Posts Tagged 'Kow Otani'



“Shadow of the Colossus Suite” – Shadow of the Colossus (Score)

Por Alexei Barros

Mais uma das produções do jornalista de games e crítico de cinema Orvar Säfström, a récita Score aconteceu nos dias 11 e 12 de novembro em Gotemburgo e, infelizmente, como em outras oportunidades, o conhecimento de tal espetáculo está longe de transcender as fronteiras da Suécia. Tanto que não vi nenhuma menção sequer nos fóruns que costumo bisbilhotar. Soube por acaso, em decorrência do tema do post anterior. Não tem jeito, a popularidade é inversamente proporcional à qualidade dos concertos de games, com algumas exceções, é claro.

Você poderá comprovar com este post e outros (muitos, diga-se, pois acho que este foi o espetáculo do Säfström mais bem registrado no YouTube). De cara, mostro uma arrojada suíte do Shadow of the Colossus, aquela trilha capaz de arrepiar a espinha até mesmo dos mais insensíveis.

Bem, não é exatamente uma suíte, como são apenas duas faixas executadas com uma pausa no intermédio, sem nenhuma transição (melhor isso do que dilacerar uma música igual certa turnê que eu conheço). Mas  os dois temas de batalha, meu amigo, se não estiver enganado, jamais foram lembrados por outro concerto.

A complexa “In Awe of the Power ~Battle With the Colossus~” impressiona pela plena sincronia dos violinistas da Gothenburg Symphony Orchestra sob a regência do maestro Charles Hazlewood. Quem também mostra semelhante excelência é a Gothenburg Symphony Chorus na “Demise of the Ritual ~Battle With the Colossus~”, que se ouve no combate do último colosso e em parte do encerramento, e exprime uma mistura de decadência e heroísmo do protagonista Wander. Por sinal, fantasticamente apresentada. Mesmo com a câmera a quilômetros de distância, é possível testificar a qualidade suprema porque o áudio está muito bom para uma gravação amadora.

“Shadow of the Colossus Suite”
“In Awe of the Power ~Battle With the Colossus~” ~ “Demise of the Ritual ~Battle With the Colossus~”

A Night in Fantasia 2009: eminente só no mundo da fantasia


Por Alexei Barros

Parece até um milagre hoje em dia: o lançamento da gravação de um concerto com arranjos inéditos e exclusivos em meio ao oceano de restrições de direitos autorais que aterrorizam as apresentações de game music, a maioria com versões recicladas. Mas minha empolgação é contida. Serei franco: ainda que o currículo da Eminence seja respeitável, eles ainda têm muito o que aprender com a produção, organização e divulgação, áreas que resistem em permanecer com um pé no amadorismo. Por exemplo, o que aconteceu com Valkyria Chronicles e Diablo III no set list e o Hitoshi Sakimoto na plateia, que chegaram a ser anunciados no site oficial?

Vou além. Mesmo a performance, sempre exaltada, não é tão exímia quanto deveria. Isso me leva a questionar as autopropagandas e o hype exagerado  no site oficial, Facebook e Twitter – na maioria das vezes dispensáveis, como aqui –, e os elogios exacerbados do grande séquito de fanboys espalhados pelo mundo. Eu me incluía no grupo de admiradores (ainda me mantenho, com ressalvas) mais extasiado pelas exclusividades do set list (Final Fantasy XII e The Legend of Zelda: Twilight Princess especialmente) do que pela primazia ou arrojo da execução, muito porque os registros são escassos.

O CD duplo do A Night in Fantasia 2009, que foi oficialmente anunciado para sair no dia 8 de janeiro de 2010, atrasou um pouco, nada digno de nota. Uns dois meses. Quem comprou por pré-venda no site da Eminence recebeu o álbum no final de março e início de abril. Considerando que a apresentação ocorreu dia 26 de setembro de 2009, seis meses é um tempo habitual que separa o concerto do lançamento do CD, então por que anunciar a data de maneira tão precoce? Além disso, em um primeiro momento a gravação seria feita em estúdio, não ao vivo – felizmente a qualidade de áudio é elogiável, com alguns aplausos mais efusivos no final de determinadas performances.

Como fiz na ocasião do concerto, quando comentei sobre as músicas de uma gravação amadora, falarei sobre cada faixa do disco 1 intitulado “Symphonic selection from Video Games” – seleção porque Command and Conquer: Red Alert 3, Darksiders, God of War II, Dragon Age: Origins e Metal Gear Solid 2 / 3 não entraram no CD. O disco 2 traz os segmentos de animes que tomei a liberdade de passar batido. É uma mistura interessante de quatro seleções de jogos japoneses e duas de ocidentais, sendo que estas nunca foram lembradas em outra oportunidade.

Pelo título do post, alguns podem pensar que o CD é um desastre. Claro que não é assim. Tem pontos positivos e negativos. É bom, mas não é tão eminente como comento depois do Hadouken.

Continue lendo ‘A Night in Fantasia 2009: eminente só no mundo da fantasia’

A Night in Fantasia 2009: o regresso eminente

Por Alexei Barros

Depois da ausência em 2008, ano ocupado pela gravação das trilhas de Diablo III, Soulcalibur IV, Valkyria Chronicles e do álbum Echoes of War, a série de concertos australiana A Night in Fantasia retornou neste ano em Sidnei, no Sydney Entertainment Centre no sábado passado, dia 26 de setembro. A despeito de algumas informações desencontradas (Diablo III, Valkyria Chronicles, o anime de The Tower of Druga e a presença de Hitoshi Sakimoto nem se confirmaram como anunciado de início), aparentemente a récita foi caprichada, mesmo porque foi realizada em um único espetáculo.

Do total de 20 executadas, 13 serão lançadas no CD A Night in Fantasia 2009 no dia 12 de dezembro. Muito melhor do que fazer várias apresentações na Austrália e restringir a eminência sinfônica para o público local. Como disse antes, o set list possui mais jogos ocidentais e, muito possivelmente para evitar problemas de direitos autorais, não há músicas de títulos da Nintendo e Square Enix – os direitos autorais da trilha de Chrono Cross são do próprio Yasunori Mitsuda.

Em relação àquela lista de convidados comentada no post anterior do A Night in Fantasia 2009, nada muito sério a acrescentar, senão pela ausência de Steve Jablonsky (Gears of War 2), que não pode comparecer e deixou uma mensagem em vídeo. De resto, Yasunori Mitsuda (Chrono Cross), Masaru Shiina (THE iDOLM@STER), Inon Zur (Dragon Age: Origins e Prince of Persia), Cris Velasco (God of War II), Wataru Hokoyama (Afrika) e Kow Otani (Shadow of the Colossus) estavam lá.

Como os relatos australianos costumam ter o péssimo hábito de não citar nominalmente as faixas tocadas, diferentemente dos blogs e sites japoneses, poderia encerrar por aqui se não fosse por uma gravação da plateia que encontrei de quatro músicas, algumas das que estava mais curioso para ouvir – faltou God of War II, Ace Combat V e Soulcalibur. Não é perfeito, mas audível e permite ter uma ideia dos arranjos – alguns que poderão ser futuramente apreciados no CD em todo o esplendor.

“Radical Dreamers” (Chrono Cross)
Original: “Radical Dreamers”

Chrono CrossParece até que foi combinado. A faixa selecionada é exatamente uma que não apareceu no antológico “Fantasy III (Chrono Trigger & Cross)” do Symphonic Fantasies, o que demonstra a fartura de músicas de Chrono Cross. Isso que ainda há tantas outras não aproveitadas. A singela canção dos créditos, originalmente apenas voz (da cantora Noriko Mitose) e violão, já havia sido traduzida para violino, violoncelo e piano no evento Destiny Reunion da própria Eminence, e adquiriu maiores proporções no opulento arranjo de Hayato Matsuo. Mais interessante, ele usou o mesmo recurso do Jonne Valtonen ao verter as partes do violão para a harpa. Aos poucos, o tema é repetido e variado, com forte utilização de metais graves e flautas, explodindo até o apogeu, e encerrando de maneira comedida na harpa. Meu veredicto definitivo só poderá ser dado na versão do CD.

“Shadow of the Colossus”

Shadow of the ColossusVerdade seja dita: o A Night in Fantasia é o concerto que mais rende homenagem à trilha do Shadow of the Colossus, não por menos o spalla Hiroaki Yura é amigo pessoal do compositor Kow Otani. Em todos as apresentações feitas pelo mundo, os segmentos reproduziam uma original ou emendavam várias músicas. Esse é o primeiro arranjo de fato, ou seja, uma interpretação alternativa, não literal, do Shadow. Uma ambiciosa suíte com dez minutos de duração, com Otani ao piano.

De início, me causou aflição por saber da participação da cantora Aika Tsuneoka, a mesma do Echoes of War, por não existir nenhum solo de vocal na trilha inteira. O pessimismo me acometeu quando a primeira intervenção dela me lembrou a “Children of the Worldstone”, mas felizmente aqui não parece que ela está cantando direto da garganta como no Echoes of War. O coral também atua, conferindo um clima sagrado.

Contudo, meu reconhecimento de faixas falhou, e só consegui identificar lembranças de “The Sunlith Earth” (3:00), “Prologue to the Ancient Land” (6:30), e acredito até que existam trechos originais, por isso também nem me arrisquei a detalhar por completo. Outra que precisa ser conferida no CD.

“Tonari ni…” (THE iDOLM@STER)
Original: “Tonari ni…”

Chiaki TakahashiTocar uma canção J-pop de um jogo de karaokê lançado apenas no Japão e para Xbox 360 é o que chamo de uma escolha audaciosa. Como a maioria das composições do Masaru Shiina, a “Tonari ni…”, que está registrada no álbum THE iDOLM@STER Master Artist 07 Azusa Miura, é pontuada por metais jazzísticos e baixo elétrico – que desapareceram na versão de Kazuhiko Sawaguchi. As palmas, o contracanto e outros elementos também foram suprimidos. Apesar da participação da cantora original Chiaki Takahashi e do coral, parece até outra canção. Ficou menos pop e mais erudito. Prefiro a original.

“Metal Gear Solid 2 / 3 Theme” (Metal Gear Solid 2 e 3)
Originais: “Metal Gear Solid Main Theme MGS 3 Version” ~ “Metal Gear Solid Main Theme” ~ “Metal Gear Solid Main Theme MGS 3 Version”

Metal Gear Solid 3: Snake EaterEsse arranjo não é novo, é o mesmo apresentado no A Night in Fantasia 2007: Symphonic Games Edition que alterna entre os temas principais do Metal Gear Solid 2 e 3. Inclusive havia publicado antes. Só não sabia que era da Natsumi Kameoka. Foi executado no encerramento, com Hiroaki Yura de bandana e tudo. A participação da bateria, reproduzindo as batidas sintetizadas das originais, é a melhor parte, sem esquecer do emocionante solo de violão no final.

Set list, agora com a ordem da apresentação:

Ato I

01 – Command and Conquer: Red Alert 3*
Composição: James Hannigan
Arranjo: Kazuhiko Sawaguchi

02 – Laputa, Castle in the Sky
Composição: Joe Hisaishi
Arranjo: Wataru Hokoyama

03 – My Neighbour Totoro
Composição: Joe Hisaishi
Arranjo: Wataru Hokoyama

04 – Princess Mononoke
Composição: Joe Hisaishi
Arranjo: Wataru Hokoyama

05 – Darksiders*
Composição e arranjo: Cris Velasco

06 – God of War II*
Composição e arranjo: Cris Velasco

07 – Soulcalibur
Composição: Junichi Nakatsuru
Arranjo: Shiro Hamaguchi

08 – Astro Boy
Composição: Tatsuo Takai
Arranjo: Shiro Hamaguchi

09 – Melancholy of Haruhi Suzumiya*
Composição: Satoru Kousaki
Arranjo: Shiro Hamaguchi

10 – Tsubasa Chronicles
Composição: Yuki Kajiura
Arranjo: Kazuhiko Sawaguchi

11 – Ace Combat V: The Unsung War
Composição: Keiki Kobayashi
Arranjo: Wataru Hokoyama

Ato II

12 – Death Note
Composição: Yuki Kajiura
Arranjo: Kazuhiko Sawaguchi

13 – Afrika
Composição, arranjo e regência: Wataru Hokoyama

14 – Chrono Cross
Composição: Yasunori Mitsuda
Arranjo: Hayato Matsuo

15 – Dragon Age: Origins*
Composição e arranjo: Inon Zur
Vocal: Aubrey Ashburn

16 – Prince of Persia
Composição e arranjo: Inon Zur

17 – Shadow of the Colossus
Composição, arranjo e piano: Kow Otani
Vocal: Aika Tsuneoka

18 – THE iDOLM@STER*
Composição: Masaru Shiina
Arranjo: Kazuhiko Sawaguchi
Vocal: Chiaki Takahashi

19 – Gears of War 2
Composição: Steve Jablonsky
Arranjo: Wataru Hokoyama

Bis

20 – Metal Gear Solid 2 / Metal Gear Solid 3*
Composição: Tappy Iwase e Harry Gregson-Williams
Arranjo: Natsumi Kameoka

* Não estarão registrados no CD.

A Night in Fantasia 2009

[via PALGN]

“A Violent Encounter ~Battle With the Colossus~” – Shadow of the Colossus (Rigor Mortis)

Por Alexei Barros

Na última vez que coloquei uma performance do Shadow of the Colossus no piano, Gustavo Hitzman prometeu: “A próxima música do Shadow que você postar aqui executada ao piano eu ligo para o conservatório e começo as aulas amanhã mesmo…”. Para reforçar o compromisso, ainda fez questão de reiterar. Então, gran maestro,  comece a esquentar os dedos.

Rigor Mortis nos oferece uma interpretação no piano de “A Violent Encounter ~Battle With the Colossus~”. Novamente, compreendo a complexidade da composição e a dificuldade de reproduzi-la em um instrumento, o que explica a falta de fidelidade em certas passagens. Mas não deixou de ficar maravilhosa.

“Revived Power ~Battle With the Colossus~” – Shadow of the Colossus (Rigor Mortis)

Por Alexei Barros

Ainda não consegui eleger uma música predileta da trilha de Shadow of the Colossus dentre a quantidade colossal de músicas maravilhosas, mas cheguei à conclusão que “Revived Power ~Battle With the Colossus~” é a minha favorita dos temas de batalha. A introdução imponente, as cordas pungentes, os metais faustosos… É praticamente impossível reproduzir tudo no piano, mas Rigor Mortis fez a sua versão. Apesar de não ser 100% fiel (nos comentários ele diz que precisaria de 30 dedos para deixá-la perfeita), ficou ótima:

“Grotesque Figures ~Battle With the Colossus~” – Shadow of the Colossus (Rigor Mortis)

Por Alexei Barros

Reproduzir obras suntuosas compostas para uma orquestra em um instrumento costumam resultar em meros arremedos. Mas o Rigor Mortis conseguiu um feito inacreditável: traduzir “Grotesque Figures ~Battle With the Colossus~” majestosamente no piano. Depois dessa vou fazer uma petição para o Shadow of the Colossus Piano Arrange. E, mais incrível, ele não é japonês (como costumam ser os virtuoses do Nico Nico Douga). É do Canadá.

Echoes of War: a eminência da Blizzard

Por Alexei Barros

Sempre quando tocava Warcraft no Video Games Live queria Shadow of Colossus no lugar. Em vez de StarCraft II, Ace Combat. E, o que pode causar espanto, quando apareceu Diablo III eu almejava Soul Calibur. Ainda não sei direito a razão – cogitei o fato de não conhecer as séries, o que, aliás, gerou uma interessante discussão sobre os diferentes efeitos da música gamística –, mas, em geral, as peças orquestradas dos jogos da Blizzard não me apetecem como as desses três títulos. Fiz a comparação porque são temas sinfônicos semelhantes: suntuosos, grandiosos e, quando tem coral, com letras em latim.

Subjetividades à parte, um dos grandes (e poucos) méritos do VGL, além das colaborações do Richard Jacques, é o de adicionar temas da Blizzard no set list com rapidez impressionante, antes mesmo do lançamento dos games. O VGL é um constante nos eventos da produtora, como no Blizzard Worldwide Invitational, em que foi apresentado pela primeira vez ao mundo o tema do Diablo III. Só que quem gravou a versão do trailer, lançada no Diablo III Overture – Single, foi a australiana Orquestra Sinfônica Eminence… Que, por sua vez, havia debutado o tema de World of Warcraft: Burning Crusade no concerto A Night in Fantasia 2007: Symphonic Games Edition.

Para selar a parceria da Eminence e Blizzard – e aumentar as vantagens em relação ao VGL –, acontece o anúncio do álbum duplo Echoes of War: The Music of Blizzard Entertainment, formado por músicas com arranjos inéditos das franquias Warcraft, StarCraft e Diablo. Escutaria por curiosidade, pois tenho acompanhado com atenção os trabalhos da Eminence. Entre os recentes, as trilhas de Valkyrie Chronicles e Soulcalibur IV – e que música mais fantástica é “Entwined Destiny”

Mas minha expectativa aumentou quando soube que a Eminence convidou dois compositores japoneses que admiro sobremaneira: Kow Otani, o mago por trás das tocantes músicas de Shadow of the Colossus, e o criativo Masaru Shiina, da Namco, autor das espetaculares trilhas de Mr. Driller Drill Land e Tales of Legendia. Não conhece? Escute apenas “Enemy Attack” do RPG. Otani escreveu uma faixa nova intitulada “Children of the Worldstone”, inspirada vagamente no universo de Diablo, e Shiina arranjou “Eradicate and Evolve” (StarCraft).

Embora não seja tão alardeada pelo site oficial, também há o envolvimento em nove músicas de Natsumi Kameoka, principal arranjadora do drammatica -The Very Best of Yoko Shimomura-, responsável pela releitura das duas faixas no Chrono Trigger Orchestra Extra Soundtrack, e ainda co-arranjadora do segmento de Wild Arms com Michiko Naruke no Press Start 2008 ~Symphony of Games~. Um projeto similar, que coloque mentes nipônicas em sintonia com ocidentais, só me recordo no momento do recente (e fabuloso) Symphonic Shades, em que o Yuzo Koshiro e Takenobu Mitsuyoshi releram composições do alemão Chris Huelsbeck.

Dia 1º de novembro sai por US$ 49,95 o Echoes of War: The Music of Blizzard Entertainment Legendary Edition, que além dos dois CDs inclui um DVD bônus, com cenas da gravação das músicas e entrevistas, um livreto de 32 páginas e 9 cards. Em 22 do mesmo mês chega o Echoes of War: The Music of Blizzard Entertainment Standard Edition, com os dois discos por US$ 29,95.

Não deixe de ver o trailer do projeto no site, além de ouvir os samples.

O set list, com as faixas originais que inspiraram as arranjadas:

CD 1

01 “Journey to Kalimdor” (Warcraft III): “Blackrock & Roll” ~ “Doomhammer’s Legacy”
02 “Eternity’s End” (Warcraft III): “Lordaeron Fall”
03 “A Tenuous Pact” (World of Warcraft): “The Shaping of the World” ~ “A Call to Arms” ~ “Intro Movie: Seasons of War” ~ “Legacy” ~ “Echoes of the Past” ~ “War”
04 “Anar’alah Belore” (World of Warcraft: The Burning Crusade): “The Sin’Dorei” ~ “Silvermoon City”
05 “The Betrayer and The Sun King” (World of Warcraft: The Burning Crusade): “Gates_9” ~ “Storm_2” ~ “Arrival_2” ~ “The Sundering” ~ “Flyby” ~ “Sunwell Bombing Run v2”
06 “The Visions of the Lich King Overture” (World of Warcraft: Wrath of the Lich King): “Wrath of the Lich King – Main Title” ~ “Northrend Trailer Music 2”

CD 2

01 “No Matter the Cost” (StarCraft):
“Main Theme” ~ “First Contact” ~ “Terrran 1” ~ “Terran 2” ~ “Terran 3” ~ “Terran Ready Room” ~ “Terran Defeat” ~ “Terran Victory” ~ “The Death of Overmind” ~ “Funeral for a Hero” ~ “Dearest Helena”
02 “En Taro Adun” (StarCraft): “Protoss 1” ~ “Protoss 2” ~ “Protoss 3” ~ “Protoss Ready Room” ~ “Protoss Defeat” ~ “Protoss Victory” ~ “The Ascension”
03 “Eradicate and Evolve” (StarCraft): “Zerg 1” ~ “Zerg 2” ~ “Zerg 3” ~ “Zerg Ready Room” ~ “Zerg Defeat” ~ “Zerg Victory”
04 “Victorious but not unscarred” (StarCraft & StarCraft: Ghost): “Brood War Aria”~ “Ghost Intro MX Stem LoRo”
05 “The Hyperion Overture” (StarCraft II): “SC2 Overture v1” ~ “SC2 Teaser Music”
06 “The Eternal Conflict” (Diablo II, Diablo II: Lord of Destruction): “Tristam” ~ “Rogue” ~ “Baal” ~ “Haals” ~ “Ancients” ~ “Siege” ~ “Ice” ~ “Fortress”
07 “Legacy of Terror” (Diablo III): “Diablo III Overture”
08 “Children of the Worldstone” (Diablo II, Diablo II: Lord of Destruction, Diablo III): “Diablo III Overture” ~ “Tristam”
09 “Last Angel” (faixa bônus)

[via Music4Games]


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: