Archive for the 'PS2' Category



Notas sobre o Team Ico

Por Gustavo Hitzschky

Súplica inicial: preciso de ICO original. De qualquer forma. Por obséquio, alguém conhece alguém?

Não tem jeito, para mim Shadow of the Colossus está no Top 5 dos cinco melhores jogos all time best favorite ever. E o grande Walter Paiva, meu amigo/ex-aluno, me mandou um grato link há alguns dias sobre curiosidades acerca da produção de ICO e o supracitado SofC.

Várias coisas bem bacanas, como artworks, imagens in-game de colossi que foram deixados de fora por conta das limitações do hardware do PS2, e até uma explicação sobre a linguagem criada por Fumito Ueda e Kenji Kaido, e presente nos jogos do Team Ico.

Porém, na minha opinião, nada supera as ligações entre a Bíblia e a história de Shadow of the Colossus. Simplesmente incrível. Até perguntei para o meu avô se ele conhecia as passagens mencionadas. Vão na fé.

Súplica final: ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO ICO. Anyone?

MGS3: SE Frenzy

Por Claudio Prandoni

Geralmente eu fico no frenesi apenas logo após terminar um game (aconteceu com o Twin Snakes, Crisis Core e Justice for All). Todavia, MGS3 era um game que exigia certo tempo de reflexão antes de ser comentado.

Como diz maestro Barros, é um game “denso”. Cheio de referências aos episódios anteriores (ou seriam posteriores?), entremeando-se à História real e refinando de maneira primorosa a fórmula stealth consagrada da série adicionando ainda elementos de sobrevivência.

Tendo em vista que no momento me encontro em ambiente litorâneo e assim desprovido da grotesca lápide, ainda me abstenho de comentar MGS4 – mesmo porque seu eu quisesse não conseguiria, uma vez que o cabeludo Toperão, vulgo Hitz, surrupiou de maneira larápia o jogo do reduto.

Ainda que MGS3 já tenha certa idade nas costas, evitarei aqui spoilers. Assim, prefiro destacar um video absolutamente hilário produzido pela Kojima Productions e mostrado numa conferência (não lembro exatamente qual) que acabou sendo incluído como vídeo secreto no Metal Gear Solid 3: Subsistence.

Em Snake Eraser nosso amigo andrógino Raiden tenta garimpar de volta o posto de personagem principal de MGS eliminando Big Boss Naked Snake durante as operações Virtuous Mission e Snake Eater. Obviamente, ele fracassa miseravelmente, mas quem sabe no MGS5, né? Ah, e o segmento final é absolutamente fantástico para a galera nostálgica retrô (aka. Alexei).

Mas não acaba por aí: depois do salto dimensional discorro acerca de uma teoria minha sobre MGS3. Mas cuidado já que aqui não terei pudor em revelar spoilers.

Continue lendo ‘MGS3: SE Frenzy’

Alex! Kidd! Alex Kidd! Ele voltou! [fanboy mode on]

alexkidd.jpg

Por Claudio Prandoni

O Douglas Vieira alçou a bola e o mestre Alexei arrematou pro gol.

Aliás, o Alexei que me perdoe, mas parte dos confetes e fogos de artifício que compramos para celebrar o lançamento de Super Smash Bros. Brawl terão de ser redirecionados a uma causa nobre: o lançamento de Sega Superstar Tennis.

Não. Não sou Seguista (como o PH) ou tenista (como mestre Hitzman). Mas sou Alexkiddista, ou seja, é praticamente um dever cívico celebrar com toda pompa e circunstância a confirmação de que o legítimo herdeiro ao trono de mascote da Sega voltará à ação. Confirmação via a sempre sagaz Game Informer e o aficionado Sega Nerds.

Tem mais: será a primeira aparição tridimensional do garoto. Será que ele voltará com visual renovado, malandro que nem o Sonic pra bater de frente com ele? Ah, ninguém será páreo para a milenar técnica do Shellcore e a perspicácia telepática de Alex nos jogos de jankenpô.

Quem diria. Em um post anterior comentei (mais por hábito do que verdadeira esperança) que seria mancada se não tivesse o Alex Kidd no jogo. E a Sega não deu mancada. Um fato raro, diga-se de passagem. Parece que ela e o Sonic Team realmente estão achando o caminho de volta à glória.

Guitar Hero III para PS2 é horroroso

Por Gustavo Hitzschkyguitar-hero-iii.jpg

Talvez seja a idade. Talvez o meu nível de rabugentice esteja extrapolando os ponteiros. Talvez eu não tenha mais paciência para tolerar esse tipo de coisa. Ou então pode até ser que eu tenha o mínimo de razão no meio disso tudo.

Em tempo. O título do post não se refere, de forma alguma, ao set list do jogo, que é o melhor da série. Apesar de o game ter saído no ano passado, só pude jogá-lo pela primeira vez ontem, e me deparei com emoções bem extremas. Qual não foi a minha surpresa ao perceber que a canção inicial era nada menos que Slow Ride? Quase fui às lágrimas, que só foram contidas pela indignação gerada pela imagem seguinte que vi ao selecionar esta música para tocar.

Por favor, será que estou ficando mais biruta do que já havia sido diagnosticado? O que vocês acham do gráfico do GHIII para PS2? Olha, sinceramente achei um retrocesso brutal. Como a terceira versão de um clássico pode ser pior visualmente do que seus antecessores, justamente em um período em que as developers já aprenderam a usar todo o potencial do console?

E se você ainda não teve a oportunidade de conferir, faça-o: é brincadeira. E não é um detalhezinho que está mais mal feito, não. É absolutamente tudo! Com o perdão da hipérbole admitida, parece gráfico de PS one. Dá até para ver uns quadradões dantescos, os modelos dos personagens aparentemente contam com um visual realista, o que deu origem a bonecos bem toscos. O público tampouco é melhor, e de novo se limitam a movimentos sincronizados como símios adestrados.

Porém, meus amigos, nada, mas nada supera os movimentos do baterista. Minha patroa viu e concordou, e disse que ele parecia o coelhinho da Duracell tocando. Falando sério, é uma coisa travada, feita às pressas e sem o mínimo de esmero. Até a popular esteira por onde passam as notas, na ausência de uma denominação mais adequada, está bizarra. Nem a inscrição “You Rock!” do final se salva (modo mala on).

Este é o melhor Guitar Hero de todos. Mas será que custava investir um pouquinho mais nos gráficos? Eu tenho vergonha de mostrar esse jogo aos meus amigos. Poderia falar assim para eles, “não fica de olho aberto, só aproveita as músicas que vocês não estão perdendo nada”. Que afronta.

Artwork do dia: Colossal Katamari

colossal-katamari_small.jpg

Por Claudio Prandoni

Pouco a dizer, muito a apreciar.

Sugestão do excelente pesquisador mestre Barros, que por sua vez achou esta imagem no rico blog Team ICO Gamers, que no caso achou a artwork por meio do fórum Pixelation. Ah, a imagem é de autoria de um usuário chamado Snake.

The Legend of the Colossus

Por Alexei Barros

Wander e Agro. Link e Epona (hã?). São perceptíveis as semelhanças entre Shadow of the Colossus e Zelda: Twilight Princess nos vídeos de abertura. Vai dizer que você nunca reparou nisso? Para comprovar, um usuário do YouTube interpolou algumas cenas dos dois jogos:

Kairi é uma cheerleader heroína

haydenkairi_mini.jpg

Por Claudio Prandoni

Descoberta totalmente sem querer: conversava eu com um amigo pela Internet sobre Heroes quando ele começou a falar da Claire Bennet, a cheerleader invencível, interpretada pela atriz Hayden Panettiere.

Ele me mandou o link do perfil da loirinha no IMDB e eis que vendo a carreira dela constatei que ela dublou a Kairi nos dois jogos da série Kingdom Hearts para PlayStation 2.

Não muda a vida de ninguém, mas achei bem curioso.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: