Posts Tagged 'Game Band'

“Persona 4 Medley” – Persona 4 (Game Addict’s Music Ensemble 4th Concert)

Por Alexei Barros

Persona 4 foi uma imensa surpresa no PlayStation 2 em 2008, quando a atual geração já estava em voga. Seu impacto ecoa até hoje. Afinal, foi por causa desse clamor que o PS Vita teve a versão Golden no final do ano passado. Infelizmente, mais uma vez, não estive preparado para uma jornada de 100 horas e me limitei a ouvir a trilha sonora. Até já perdi a conta de quantos shows da série foram feitos enfocados nesse jogo (alguns inclusive eu creio ter passado batido), mas sempre com os vocalistas acompanhados por uma banda muito competente. A única tentativa de levar o jogo para uma sala de concerto foi, claro, no Press Start 2009. O segmento “Persona 4”, que, por sorte, está registrado no Press Start 5th Anniversary, é ótimo, enfocando o lado sinfônico/erudito da trilha. Mas para que existem as orquestras japonesas pró-amadoras senão para misturar as duas coisas em performances imprevisíveis?

Novamente temos a excelente orquestra de sopro Game Band, acompanhada pelo coral Chor Crystal Mana. Antes do medley principal, há uma minimiscelânea com três músicas, simulando a troca de canal de um televisor. Eu imagino que isso deve ser uma referência ao jogo que só quem conhece vai compreender, então peço desculpas pela ignorância. A “Jika Net Tanaka”, aliás, é do Persona 3. Mas já lamento pela referência à “specialist” ser tão breve – nem deu para sentir o gostinho.

Chegado o medley, temos a impactante “Pursuing My True Self” reproduzida maravilhosamente no piano e na bateria. A Game Band já mostra a que veio com o naipe de metais no trecho da abertura que, na original é sintetizado, e nos shows com banda é reproduzido por um mero saxofone. Com todos os metais, fica outra coisa. Mas aí vem a parte cantada que definitivamente tira o brilho da performance. É muito interessante a ideia de colocar o coral todo para cantar a parte que é entoada apenas pela Shihoko Hirata na original, mas o sotaque japonês muito forte (a letra é em inglês), deixa um clima de karaokê na performance.

Sem nenhuma transição (a Game Band não se importa muito com elas), temos na sequência a erudita “Poem for the Souls of Everybody”, que também tem toda a participação do coral e não só de uma soprano. Como o coro não articula nenhuma palavra, o resultado é muito melhor do que na “Pursuing My True Self”.

Mudando da água para o vinho, o medley volta a ficar animado com a jazzística “Like a dream come true”, com o sax fazendo a vez do teclado da original. De novo alterando o clima, a misteriosa “Who Is There?” aparece, seguido pela obrigatória “Reach Out To The Truth”. O guitarrista está de parabéns por escolher um timbre muito semelhante à original, e os metais mais uma vez roubam a cena por desbancar aquele solitário saxofone dos shows oficiais. Só a parte cantada não é tão boa quanto, até porque as apresentações tem os cantores originais, mas mais uma vez é válida a ideia de colocar o coral para encorpar a parte cantada. Aqui, o sotaque não comprometeu muito.

Finalmente o medley tem uma cadência melhor com a inserção da “The Genesis”, que, na trilha original, é uma versão instrumental da “Reach Out To The Truth”. Até já poderia ter acabado aí, mas vem a empolgante “Period”. Para finalizar, tem a “Never More” com o coral arrematando a performance que você nunca vai ver igual em um concerto ocidental.

– “Persona 4 Medley”
“Jika Net Tanaka” ~ “Theme of Junes” ~ “specialist”

“Pursuing My True Self” ~ “Poem for the Souls of Everybody” ~ “Like a dream come true” ~ “Who Is There?” ~ “Reach Out To The Truth” ~ “The Genesis” ~ “Period” ~ “Never More”

Anúncios

“Secret of Mana Medley” – Secret of Mana (Game Addict’s Music Ensemble 3rd Concert)

Por Alexei Barros

Acabou. Comentário após comentário, post após post… Para cada vez que citava Secret of Mana, eu teimosamente questionava: quando vão orquestrar a “Danger”, o tema que embala as batalhas contra chefes no RPG do Super Nintendo? Enfim a espera se encerrou na apresentação Game Addict’s Music Ensemble 3rd Concert, com a performance da Game Band, uma orquestra pró-amadora (evidentemente) japonesa que já desfilou por aqui algumas poucas vezes.

Como em outras oportunidades, isso é sinônimo de que o arranjo em si não é tão elaborado ou arrojado e mais fiel na emulação de timbres. A primeira constatação sobre a simplicidade da releitura se observa na total ausência de transições, com pausas entre uma faixa e outra. Porém, a seleção de músicas capta a experiência do jogo como um todo, a ponto de não me lastimar por determinadas ausências.

Com o piano e as madeiras, a Game Band começa obviamente pela “Angel’s Fear”, da tela-título. Mas, quando entram as trompas, elas não vêm sozinhas. Junto chega o baixo elétrico, instrumento que eu acho indispensável para qualquer execução de Secret of Mana, uma vez que a maioria das músicas do jogo apresenta linhas de baixo alucinantes.

Em seguida, tenho a primeira morte decretada com a “The Color of the Summer Sky”, um tema animado reproduzido primeiro no saxofone e depois com outros metais, acompanhados pelo xilofone essencial. Passando para a exploração nos gramados verdejantes, a simpática “Into the Thick of It” se destaca pelo violão e a incidência de outros instrumentos. Eis então que…

“Danger”! A performance mostrou que a faixa pode ser plenamente tocada por uma orquestra sem nenhuma perda na empolgação da música – basta escolher os instrumentos certos. Até mesmo o começo, que é um pouco mais repetitivo, ficou perfeito com a guitarra caótica. Mas são os metais que reproduzem a melodia avassaladora, com as incríveis alternações do xilofone e do baixo e guitarra. Morri mais uma vez. Para não cansar, a ideia de mostrar apenas um looping da faixa foi acertada.

Para acalmar o clima, a “Still of the Night” me faz lembrar dos cenários abertos iluminados apenas pelo luar com a parceria do piano e da flauta. Para avisar de que um perigo está por vir, a “The Dark Star” chega com os metais, terminando com mais calmaria. Nem precisava me matar de novo, mas a breve alusão da “Leave Time for Love” me cativou com os metais afiados.

A “Meridian Dance”, a faixa que costuma ser a mais escolhida depois da “Angel’s Fear”, aparece em uma ótima rendição nas madeiras e depois metais. As madeiras, inclusive, são as responsáveis pela reprodução da progressão harmônica, dando lugar para o domínio completo dos metais.

Eu já estava morto desde a “Danger”, mas, como se isso tudo não fosse bastante, a Game Band finaliza com o tema de encerramento “The Second Truth from the Left” para fazer eu me revirar na tumba. O pique jazzístico caiu muito bem aqui, incluindo aquela intermissão com piano, bateria e solo de baixo que aparece do nada na música original, ainda que não perfeitamente reproduzido (especialmente o baixo).

Depois de tantos óbitos, não me resta outra opção senão a de aplaudir como fez o público local. Essa performance merece ser de pé, porque preencheu muitas lacunas e cumpriu vontades que vinham de anos.

“Secret of Mana Medley”

“Angel’s Fear” ~ “The Color of the Summer Sky” ~ “Into the Thick of It” ~ “Danger” ~ “Still of the Night” ~ “The Dark Star” ~ “Leave Time for Love” ~ “Meridian Dance” ~ “The Second Truth from the Left”

 

“Ending Theme” – Final Fantasy VI (Game Addict’s Music Ensemble 1st Concert)

Por Alexei Barros

E o arranjo oficial da “Ending Theme” do FFVI, quando sai? O mais indicado para adaptar os 21 minutos que condensam alguma das melodias mais marcantes da aventura memorável sem dúvidas é Shiro Hamaguchi, pela intimidade com as composições do Nobuo Uematsu, haja vista os concertos mais recentes da série.

Enquanto isso não acontece, compartilho mais uma iniciativa amadora, ou melhor, pró-amadora. Digo mais uma porque em abril de 2009 mostrei a “Ending Theme” executada por um proficiente conjunto de cordas de uma apresentação intitulada Nico Nico Quartet + The First Concert Vol.6. Ou pelo menos assim o vídeo estava identificado.

Desta vez trata-se de uma orquestra completa, a Game Band, que havia estreado por aqui com o “Romancing Saga 3 Medley”. A montagem do vídeo dá preferência às imagens do jogo, o que facilita a relação entre os personagens e os temas, enquanto a performance aparece em um quadrinho minúsculo. Por lá dá para ver que se trata de uma orquestra com uma boa quantidade de instrumentistas. Coisa de 60 pessoas eu chutaria.

Já aviso que não é uma atuação perfeita, e aponto o dedo para os metais capengas. Apesar disso, o trecho da “Edgar and Sabin” (2:24) é de arrepiar, e a instrumentação da parte da “Relm” (8:23) ficou maravilhosa, traduzindo fielmente os timbres da sintetizada, em alternância de flauta, piano e oboé.

Enfim, aprecie, com um desconto para as mazelas da execução da Game Band.

 

“Romancing SaGa 3 Medley” – Romancing SaGa 3 (Game Addict’s Music Ensemble 2nd Concert)

Por Alexei Barros

Passeando pela primeira oportunidade nos palcos imundos do Hadouken está a Game Band, mais uma da extensa família de orquestras pró-amadoras japonesas que não espera pelos arranjos oficiais e produz material próprio. Já conhecia há um bom tempo por meio de links dos outros grupos, só não existia vídeos até agora pouco. Como a Famicom Band também se arrisca nas encenações cômicas durante a performance, que infelizmente quem não jogou não compreenderá em sua plenitude – o que conseguir é porque está habituado com os vícios da Square. E se a FCB atacou com um medley de Romancing SaGa 2, a Game Band já foi para a sequência lançada em 1995 para Super Famicom.

Qualquer tema de luta do Kenji Ito nesta época, quando adaptado para instrumentos de uma orquestra – aliás, somente de sopro, nada de cordas –, o resultado é explosivo, e não poderia ser diferente na sequência fatal “To the Battlefield…” (1:25), “Battle 2” (3:58) e “Four Demon Nobles Battle 2” (4:49). Como se não fosse o bastante, incluíram uma das músicas mais sensacionais que normalmente os concertos ignorariam. Não há como pensar diferente, “Superhero Robin’s Theme ~Evil Never Prevails!~” (2:35) é um tema de tokusatsu! Para fechar, a “The Pro-fes-sor’s Theme” (7:14) acaba com a maior cara de musical da Broadway.

Tenho a impressão de à direita do palco ver um baixista, pena que a qualidade do áudio não está adequada o suficiente para ouvir o instrumento que é extremamente frequente nas composições do Kenji Ito na era 16-bits, como comentei em outras oportunidades.

– “Romancing SaGa 3 Medley”

“Opening Title” ~ “To the Battlefield…” ~ “Superhero Robin’s Theme ~Evil Never Prevails!~” ~ “Battle 2” ~ “Four Demon Nobles Battle 2” ~ “Theme of Annihilation ~ “The Pro-fes-sor’s Theme”


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: