Posts Tagged 'Noriyuki Iwadare'

Gyakuten Saiban 15th Anniversary Orchestra Concert: concerto de debutante na sala de justiça

Nove anos depois, o maestro Hirofumi Narita voltou à sala de justiça para reger a Tokyo Philharmonic Orchestra

Por Alexei Barros

A justiça tarda, mas não falha: no dia 6 de maio aconteceram as duas apresentações do concerto comemorativo Gyakuten Saiban 15th Anniversary Orchestra Concert, que celebrou os 15 anos da série Ace Attorney (na verdade, esse aniversário de debutante aconteceu em 2016, como o primeiro Gyakuten Saiban para Game Boy Advance é de 2001).

O concerto de estreia de Ace Attorney ocorreu lá em abril de 2008 e saiu em CD e DVD – realmente parece que foi outro dia –, com direito a um repeteco em setembro do mesmo ano que incluía dois números inéditos. De lá para cá, a série ganhou seis jogos:

– Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth (DS, 2009)
– Gyakuten Kenji 2 (DS, 2001; inédito nos EUA)
– Phoenix Wright: Ace Attorney – Dual Destinies (3DS, 2013)
– Dai Gyakuten Saiban: Naruhodou Ryuunosuke no Bouken (3DS, 2015; inédito nos EUA)
– Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice (3DS, 2016)
– Dai Gyakuten Saiban 2: Naruhodou Ryuunosuke no Kakugo (3DS, 2017; inédito nos EUA)

Portanto, um novo espetáculo seria totalmente justificado. Como eu falei acima, foram realizadas duas apresentações no Tokyo Bunka Kaikan e cada uma teve três segmentos exclusivos. Dai Gyakuten Saiban 2 foi lançado em agosto de 2017, depois do concerto, e não chegou a ser representado no programa.

Eu demorei tanto para fazer o post que deu tempo de o álbum ser lançado no dia 13 de setembro (no fim do post, há um link do YouTube). Um aspecto muito importante é que a Capcom não deixou nenhuma música de fora, registrando todos os 13 segmentos em um CD duplo. Como em 2008, os arranjos foram feitos por Noriyuki Iwadare, com a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra e a regência do maestro Hirofumi Kurita, que também conduziu os concertos de Monster Hunter.

As músicas mais icônicas, como o tema principal e dos personagens mais famosos, foram tocadas mais uma vez sem grandes surpresas, mas com muita nostalgia (a suíte dos três primeiros jogos é sempre primorosa). Porém, a meu ver, as suítes “Dai Gyakuten Saiban Suite” e “Dai Gyakuten Saiban Suite Continued” (com temas de personagens) referentes ao Dai Gyakuten Saiban é que roubaram a cena por causa da presença do acordeão em diferentes momentos da performance. Chegou a me lembrar Professor Layton (ironicamente, a série com quem Ace Attorney já teve um crossover). Eu certamente apreciaria ainda mais se tivesse jogado, porém não há planos de localização em inglês, infelizmente.

O espetáculo deu tão certo que um novo concerto de Ace Attorney já está marcado para o dia 15 de abril de 2018, também com duas apresentações nesse mesmo esquema de set lists diferentes para cada horário. O site oficial promete arranjos inéditos.

Nas suítes de Dual Destinies e Spirit of Justice, o público foi incentivado a falar em coro os bordões da série

Set list (apresentação 14h)

Ato I
01. “Phoenix Wright ~ Objection!” (Phoenix Wright: Ace Attorney)
02. “Gyakuten Saiban 5 Courtroom Suite” (Phoenix Wright: Ace Attorney – Dual Destinies)*
03. “Gyakuten Kenji Meeting Suite” (Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth e Gyakuten Kenji 2)
04. “Gyakuten Kenji Suite – The Great Path” (Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth e Gyakuten Kenji 2)

Ato II
05. “Dai Gyakuten Saiban Suite” (Dai Gyakuten Saiban: Naruhodou Ryuunosuke no Bouken)
06. “Great Revival ~ Reiji Mitsurugi” (Phoenix Wright: Ace Attorney – Justice for All)
07. “Mayoi Ayasato ~ Turnabout Sisters’ Theme” (Phoenix Wright: Ace Attorney)*
08. “Gyakuten Saiban 1~3 Courtroom Suite” (Phoenix Wright: Ace Attorney, Phoenix Wright: Ace Attorney – Justice for All e Phoenix Wright: Ace Attorney – Trials and Tribulations)*

Bis
09. “Dai Gyakuten Saiban Suite Continued” (Dai Gyakuten Saiban: Naruhodou Ryuunosuke no Bouken)
10. “Oo-edo Soldier Tonosaman” (Phoenix Wright: Ace Attorney)

Set list (apresentação 18h30)

Ato I
01. “Phoenix Wright ~ Objection!” (Phoenix Wright: Ace Attorney)
02. “Gyakuten Saiban 6 Courtroom Suite” (Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice)*
03. “Gyakuten Kenji Meeting Suite” (Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth e Gyakuten Kenji 2)
04. “Gyakuten Kenji Suite – The Great Path” (Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth e Gyakuten Kenji 2)

Ato II
05. “Dai Gyakuten Saiban Suite” (Dai Gyakuten Saiban: Naruhodou Ryuunosuke no Bouken)
06. “Great Revival ~ Reiji Mitsurugi” (Phoenix Wright: Ace Attorney – Justice for All)
07. “Godot ~ The Fragrance of Dark Coffee” (Phoenix Wright: Ace Attorney – Trials and Tribulations)*
08. “Gyakuten Saiban 4 Courtroom Suite” (Apollo Justice: Ace Attorney)*

Bis
09. “Dai Gyakuten Saiban Suite Continued” (Dai Gyakuten Saiban: Naruhodou Ryuunosuke no Bouken)
10. “Oo-edo Soldier Tonosaman” (Phoenix Wright: Ace Attorney)

*Segmentos exclusivos de cada apresentação.

 

[via Capcom, 2083, Famitsu, Gamer, Dengeki Online, 黒薔薇卿歓楽館]

Anúncios

Tokyo Gametakt 2017: Yuzo Koshiro na regência, Hiroshi Kawaguchi no piano, Ace Combat 04 e Lunar 2: Eternal Blue em um mesmo concerto

De DJ a maestro: Yuzo Koshiro regeu o medley de Etrian Odyssey e revelou que ficou nervoso na condução da orquestra

Por Alexei Barros

Da série “deveria ter feito este post meses atrás” e também da série “não acredito que nunca ouviremos este concerto”. No dia 6 de maio de 2017 ocorreram as duas apresentações do espetáculo Tokyo Gametakt 2017. Produzido pelo estúdio noisycroak, do compositor Hideki Sakamoto, o evento buscou reforçar a importância da game music como um elemento cultural reunindo mais de 20 representantes de peso no Japão.

Além do concerto, também foram realizadas palestras com os compositores. Na verdade, esta foi a segunda edição do evento – a primeira foi a Okinawa Gametakt 2014. Agora parece que a intenção é tornar a periodicidade deste festival mais regular, tanto que já foi confirmado o Tokyo Gametakt 2018 para o dia 4 de maio do ano que vem. Um dado curioso é que a organização está recrutando instrumentistas e coristas para participarem dos ensaios e da performance.

Mas voltando para o Tokyo Gametakt 2017, a performance da Ryukyu Philharmonic Chamber Orchestra no Ota Kumin Hall Aprico “Great Hall” teve um aspecto muito interessante e que se aplicava ao saudoso Orchestral Game Concert que é o rodízio de maestros. Isso fez com que acontecessem algumas situações inusitadas, como a de Yuzo Koshiro reger o medley de Etrian Odyssey – aliás, de acordo com o report da Famitsu, ele confessou estar bem nervoso na ocasião.

O set list está recheado de músicas de jogos atuais de nicho para telefones móveis e portáteis, mas, entre esses títulos e mais alguns números de Final Fantasy, me chamaram a atenção três segmentos bastante incomuns que beiram a sacanagem não poder ouvir na íntegra. O primeiro deles é a “Main Theme” do Space Harrier com direito ao próprio compositor Hiroshi Kawaguchi no piano. Já sonhava com a orquestração de qualquer música dele na época áurea de arcades da Sega (After Burner, Power Drift, mais OutRun etc.), só não imaginava ele participando de uma performance orquestral.

Dos teclados da S.S.T. Band e [H.] para o piano acústico: Hiro participou da inesperada performance de Space Harrier

O segundo é a “Blue Skies”, tema dos créditos de Ace Combat 04. A “Zero” do Ace Combat Zero já tinha aparecido no Press Start algumas vezes, mas nunca poderia imaginar que iriam se lembrar dessa canção. A única ressalva que eu faço é que, pelo pouco que dá para ver no vídeo no fim do post, tocaram a versão original, não a adaptação “Blue Skies (Remix)” do Ace Combat 5 que pessoalmente me agrada mais. Pelo que entendi no tradutor do Google, o compositor Hiroshi Kubo estava preocupado com a performance da cantora SAK., já que foi desafiante cantar a música orquestrada sem nenhuma batida de referência por causa da síncope da canção.

E o terceiro e último segmento é de mais um jogo eternamente ignorado pelos concertos: Lunar 2: Eternal Blue, com a condução do próprio compositor Noriyuki Iwadare (ele já tinha regido um número no Gyakuten Saiban Special Courtroom 2008 Orchestra Concert). O set list do report da Famitsu não especificou quais faixas foram tocadas, mas o texto cita a música de abertura e temas de combate desse medley que teve arranjo do Iwadare.

Para deixar um gostinho, o canal do evento publicou um resumão em vídeo do concerto, mas adivinha se Space Harrier e Lunar 2: Eternal Blue aparecem? Pelo menos, como disse anteriormente, deu para conferir um pouco de Ace Combat 04. E no início Iwadare aparece regendo a suíte de Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice. Além disso, o canal do Hideki Sakamoto também publicou dois números completos de Bungo and Alchemist e Time Travelers. Também deixo os set lists com os links para as faixas originais (“set lists” no plural, porque o programa da apresentação da tarde foi bem diferente em relação à da noite).

Set list (apresentação 13h)

01. “Gate of Steiner” (Steins;Gate)
02. “Theme from Thousand Memories” (Thousand Memories) [regência: Keisuke Ito]
03. “Beast and Princess Medley” (Beast and Princess) [vocal: Haruka Shimotsuki]
04. “Main Theme” (Space Harrier)
05. “Awakening” (Final Fantasy XI)
06. “High Sky” (Terra Battle) [vocal: Akiko Kawano]
07. “Monster Strike Symphony 6th Movement ~Colossal~ (Game Takt Version)” (Monster Strike) [regência: Riichiro Kuwabara]
08. “The Days I’m Now Weaving” [String Quartet] (Noora to Toki no Koubou: Kiri no Mori no Majo)
09. “Blue Skies” (Ace Combat 04: Shattered Skies) [vocal: SAK.]
10. “Lunar 2: Eternal Blue Medley” (Lunar 2: Eternal Blue) [regência: Noriyuki Iwadare]
11. “Bungo and Alchemist” (Bungo and Alchemist) [regência: Hideki Sakamoto]
12. “Etrian Odyssey Medley 2017”: “Labyrinth I – Emerald Woodlands” ~ “Labyrinth V – The Fallen Capital of Shinjuku” (Etrian Odyssey) [regência: Yuzo Koshiro]
13. “Beyond the Sky” (Xenoblade Chronicles) [vocal: Sarah Àlainn]

Bis
14. “Blinded By Light” (Final Fantasy XIII)
15. “Glory” (Fortune Tellers Academy) [vocal: Sarah Àlainn/regência: Hideki Sakamoto]

Set list (apresentação 17h30)

01. “Main Theme” (Space Harrier)
02. “Juusei to Diamond” (Juusei to Diamond)  [regência: Keisuke Ito]
03. “Monster Strike Symphony 6th Movement ~Colossal~ (Game Takt Version)” (Monster Strike) [regência: Riichiro Kuwabara]
04. “You From a Distance” (Anata wo Yurusanai) [vocal: Akiko Kawano]
05. “Tokiwa-no-Orochi” (Toukiden 2) [regência: Hideki Sakamoto]
06. “Moujuutachi to Ohimesama Medley” (Moujuutachi to Ohimesama) [vocal: Haruka Shimotsuki]
07. “Gyakuten Saiban 6 Courtroom Suite” (Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice) [regência: Noriyuki Iwadare]
08. “Sweet Dreams” [String Quartet] (100 Sleeping Princes & the Kingdom of Dreams)
09. “City Music Medley” (série Wild Arms) [regência: Michiko Naruke]
10. “Sekai no Owari to Saigo no Kotoba” (Shoumetsu Toshi) [vocal: Emi Evans]
11. “Blue Skies” (Ace Combat 04: Shattered Skies) [vocal: SAK.]
12. “Promised Grace” (Final Fantasy Crystal Chronicles) [regência: Kumi Tanioka]
13. “Azure Revolution” (Valkyria Revolution) [vocal: Sarah Àlainn]

Bis
14. “Blinded By Light” (Final Fantasy XIII)
15. “The Final Time Traveler” (Time Travelers) [vocal: Sarah Àlainn/regência: Hideki Sakamoto]

Resumo

“Bungo and Alchemist” (Bungo and Alchemist)

“The Final Time Traveler” (Time Travelers)

Agradecido ao Fabão, que me me mandou o link do report séculos atrás.

[via Famitsu, 2083]

VGO Live at Symphony Hall: a vez dos esquecidos Final Fantasy Tactics, Final Fantasy XII e Grandia

35736-1396846648
Por Alexei Barros

Quando fiz o primeiro post sobre a Video Game Orchestra lá em 2009, honestamente não imaginava que eles poderiam chegar tão longe, com a participação na gravação da Lightning Returns: Final Fantasy XIII Original Soundtrack. Não é para qualquer um. Não bastasse isso, a orquestra liderada por Shota Nakama vem protagonizando diversos crossovers com outras produções: em março de 2012, a VGO tocou no Distant Worlds; em fevereiro de 2015, vão tocar na turnê The Legend of Zelda: Symphony of Goddesses; e, em março, no Video Games Live!

Esse fato chama a atenção porque a VGO também possui espetáculos próprios, e a gravação da apresentação realizada em Boston no Boston’s Symphony Hall em outubro de 2012 estava há tempos prometida para sair em CD, com financiamento do Kickstarter. Depois de alguns adiamentos, o álbum Live at Symphony Hall finalmente foi lançado em abril de 2014 e cá estou para comentá-lo com meses de atraso.

No geral, o disco é muito competente na performance, mas vou me limitar a falar apenas de três dos dez segmentos que são os mais incomuns desse lançamento. Não que os outros não sejam bons, pelo contrário. Só que alguns jogos já cansaram pela repetição exaustiva de seus maiores hits, como Chrono Trigger, Portal, God of War, God of War II e Final Fantasy VII. Curiosamente, a página do Kickstarter falava que a “Snake Eater” do Metal Gear Solid 3 estaria no álbum. Acredito que deve haver algum problema em licenciar essa canção, visto que aconteceu a mesma coisa no The Greatest Video Game Music 2 (a música está prometida para o álbum Video Games Live: Level 4, a ser lançado em fevereiro de 2015).

Quanto ao Street Fighter II e Castlevania, ambos os números são tocados somente pela banda. Honestamente, não me empolgaram tanto quanto as faixas orquestradas, talvez pelo excesso de improvisações, mas não dá para negar que são instrumentistas habilidosos.

Vamos enfim aos três famigerados arranjos que mais me agradaram.

05 – “Final Fantasy Tactics Medley”
Originais: “Bland Logo ~ Title Black” ~ “Backborn Story”  ~ “Trisection” ~ “Ovelia’s Worries” (Final Fantasy Tactics) ~ “Sorrow (Liberation Army Version)” ~ “A Moment’s Rest” ~ “Boss Battle” (Final Fantasy XII)
Composição: Hitoshi Sakimoto
Arranjo: David Saulesco

Originalmente intitulado “Sakimoto Medley”, o que já achava impreciso, o medley ganhou um nome mais equivocado ainda porque cita apenas o Final Fantasy Tactics e acoberta a raríssima lembrança de músicas do Final Fantasy XII. Mais apropriado seria “Ivalice Alliance Medley”. Começando pela parte tática, a “Bland Logo ~ Title Black” aflora em toda a sua beleza orquestral com o toque militar característico do Sakimoto. O coral faz a incursão na peça com a “Backborn Story” até as cordas ficarem cada vez mais nervosas com a “Trisection”. O coro então retorna com a “Ovelia’s Worries”. Seguindo para o FFXII, há a “Sorrow (Liberation Army Version)”, nas cordas, e a “A Moment’s Rest”, com a flauta anunciando sua entrada. Duas músicas que são essencialmente de ambiente, mas caíram muito bem no medley. A percussão dá início ao apogeu da miscelânea, a poderosa “Boss Battle” em sua totalidade – no “Battle Medley 2012” do Final Fantasy Orchestral Album, a segunda parte da faixa não foi aproveitada, e aqui esse trecho ainda tem coral. Só esse final já vale o medley e a rara performance das composições do Hitoshi Sakimoto.

06 – “The End of the World” (Grandia)
Original: “The End of the World”
Composição e arranjo: Noriyuki Iwadare

É com extrema satisfação que ouço com a qualidade que merece a primeira aparição do Grandia original nos concertos, mas não dá deixar de esconder um desapontamento. No espetáculo, foram tocados quatro faixas arranjadas pelo próprio Noriyuki Iwadare, mas apenas duas delas estão no CD. E uma das eliminadas foi justamente a “Battle 1”, que tinha ficado simplesmente excepcional e me deixou estupefato quando vi a gravação amadora… – a outra cortada foi a “Farewell to Sue”.

A “Battle 1” era a única das selecionadas presente no Grandia Original Soundtracks II, segundo volume da trilha que contém as faixas originalmente sintetizadas no jogo. As outras três estão no primeiro Grandia Original Soundtracks e já são normalmente orquestradas. Falta de tempo no CD não é um problema, pois sobraram 14 minutos no disco. A única explicação que encontrei deve ser para não sobrecarregar a track list com Grandia, mas dada a singularidade do momento não haveria tanto problema.

Enfim falando da “The End of the World”, a música mostra toda a sensibilidade de Iwadare no uso dos violinos, que a VGO consegue reproduzir com maestria no concerto (o arranjo segue os passos da faixa original). É uma bela peça melódica que tem momentos de brilhantismo… Porém, se pudesse escolher ficaria com a “Battle 1”.

07 – “Theme of Grandia” (Grandia)
Original: “Theme of Grandia”
Composição e arranjo: Noriyuki Iwadare

Eis o grande momento que sonhei por anos: uma performance ao vivo de uma das maiores obras-primas de Iwadare, a magnífica “Theme of Grandia”, com todos os instrumentos que ela tem direito (e tudo sendo tocado ao vivo, é claro): bateria, percussão, baixo elétrico e guitarra (que aparece mais ao longo da peça e não só no solo). Assim como a faixa anterior, a partitura é bastante similar ao jogo (só não sei com certeza se é idêntica, porque sempre há sutilezas aqui e ali), com aquele solo de violino genial e, mais adiante, o já citado solo de guitarra. O canal da VGO inclusive publicou a gravação do segmento, o qual reproduzo abaixo. Momento histórico, sem dúvidas.

“Theme of Grandia” – Grandia (Video Game Orchestra ~Live at Boston Symphony Hall~)

Por Alexei Barros

Uma vez que Grandia foi escolhido para integrar o programa do concerto da Video Game Orchestra em Boston de 2012, a “Theme of Grandia”, evidentemente, era uma escolha obrigatória, mesmo que eu tenha ficado mais surpreso pela rendição espetacular da “Battle 1”.

Como comentado no post anterior, o arranjo para a apresentação foi preparado pelo próprio compositor do RPG do Saturn e adaptado para PlayStation, Noriyuki Iwadare, que assistiu à performance in loco. No post do espetáculo no fórum do Soundtrack Central, aliás, eu soube que a homenagem à Grandia foi além do esperado: também estava na plateia a viúva do criador da série e fundador do estúdio Game Arts, Takeshi Miyaji, falecido em 2011 de complicações cirúrgicas realizadas em decorrência de um tumor no cérebro. Bela homenagem póstuma.

Diferentemente da “Battle 1”, originalmente sintetizada, a “Theme of Grandia” já era orquestrada na trilha do jogo, contando também com bateria, baixo elétrico e guitarra – que, na OST, foi tocada pelo talentoso Jun Kajiwara, frequente em diversos álbuns com arranjos da SNK. O mais legal é que a VGO tem todos esses instrumentos normalmente e não depende de subterfúgios duvidosos – falo do repulsivo uso do playback. Por isso, vale a emoção de ouvir essa música de abertura que incorpora o espírito de aventura e descoberta do jogo.

Destaque para o solo de violino de cortar o coração maravilhosamente tocado e, claro, aquele solo de guitarra que o instrumentista fica na ânsia a música toda esperando só para mostrar a que veio. Obrigado, Shota Nakama. Obrigado, VGO.

“Battle 1” – Grandia (Video Game Orchestra ~Live at Boston Symphony Hall~)

Por Alexei Barros

Ouvir de uma vez por todas Grandia em um concerto de games, ainda que em uma gravação amadora do YouTube, é a realização de um sonho. Por que demorou tanto? Mesmo que a série não tenha prosperado, é muita música boa para ser ignorada.

Como disse no outro post, Grandia foi mostrado em um concerto da Video Game Orchestra no Boston’s Symphony Hall. A história contada pelo líder da VGO, Shota Nakama, é que alguns meses atrás ele pediu ao compositor Noriyuki Iwadare para incluir músicas do Grandia na apresentação. Iwadare respondeu: “Ok, eu vou fazer um arranjo para você”.

A informação era de que seria uma suíte de 15 minutos do jogo. Bem, apesar da minha empolgação provocada pela lembrança do RPG da Game Arts, não considero o que vi e ouvi exatamente uma suíte, que seria um segmento com várias faixas tocadas continuamente, com transições entre elas. Na verdade, foram executadas quatro músicas avulsas intercaladas por interrupções. Não dá para dizer que estou completamente decepcionado dado o ineditismo da performance.

Das quatro escolhidas, a que mais me empolgou, pela ordem das seleções, foi a segunda: “Battle 1”, ou seja, o primeiro tema de batalha do jogo (que grande observação essa). É que, com o passar da aventura, a música para os combates normais muda e não fica aquela repetição toda muito recorrente nos Final Fantasies da vida.

Ver uma orquestra dessa envergadura, com guitarra, teclado, baixo, bateria e percussão à sua frente no palco, tocando uma música empolgante como a “Battle 1”… não tem como resistir: eu simplesmente me esqueci do quão espetacular era esse tema de combate. A versão é um pouco diferente da original. Basicamente, em vez do solo de teclado, há um solo de guitarra e o naipe de metais tem uma participação mais incisiva. Só uma pena que a gravação, a de qualidade mais aceitável que encontrei, não permite escutar o baixo elétrico. Mas, felizmente, aquele álbum financiado via Kickstarter conseguiu atingir o valor necessário e Grandia está na track list para podermos ouvir essa maravilha em melhor qualidade (nem que seja um sample).

Próximo concerto da VGO terá quatro convidados japoneses; programa inclui suíte de 15 minutos de Grandia arranjada por Noriyuki Iwadare


Por Alexei Barros

Como faz tempo que não falo da Video Game Orchestra por aqui. Até queria comentar mais, acontece que não encontrava performances diferentes das que já publiquei anteriormente. Nesse meio tempo, a orquestra liderada por Shota Nakama ganhou bastante reconhecimento, chegando, inclusive, a participar do Distant Worlds em Boston em março de 2012, em um crossover outrora inconcebível entre as produções de concertos de games.

Mas em 7 de outubro, no Boston’s Symphony Hall, nos EUA, a VGO promete realizar uma apresentação ainda mais ambiciosa. Kinuyo Yamashita, Hitoshi Sakimoto, Yoko Shimomura e Noriyuki Iwadare estarão na plateia. Este último inclusive preparou um arranjo de 15 minutos de Grandia especialmente para o espetáculo… morri. Eu já estava feliz se fosse só a “Theme of Grandia”… Agora uma suíte? De 15 minutos? (E provavelmente com os temas de batalha?)

Além de Grandia, teremos no set list um número intitulado “Sakimoto Medley”. Sinceramente não sei o que pode vir aí, se as obras mais famosas dele (Final Fantasy XII) ou as mais cult, como Verytex, Gauntlet IV, Radiant Silvergun, Gradius V… Na torcida pela segunda opção. Porque a “Return” ainda ressoa na minha mente…

Completam o programa, entre os segmentos já anunciados: “Bombing Mission” (Final Fantasy VII), Street Fighter II, God of War, “Baba Yetu” (Civilization IV), “Vampire Killer” (Castlevania), Kingdom Hearts, “Snake Eater” (Metal Gear Solid 3), Chrono Trigger e Cross e Final Fantasy VII Suite.

Foi aberta uma campanha via Kickstarter para financiar a gravação parcial do concerto com o custo de 30.000 dólares, mas, faltando 13 dias para encerrar o prazo, o valor ainda não atingiu a metade do necessário. De qualquer jeito, eu já vou ficar mais do que satisfeito de ver um videozinho da suíte de Grandia.

[via Kickstarter]

Kid Icarus: Uprising: Koshirão, Mitsuda, Sakuraba, Iwadare e Masafumi Takada são os compositores; ouça os primeiros samples


Por Alexei Barros

Eu sou fervorosamente favorável ao retorno de séries estimadas que estão há anos em letargia. Fico satisfeito com o regresso. Foi assim na E3 2010 com o anúncio de Kid Icarus: Uprising, terceiro jogo da franquia da Nintendo que possuía apenas dois jogos, o primeiro para NES (1987) e a continuação, Kid Icarus: Of Myths and Monsters, para Game Boy (1991). Como se não bastasse no mesmo evento ter sido anunciado Donkey Kong Country Returns.

Mas, se DKC Returns saiu para Wii em 2010, eu confesso ter desanimado ao saber que Uprising seria para 3DS. Nada contra o aparelho, é que eu pensei: “Com tanta coisa para jogar para DS ainda, por que eu compraria JÁ outro portátil?”. Claro que o descaso seria temporário. Temporário até sair o Professor Layton vs. Ace Attorney eu imaginava.

Nem acompanhava com muito afinco as novidades e vídeos de Kid Icarus: Uprising pela expectativa mediana. Daí notei que o meu desdém era descabido quando vi que: 1) O jogo tirou 40/40 da Famitsu. Certo que a nota máxima da revista ficou um pouco banalizada, mas muitos títulos AAA não gozaram da mesma avaliação; 2) Revelam os compositores da trilha, simplesmente: Yuzo Koshiro, Masafumi Takada, Motoi Sakuraba, Noriyuki Iwadare e Yasunori Mitsuda. Só isso. Os três últimos são mestres dos RPGs – fizeram as trilhas de Star Ocean, Grandia e Chrono Trigger, respectivamente. Takada acompanhou a loucura de Goichi Suda em jogos como killer7 e No More Heroes antes de virar freelancer e Koshirão não preciso dizer quem é.

Masahiro Sakurai, o líder da Project Sora, desenvolvedora do Uprising, realmente tem um cuidado especial com as músicas de suas produções. Não é de se estranhar que ele seja um dos responsáveis da série de concertos Press Start, que, aliás, tocou Kid Icarus em 2011, e tenha angariado 36 compositores para os arranjos da trilha de Super Smash Bros. Brawl.

Para criar expectativa, ele inclusive havia avisado que o compositor do Uprising trabalhou no jogo de (luta? Ou gênero indefinido?) de 2008. Isso dava margem para a participação de Hirokazu Tanaka, que criou, para variar, músicas soberbas no jogo original, tal como em Metroid.

Mesmo sem ele, como reclamar com um quinteto desses? O melhor é que o site oficial do jogo é bem generoso: até agora são sete faixas, e as amostras podem ser ouvidas na íntegra. Acompanhe na ordem.

As duas primeiras possuem um viés sinfônico (não arriscaria dizer que foram gravadas por uma orquestra de fato), e a segunda, do Koshirão, tem timbres de coral. A terceira, de novo do Sakuraba, tem potencial para ser uma nova “Gerudo Valley”, com um violão estilo flamenco simplesmente magnífico. Para quem reclama da mesmice Sakurabística no rock progressivo, aí está a resposta.

O Sakuraba volta a roubar a cena na quarta, com reminiscências do tema “Underworld” do Hip Tanaka que é a música-chave da série. Essas cordas ficaram uma pintura, e depois são reforçadas por uma guitarra alucinante. Guitarra? De novo na quinta, em uma promissoríssima faixa do Yasunori Mitsuda. Na sexta temos a pompa dos melhores tempos de Noriyuki Iwadare em Grandia – para você ver o nível do negócio. Do Masafumi Takada pode se esperar tudo. Tudo menos um solo de violino acompanhado por percussão, retomando o flamenco da terceira.

Abaixo os links diretos para as faixas, levando em conta que esses nomes não são as traduções oficiais.

01 – “Main Theme” (Motoi Sakuraba)
02 – “Magna Theme” (Yuzo Koshiro)
03 – “Black Pit Theme” (Motoi Sakuraba)
04 – “Chapter 4 Air Battle” (Motoi Sakuraba)
05 – “Boss Battle” (Yasunori Mitsuda)
06 – “Star Pirate Theme” (Noriyuki Iwadare)
07 – “Practice Room” (Masafumi Takada)

Com todo o respeito ao Final Fantasy XIII-2, já temos a trilha do ano?

[ATUALIZAÇÃO] Antes que eu ousasse reclamar do lançamento do álbum, a Nintendo anunciou a Shin Hikari Shinwa Palutena no Kagami Music Selection, que pode ser trocada na Club Nintendo nipônica por 400 pontos (ou 250 se você morar no Japão e tiver comprado o Uprising). Ou seja, não dependeremos dos ripadores do YouTube desta vez.

[via Andria Sang, My Nintendo News]


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: