Time Trax: uma trilha à frente do tempo no Mega Drive que só veio à tona em 2013


Por Alexei Barros

Acredito que 98% dos posts que escrevo aqui são de compositores japoneses – o restante é dedicado a poucos nomes ocidentais que gosto, como David Wise e Richard Jacques. Mais recentemente, entre tantos caras citados em sites de game music, passei a admirar o trabalho do britânico de nome Tim Follin, que os mais inteirados em jogos antigos já devem conhecer.

Como Yuzo Koshiro, o Tim Follin é um daqueles compositores das antigas que tiravam leite de pedra, conseguindo reproduzir timbres inacreditáveis com chips de som limitados – incrível que, seja por falta de orçamento ou talento, mesmo sem essas restrições, há músicos de hoje em dia que não acertam a mão nos timbres (estou pensando na trilha sintetizada do The Last Story quando falo isso).

Seja no NES, SNES ou então computadores como o Amiga e Commodore 64, ele deixou sua marca com aquelas músicas que você coloca em dúvida se aquilo saiu mesmo de um videogame – ou de um computador.

Um dos trabalhos dele que mais me impressionaram foi para a lata do lixo – isso até julho de 2013. A série de ficção científica de TV Time Trax (desconheço por completo) originaria duas adaptações 16-bit, uma para SNES e outra para Mega Drive. Como de praxe na época, isso ia provocar mais uma discussão entre usuários dos consoles para ver qual delas era melhor. Só que, nesse caso, quem teve um Mega Drive, nem teve chance de argumentar, porque essa versão foi cancelada.

Para cada versão foi escalado um compositor diferente: Richard Joseph, compositor falecido em 2007, ficou com o SNES, ao passo que Tim Follin ficou com o Mega. Por ironia, com todo o respeito ao Joseph que descansa em paz, o trabalho dele não foi nem sombra do Follin, justamente a trilha que foi feita para nada porque o jogo não foi lançado. Para completar, a trilha do Time Trax foi a única que Follin compôs para o Mega Drive e que usaria um driver de som relativamente avançado desenvolvido por Dean Belfield, programador da época do ZX Spectrum e Amstrad CPC.

Já há algum tempo, alguém subiu no YouTube o tema da tela-título e fiquei completamente absorto pela genialidade da música. Felizmente, em julho de 2013, a ROM do protótipo foi dumpada e a trilha ripada, permitindo conhecer mais cinco músicas que Tim Follin havia feito para o jogo. Os nomes acredito não serem oficiais, apenas são identificações genéricas para diferenciar uma faixa da outra.

Comentarei brevemente cada uma delas e peço que você faça o favor de ouvi-las. Todas. Mais de uma vez, se possível. As faixas estão separadas aí embaixo, mas, se você preferir, pode escutá-las continuamente via YouTube.

00:00 – “Title”

Choque… É inacreditável que essa densidade tenha saído do chip YM2612 da Yamaha. Se você prestar atenção, a sonoridade não deixa mentir que se trata de um Mega Drive. Em meio às múltiplas camadas de sons, surge um timbre que lembra mais uma guitarra, seguindo por linhas melódicas criativas. Genial!

04:42 – “Mission Objective”

Essa música provavelmente tem os cinco segundos iniciais mais fantásticos da história do Mega (frase que não deve ser levada a muito sério, porque foi dita por alguém que jogou poucos clássicos do console). Reminiscências dos sons espaciais da tela-título aparecem e, lá para um minuto, a música ganha uma pegada mais jazzística. Mais um pouco e e eu me sentiria navegando pelos menus do Gran Turismo…

12:28 – “Ingame 1”

A meu ver não tão inspirada quanto as demais, a faixa apresenta uma introdução com muita cara de música de jogos de computador em MIDI. Quem jogava FPSs na época do DOS deve se sentir em casa (eu me senti).

04:42 – “Ingame 2”

Retornando à pegada do tela-título, o timbre de guitarra dá o ar da graça, mas os solos alternados são alucinantes e surpreendentes. Para fechar, a guitarra também surge em um solo empolgante.

12:28 – “Ingame 3”

Tema mais pesado que, entre grandes momentos da guitarra sintetizada, apresenta timbres bem característicos do chip de som do Mega Drive.

17:49 – “Game Over”

Apenas 15 segundos de uma guitarra berrante e sons psicodélicos. Tira na hora a frustração de o jogo ter acabado…

8 Responses to “Time Trax: uma trilha à frente do tempo no Mega Drive que só veio à tona em 2013”


  1. 1 Cledson Cledman 21/07/2013 às 11:04 am

    Ouvirei! eu tenho uma revista que na época ja tinha comentado da trilha desse jogo, mas eu nunca havia visto ele nas locadoras naquele tempo! Vou conferir!

  2. 2 E. Shiroma 22/07/2013 às 7:08 pm

    Muito legal você comentar sobre essa trilha sonora, Maestro!

    Conheço o trabalho dos Follin (Tim e Geoff) há uns cinco anos, quando ouvi algumas composições do Commodore 64 no YouTube. Quanto à trilha sonora de Time Trax, também a conheci no YouTube após ver nos vídeos relacionados de um vídeo que pus em meu canal, a música de abertura do Mega Drive. Como já conhecia o jogo, achei que fosse algo falso, mas descobri então que haviam planejado uma versão do jogo para o console.
    Assim como você, gostei imediatamente do som no Mega Drive, bem mais inspirado que no Super NES. Como não entendo de música como você, restringirei-me aqui a escrever um pouco mais sobre a série de TV e o jogo.

    Você citou que desconhece “por completo” a série Time Trax, e isso não me surpreende. Acho que sou um dos poucos brasileiros que a conhece e assistiu a todos os episódios. A série foi exibida no Brasil em 1996-1997, legendada, no Warner Channel, ou seja, poucos viram, porque o acesso ficou restrito à televisão paga. Além disso, os dois primeiros episódios da série foram condensados, tornando-se um filme de duas horas que foi distribuído pela Warner Home Video para locadoras brasileiras. O filme se chama: “Time Trax: Um detetive do futuro”. Foi também exibido no Brasil na TV paga uma única vez, em 2004, no canal TNT.

    Conheci o jogo numa locadora que frequentava, e fiquei estupefato ao ver que existia um jogo de Time Trax. Na ocasião não havia a caixa original do jogo, e sim uma caixa genérica de cartucho com um artigo “Direto dos E.U.A.” da Super Game Power, creio eu, colado nela, analisando-o. O jogo retrata os dois primeiros episódios da série (ou o filme), não fielmente, como se pode imaginar.

    Bem, por fim, agradeço por compartilhar os links do protótipo da ROM e da trilha sonora do Mega Drive! Parece-me que, pelo vídeo que vi, a versão ficou impressionantemente semelhante a do Super NES em termos gráficos. Sendo assim, acho que só o som é que as torna basicamente diferentes.

  3. 3 Guilherme 22/07/2013 às 8:40 pm

    Uau!! Mais uma vez, muito obrigado. Só pela música esse jogo deveria ter sido lançado, nem que fizessem o cartucho só para tocar as músicas, valeria muito a pena. Lindo, calando mais uma vez a boca dos que falam mal do som do Mega… Na mão de pessoas competentes ocorrem pequenos milagres

  4. 4 Alexei Barros 23/07/2013 às 4:28 pm

    @ Cledson

    Você se lembra de qual revista que era, Cledson? E você se recorda também se a revista falava da versão do SNES ou chegavam a mencionar o Mega Drive?

    @ Shiroma

    Eu é que agradeço por comentar, Shiroma!

    Inclusive não me surpreende, porque eu me lembro que tinha percebido que foi você que subiu no YouTube a versão da música da tela-título do SNES.

    Valeu pelos comentários sobre a série! Olha que eu assistia o Warner Channel nessa mesma época (era mais desenhos animados e sitcoms mesmo), mas não me lembro de ter assistido ao Time Trax… Nem sabia que chegou a passar assim no Brasil.

    E, que coisa hein, se só o som que mudava de uma versão para a outra, a do Mega fica em uma vantagem absurda…

    E você me lembrou que precisou ouvir mais músicas dos irmãos follin do C64 também! Por enquanto, escutei poucos trabalhos dele, além do Time Trax, como o Plok! e o Spider-Man and the X-Men in Arcade’s Revenge, ambos sensacionais.

    @ Guilherme

    “Lindo, calando mais uma vez a boca dos que falam mal do som do Mega… ”

    Hahaha, incluindo eu… =P

    “Na mão de pessoas competentes ocorrem pequenos milagres”

    E olha que esse seria o primeiro trabalho dele com o Mega Drive. Imagine se ele continuasse se aperfeiçoando com outros projetos?

    Outro jogo que considero um pequeno milagre com o chip de som do Mega Drive, além dos jogos mais comentados com trilha excepcional, como Sonic, Streets of Rage etc., é o Skitchin’, aquele “Road Rash com patins” do Mega Drive. Os timbres das músicas são ótimos também, e o compositor Jeff Dyck já disse numa entrevista que ele usou um driver de som que fazia o chip disparar samples de guitarra e bateria.

  5. 5 lucas 12/08/2013 às 7:38 pm

    maravilhoso, as musicas estã bem na linha de SM & XM

  6. 7 Marcelo Martins 11/09/2013 às 4:29 pm

    Confesso aqui a minha ignorância, já que não conhecia o jogo, a trilha, o compositor e a série de TV. Após ser iluminado pelo brilho azul do Hadouken, posso dizer que adorei este trabalho do Tim Follin.

    A ingame 3 me soa com uma pegada Ozzy solo/Black Sabbath e mesmo com as limitações técnicas da qualidade de som, achei a música muito boa.

    • 8 Alexei Barros 14/09/2013 às 3:42 pm

      Que isso, Marcelo! Eu conheci essa música da tela-título do Time Trax de Mega Drive não faz muito tempo, e essas informações sobre jogos cancelados geralmente não são tão comentadas assim, especialmente naquela época. Muitas vezes a gente só vai saber do motivo para o cancelamento de um jogo tempos depois.

      Achei interessante a sua percepção sobre a pegada Ozzy solo/Black Sabbath, até porque, como não curto heavy metal, jamais conseguiria captar essa influência. Procurei no Wikipedia para saber se isso era uma constante nas trilhas dele, mas, na verdade, encontrei outras bandas que ele disse ter ouvido nesta entrevista, como Jethro Tull e Led Zeppelin.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: