Posts Tagged 'Kanagawa Philharmonic Orchestra'

Distant Worlds: music from Final Fantasy The Celebration: uma celebração aquém das tradições da série

Por Alexei Barros

O que faço comentando um Blu-ray que saiu há mais de um ano? Eu não deveria me importar tanto com a data de lançamento dos álbuns de game music, até porque as trilhas são atemporais. Mas o principal motivo é que a turnê Distant Worlds recentemente adicionou novos números no programa e quando fui ver os posts antigos percebi que passei batido por algumas novidades do ano passado. Então senti que devia reparar essa lacuna.

Lançado em junho de 2013, o Distant Worlds: music from Final Fantasy The Celebration registra o espetáculo comemorativo de 25 anos da série da Square Enix realizado no Japão com a Kanagawa Philharmonic Orchestra e o Real Singers of Tokyo sob a regência de Arnie Roth. Algumas partituras novas que estrearam no Final Fantasy Orchestral Album foram gravadas oficialmente em vídeo pela primeira vez, como “The Dreadful Fight” (FFIV), “The Mystic Forest” (FFVI) e “The Dalmasca Estersand” (FFXII) – segmentos que, se me dissessem que foram tocados uns anos atrás, eu acharia uma mentira. Fora isso, o concerto é carente de novidades mais relevantes, mas, ainda assim, há dois medleys mais ou menos inéditos. Mesmo que eles não sejam tão bons quanto deveriam, eles reservam algumas curiosidades interessantes.

10. “Chocobo Medley 2012″
Originais: “Choc-a-bye Baby” (Final Fantasy XI) ~ “Mambo de Chocobo!” (Final Fantasy V) ~ “Chocobos of Pulse” (Final Fantasy XIII)
Composição: Naoshi Mizuta, Nobuo Uematsu e Masashi Hamauzu
Arranjo: Arnie Roth e Eric Roth

A versão anterior do medley dos chocobos, “Chocobo Medley 2010″, combinava a “Bo-down” (FFXIV) e a “Brass de Chocobo” (FFX), que, por sua vez, era um segmento próprio de nome “Swing de Chobo” tocado desde o More Friends. A nova edição foi totalmente reformulada, agora com três faixas relacionadas às aves da série. A primeira delas, do FFXI, não traz a icônica melodia dos chocobos e, na realidade, é uma música cortada do jogo, embora tenha sido lançada no Final Fantasy XI Original Soundtrack Premium Box (ela está no sexto disco, que contém 18 faixas não aproveitadas). É a segunda vez que uma composição excluída foi orquestrada, já que a “Battle Scene 3″ (FFII) foi arranjada no Symphonic Odysseys. Se isso virar uma tendência, espero que não se esqueçam das faixas excluídas do FFIV e FFV.

Mas voltando aos chocobos… A  “Choc-a-bye Baby” é tocada em toda a sua singeleza, imitando com fidelidade os timbres da composição do Naoshi Mizuta. Essa delicadeza vai embora com a animação da “Mambo de Chocobo!” (FFV), em uma performance lúdica do coral que imita os urros da sintetizada. Com os coristas soletrando “chocobo”, é feita a transição para a fantástica “Chocobos of Pulse” (Final Fantasy XIII), que considero a melhor versão do tema dos chocobos e enfim encontrou seu lugar no Distant Worlds.

18. “Battle & Victory Theme Medley”
Originais: “Clash on the Big Bridge” (Final Fantasy V) ~ “Seymour Battle” (Final Fantasy X) ~ “Those Who Fight” (Final Fantasy VII) ~ “Fanfare” (Final Fantasy)
Arranjo: Arnie Roth e Eric Roth

Por mais que seja atraente a ideia de juntar três temas de batalha e mais a fanfarra da vitória, esse segmento parece feito no improviso, meio amador, meio aleatório. As transições não ficaram nada boas, e não tenho dúvidas que um arranjador do nível de um Shiro Hamaguchi faria algo muito melhor, isso se a ideia fosse apresentar um arranjo similar às originais. A “Clash on the Big Bridge” já aparecia em um segmento próprio e a “Those Who Fight” foi arranjada em releituras superiores (no Symphonic Fantasies e Symphonic Odysseys). A única novidade é a “Seymour Battle” (FFX), que havia participado uns anos atrás de uma enquete feita com o público para decidir qual música devesse ser arranjada. O trecho desse tema ficou decente, com boa participação da bateria e dos metais. Não sei se ela merecia um número só para ela, mas talvez o potencial da faixa não foi completamente explorado no meio das outras duas.

Ah, a apresentação está inteirinha no YouTube. Ou pelo menos enquanto a Square Enix não solicitar a retirada do vídeo.

Press Start 2014: a celebração musical de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS

Como na época do Super Smash Bros. Brawl, o Press Start foi no embalo de um lançamento da série. Neste ano, o primeiro ato inteiro e o bis tiveram relação com o novo jogo para o 3DS


Por Alexei Barros

Se você estava contando os dias para o lançamento de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS eventualmente soube que o jogo saiu 13 de setembro no Japão. Aproveitando a ocasião, o Press Start 2014 aconteceu nesse dia, com duas apresentações no Tokyo Metropolitan Art Space e performance da Kanagawa Philharmonic Orchestra com programa idêntico em ambas as ocasiões. O primeiro ato foi todo dedicado às músicas relacionadas com o jogo portátil, ao passo que o segundo foi mais variado. Seguindo a tradição, confira o set list detalhado para depois saber minhas observações sobre o concerto baseado nas informações que consegui filtrar do report da Famitsu.

Ato I

01. Super Smash Bros. for Nintendo 3DS: “Main Theme”
02. Super Mario Bros.: Medley
03. Super Metroid: “Space Warrior – Samus Aran’s Theme”
04. Star Fox: “Planet Corneria”
05. Donkey Kong Country: “Jungle Level”
06. Animal Crossing: New Leaf: Kotobuki Land Medley
07. Kirby’s Dream Land: “Green Greens”
08. Kid Icarus Uprising: “Dark Pit’s Theme”
09. The Legend of Zelda: Ocarina of Time: “Gerudo Valley”
10. Mega Man 2: Medley
11. Fire Emblem: Shadow Dragon: “Fire Emblem”
12. Pokémon X & Y: Battle! (Trainer Battle)

Ato II

13. Persona 4: “Poem for the Souls of Everybody” ~ “Reach Out To The Truth” ~ “A Corner of Memory”
14. Castlevania: Symphony of the Night: “Dracula’s Castle” ~ “Wood Carving Partita” ~ “Lost Painting” ~ “Dance of Pales” ~ “Death’s Ballad”
15. Etrian Odyssey: “Labyrinth I – Emerald Woodlands [Dungeon 1F~5F]” ~ “Battle – Initial Strike [Normal Battle – First Part]” ~ “Battle – Destruction Begets Decay [Normal Battle – Last Part]” ~ “Labyrinth V – The Fallen Capital of Shinjuku [Dungeon 21F~25F]”
16. Suikoden: “Into a World of Illusions”
17. Toukiden: “The Time of Oni” ~ “Ephemeral” ~ “March of Heroes” (Toukiden: The Age of Demons) ~ “ウタカタ・秋艶” ~ “千年ヲ駆ケシモノ” (Toukiden Kiwami)
18. Pokémon X & Y: “Title Screen” ~ “Kalos Region Theme” ~ “Lumiose City” ~ “Snowbelle City” ~ “The Sun Shines Down”
19. Final Fantasy XIII: “Vanille’s Theme” ~ “Blinded By Light” ~ “Final Fantasy XIII – The Promise”

Bis

20. The Legend of Zelda: Ocarina of Time: “Zelda’s Lullaby” ~ “Song of Storms” ~ Epona’s Song ~ “Song of Time” ~ “Saria’s Song”
21. EarthBound: “Onett”
22. Super Smash Bros. for Nintendo 3DS: “Staff Roll (Super Smash Bros.) Ver. 2″

Continue lendo ‘Press Start 2014: a celebração musical de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS’

Press Start 2014: antes da hora, os artistas do evento

Por Alexei Barros

A atualização com os instrumentistas e vocalistas do Press Start costumava suceder a revelação dos segmentos do set list, mas, neste ano, foi diferente. Com apenas oito segmentos confirmados, o site do concerto já trouxe a relação dos artistas que vão participar da apresentação no dia 13 de setembro. Felizmente, há alguns nomes novos desta vez e assim o post não fica tão repetitivo. O único problema é que com somente metade do programa confirmada fica difícil fazer as minhas especulações.

Kanagawa Philharmonic Orchestra

player_ph01A premiada orquestra já é velha conhecida do Press Start, tendo participado das edições 2008, 2010 e 2011. Com uma vasta discografia de registros de peças eruditas históricas, a Kanagawa Philharmonic Orchestra também é receptiva para outros tipos de mídia. Prova disso é que a orquestra já tocou em outras apresentações de games, como o Orchestral Game Concert 5, Distant Worlds: music from Final Fantasy e Distant Worlds: music from Final Fantasy The Celebration Returning Home.

Oriko Takahashi

player_ph04A soprano, que transita com naturalidade entre diferentes gêneros da música erudita, indo da música contemporânea ao barroco, já é uma artista conhecida do concerto. No Press Start 2007, ela cantou a “Main Theme” de Super Smash Bros. Brawl; no mesmo ano, solou na “Zero” do Ace Combat Zero: The Belkan War, número que ela reprisou no Press Start 2009; e nesse mesmo evento ela participou do medley de Persona 4 na icônica “Poem for the Souls of Everybody”. Já sabemos que o Persona 4 vai ser repetido no Press Start 2014, mas, se prevalecer a tradição de a Oriko Takahashi cantar dois números por concerto, provavelmente ela vai participar de outro segmento não revelado (não acredito que o tema principal do Brawl apareça no medley do Super Smash Bros.).

HIDE+HIDE

player_ph06A dupla formada por Hideki Ishigaki (shakuhachi) e Hideki Onoue (shamisen) ganhou um aditivo, já que a grafia mudou de HIDE-HIDE para HIDE+HIDE por algum motivo que não descobri. Eles colecionam três participações no Press Start, sempre tocando Okami: 2009, 2011 e 2013 (a primeira performance pode ser conferida em vídeo). Dos segmentos confirmados, é fácil imaginar pela presença de instrumentos folclóricos que o duo vai tocar Toukiden, embora isso não tenha acontecido na trilha original. Falando em Toukiden, a seleção de faixas do jogo foi alterada (atualizei o post com as mudanças).

Yoshiyuki Miyaji

player_ph07Pela primeira vez, o site do concerto anunciou a participação de um baterista, ainda que não seja novidade a presença do instrumento nas performances do Press Start. Mesmo assim, não consigo destacar algum dos segmentos anunciados que revele alguma participação mais contundente da bateria. Nascido em Tóquio, Miyaji já atuou em diversas bandas e musicais. Mais recentemente, vem tocando na companhia da NHK Symphony Orchestra. A julgar pela ausência do nome dele em créditos de álbuns no VGMdb, não parece ter experiência em trilhas de games.

Vagabond Suzuki

player_ph05O contrabaixista Masayuki “Vagabond” Suzuki que tocou em diversas gravações de trilhas de games e animes (especialmente animações, como dá para conferir pelo seu perfil no VGMdb) estreou no Press Start 2013. No ano passado, fiquei na dúvida se ele tocou baixo acústico ou elétrico e hoje posso dizer que… não sei. Apesar dessa foto do perfil mostrar ele com o baixo acústico, em alguns álbuns de sua discografia ele tocou baixo elétrico. E não há nenhuma imagem do report da Famitsu que mostre o instrumentista, tampouco alguma gravação da plateia salvadora para tirar a dúvida (há anos perdi as esperanças).

Haruo Kubota

player_ph03Compositor e orquestrador experiente, Kubota é figura conhecida do concerto desde a estreia, lá em 2006. No violão ou na guitarra, ele participou de todas as edições do Press Start, com exceção de 2011 e 2012. Neste ano, porém, não consigo destacar nenhum segmento entre os oito revelados que apresente alguma preponderância desses instrumentos como já aconteceu em outros anos. Vamos ver como ele vai participar. Se manter a média, deve tocar em um ou dois números.

Tomoki Ihira

player_ph02Sabendo que Kubota assumirá o violão ou a guitarra, chama a atenção que a apresentação tenha mais um guitarrista/violonista. Na verdade, isso não é totalmente uma novidade, uma vez que no Press Start 2009 a “Zero” foi tocada com duas violões como pede a original, sendo que, além do Haruo Kubota, a performance contou na ocasião com o Takanori Goto. Tomoki Ihira, por sua vez, é um nome novo no Press Start. Ele tem experiência em shows de diferentes artistas, como o grupo vocal EXILE, aquele do Street Fighter IV. Pelo VGMdb, dá para ver que ele já participou da gravação de algumas trilhas de animes. Mas no Press Start 2014 nem vou arriscar um palpite de como será sua participação.

[via PRESS START]

Concerto de 30 anos de Nobunaga’s Ambition celebra a riqueza musical da série

012

A série Nobunaga’s Ambition já foi apresentada nos concertos Orchestral Game Concert 2 (1992) e 3 (1993). Os segmentos da franquia foram regidos pela própria compositora Yoko Kanno

 Por Alexei Barros

Enquanto no Ocidente os concertos dedicados a uma série específica vão de Final Fantasy a Zelda sem muitas variações, no Japão há espaço para outras franquias, como Ace Attorney, Monster Hunter e até Phantasy Star. A mais recente série a entrar nesse rol é a magnânima saga Nobunaga’s Ambition (Nobunaga no Yabou no Japão).

Das 22 músicas tocadas, sete foram assinadas por Kousuke Yamashita

No dia 29 de março (olha a demora para fazer o post de novo), o Yokohama Minato Mirai Hall em Kanagawa foi o palco do concerto comemorativo de 30 anos da longeva série estratégica da Koei. A apresentação foi prestigiada pelo criador de Nobunaga’s Ambition e atual presidente da produtora, Youichi Erikawa, que também é conhecido pelo pseudônimo Kou Shibusawa.

A diferença do Nobunaga’s Ambition para essas outras séries é que ela já tem uma história em concertos de games. Nos cinco Orchestral Game Concert, Nobunaga’s Ambition e outras franquias da Koei dividiram o repertório com jogos da Nintendo, Square e Enix. Além disso, a série possui uma discografia muito vasta e de altíssima qualidade, com álbuns orquestrados desde o final dos anos 80 com a maestria da Yoko Kanno, que anos depois se consagraria como uma compositora de animes, com músicas nos mais variados estilos. Infelizmente, a Yoko Kanno não esteve presente, mas o primeiro ato do concerto foi dedicado em sua maioria às composições dela, como a icônica fanfarra de abertura “Overture ~Nobunaga’s Ambition~”. Já o segundo ato foi praticamente dominado pelas músicas do genial Kousuke Yamashita, que inclusive foi o maestro do espetáculo, conduzindo a Kanagawa Philharmonic Orchestra.

O concerto teve algumas surpresas, não se limitando à série Nobunaga’s Ambition. Foi tocado ainda o tema principal de Sangokushi (conhecido no Ocidente por Romance of the Three Kingdoms), além de “Dream of the Wanderer” (Genghis Khan II: Clan of the Gray Wolf) e a  “Geten no Hana ~ Amor” (Geten no Hana). Essa última música inclusive foi interpretada em português pela Grace Mahya, que também toca piano nessa canção.

Ayaka Hirahara roubou a cena do espetáculo, cantando duas músicas – uma delas sem relação com a série Nobunaga’s Ambition

Outra artista que participou do espetáculo foi a Ayaka Hirahara, que os fãs do Okami já puderam conhecer pela performance da “Reset”. No concerto de Nobunaga ela cantou a “Shine -Mirai He Kazasu Hi No You Ni-”, uma versão lírica estendida da “Overture ~Nobunaga’s Ambition~”. Até onde eu sei, essa releitura não foi feita para algum jogo da série, mas sim foi apresentada como uma nova música como parte do repertório da cantora.

Além dessa, a Hirahara cantou a “Jupiter”, originalmente uma peça orquestral da suíte The Planets do compositor inglês Gustav Holst. Sem relação com Nobunaga’s Ambition, a versão lírica dessa faixa foi a responsável por catapultar a carreira da cantora, que a partir de então se notabilizou por interpretar diversas releituras de músicas eruditas. Por fim, vale destacar a performance especialíssima no shakuhachi de Gazan Watanabe, que já havia tocado nesses álbuns orquestrados de estúdio, como o  Nobunaga no Yabou: Zenkokuban / Sangokushi, de 1989.

Como sempre, fica a torcida para o lançamento do concerto em CD, o que não parece improvável, considerando a dedicação e tradição da Koei em álbuns de game music – não por menos, em dezembro de 2013 saiu a caixa Nobunaga’s Ambition 30th Anniversary CD Box, com 14 CDs.

Segue abaixo o set list tocado no espetáculo. Eu se fosse você conferia algumas dessas músicas. Fico devendo apenas o tema principal do Sangokushi, já que o nome da faixa não bateu com o álbum da trilha correspondente.

Gazan Watanabe (direita) participou de vários álbuns da série com o seu shakuhachi

Ato I

01. “Overture ~Nobunaga’s Ambition~” (Nobunaga no Yabou: Zenkokuban)
02. “Opening ~Rival Chiefs Rising to Action~” (Nobunaga no Yabou: Sengoku Gun’yuuden)
03. “The Beacon” (Nobunaga no Yabou: Bushou Fuuunroku)
04. Prologue to the Supreme Ruler (Nobunaga no Yabou: Haouden)
05. The Hawk of Turbulent Times (Nobunaga no Yabou: Tenshouki)
06. “Main Theme” (Sangokushi)
07. “Opening” (Nobunaga no Yabou Online)
08. “To Distant Friends” (Nobunaga no Yabou: Sengoku Gun’yuuden)
09. “Dream of the Wanderer” (Genghis Khan II: Clan of the Gray Wolf)
10. “Geten no Hana ~ Amor” (Geten no Hana)

Ato II

11. “Neverending Dream, Heat Haze (Shikoku)” (Nobunaga no Yabou: Shouseiroku)
12. For a Glorious Tomorrow (Siege Battle · Medium) (Nobunaga no Yabou: Reppuuden)
13. Field of Evening Calm -Ending- (Nobunaga no Yabou: Ranseiki)
14. “Land of Profusion -Opening-“ (Nobunaga no Yabou: Soutenroku)
15. The Path of Righteousness Pierces the Sky -Supreme Ruler Theme (Nobunaga)- (Nobunaga no Yabou: Tenka Sousei)
16. Trace of Light of the Warrior -Ending- (Nobunaga no Yabou: Kakushin)
17. Thoughts of Different Possibilities -Initialization- (Nobunaga no Yabou: Tendou)
18. “Shine -Mirai He Kazasu Hi No You Ni-“ (álbum What I am)
19. “Wind of Ambition” (Nobunaga no Yabou: Souzou)

Bis
20. “Jupiter” (álbum Odyssey)
21. “Rebirth” (Nobunaga no Yabou: Souzou)
22. “Overture ~Nobunaga’s Ambition~” (Special Edition) (Nobunaga no Yabou: Zenkokuban)

Composição: Yoko Kanno (01~06, 08, 22), Kenji Kawai (07), Shinichiro Kawakami (09), Shin-ichiro Nakamura (10), Kousuke Yamashita (11~17), Ayaka Hirahara e Yoko Kanno (18), Masako Otsuka (19, 21), Gustav Holst (20)
Arranjo: Kousuke Yamashita (22)
Letra: Ayaka Hirahara (18, 20)

Grace Mahya fez uma improvável participação sentada ao piano, cantando uma música em português

[via Famitsu, 4Gamer.net, Game Watch]

“Heavens Divide” – Metal Gear Solid: Peace Walker (Press Start 2010 ~Symphony of Games~)

Por Alexei Barros

E não é que depois de tantos anos de secretismo e reclusão, o Press Start abriu os cofres e está liberando mais gravações em vídeo? Tudo isso poderia acontecer em DVD que já seria excelente e requisitado há muito tempo. Agora… de graça e no YouTube?

O melhor é que desta vez trata-se de uma performance que não havia sido liberada antes: a canção “Heavens Divide” do Metal Gear Solid: Peace Walker tocada no Press Start 2010 – o jogo tinha sido lançado em abril daquele ano. Mesmo que a execução da música seja basicamente a mesma da versão da trilha sonora original, é outra coisa ver e ouvir não só a voz potente da Donna Burke, como as cordas majestosas da Kanagawa Philharmonic Orchestra e o pungente violão de Haruo Kubota. O acompanhamento da bateria, que vai crescendo de potência, ficou ótimo e, ainda bem, não atropelou a solista e o restante da orquestra como é muito comum de acontecer nesse tipo de apresentação. Isso é que é concerto!

Álbum com arranjos de Muramasa traz faixa executada no Press Start 2010


Por Alexei Barros

Se há um compositor consagrado que é negligenciado nos concertos de games este é Hitoshi Sakimoto. Uma das raras ocasiões em que ele teve uma música executada foi no Press Start 2010, apresentação que contou com uma inusitada performance de Muramasa: The Demon Blade, aquele RPG de ação da Vanillaware para Wii. A trilha não é só dele; também participaram outros compositores da Basiscape, como Masaharu Iwata e Azusa Chiba. O medley, porém, compreende somente duas faixas assinadas pelo Sakimoto.

Um acontecimento raro desses não podia se perder no tempo e, felizmente, a gravação foi incluída no álbum Oboromuramasa Ongakushuu Hensou no Maku, lançado dia 1º de outubro de 2011. Isso que o jogo saiu em 2009. Dane-se o hype! O CD conta com versões arranjadas dessa mesma galera da Basiscape enfatizando as raízes do Japão Feudal com o uso de instrumentos típicos como erhu e shakuhachi, a exemplo das fabulosas trilhas de Okami e da série Samurai Shodown já homenageadas em edições anteriores do espetáculo nipônico. Todavia, eu me limitarei a comentar o segmento do Press Start 2010 que é arranjado por Shuhei Kamimura, do time interno da Company AZA, o qual também fez o arranjo da “Professor Layton and the Curious Village”.

“Muramasa: The Demon Blade” (Press Start 2010)
Originais: “Introduction” ~ “Impermanence”

Composição: Hitoshi Sakimoto
Arranjo: Shuhei Kamimura
Tsugaru Shamisen: Takemi Hirohara
Shakuhachi: Kohei Matsumoto
Guitarra: Haruo Kubota

Não é fácil conciliar orquestra e guitarra em uma performance ao vivo. Também não é fácil conciliar orquestra e instrumentos folclóricos japoneses ao vivo. E o que dizer de uma execução ao vivo com orquestra, guitarra, tsugaru shamisen e shakuhachi? Somente o arrojo por conciliar elementos tão díspares é digno de aplausos, ainda que o resultado não seja exatamente memorável.

A primeira diferença para ambas as originais são as intervenções da guitarra durante a peça, instrumento que inexistia anteriormente. Sem coral na apresentação, não há algum elemento que remeta aos timbres de coro da composição do jogo.

Na “Introduction”, o tsugaru shamisen não toca desde o início, entrando apenas em um trecho mais incisivo. Apesar do vazio no momento em que surge a “Impermanence” (em 2:19), a colagem entre uma e outra foi feita sutilmente, sem pressa. O shakuhachi faz o solo, imitando a original (a partir de 1:39), com a mesma participação recorrente da harpa. Depois de alternâncias do shakuhachi e orquestra, todos os instrumentos se juntam no desfecho, e a mistura incrivelmente funciona. Gostaria de ouvir uma segunda opinião, mas minha impressão é que a reverberação, ainda que não seja a ideal, não ficou tão alta como no Press Start The 5th Anniversary.

Press Start 2011: contemporâneo e nostálgico; épico e diversificado

Por Alexei Barros

Após o lançamento do mediano álbum Press Start 5th Anniversary e as enfadonhas reprises na comemoração dos cinco anos de existência dos concertos no Press Start 2010, o Press Start 2011 veio para retomar no dia 14 de agosto o principal motivo de estima pela série japonesa de récitas: seleções magistrais de jogos japoneses, velhos e novos, alguns difíceis de imaginar em outros espetáculos do gênero.

Comentarei as escolhas de faixas mais detalhadamente após o Hadouken, mas pareceu ter sido um evento extraordinário, o que faz aumentar o desejo pelo segundo CD. Na condução de Taizo Takemoto, a Kanagawa Philharmonic Orchestra tocou no Shinjuku Bunka Center Hall, em Tóquio, às 14 e depois às 18 horas locais. Vale lembrar que, pela primeira vez, será realizada uma terceira apresentação no Japão, marcada para o dia 19 de setembro em Nagoya, com a Nagoya Philharmonic Orchestra no Century Hall do Nagoya International Conference Hall e regência de Kosuke Tsunoda. Continue lendo ‘Press Start 2011: contemporâneo e nostálgico; épico e diversificado’


RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr brawlalliance_banner_copy

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.593 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: