nunca a série de concertos foi antes do FFVII: “Advent One-Winged Angel” (FFVII Advent Children) em 2007, “Melodies of Life” (FFIX) em 2008 e chegando ao cúmulo de tocar “At Zanarkand” (FFX) duas vezes, em 2009 e 2010. A escolha do jogo, que comemora 20 anos de lançamento e foi recentemente refeito no Final Fantasy IV: The Complete Collection para PSP, é para celebrar com fogos de artifício.

Sabendo que as supramencionadas escolhas foram todas de arranjos conhecidos, temo que o segmento não passe da “Theme of Love” do Shiro Hamaguchi do 20020220. Todavia, além de mencioná-la e comentar que a faixa foi usada em aulas de música para crianças, o texto também destaca a gloriosa “Red Wings”, que inclusive foi orquestrada em uma esquecida versão do Katsuhisa Hattori do OGC1. Pelo pouco que entendi no comentário do Masahiro Sakurai, parece que será um medley, então aguardo pelo melhor.

– Pokémon

Das principais franquias da Nintendo, era uma das poucas ainda não homenageadas, assim como Donkey Kong e Metroid. Difícil de entender a demora, sabendo da popularidade no Japão. Não será a primeira vez que as músicas serão arranjadas – a única iniciativa é o “Pokémon Medley” do Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert. Embora seja uma completa negação em Pokémon, não foram poucas as vezes que me chamaram a atenção para as músicas da série. O texto introdutório deixa a dúvida no ar se vão ser tocadas as faixas mais antigas ou as novas. Shogo Sakai, o autor do arranjo acima, reforça a qualidade das trilhas nesses 15 anos de série, e revela que Shota Kageyama da Game Freak é o responsável pelo arranjo.

– The Last Story

Quando o RPG lançado no começo da Wii foi confirmado no Press Start 2011, logo imaginei que o arranjo tinha tudo para ser diferente do Symphonic Odysseys, pela diferença de abordagem – a primeira mais literal e a segunda mais artística. Com o comentário do Nobuo Uematsu não há a menor dúvida, visto que os concertos na Alemanha não costumam apresentar as canções pop do jogo com as artistas originais. E é o que acontecerá no Japão: a faixa escolhida é a “Toberu mono”, que terá a mesma vocalista da trilha, Kanon. Enfim, um título da Mistwalker no Press Start, como Blue Dragon e Lost Odyssey não foram lembrados nos anos anteriores.

[via PRESS START, Nonsense Zone]

Na vanguarda, Press Start 2011 com Super Mario Galaxy 2, El Shaddai: Ascension of the Metatron e The Last Story


Por Alexei Barros

Nem sequer existe um logo do Press Start 2011 no site oficial, mas foram anunciadas três novidades quentes (pegando fogo quase) para o repertório do programa: Super Mario Galaxy 2, El Shaddai: Ascension of the Metatron e The Last Story. A notícia vem do recém-lançado Twitter do concerto.

SMG2 estava na cara, como Mario apareceu em todos os anos, menos em 2006. “Se for mantida a tradição de um Mario por Press Start deve ser o candidato com mais potencial a figurar na provável edição 2011”, eu disse, lembra?  Não obstante o pioneirismo, o Symphonic Legends já tinha corrido na frente, com a parte da “The Starship Travels” do “Super Mario Galaxy 2” no magnífico bis “Encore (Currendo. Saltando. Ludendo)”. Seria um sonho ter as composições do Ryo Nagamatsu, como “Fateful Decisive Battle” e a “Square Timber” (difícil de imaginar pelos efeitos eletrônicos e solo de violino).

El Shaddai: Ascension of the Metatron foi lançado ONTEM, 28 de abril, no Japão e a trilha sonora ANTEONTEM. Para quem não estava atento, é um jogo de ação para Xbox 360 e PlayStation 3 da Ignition Entertainment que ainda sairá no ocidente. O álbum El Shaddai: Ascension of the Metatron Original Soundtrack tem a peculiaridade da publicação da Square Enix, apesar de a produtora não estar envolvida no jogo. As faixas são assinadas pelos ex-Capcom Masato Kouda (Monster Hunter) e Kento Hasegawa (Devil May Cry 3 e 4), ambos do Design Wave, que também abriga Masakazu Sugimori, o compositor do Ace Attorney original. A página do VGMdb lista Shiro Hamaguchi, Hayato Matsuo e outros arranjadores do estúdio Imagine, portanto é coisa fina. Só precisa ver se vai haver coral no dia (no Press Start, coro que não de crianças, só em 2007), uma vez que várias músicas têm a performance do Eminence Symphonic Choir. Ouça a primeira metade do “Medley 4” e fique impressionado.

The Last Story, por sua vez, com lançamento que data de 27 de janeiro de 2011, perde um pouco de impacto porque foi um dos últimos números revelados do Symphonic Odysseys, espetáculo alemão em homenagem ao Nobuo Uematsu a acontecer 9 de julho. Como o Press Start é mais literal e o Symphonic mais artístico, creio que teremos dois arranjos bem diferentes.

Com Nier e Xenoblade, temos um quarteto de RPGs muito recentes, sendo que apenas o Nier saiu no ocidente, e ainda Super Mario Galaxy 2. Será que a nostalgia ficará para escanteio desta vez?

[via Twitter]

Super Mario Bros. 25th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition: 25 anos em três faixas


Por Alexei Barros

Quando soube da existência do Press Start 2006 o programa chamou a atenção pela ausência de um segmento do Mario, o que muitos poderiam considerar fundamental no set list de um concerto com diversas franquias. Encarava isso como uma virtude, uma prova de desplante, já que tal obrigação muitas vezes fez com que se apelasse para uma performance frívola, como são tão comuns os solos de piano do Mario 1, para jogar seguro e agradar o público.

Ironicamente, todas as edições seguintes incluíram números do Mario, e o primeiro deles, o arranjo de Keiichi Oku “Super Mario Bros.” no Press Start 2007, chega a ser uma piada de tão limitado, com menos de dois minutos de duração, em um exemplo de nostalgia fugaz. Depois a situação melhorou especialmente pela rapidez com que jogos recentes foram adicionados ao repertório. É o que torna especial o Super Mario Bros. 25th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition, o terceiro lançamento relacionado à série japonesa de concertos. Os anteriores foram o single Professor Layton Series Soundtrack Premium CD e o álbum Press Start The 5th Anniversary.

Brinde do Super Mario Collection Capture Book e Super Mario Bros. 25th Anniversary Book lançados em um pacote dia 9 de dezembro de 2010, é um CD com três faixas do Mario, com performance da Kanagawa Philharmonic Orchestra no Bunkamura Orchard Hall no Press Start 2008 e no Tokyo Metropolitan Art Space no Press Start 2010, e da Tokyo City Philharmonic Orchestra neste segundo local no Press Start 2009.

Infelizmente, a minha principal reclamação do Press Start The 5th Anniversary persiste: a reverberação exagerada. Isso é muito desanimador, porque se foram lançados dois CDs com mixagem parecida, é o que a produção acha o ideal. Não há perspectiva que possíveis futuros lançamentos do Press Start tratem de corrigir isso. Em compensação, não tenho do que contestar da qualidade dos arranjos.

Quando ao repertório, há de se lamentar mais uma vez que do primeiro Super Mario Bros. há um pulo, ou melhor, um voo de capa até o Super Mario Galaxy, com uma aterrissagem no New Super Mario Bros. Wii. Quanta coisa boa não tem do Super Mario Bros. 2, Super Mario Bros. 3, Super Mario World, Super Mario 64 e Super Mario Sunshine… Da lista dos principais sobra Super Mario Galaxy 2. Se for mantida a tradição de um Mario por Press Start deve ser o candidato com mais potencial a figurar na provável edição 2011.

Mas chega de devaneios. Depois do Hadouken as minhas impressões da trinca de faixas bigodudas.

Continue lendo ‘Super Mario Bros. 25th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition: 25 anos em três faixas’

Super Mario Galaxy 2 Original Sound Track: a sinfonia das galáxias ainda mais deslumbrante


Por Alexei Barros

Passado o alvoroço que causou o vazamento da trilha do Super Mario Galaxy 2 no YouTube com o perfil falacioso do Mahito Yokota, o álbum oficial do jogo foi lançado via Club Nintendo no Japão dia 11 de julho, felizmente elucidando as autorias de cada faixa – o que estava mais curioso para saber. Antes que seja tarde, se você ainda não jogou e quiser evitar as referências musicais de outros Marios, nem leia o post.

Coube ao Yokota a maioria das composições, além da direção de som. Depois de constatar que muitas das peças impactantes são dele, não acho exagero entronizá-lo no panteão de grandes músicos da Nintendo, apenas por SMG, SMG2 e Donkey Kong Jungle Beat (não tão galáctica, claro). Porque, falando por mim, costumo incluir compositores muito menos prolíficos, alguns até one-hit wonder, como Naoto Ishida (“Big Blue” e “Ending Theme” de F-Zero e o que mais?).

Sobrevoando pela primeira vez as galáxias, como já informado, temos Ryo Nagamatsu, que havia participado da composição da trilha do New Super Mario Bros. Wii, e escreveu nove faixas desta vez. E então pairava a expectativa sobre a participação de Koji Kondo, o supervisor musical do SMG2 e um dos poucos compositores da velha guarda que continua na ativa com a mesma regularidade de inspiração, embora não com tanta frequência (talvez porque os jogos antigos contavam com menos músicas). Tenho a satisfação de informar que há cinco músicas novas dele, ou três, levando em consideração que duas são variações. A saber, “Yoster”, “Starship Mario 1”, “Starship Mario 2”, “Starship Mario 3” e “Koopa Jr.’s Fortress”. No SMG eram quatro, e ele disse que queria ter feito mais na ocasião, veja que coisa. Por último, há um quarto envolvido, o saxofonista Shigetoshi Gohara (ele toca na “Nintendogs Theme – Live Ver.” (Nintendogs) do álbum Touch! Generations Sound Track), responsável pelo arranjo da “Nostalgic Fortress”.

Há mais de 30 faixas executadas pela Mario Galaxy Orchestra, mas não foi feita uma divisão entre orquestradas e sintetizadas como na Super Mario Galaxy Original Sound Track Platinum Version. Só de ouvido dá para saber. O grupo sinfônico, que possuía 50 integrantes no SMG, foi expandido para 60, e ainda recebeu o aditivo de mais uma dezena de instrumentistas, entre baterista, baixista, guitarrista e saxofonistas, para permitir a execução dos temas de sonoridade de big band. Tudo por quê? Por causa do Yoshi.

Além da grandiloquência que pontuou o primeiro SMG, Yokota quis adicionar um tom jovial e alegre que combinasse com a personalidade do linguarudo, e para isso se fez necessário o uso da big band. Ele pediu para que Kondo criasse o tema da Yoshi Star Galaxy, visto que se fosse de sua autoria, seria com a vibração similar das músicas galácticas que caracterizam a trilha. Além do mais, confiou nas especialidades do mestre da Nintendo em criar temas do Yoshi. O resultado é a “Yoster”. A presença do Yoshi ainda garantiu o retorno de músicas advindas do Super Mario World, que marcou a estreia do personagem.

Como no SMG, foi compartilhado um vídeo da gravação da trilha, assistida não só por Koji Kondo e Shigeru Miyamoto, como pela equipe de desenvolvimento inteira, que se revezava para acompanhar as sessões da orquestra no estúdio apertado. Detalhe é que a Mario Galaxy Orchestra foi conduzida pelo maestro-gamer Taizo Takemoto, o mesmo do Press Start. O tema executado é a “Theme of SMG2”:

Separei e comentei as faixas depois do Hadouken que mais me agradaram da Super Mario Galaxy 2 Original Sound Track, e já adianto que Yokota se superou, impressionando mais até do que Kondo. Facilmente uma das melhores trilhas do Mario de todos os tempos.
Continue lendo ‘Super Mario Galaxy 2 Original Sound Track: a sinfonia das galáxias ainda mais deslumbrante’

Press Start 2010: New Super Mario Bros. Wii, The Legend of Zelda e Metal Gear Solid: Peace Walker

Por Alexei Barros

A mais recente leva de atualizações do programa do Press Start 2010, que acontece no cabalístico dia 11 de setembro com duas apresentações, corrobora aquilo que já disse muitas vezes quando levanto a bola do concerto japonês. Ao mesmo tempo em que tece homenagens aos jogos antigos, o set list é antenado para as novidades. O que dizer quando o título de uma das seleções foi lançado no Japão em 28 de abril de 2010? E o outro em dezembro de 2009?

– New Super Mario Bros. Wii

Mais chocante seria se já tivesse Super Mario Galaxy 2, mas, calma, uma coisa de cada vez – e acredito que 2011 é que virá SMG2. Realmente me pegou de surpresa tal escolha, totalmente inédita – de novo outra vez mais uma vez Super Mario Bros. 1 não, por favor. O que chegou mais perto disso foi a “End Credits” do New Super Mario Bros., só que o de DS, no Fifth Symphonic Game Music Concert (2007), com arranjo do Yuzo Koshiro.

Não entendi muita coisa pelo tradutor do que disse o maestro Taizo Takemoto. Ele se refere a uma interjeição relacionada a um determinado tipo de fase do jogo. Isso mostra que ainda não joguei o New Super Mario Bros. Wii, apesar de ser ferrenho defensor do 2D. Vamos fazer assim, você finge que leu isso aqui, porque quando descobrir atualizo e aviso pelo Twitter. Combinado?

– The Legend of Zelda: “Main Theme”

Quem acompanha o blog há mais tempo há de se lembrar que na véspera do lançamento do Super Smash Bros. Brawl, eu repetia no final de cada post que o Yuzo Koshiro faria um arranjo da “Green Hill Zone” especialmente para o jogo, em estado de absoluto êxtase causado pela confirmação de Sonic como lutador. A campanha foi um fracasso completo (a faixa veio em versão original), mas Koshirão arranjou uma das mais lendárias composições dos games, o tema principal do Zelda, que adquiriu uma roupagem no melhor estilo John Wiliams que ele sabe fazer tão bem.

No texto de revelação, Shogo Sakai relembrou o processo de desenvolvimento do Brawl, quando eles estudavam qual música do universo da Nintendo combinaria melhor com o estilo de cada arranjador. Quando conversaram, o tema do Zelda ainda não havia sido designado para ninguém, então em um encontro com a equipe com Koshirão, partiu dele a iniciativa de arranjá-la. Quando a versão ficou pronta, o looping era de cinco minutos, em contraste com o padrão do Brawl de dois pela duração enxuta das lutas. Não importou, ficou assim mesmo. Sakai terminou enaltecendo a variação de instrumentos nas frases melódicas.

Como rememorado no site, será a terceira vez que Press Start toca Zelda. Nas duas outras, em 2006 e 2007, foi executado o “The Legend of Zelda Medley 2006”, que não só inclui o tema, como faz homenagens a The Link to the Past e Ocarina of Time. Retrocesso? Seria inaceitável se fosse o mastigado ao cubo “Legend of Zelda Theme” do Toshiyuki Watanabe do Orchestral Game Concert,  mas é do Yuzo Koshiro. Está perdoado.

– Metal Gear Solid: Peace Walker:  “Heavens Divide”

Quem diria que do tema principal do Metal Gear Solid 2 no Press Start 2006, a série de concertos pularia a “Snake Eater” (Metal Gear Solid 3) – verdade seja dita, não empolga muito a versão japonesa, que perdeu todo o pique James Bond da americana – ou então qualquer uma do Metal Gear Solid 4 direto para a canção-tema do episódio para PSP. O que mostra o quanto a música composta e arranjada pelo Akihiro Honda é espetacular.

A cantora australiana Donna Burke, que já coleciona participações em diversos jogos, como Tales of Legendia, The Last Remnant, God Eater e até mesmo OutRun 2, inclusive a interpretou ao vivo no evento de lançamento do Peace Walker no Japão, com instrumentação similar à versão em estúdio, com teclado, baixo elétrico, violão, bateria e conjunto de cordas. Milagrosamente, a apresentação foi gravada. Vergonhosamente, não a publiquei. Faço agora. A diferença principal para o Press Start é que será uma orquestra completa, como comentado por Masahiro Sakurai no depoimento repleto de referências ao jogo, não apenas alguns violinos. Também não apostaria no teclado e no baixo. Mas a Donna Burke, que é quem mais importa, estará lá no dia do concerto.

Set list até o momento:

01 – Chrono Trigger & Cross
02 – NES Medley
03 – Muramasa: The Demon Blade
04 – Mother

[via PRESS START]


RSS

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: