Posts Tagged 'Muta Band'

“Blackjack” – Final Fantasy VI (Muta Band)

Por Alexei Barros

Aparentemente o saxofonista Muta e sua talentosa banda levaram a sério a intenção de criar um álbum com arranjos jazz fusion do Final Fantasy VI. Álbum é um pouco demais, mas os vídeos estão sendo publicados com uma frequência cada vez maior, com aquelas músicas sensacionais que o público ocidental ainda está por descobrir.

“Blackjack”
é outro exemplo. É ouvida quando você está a bordo da Airship do Setzer no World of Balance. Enquanto as outras performances procuravam se parecer mais com as originais, esta é um pouco diferente, com batida  sincopada. Solos de guitarra, flauta e teclado mostram a capacidade de improvisação dos integrantes que, sob o comando de Muta, mais uma vez encantam pela primazia.

Anúncios

“Relm” – Final Fantasy VI (Muta Band)

Por Alexei Barros

Se os 14 personagens do Final Fantasy VI são memoráveis – certo, excluindo Gogo, Umaro ou mais algum outro dependendo da sua preferência –, o mesmo vale para os temas que Nobuo Uematsu compôs para cada um, exprimindo as personalidades deles de maneira magistral.

Por meio de uma melodia encantadora, “Relm” transmite a inocência da jovem pintora que esconde detalhes reveladores sobre seu passado. É uma faixa belíssima que costuma ser pouco citada diante de outros temas mais famosos, como “Terra”, “Cyan” e até o meu preferido, “Edgar and Sabin”.

Eis que mais uma vez entra em ação a magnífica, esplendorosa e majestosa banda do saxofonista Muta, como no vídeo da “Searching for Friends” acompanhada pela flautista Pikkoro. Uma pintura que mostra a capacidade e versatilidade de todos os instrumentistas, que sabem tanto tocar músicas agitadas como mais calmas como esta.

“Searching for Friends” – Final Fantasy VI (Muta Band)

Por Alexei Barros

Fiquei imaginando o que aconteceria se o saxofonista Muta e sua banda aplicassem toda a técnica e arrojo daquele “Chrono Trigger Medley” para outras músicas, como do Final Fantasy VI, um dos jogos preferidos dos pró-amadores nipônicos.

Foi o que aconteceu. Incrível como não acabam as faixas do FFVI que possuem qualidade pouco explorada. Cada dia me dou conta de uma melhor que a outra. A “Searching for Friends” que toca em um momento marcante da aventura, foi esplendidamente relida pela Muta Band com a mesma formação do outro vídeo – sax, baixo, guitarra, teclado e bateria –, desta vez acrescida pela flauta tocada pela Pikkoro. Com direito a solos de cada instrumento no melhor estilo jazz fusion, o arranjo mais uma vez comprova o nível de excelência japonês que estou para ver em uma banda similar do ocidente.

“Chrono Trigger Medley” – Chrono Trigger (Muta Band Live @ Saha)

Por Alexei Barros

Se fizer um comparativo entre as performances amadoras já publicadas do Chrono Trigger, a maioria é sinfônica. Não porque eu tenha uma preferência escancarada, mas porque é muito mais difícil encontrar um arranjo com banda que me agrade. Depois de tanto tempo, enfim, acabou a busca. Um medley smooth jazz de primeiríssimo nível, um dos melhores que ouvi do jogo.

Tal honraria não poderia ser de outro senão o espetacular saxofonista Muta e sua talentosa banda. Aquele “Chrono Trigger on Sax” era um preparativo e a versão do tema “Chrono Trigger” era mais um ensaio em estúdio do grande show que os músicos amadores (?) fizeram nesse local apertado, presenciado, aparentemente, por pouquíssimas pessoas. Seria uma injustiça se não houvesse o vídeo. Minha crítica à bateria daquela gravação não vale aqui, e fico com a impressão que consigo escutar os instrumentos com mais nitidez, sobretudo o baixo e o violão. Não há transições muito requintadas, mas com banda os espaços vagos não ficam tão ruins como nos medleys orquestrados.

Com o seu sopro divinal no sax alto, Muta entoa a melodia de “Chrono Trigger”, parando apenas para o solo de violão do TOMMY/RIO, que também toca com perfeição a introdução de “Wind Scene”. Muta alterna para o sax soprano e transmite de maneira límpida, cristalina, a melancolia do tema. Pausa.

Reproduzindo de maneira genial a sintetizada, TOMMY/RIO toca o começo a “Guardia Millenial Fair” no violão, e é acompanhado pelo teclado do Shio. Muta mais uma vez promove o seu show particular, inclusive no aceleramento do tempo. Então a bateria faz a passagem para a… “Epoch ~Wings that Cross Time~”!

O medley já seria esplêndido mesmo com as músicas mais manjadas, daí me escolhem uma faixa sensacional costumeiramente ignorada. Muta, agora com o sax alto, para variar, é sublime. No mesmo trecho, eles aproveitam para mostrar a habilidade no habitual rodízio de solos de smooth jazz e jazz fusion, não toda a banda, apenas violão e teclado.

Novamente o baterista Kaname realiza transição, desta vez para o tema de encerramento “To Far Away Times” com o sax soprano do Muta para causar os mais profundos arrepios, e encerrar o soberbo medley arranjado pelo baixista Tack.

Também coloquei o áudio no Goear para acompanhar sem interrupções.

Faça o favor:

“Chrono Trigger Medley”

“Chrono Trigger” ~ “Wind Scene” ~ “Guardia Millenial Fair” ~ “Epoch ~Wings that Cross Time~” ~ “To Far Away Times”

“Chrono Trigger” – Chrono Trigger (Muta Band)

Por Alexei Barros

Hoje manjado que só, o tema principal “Chrono Trigger” se mostrou uma composição versátil que combina com uma miríade de interpretações quando arranjada, e especialmente com jazz e smooth jazz. Não surpreende que seja este o estilo adotado para a releitura “Chrono Trigger” do Chrono Trigger Arranged Version: The Brink of Time.

E também foi assim que apareceu no álbum de fãs lançado no ano passado CHRONOTORIOUS com a “CHRONOTORIOUS” (desculpe a repetição, foi mais para colocar o link de acordo). E ainda não terminei de destilar a minha peçonha para algumas bandas amadoras ocidentais e exaltar as japonesas. Com todo o respeito, este CD é estupidamente superestimado. De uma chatice sem tamanho. Olha que a faixa-título é até boazinha perto de abominações como a “Dethfrog”.

Para mostrar de novo uma versão superior nipônica, resgatei o talentoso saxofonista Muta, desta vez com o violonista TOMMY/RYO (aquele mesmo que o havia acompanhado no fantástico vídeo da “Athletic” do Yoshi’s Island), do baixista Tack, do tecladista Shio e do baterista Kaname.

Como se podia esperar, o som que o Muta tira do sax é sublime, e TOMMY/RYO se destacou no solo de violão. A única coisa que me desagradou foi a bateria. Não sei se porque não é de uma marca muita boa ou não foi bem equalizada em relação aos outros instrumentos, a mim me soou um pouco irritante. Um detalhe que pode ser irrelevado pela performance magnífica do sax.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: