Posts Tagged 'Jules Buckley'

“Metal Gear Solid Main Theme” – Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty (Games in Concert: The Greatest Hits)

Por Alexei Barros

O que pretendo com esse vídeo de uma música que já teve seu momento de brilho nos concertos de games antes de se tornar um dos segmentos mais mastigados de todos os tempos? Bom, não iria comentar se fosse qualquer performance…

Antes, sinto a necessidade de contextualizar a história por trás da “Metal Gear Solid Main Theme”, apesar de ser relativamente conhecida. Composto por Tappy Iwase, baterista da banda de jazz fusion Kukeiha Club da Konami e que depois seguiu como instrumentista em diferentes bandas e artistas de jazz, o tema foi usado na divulgação do primeiro Metal Gear Solid, mas no jogo em si a faixa está meio escondida. Para ouvi-la, é necessário terminar o jogo duas vezes e, na terceira, a “Metal Gear Solid Main Theme” toca no encerramento em vez da “The Best Is Yet To Come”. A popularidade da música aumentou com o arranjo “Metal Gear Solid Main Theme” de Harry Gregson-Williams que toca na abertura de Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty. O mesmo motivo foi aproveitado em um pungente solo de violão na “Metal Gear Solid Main Theme MGS 3 Version”. Mas então…

O Hideo Kojima foi alertado sobre a notória semelhança da música com os segmentos “Troika” e “Winter Road” da suíte Snow Storm criada em 1975 pelo compositor russo Georgy Sviridov (1915-1998). Embora nunca tenha visto alguma declaração do Tappy sobre isso, a Konami preferiu abandonar o tema e, desde o Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots, ele não é mais utilizado. A sucessora “Metal Gear Saga” desse jogo aproveita o motivo da “Metal Gear Solid Main Theme MGS 3 Version”.

Lamentável que isso tenha acontecido, considerando que a música na versão do Metal Gear Solid 2 ficou bastante icônica, especialmente por ter sido tocada em diversos concertos pelo mundo. Se não me equivoco, isso aconteceu pela primeira vez no Second Symphonic Game Music Concert (2004) na Alemanha, e essa mesma partitura foi tocada nas apresentações da turnê PLAY! A Video Game Symphony, com arranjo do Fabian Del Priore e orquestração do Nic Raine. Essa versão e a que foi executada no Press Start 2006, que tem arranjo do Kousuke Yamashita, são totalmente acústicas, substituindo a bateria eletrônica da original pela bateria física, em diferentes níveis de participação. A única partitura que usa o playback para reproduzir a percussão eletrônica é a arranjada pelo Lennie Moore para o Video Games Live, que também se distingue das demais por interromper o tema principal com uma aparição bem inserida da “Encounter” do primeiro Metal Gear Solid.

Dito tudo isso, por que trago este vídeo do Games in Concert: Greatest Hits? O concerto holandês tocou a música logo em seu concerto de estreia, em 2006, e não existia nenhum registro decente da performance. E mesmo se houvesse, na ocasião ela tinha a dispensável participação do Eboman (lembra-se de como ele arruinou a execução de Shenmue?). Felizmente, essa reprise não conta com o rapaz.

Além do mais, a Metropole Orchestra arrebentou aqui mais uma vez. Somente no começo há o uso dos efeitos eletrônicos, mas depois a performance conta com a bateria física em uma atuação espetacular. Talvez ela tenha ficado apenas um pouquinho acima dos demais instrumentos que o ideal (lembrando que essa é uma gravação amadora), porém me surpreendeu os comentários no YouTube que achincalharam o baterista holandês Joost Kroon. De maneira alguma ele acoberta o resto da orquestra da forma como li – dá para ouvir muito bem as cordas.

Mas não acaba na bateria. Um diferencial em relação a todas as outras versões é que, além do baixo elétrico (que nem dá para ouvir tanto), a guitarra desempenha um papel fundamental – não há esse instrumento na faixa original. No início, o guitarrista usa até um slide durante o uso dos efeitos eletrônicos, então ele se junta à orquestra para depois despontar no clímax em um solo arrebatador. Coisa que só a Metropole Orchestra consegue fazer.

Anúncios

“Main Theme” – L.A. Noire (Games in Concert: The Greatest Hits)

Por Alexei Barros

L.A. Noire é um jogo que considero um tanto controverso. Trata-se de uma superprodução, mas uma superprodução cheia de problemas. Uma certa reviravolta inexplicável na história, um final no mínimo estranho e mistérios policiais que se resolvem sem exigir quase nenhum esforço do jogador… Ainda assim, o jogo tem méritos, como as expressões faciais simplesmente absurdas dos personagens (graças ao uso da tecnologia MotionScan), o comportamento extremamente convincente dos NPCs e sobretudo a ambientação que recria a Los Angeles dos anos 40 com perfeição. Nesse último item, claro, a trilha sonora tem grande importância, com músicas da época (como se esquecer da impagável “Smoke! Smoke! Smoke! (That Cigarette)” tocando na rádio nos momentos mais inapropriados?) e peças jazzistas especialmente compostas para o jogo – os temas de perseguição automobilística são empolgantes.

A “Main Theme” é um dos destaques da parte musical: um jazz relaxante que se ouve na tela-título. Essa música foi a única seleção inédita do Games in Concert: The Greatest Hits, que marcou o retorno desse subestimado e pouco conhecido espetáculo realizado na Holanda em 2014. Até então, eu sabia apenas da existência do vídeo do ensaio dessa faixa, mas felizmente encontrei esta gravação em ótima qualidade. Como sempre, a Metropole Orchestra tirou a música de letra, apesar de algumas diferenças em relação à composição original. O solo de trompete não é tão pausado como na versão do jogo, que aguarda as intervenções do piano e ainda dialoga com o saxofone. Mas essas cordas majestosas, a bateria suave com baquetas vassourinhas, além do baixo elétrico (na original é baixo acústico) e da guitarra (instrumento ausente na original)… uma pintura. Ironicamente, a única imperfeição da performance que consegui detectar é justamente do trompetista. Em 0:58 dá para notar uma engasgada no solo. Apesar disso, é mais uma performance de alto nível dessa orquestra maravilhosa que é a Metropole Orchestra.

O inacreditável, impensável e inimaginável retorno do espetáculo holandês Games in Concert

Abandonando o telão, o Games in Concert regressou ao palco com grandes hits dos concertos passados

Por Alexei Barros

Peço desculpas pelo excesso de adjetivos e redundâncias no título, mas não pude me conter ao saber desta bomba: o espetáculo holandês Games in Concert, que dava como morto e enterrado depois de seis anos inativo, voltou aos palcos! O regresso aconteceu em 14 de maio – na verdade eu só soube disso dias depois, se não já teria avisado aqui no blog.

Antes de falar dos detalhes do retorno, vou justificar minha empolgação. O Games in Concert surgiu em 2006 em uma parceria do site Gamer.nl e da NCRV Radio. Em 2007, além do sucessor Games in Concert 2, foi feita uma apresentação extra no festival Lowlands e, por fim, ocorreu o derradeiro Games in Concert 3 em 2008. Apesar de pouco badalada pelo mundo, essa série de concertos sempre foi um sucesso local, com casa cheia em todas as ocasiões. Por isso, achei muito estranho acabar assim do nada. Mas, na entrevista ao site Gamer.nl, o atual produtor do Games in Concert, Gert-Jan Blom, esclareceu o motivo: era muito caro para a NCRV Radio produzir o espetáculo e optou por cancelá-lo, tanto que a rádio não esteve envolvida nesse retorno, o que provavelmente vai implicar em uma redução dos gastos de produção. Mas ele disse que há a intenção de voltar a fazer do Games in Concert um concerto anual. Viva!

Agora sem o envolvimento da NCRV Radio, o Games in Concert retornou com a esperança de voltar a fazer apresentações anuais

Para mim, o maior atrativo do Games in Concert é a Metropole Orchestra (ou Metropole Orkest), que mistura instrumentos sinfônicos convencionais de uma orquestra (violinos, flautas, trompetes etc.) com o de uma big band (saxofones, além de baixo elétrico, guitarra e bateria). Se é que é preciso dizer, isso possibilita tocar uma variedade de músicas muito maior do que os concertos convencionais, o que é perfeito para a diversidade de estilos em músicas de games. Não por acaso, a Metropole Orchestra recentemente tocou na trilha original do Mario & Sonic at the Sochi 2014 Olympic Winter Games. Ao vivo, essa mistura funciona tanto quanto em estúdio, apresentando uma sonoridade homogênea. Não é raro ver uma guitarra junto com uma orquestra, mas é um imenso desafio fazer com que ela não atropele os demais instrumentos. Na Metropole Orchestra, as cordas não somem quando a guitarra aparece. Para completar, os arranjos costumam ser competentes e algumas seleções de repertório fogem do convencional.

Isso garantiu performances fantásticas, as quais eu já publiquei aqui há alguns anos: “A Deus” (Grandia II), música cantada em português que nunca apareceu em outro lugar; “Today” (Burnout Revenge), em uma releitura revolucionária; Tetris, que inclui não só a “Type A”, mas também a “Type B”; “Still Alive” (Portal), em um arranjo jazzístico que foi a première da badalada canção; Metroid Prime 2: Echoes, em uma improvável adaptação do tema da tela-título para orquestra; e, especialmente, a faixa que considero a execução mais extraordinária de todas, a “Moon Over the Castle” (Gran Turismo), que apresentou a parte do coral com perfeição e adicionou metais à seção com banda.

Fora as performances que não foram compartilhadas, como “The Best Is Yet To Come” (Metal Gear Solid), tema de encerramento que jamais apareceu em outro concerto, e a  “Theme of Laura” (Silent Hill 2), que, apesar de manjada, teve a melodia tocada por um saxofone e não uma guitarra na original, além das faixas cujas gravações foram apagadas do YouTube: “Good Egg Galaxy” (Super Mario Galaxy) e  “Main Theme” (Mafia). Minha fascinação pela Metropole Orchestra me levou a procurar por outras performances da orquestra sem relação com games, aumentando minha admiração por esses holandeses (tema, quem sabe, para outro post).

Tendo enfim explicado os detalhes, falemos do retorno. Conduzido pelo maestro Jules Buckley, o concerto deste ano aconteceu no Royal Theatre Carré em Amsterdã e contou também com a participação do PA’dam Choir, que já apareceu nas edições dos anos anteriores. Pelas gravações, notei que a parte de show foi bastante simplificada, e o telão foi excluído. Por decisão do produtor Gert-Jan Blom, que afirma na entrevista não ser um jogador de videogame, isso aconteceu porque ele acredita que a imagem dos games já está na mente dos jogadores e prefere que a música fale por si própria. Sábias palavras.

O nome da edição 2014 – Games in Concert: The Greatest Hits –, mostra que a ideia era mais para comemorar a volta à atividade do que propriamente apresentar grandes novidades. Isso se traduziu, devo confessar, em um set list manjado e ultrapassado, com músicas que já foram mais chamativas. O único segmento inédito é a  “Main Theme” do L.A. Noire, que inclusive teve um trecho do ensaio publicado no YouTube.

De todo modo, espero que uma apresentação mais pé no chão como essa os dê tempo para as apresentações mais ousadas de antigamente, com, por exemplo, o próprio Mario & Sonic at the Sochi 2014 Olympic Winter Games ou então Mario Kart 8, que tal? Eles seriam capazes de tocar qualquer uma das faixas na trilha.

Infelizmente, fui incapaz de encontrar algum report que informasse exatamente a ordem das músicas tocadas no programa (no Japão, isso nunca aconteceria), o que me causa espécie. O set list divulgado no Gamer.nl antes do concerto está apenas em ordem alfabética e ainda por cima incompleto. Por isso, vou me limitar a informar somente a lista de faixas executadas (com os links para as originais) e em que ocasião elas já foram mostradas na série Games in Concert. Provavelmente ainda publicarei vídeos dos segmentos mais interessantes que não mostrei por aqui.

– Battlefield 1942: “Main Theme” (Games in Concert)
– BioShock: “Welcome to Rapture” (Games in Concert 3)
– Bubble Bobble: “Theme” (Games in Concert 3)
– Command & Conquer: Red Alert 3 : “Hell March 3” (Games in Concert 3)
– Donkey Kong Country: “Theme” (Games in Concert 3)
– Final Fantasy VII: “One Winged Angel” (Games in Concert)
– God of War: “Revenge and Redemption” [“The Great Sword Bridge of Athena” ~ “The Vengeful Spartan”] (Games in Concert)
– Halo: “Halo” (Games in Concert)
– Hitman: Blood Money: “Main Title” (Games in Concert 2)
– Killzone: “Helghast March” (Games in Concert 2)
– L.A. Noire: “Main Theme” (inédita)
– Metal Gear Solid 2: “Main Theme” (Games in Concert)
– Shadow of the Colossus: “The Opened Way ~Battle With the Colossus~” (Games in Concert 2)
– Super Mario Bros.: “String Quartet Medley” [“Overworld” ~ “Underwater” ~ “Underworld” ~ “Overworld”] (Games in Concert 1 e 2)
– Super Mario Galaxy: “Good Egg Galaxy” (Games in Concert 3)
– The Legend of Zelda: “Overworld” (Games in Concert 2)
– World of Warcraft: “Main Title ~ Legends of Azeroth” (Games in Concert)

[via Facebook e Gamer.nl (set list, entrevista, report)]


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: