Posts Tagged 'Kumi Tanioka'

Tokyo Gametakt 2017: Yuzo Koshiro na regência, Hiroshi Kawaguchi no piano, Ace Combat 04 e Lunar 2: Eternal Blue em um mesmo concerto

De DJ a maestro: Yuzo Koshiro regeu o medley de Etrian Odyssey e revelou que ficou nervoso na condução da orquestra

Por Alexei Barros

Da série “deveria ter feito este post meses atrás” e também da série “não acredito que nunca ouviremos este concerto”. No dia 6 de maio de 2017 ocorreram as duas apresentações do espetáculo Tokyo Gametakt 2017. Produzido pelo estúdio noisycroak, do compositor Hideki Sakamoto, o evento buscou reforçar a importância da game music como um elemento cultural reunindo mais de 20 representantes de peso no Japão.

Além do concerto, também foram realizadas palestras com os compositores. Na verdade, esta foi a segunda edição do evento – a primeira foi a Okinawa Gametakt 2014. Agora parece que a intenção é tornar a periodicidade deste festival mais regular, tanto que já foi confirmado o Tokyo Gametakt 2018 para o dia 4 de maio do ano que vem. Um dado curioso é que a organização está recrutando instrumentistas e coristas para participarem dos ensaios e da performance.

Mas voltando para o Tokyo Gametakt 2017, a performance da Ryukyu Philharmonic Chamber Orchestra no Ota Kumin Hall Aprico “Great Hall” teve um aspecto muito interessante e que se aplicava ao saudoso Orchestral Game Concert que é o rodízio de maestros. Isso fez com que acontecessem algumas situações inusitadas, como a de Yuzo Koshiro reger o medley de Etrian Odyssey – aliás, de acordo com o report da Famitsu, ele confessou estar bem nervoso na ocasião.

O set list está recheado de músicas de jogos atuais de nicho para telefones móveis e portáteis, mas, entre esses títulos e mais alguns números de Final Fantasy, me chamaram a atenção três segmentos bastante incomuns que beiram a sacanagem não poder ouvir na íntegra. O primeiro deles é a “Main Theme” do Space Harrier com direito ao próprio compositor Hiroshi Kawaguchi no piano. Já sonhava com a orquestração de qualquer música dele na época áurea de arcades da Sega (After Burner, Power Drift, mais OutRun etc.), só não imaginava ele participando de uma performance orquestral.

Dos teclados da S.S.T. Band e [H.] para o piano acústico: Hiro participou da inesperada performance de Space Harrier

O segundo é a “Blue Skies”, tema dos créditos de Ace Combat 04. A “Zero” do Ace Combat Zero já tinha aparecido no Press Start algumas vezes, mas nunca poderia imaginar que iriam se lembrar dessa canção. A única ressalva que eu faço é que, pelo pouco que dá para ver no vídeo no fim do post, tocaram a versão original, não a adaptação “Blue Skies (Remix)” do Ace Combat 5 que pessoalmente me agrada mais. Pelo que entendi no tradutor do Google, o compositor Hiroshi Kubo estava preocupado com a performance da cantora SAK., já que foi desafiante cantar a música orquestrada sem nenhuma batida de referência por causa da síncope da canção.

E o terceiro e último segmento é de mais um jogo eternamente ignorado pelos concertos: Lunar 2: Eternal Blue, com a condução do próprio compositor Noriyuki Iwadare (ele já tinha regido um número no Gyakuten Saiban Special Courtroom 2008 Orchestra Concert). O set list do report da Famitsu não especificou quais faixas foram tocadas, mas o texto cita a música de abertura e temas de combate desse medley que teve arranjo do Iwadare.

Para deixar um gostinho, o canal do evento publicou um resumão em vídeo do concerto, mas adivinha se Space Harrier e Lunar 2: Eternal Blue aparecem? Pelo menos, como disse anteriormente, deu para conferir um pouco de Ace Combat 04. E no início Iwadare aparece regendo a suíte de Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice. Além disso, o canal do Hideki Sakamoto também publicou dois números completos de Bungo and Alchemist e Time Travelers. Também deixo os set lists com os links para as faixas originais (“set lists” no plural, porque o programa da apresentação da tarde foi bem diferente em relação à da noite).

Set list (apresentação 13h)

01. “Gate of Steiner” (Steins;Gate)
02. “Theme from Thousand Memories” (Thousand Memories) [regência: Keisuke Ito]
03. “Beast and Princess Medley” (Beast and Princess) [vocal: Haruka Shimotsuki]
04. “Main Theme” (Space Harrier)
05. “Awakening” (Final Fantasy XI)
06. “High Sky” (Terra Battle) [vocal: Akiko Kawano]
07. “Monster Strike Symphony 6th Movement ~Colossal~ (Game Takt Version)” (Monster Strike) [regência: Riichiro Kuwabara]
08. “The Days I’m Now Weaving” [String Quartet] (Noora to Toki no Koubou: Kiri no Mori no Majo)
09. “Blue Skies” (Ace Combat 04: Shattered Skies) [vocal: SAK.]
10. “Lunar 2: Eternal Blue Medley” (Lunar 2: Eternal Blue) [regência: Noriyuki Iwadare]
11. “Bungo and Alchemist” (Bungo and Alchemist) [regência: Hideki Sakamoto]
12. “Etrian Odyssey Medley 2017”: “Labyrinth I – Emerald Woodlands” ~ “Labyrinth V – The Fallen Capital of Shinjuku” (Etrian Odyssey) [regência: Yuzo Koshiro]
13. “Beyond the Sky” (Xenoblade Chronicles) [vocal: Sarah Àlainn]

Bis
14. “Blinded By Light” (Final Fantasy XIII)
15. “Glory” (Fortune Tellers Academy) [vocal: Sarah Àlainn/regência: Hideki Sakamoto]

Set list (apresentação 17h30)

01. “Main Theme” (Space Harrier)
02. “Juusei to Diamond” (Juusei to Diamond)  [regência: Keisuke Ito]
03. “Monster Strike Symphony 6th Movement ~Colossal~ (Game Takt Version)” (Monster Strike) [regência: Riichiro Kuwabara]
04. “You From a Distance” (Anata wo Yurusanai) [vocal: Akiko Kawano]
05. “Tokiwa-no-Orochi” (Toukiden 2) [regência: Hideki Sakamoto]
06. “Moujuutachi to Ohimesama Medley” (Moujuutachi to Ohimesama) [vocal: Haruka Shimotsuki]
07. “Gyakuten Saiban 6 Courtroom Suite” (Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice) [regência: Noriyuki Iwadare]
08. “Sweet Dreams” [String Quartet] (100 Sleeping Princes & the Kingdom of Dreams)
09. “City Music Medley” (série Wild Arms) [regência: Michiko Naruke]
10. “Sekai no Owari to Saigo no Kotoba” (Shoumetsu Toshi) [vocal: Emi Evans]
11. “Blue Skies” (Ace Combat 04: Shattered Skies) [vocal: SAK.]
12. “Promised Grace” (Final Fantasy Crystal Chronicles) [regência: Kumi Tanioka]
13. “Azure Revolution” (Valkyria Revolution) [vocal: Sarah Àlainn]

Bis
14. “Blinded By Light” (Final Fantasy XIII)
15. “The Final Time Traveler” (Time Travelers) [vocal: Sarah Àlainn/regência: Hideki Sakamoto]

Resumo

“Bungo and Alchemist” (Bungo and Alchemist)

“The Final Time Traveler” (Time Travelers)

Agradecido ao Fabão, que me me mandou o link do report séculos atrás.

[via Famitsu, 2083]

Anúncios

To Far Away Times: Chrono Trigger & Chrono Cross Arrangement Album: o aguardado CD que se perdeu no tempo e no espaço


Por Alexei Barros

Nove anos depois de prometido, enfim o álbum arranjado de Chrono Cross foi lançado,  dividindo essa honraria com o predecessor Chrono Trigger. Para ser direto, To Far Away Times: Chrono Trigger & Chrono Cross Arrangement Album não compensou, no meu entendimento, essa longa espera.

O disco aposta em performances vocais, mas também traz arranjos orquestrais e uma releitura com uma banda celta. Talvez o CD já comece errado por aí. Acredito que seria melhor ter mais versões sinfônicas e uma ou outra música com vocal como bônus – o Myth foi muito mais feliz nesse aspecto. Com tantas faixas cantadas, eu lançaria um outro disco só nesse estilo, como é o Final Fantasy Song Book: mahoroba, por exemplo. Porém, não é por isso que o To Far Away Times deixa de apresentar arranjos bastante apreciáveis, incluindo as releituras cantadas.

Além disso, se a ideia era abordar a série toda, o CD não promove nenhuma interação entre as músicas de Chrono Trigger e Cross, fazendo uma divisão muito clara entre cinco faixas para cada jogo. A suíte “Fantasy III: Chrono Trigger/Chrono Cross” do Symphonic Fantasies, que considero o ápice musical entre as homenagens que a série já recebeu, explora muito mais a relação entre os dois jogos, promovendo um diálogo entre ambos os trabalhos de Mitsuda. No To Far Away Times, apenas uma única faixa faz uma tímida associação entre as duas trilhas (“Schala’s Theme” – falo mais a respeito adiante). E outra: onde estão os medleys? Medley de temas de personagens, medley de temas de combate, medley de temas do mapa-múndi… Nada disso foi explorado.

Tudo fica ainda mais lamentável quando lembro que a própria trilha do Chrono Cross já faz muitas referências a Chrono Trigger. Quem não se lembra que o tema “Time’s Grasslands – Home World” evoca de maneira maravilhosa na cítara o tema principal “Chrono Trigger” ou então, ainda mais óbvio, que o tema da vitória “Victory ~Spring’s Gift~” de Chrono Cross é a “Fanfare 1 (Lucca’s Theme)” de Chrono Trigger?

Ainda que o álbum não tenha nenhuma abominação no nível da “Zeal Palace” do The Brink of Time ou alguma excentricidade como a “Kaze no you ni” do cantor J-pop Shota Shimizu (lembra?), eu fico com a sensação de que poderia ser muito melhor. Mas vejamos faixa por faixa.

01. “Scars of Time” (Chrono Cross)
Original: “Scars of Time”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Tomohiko Kira
Vocal: Koko Komine

Com tantas performances e exaustivas repetições, eu esperava muito mais de um arranjo oficial do tema mais famoso de Chrono Cross. Meu maior desgosto com essa releitura é justamente o vocal com versos em japonês da Koko Komine, embora a participação dela não seja tão extensa durante a canção. O andamento mais pausado tirou toda a empolgação na virada da música e nem a adição da guitarra ajudou a melhorar – a faixa perdeu todo o clima mágico, especialmente pela ausência do violino. Honestamente, é uma versão para esquecer.

02. “Radical Dreamers” (Chrono Cross)
Original: “Radical Dreamers”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Sachiko Miyano
Vocal: Sarah Àlainn

O álbum começa a esquentar, indo direto para o tema de encerramento de Chrono Cross. A diferença é que a música já era cantada na trilha original pela Noriko Mitose. Espero não chocar com esta afirmação, mas não morro de amores pela “Radical Dreamers” que toca no jogo. Agora essa nova releitura melhora a canção 100%. Em vez dos versos em japonês (mesmo na versão americana) e um solitário violão no acompanhamento, o arranjo é cantado em inglês e apresenta uma instrumentação de maior riqueza, com intervenções de piano, violino e violoncelo. A voz da australiana Sarah Àlainn é encantadora, deixando a experiência muito mais agradável.

03. “Wind Scene” (Chrono Trigger)
Original: “Wind Scene”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Kumi Tanioka e Sachiko Miyano

O tema de 600 A.D. aparecia brevemente no “Chrono Trigger Medley ~Orchestra Version~” do Orchestra Extra com a participação da flauta. Dessa vez, o arranjo não apresenta instrumentos de sopro e é totalmente centrado no piano e cordas. É em partituras assim que se destacam os grandes arranjadores, já que ele precisa explorar a melodia de várias formas e com variações coerentes. Essa tarefa foi cumprida com absoluto êxito pela dupla de arranjadoras Kumi Tanioka e Sachiko Miyano.

04. “Schala’s Theme” (Chrono Trigger)
Original: “Schala’s Theme”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Yasunori Mitsuda e Laura Shigihara
Vocal: Laura Shigihara

Reouvindo o tema da Schala original, dá para sentir um quê de Chrono Cross, mesmo que a trilha de Chrono Trigger tenha sido feita cinco anos antes. O arranjo aproveita isso de certa forma com o violão e o tin whistle que me fizeram lembrar a “The Girl Who Stole the Stars” de Chrono Cross. Os dois instrumentos permeiam o vocal mágico com versos em japonês da Laura Shigihara – pelo pouco que entendi da entrevista que Yasunori Mitsuda concedeu ao site da Famitsu, a semelhança foi intencional. A harpa e as cordas foram capazes de elevar essa versão ao estado sublime.

05. “The Frozen Flame” (Chrono Cross)
Original: “The Frozen Flame”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Natsumi Kameoka

Chegamos à metade do álbum e enfim uma música de Chrono Cross em um arranjo orquestral. Enquanto a faixa original contava com timbres de harpa, piano e um instrumento de sopro (uma flauta, talvez?), essa nova versão tira a mencionada variedade de instrumentos para se focar nas cordas em um trabalho simples, mas competente da Natsumi Kameoka.

06. “Marbule” (Chrono Cross)
Original: “Marbule”

Composição e arranjo: Yasunori Mitsuda

Diferentemente dos demais arranjos instrumentais do álbum que são sinfônicos, essa versão traz a performance de uma banda que reforça a influência celta da composição. A faixa começa com um acordeão que desperta a nostalgia e, com mais de um minuto de música, a percussão, o bouzouki e o tin whistle entram em cena. O violino é o instrumento que mais se destaca com um solo virtuosístico.

07. “The Bend of Time” (Chrono Cross)
Original: “The Bend of Time”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Natsumi Kameoka

Enfim aparece no álbum a primeira música revelada do projeto. Originalmente um solo de violão, ela ganhou uma nova camada de profundidade nesse reconfortante arranjo para cordas.

08. “Corridors of Time” (Chrono Trigger)
Original: “Corridors of Time”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Yasunori Mitsuda e Laura Shigihara
Vocal: Laura Shigihara

Agora cantando em inglês, Laura Shigihara se destaca com sua voz adocicada. A música original tinha um clima etéreo, com timbre de cítara, e essa atmosfera ganhou uma nova cara com o acompanhamento do piano e das cordas.

09. “On The Other Side” (Chrono Trigger)
Original: “Epilogue~To Good Friends”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Kazune Ogihara e Laura Shigihara
Vocal: Laura Shigihara

Na última participação de Shigihara, ela volta a cantar em inglês e esse foi o resultado que mais me surpreendeu, já que a simplicidade da música original combinou maravilhosamente bem com o arranjo vocal. O piano e, em menor grau, as cordas, sustentam a bela atuação de Shigihara. No final, ela se limita a cantarolar enquanto o piano toca a melodia.

10. “To Far Away Times” (Chrono Trigger)
Original: “To Far Away Times”

Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Sachiko Miyano
Vocal: Sarah Àlainn

Na música-título do álbum, o tema dos créditos de Chrono Trigger desponta nesse maravilhoso arranjo cantado. O início tranquilo da melodia já é de cortar o coração, mas a canção só melhora quando entra a bateria e o restante dos instrumentos. Mesmo com tudo isso, a releitura respeita a faixa original, colocando até o trecho que remete ao tema principal “Chrono Trigger”, imitando uma caixinha de música. Uma canção digna de homenagear os 20 anos de Chrono Trigger.

Chrono Cross Arrange Album: agora vai

54006-1437980859Por Alexei Barros

No mesmo ano em que The Last Guardian voltou das catacumbas, Shenmue 3 surgiu do nada e o remake de Final Fantasy VII foi revelado, mais uma lenda urbana chegará ao fim: o álbum arranjado de Chrono Cross.

Inicialmente, o lançamento foi prometido pelo compositor Yasunori Mitsuda para o final de 2006 e, depois disso, o projeto foi se arrastando ano após ano sem nenhuma confirmação oficial. Em 2008, uma centelha de esperança surgiu quando Mitsuda liberou em seu site um sample promissor da “A Narrow Space Between Dimensions” por ocasião do Natal.

O mesmo arranjo, renomeado “Dimension Break”, foi publicado em versão completa no Play for Japan: The Album, disco lançado em 2011 que buscava arrecadar fundos para as vítimas do tsunami ocorrido naquele ano. Depois disso, nada mais se falou sobre o álbum. O mais curioso é que ainda em 2011 Mitsuda lançou o CD Myth: The Xenogears Orchestral Album, que nunca tinha sido prometido, mas fez a alegria dos fãs de outro trabalho venerado do compositor.

Em julho de 2015, Yasunori Mitsuda realizou apresentações comemorativas dos seus 20 anos de carreira com uma banda formada por diferentes instrumentistas. No panfleto desse espetáculo enfim foi revelado o aguardado disco, que também inclui músicas de Chrono Trigger. Programado para sair dia 14 de outubro no Japão, o CD é intitulado To Far Away Times: Chrono Trigger & Chrono Cross Arrangement Album.

Eu seria meio louco de criticar a presença de Chrono Trigger em um novo álbum, mas não escondo um certo desapontamento, mesmo sabendo do seu aniversário de 20 anos. O RPG do Super Nintendo já teve, falando apenas dos lançamentos oficiais dedicados ao jogo, dois discos com arranjos: Chrono Trigger Arranged Version: The Brink of Time, lançado ainda em 1995, e Chrono Trigger Orchestra Extra Soundtrack, CD promocional com apenas duas faixas que saiu em 2009 por conta do port para Nintendo DS. Um dos motivos para o álbum arranjado de Chrono Cross ser tão aguardado é que o RPG do PlayStation nunca teve um lançamento similar e, quando chega finalmente a vez dele, são apenas cinco releituras. As outras cinco são de Chrono Trigger, totalizando dez.

Agora falando dos arranjadores, eles são nomes conhecidos: além do próprio Mitsuda, participaram: Kumi Tanioka, compositora de Final Fantasy XI; Sachiko Miyano, arranjadora de diversos segmentos em concertos de Final Fantasy; Natsumi Kameoka, arranjadora que já havia participado do Orchestra Extra e do Myth; Tomohiko Kira, violonista da das bandas Milennial Fair e Zabadak e que tocou no álbum Creid, com arranjos de Xenogears; Kazune Ogihara, trompetista que já participou como arranjadora da trilha do anime Black Butler: Book of Circus, assinada por Mitsuda; e, finalmente, Laura Shigihara, a simpática compositora de Plants vs. Zombies e quem mais me surpreendeu.

Em relação às faixas: “Wind Scene”, “Schala’s Theme”, “Corridors of Time”, “On The Other Side / Epilogue~To Good Friends” (não entendi do que se trata a “On The Other Side”) e “To Far Away Times” por parte do Chrono Trigger; e, do lado de Chrono Cross, “Scars of Time”, “Radical Dreamers”, “The Frozen Flame”, “Marbule” e “The Bend of Time” (a mesma faixa revelada antes, agora com um terceiro nome diferente). É possível ouvir samples de todas as faixas naquele esquema chato do site da Square Enix que para de tocar se você mudar de aba no navegador.

Basicamente, as releituras misturam performances orquestrais (“Wind Scene”, “The Frozen Flame” e “The Bend of Time”), banda celta (“Marbule”) e arranjos vocais – as faixas restantes. Quem esperava por um álbum majoritariamente sinfônico como o Myth pode se decepcionar um pouco. Eu confesso que na maioria das vezes não sou entusiasta dessas adaptações vocais de músicas originalmente instrumentais, mas gostei das três canções da Laura Shigihara, todas de Chrono Trigger (“Schala’s Theme”, “Corridors of Time” e “On The Other Side / Epilogue~To Good Friends“). Ela realmente tem um timbre de voz muito agradável.

A cantora australiana Sarah Àlainn, que havia cantado a “Beyond the Sky”, tema de encerramento de Xenoblade Chronicles assinado por Yasunori Mitsuda, aparece aqui para interpretar novamente as duas músicas dos créditos. A “Radical Dreamers” de Chrono Cross já era cantada originalmente e não me impactou tanto, agora a “To Far Away Times” eu já arrepiei com poucos segundos de apreciação. Por fim, justamente a música mais famosa de Mitsuda e incrivelmente reprisada, não me desceu muito bem no sample: “Scars of Time”, no arranjo cantado que tem a voz da Koko Komine da banda Zabadak. Mas vamos ver no que vai dar.

Não deixe de conferir os samples no site da Square Enix.

“Four Nations, One Sky ~ A Tribute to the Cities” – Final Fantasy XI (Final Fantasy XI Vana♪Con Anniversary 11.11.11)

Por Alexei Barros

Aos poucos, os concertos de Final Fantasy vão se desgarrando da supremacia de Nobuo Uematsu para se lembrar das músicas de outros compositores. Hitoshi Sakimoto (FFXII) e Masashi Hamauzu (FFXIII) são os caras que mais fácil vêm à mente por honrar a camisa da série com belas composições. Mas tem mais gente. Meio que relegada a segundo, terceiro plano está o nome da Kumi Tanioka, que fez a trilha de FFXI com Naoshi Mizuta e o próprio Uematsu.

Mas no concerto Final Fantasy XI Vana♪Con Anniversary 11.11.11, realizado na efeméride dos dez anos do MMORPG, a compositora recebeu os merecidos holofotes quando, depois de apresentar músicas solo no piano, acompanhou a Tokyo Philharmonic Orchestra no mesmo instrumento com o “Four Nations, One Sky ~ A Tribute to the Cities”. Melodias belíssimas, solos belíssimos, intervenções belíssimas. Tudo belíssimo. Me deu até vontade de jogar o FFXI… não, deu não. Das quatro faixas, apenas uma é de fato assinada por ela, sendo o restante de autoria do Naoshi Mizuta, como veremos a seguir.

“The Kingdom of San d’Oria” tem timbres do que parece ser uma gaita de fole um tanto quanto áspera. Quando esse mesmo trecho passa a ser reproduzido na graciosidade dos clarinetes, oboés e fagotes, a faixa melhora 100%. Como se não bastasse, a Tanioka se aproxima da celebração musical, com o seu piano, seguido pela imponência dos metais. Viajando pelo mundo de FFXI, chegamos a “The Republic of Bastok”, a única assinada pela Tanioka – que melodia, que pintura. Nessa parte, o piano não se destaca tanto, ficando emparelhado com as flautas. No momento em que surge a “The Federation of Windurst”, após uma transição, devo confessar, no mínimo pouco criativa, a Tanioka mostra a que veio, com uma passagem cintilante no piano, instrumento que inexistia entre os timbres presentes na original. Simplesmente sublime. E é ela que faz a transição que culmina na formidável “The Grand Duchy of Jeuno”, praticamente uma valsa. Tanioka volta a ficar em evidência em certo trecho e no finzinho a peça dá uma acelerada. O arranjo da Sachiko Miyano não se desprendeu muito das originais, mas apenas a felicíssima seleção de faixas garante uma bela turnê musical pelo mundo online de Final Fantasy XI.

E o melhor: tudo isso pode ser visto na gravação com o mesmo nível de precisão do DVD do Monster Hunter, com vários ângulos e cortes precisos de câmera. Assistir ao vídeo em 720p é uma ordem. Faça o favor:

“Four Nations, One Sky ~ A Tribute to the Cities”
“The Kingdom of San d’Oria” ~ “The Republic of Bastok”“The Federation of Windurst” ~ “The Grand Duchy of Jeuno”

Press Start 2012: variado como nunca, competente como sempre

Por Alexei Barros

No dia 23 de setembro, aconteceu em Tóquio a sétima edição do concerto Press Start em duas apresentações, ambas com a performance da Tokyo Philharmonic Orchestra sob a batuta do maestro Taizo Takemoto. Até aqui, nada de muito surpreendente, mas, confirmando a expectativa causada pelas excelentes seleções de jogos, o espetáculo neste ano aparentou ser dos mais inspirados.

Minhas impressões baseadas nas fotos do concerto e nas poucas informações compreensíveis pelo tradutor do Google foram publicadas depois do Hadouken.
Continue lendo ‘Press Start 2012: variado como nunca, competente como sempre’

Akumajo Dracula Tribute Vol.1 e 2: tributo sem tribulação

Por Alexei Barros

Vasta, rica e altamente qualificada: é a discografia de Castlevania. Qualquer tributo a composições antigas deve ser justificado, para ombrear álbuns do nível de Drabula Battle Perfect Selection I e II. Se for um tributo preguiçoso, como o Gradius Tribute, com alguns arranjadores praticamente desconhecidos no meio, é melhor nem fazer. A Konami aprendeu a lição e publicou a dupla Akumajo Dracula Tribute Vol.1 e Akumajo Dracula Tribute Vol.2, ambos 13 de janeiro de 2011, emprestando as músicas vampirescas para nomes de primeiro gabarito. Entre outros, Motoi Sakuraba, Masashi Hamauzu e Hiroki Kikuta.

Não que todas as 26 faixas (13 de cada disco) sejam magistrais, pelo contrário – “Vampire Killer ~Castlevania (Nintendo Entertainment System)~” é digno do detestável Perfect Selection Dracula. Por isso, passei rapidamente apenas pelas que mais me agradaram, ignorando o fato que os dois discos saíram em janeiro e comento só agora.
Continue lendo ‘Akumajo Dracula Tribute Vol.1 e 2: tributo sem tribulação’


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: