Final Fantasy XV Live at Abbey Road Studios: quase uma hora da genialidade musical de Yoko Shimomura

Por Alexei Barros

Neste movimentado feriado de 7 setembro, com os anúncios do PlayStation 4 Pro e de Super Mario Run para iPhone e iOS, a Square Enix organizou um concerto de Final Fantasy XV no Abbey Road Studios. Alguns afortunados puderam presenciar a performance da London Philharmonic Orchestra e do London Philharmonic Choir, mas o espetáculo foi transmitido ao vivo no YouTube e no Twitch. O mais bacana de tudo é que a própria compositora Yoko Shimomura esteve presente com toda a sua simpatia e ainda tocou piano na última música.

A Shimomura havia sido escalada para o jogo quando Final Fantasy XV ainda era Final Fantasy Versus XIII. Aliás, o projeto vem de tão longe que a primeira faixa que ela compôs para o jogo, a “Somnus”, estreou no álbum drammatica lá de 2008. Tanto essa música, como a “Omnis Lacrima”, presente no disco memória!, foram executadas.

O concerto comprova mais uma vez a capacidade da Shimomura de criar melodias memoráveis, seja em músicas mais introspectivas ou mais pomposas, com direito a coral em latim e ênfase em passagens no piano. Entre as faixas, surpreendeu a aparição, ainda que breve, da bateria e das guitarras na “Veiled Agression”, em um recinto adjacente ao da orquestra e do coral. No mais, a trilha do Final Fantasy XV promete estar entre as melhores da série apenas por essa breve amostragem.

Para assistir o espetáculo na íntegra, vá direto ao play ali embaixo. Se preferir ouvir as faixas individualmente, clique no nome da música correspondente.

01. “Song of the Stars / Dawn”
02. “Fight Fantastica”
03. “Nox Aeterna”
04. “Luna”
05. “End of the Road”
06. “Wonferful View”
07. “Starlit Waltz”
08. “Noctis”
09. “Omnis Lacrima”
10. “Veiled Agression”
11. “Somnus”
12. “Appocalypsis Noctis”

Anúncios

10 Responses to “Final Fantasy XV Live at Abbey Road Studios: quase uma hora da genialidade musical de Yoko Shimomura”


  1. 1 Farley 08/09/2016 às 8:38 am

    Eu assisti ao vivo e achei muito bom. A trilha sonora, de fato, está incrível e adorei a presença carismática da Yoko Shimomura (o ponto alto foi ela tocando piano, haha). E acho legal essa iniciativa da Square Enix, espero que façam mais desse tipo de evento.

    Agora fui só eu ou os microfones estavam mal equalizados? Em vários momentos não dava pra ouvir direito o coral ou o piano, por exemplo. A sensação que eu tive foi que houve algum problema técnico.

    Até gostei das músicas novas, mas esperava que o tema de Noctis fosse mais intenso e marcante — até a própria Shimomura comentou isso. Para mim, os pontos altos foram “Veiled Agression” (sou suspeito pra falar isso, pois é a minha música de batalha favorita no jogo até agora), “Somnus” (gosto dessa versão com o violino) e “Appocalypsis Noctis”.

    • 2 Alexei Barros 08/09/2016 às 12:29 pm

      Eu acho que é grande a probabilidade de essa iniciativa virar tendência. Eu me lembro que na época do Final Fantasy XIII fizeram um miniconcerto no Japão que só deu para acompanhar incompleto e por gravações amadoras. Os tempos mudaram…

      Fiquei surpreso com a participação da Shimomura. Se não me engano, ela comentou em alguma entrevista que ficava nervosa em performances.

      Eu acho que você tem razão sobre a equalização imperfeita. É até estranho constatar isso, considerando que eles estão no ambiente mais propício para captação do som…

      Também estou com você nas preferências das músicas. Desde a trilha do Last Ranker eu queria ouvir mais músicas da Shimomura com coral e, pelo que ouvimos até agora, o Final Fantasy XV terá várias faixas pomposas.

  2. 3 Storm 08/09/2016 às 5:09 pm

    incrível como shimomura é uma pessoa tão simples e reservada por fora, mas tira de dentro essa energia pra compor trilhas épicas.

    adorei o concerto, é possível que essa acabe sendo minha OST favorita da série (Somnus, Omnis Lacrima, e Nox Aeterna são ainda imbatíveis depois de tanto tempo).

  3. 5 Marcelo 31/12/2016 às 12:55 am

    Depois de ter zerado Final Fantasy XV, concluo que é a mais fraca OST dentre os canônicos, e entre os spin-offs continua não tendo muita vantagem. Opinião também compartilhada por meu amigo que começou a jogar agora.

    Sabe? Não é ruim… Mas… Não me comoveu. Não fiquei com nenhuma música na cabeça (não é o significado de ”Música Chiclete”, Axé, Funk e etc. que fixam na mente de alguns infelizes. Mas de uma música contagiante, memorável, que perpetua com você pelo tempo e melhora com cada nova versão através dos anos), e além da OST ser meio que apagada, o modo que é conduzida através do jogo a torna ainda mais mortinha.

    O até então mais fraco trabalho dos canônicos, feito por Hamauzu em Final Fantasy XIII, me despertou mais atenção.

    Pra série, no futuro próximo espero bons rearranjos pro remake de Final Fantasy VII. E a participação ativa de velhos compositores nos prováveis games do trigésimo aniversário da série. Uematsu tem que estar nessa. E, mesmo ele tendo dito que não foi requisitado no remake do VII, mas vai saber? Seus feitos ainda continuam sendo de longe os mais grandiosos na parte musical da franquia. Que ele tenha boa participação nos projetos desse trigésimo aniversário.

    • 6 Alexei Barros 31/12/2016 às 7:58 pm

      Fala, Marcelo!

      Acredita que eu ainda não parei para ouvir a trilha do FFXV de ponta a ponta?

      Do pouco que eu escutei nos concertos e das faixas avulsas, tinha ficado com uma boa impressão, por isso me surpreende um pouco que você não tenha gostado da trilha sonora. Apesar disso, é totalmente compreensível.

      Agora, eu noto que as trilhas do FFXII e FFXIII já eram bastante divisivas. A do FFXII vi comentarem por aqui que não é nada perto do FFVII, mas em fóruns li que a trilha é uma obra-prima sinfônica. O FFXIII eu acho genial, mas me disseram que é uma trilha sem sal…

      Mesmo a trilha do FFXIV, que é do Uematsu, eu gostei, mas não achei que chega no nível de inspiração das músicas do FFI a FFVI, que são as minhas favoritas.

      Eu acho até compreensível que o Uematsu não participe do remake, como ele raramente faz arranjos, seja de músicas dele ou de outros compositores. Acho que ele só seria convocado para compor músicas novas…

      Em termos de arranjos do FFVII, acho que não vai acontecer, mas os nomes mais indicados para mim seriam o Tsuyoshi Sekito e o Kenichiro Fukui, que eram, a meu ver, os integrantes mais talentosos nos arranjos do The Black Mages e fizeram um trabalho incrível na trilha do Advent Children.

      • 7 Farley 31/12/2016 às 8:42 pm

        Eu acredito que é uma questão de gosto mesmo. Ouvi a trilha do FFXV quase toda e achei excelente, tem várias faixas memoráveis e algumas bem impressionantes (principalmente os temas de batalha).

        Agora uma coisa eu concordo com o Marcelo: o modo em que ela é utilizada no jogo é bem mediano. A equalização de som é ruim (a maioria das músicas tem volume muito baixo), o uso das faixas é estranho (muitos momentos sem música alguma, até entendo isso por conta da proposta e tal, mas por conta disso só consegui ouvir melhor algumas músicas direto da OST) e algumas são repetidas o tempo todo. Por fim, também faltou um pouco de impacto sonoro em certas cenas — mas aí isso já junta com os outros problemas do jogo.

        Assim como o Alexei, também acho excelente a trilha do FFXIII — mais uma vez questão de gosto, haha…

        • 8 Alexei Barros 31/12/2016 às 9:03 pm

          Pois é, ainda acho a trilha do FFXIII uma das melhores da série!

          Muito interessante o seu comentário sobre a utilização das músicas no jogo. Eu acredito que isso seja culpa do desenvolvimento atribulado do FFXV, com mudanças de diretor, de plataforma e até de engine… Faltou um refinamento nesses detalhes.

          Um caso parecido aconteceu comigo com o FPS Haze do PlayStation 3. Antes de jogar, eu tinha ficado impressionado com uma música da trilha. Para ouvi-la no jogo, eu realmente precisei fazer força para escutar alguma coisa – isso com fones de ouvido!

  4. 9 Marcelo 02/01/2017 às 10:57 pm

    A trilha sonora de Yoko Shimomura é bela, mas com exceção de alguns temas (Somnus e o tema com flauta do mapa, como sendo alguns dos meus preferidos), devo confessar que não achei de grande destaque (os temas de combate são ótimos, mas podia ter mais deles). Caracterizaria como funcional, mas você sabe que sua trilha sonora tem um problema quando tem que competir com o fato de que o jogo permite que seus jogadores comprem trilhas sonoras dos Final Fantasy passados em lojas espalhadas pelo mundo para escutar no carro enquanto dirige (e sim, por incrível que pareça de vez em quando me vi colocando o trajeto até uma sidequest no automático e indo de carro apreciando as vistas do mundo enquanto escutava alguns dos meus temas favoritos da história da série).

    Sobre o Uematsu, Final Fantasy XIV etc. não é uma coisa que sinto só com ele. Por exemplo, Koichi Sugiyama, eu estou com a mesma impressão que o velhinho simpático não está mais com a mesma forma. Desde Dragon Quest IX que as composições dele tem ficado com menor impacto, no próprio IX tirando ”Angelic Land” e outras poucas já achei que caiu do VIII pra baixo. No X eu baixei tudo da OST, das versões Midi a Orchestra, não sei se ouvindo no jogo melhora (por enquanto nem tem como), mas também achei pior. Agora, nesse último trailer do novíssimo Dragon Quest XI para PS4/Switch/3DS, não sei se foi o infortúnio do local utilizado e a música da localidade, mas achei uma música bem a desejar, ainda mais vindo do mestre Sugiyama. Torço pra OST não ser tão fraca assim, ou que seja só essa música e apenas algumas outras.

    Mas não são só esses dois, posso numerar diversos outros compositores que eram melhores em épocas passadas: Yasunori Mitsuda, David Wise, Kenji Ito, Tanioka (essa eu não sei como realmente andas e andou nos últimos tempos. Depois vou até pesquisar) etc. E por melhor que algumas músicas do Uematsu sejam nos últimos tempos, é meio complicado comparar com um Final Fantasy VI ou IX (minhas OSTs preferidas da série. E do Uematsu também!). Lost Odyssey, Blue Dragon, The Last Story, Final Fantasy XIV uns mais recentes como Granblue tem OSTs ótimas, só que não tão boas como passadas.

    Isso também é um pouco de teoria. Não é só na música. Normalmente sempre uma coisa vai à ascensão, chega ao clímax e cai e normalmente se estabiliza e pode ter outras ascensões ou até quedas. Sempre assim. Claro, isso com caras fodas. E tem gente que diz que alguns compositores eruditos nunca caíram, tipo Bach, mas é difícil dizer quando muita da obra do cara foi perdida.

    Sobre Final Fantasy VII Remake, meu chute é que será feita pelos compositores do Crisis Core. Mas espero que eles realmente reflitam e não deixem a OST sem identidade. É complicado quando você tem um jogo com ótimas músicas, mas que já sofria na época com algumas utilizações de notas estridentes duvidosas (mas tem seu charme). Se quiserem florear demais, pode sair algo decepcionante. Nesse caso acho que rearranjar as músicas do Remake seria interessante refazer pensando mais na nova qualidade sonora do que mudar a música. Por isso que já li muito por ai que é só refazer conduzindo as músicas por uma boa orquestra. Os compositores do Remake de Final Fantasy III fizeram um ótimo trabalho, gosto deles (se lembrem que no DS, as músicas rodavam em menor qualidade. Muito menor. Até me assustei, pois ouvi a OST no PC e depois no DS). Mas enfim, tenho certeza que deve ser alguém que compôs já pra Compilation of Final Fantasy VII.

    • 10 Alexei Barros 17/01/2017 às 2:35 pm

      Desculpe a demora abissal, Marcelo! O trabalho pegou forte aqui já no começo do ano…rs

      Também, depois de tanto tempo, não poderia responder sem antes ter escutado a trilha toda, o que acabei de fazer agora pouco. Eu ainda quero conferir como as músicas ficam no jogo, mas escutando as faixas avulsas eu confesso não ter ficado tão impactado assim quanto esperava. Apenas os temas de combate são mais bombásticos. Eu me lembro que ouvindo a trilha do FFXIII minha reação tinha sido totalmente diferente.

      Concordo sobre a série Dragon Quest! A do VIII acho que foi a que mais se destacou das trilhas recentes.

      En relação aos outros citados, tenho gostado muito das mnúsicas do Yasunori Mitsuda fora dos games. A trilha do NHK Special “Uchuu Namachuukei Suisei Bakuhatsu Taiyoukei no Nazo” é primorosa e ele já assinou músicas excelentes na série de anime Inazuma Eleven.

      Já o Uematsu, uma trilha que eu gostei mais do que as outras é do Lost Odyssey. Sobre os compositores do FFVII Remake, creio que deve ficar entre os músicos do Crisis Core mesmo, bem observado.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: