Arquivo para julho \14\-03:00 2011



Samples de Unchain Blades Rexx; música-tema é do Nobuo Uematsu


Por Alexei Barros

Desde que saiu da Squaresoft, Nobuo Uematsu vem expandindo o seu portfólio com jogos de outras séries além de Final Fantasy, e muitos destes são portáteis e acabam não chamando tanto a atenção como Blue Dragon, Lost Odyssey e The Last Story. Por exemplo, Anata wo Yurusanai (PSP), Away: Shuffle Dungeon (DS), Sakura Note: Ima ni Tsunagaru Mirai (DS) e futuramente Fantasy Life (3DS). Outro para ser adicionado à lista é Unchain Blades Rexx, jogo no estilo dungeon crawler que sai hoje, 14 de julho, no Japão para PSP e Nintendo 3DS.

Com um disco de 20 músicas, a trilha sonora Unchain Blades Rexx Original SoundTrack tem lançamento programado para o dia 27 de julho com publicação do selo Dog Ear Records, número de catálogo DERP-10016 e preço de 2300 ienes. Como dito no título do post, somente o tema-principal é de autoria do Uematsu, e creio que na relação de amostras disponíveis no site oficial, correspondem às faixas de número 1 e 20 (a última é intitulada assim, mas como a primeira compartilha a melodia, creio ser uma variação). As BGMs, por sua vez, são assinadas por Tsutomu Narita, tecladista da Earthbound Papas e envolvido no arranjo de todos os segmentos de Final Fantasy XIV da turnê Distant Worlds até agora. São igualmente promissoras. Peço atenção à faixa 7, com flauta simpática e baixo marcado, lembrando um pouco Hiroki Kikuta, e especialmente à faixa 10, um rock pesado com o a energia melódica digna da nova jdk Band.

Entre aqui para baixar os 12 samples de cerca de 40 segundos cada.

[via Nobuooo]

“Super Mario Medley” – Super Mario Bros., Super Mario Bros. 3, New Super Mario Bros., Super Mario Galaxy e Super Mario Galaxy 2 (Play! 2011 em Vienna)

Por Alexei Barros

Foi só eu clamar pelos bootleggers que eles brotaram: se os concertos em Seattle do Play! A Video Game Symphony mal foram gravados, a apresentação em Vienna no último dia 8 de julho foi mais bem registrada, com vídeos dos números novos. Ainda não é ideal pela qualidade meia-boca do áudio, o que impede de analisar a qualidade da performance da National Symphony Orchestra. Por isso, eu me limito a comentar o arranjo e a seleção de faixas.

Evidentemente, Mario fazia parte do repertório da turnê desde o início. Em vez de reaproveitar o arranjo do Nobuo Kurita do OGC1 como fizeram muitos concertos, foi feito um novo exclusivo, “Super Mario Bros. Suite”, preparado por Jonne Valtonen. Com as mudanças promovidas nas últimas apresentações, o segmento de Mario foi reformulado e desta vez foi arranjado de Chad Seiter. Logo de cara afirmo sem medo: não gostei.

Por mais que eu entenda que uma excursão tende a focar em seleções mainstream, não consigo engolir a primeira parte referente ao Super Mario Bros. cumprida de maneira muito igual a tudo o que foi feito dezenas de vezes em outros espetáculos, sem nenhuma novidade ou resquício de criatividade. Tem um “Main Theme” do New Super Mario Bros. ali (1:14) e a “Airship” (Super Mario Bros. 3) aqui (2:17), mas ambas já são conhecidas e poderiam dar lugar para tantas músicas boas nunca executadas antes – o que as pessoas têm contra “Enemy Battle” e “Fortress Boss”? Se você me permitir contundência maior, a rendição da “Castle” do Super Mario Bros. ficou ridícula; além de estupidamente curta, tanto a entrada (1:41) quanto a saída (1:50) são abruptas. O medley ganha pontos por executar a magnificente “Fateful Decisive Battle” do Ryo Nagamatsu do Super Mario Galaxy 2, com coral como na original. Antes ainda tem a “Egg Planet” do primeiro SMG e um trecho de 4:26 a 4:39 que não faço ideia de onde veio.

Mas há um bom motivo para nunca terem tocado os Marios antigos e os Marios Galaxy em um mesmo segmento: são de estilos diferentes. Em uma peça não há um sentido de unidade. Sinceridade? Fiquei com saudade de alguns arranjos amadores que publiquei por aqui…

Outra coisa que me incomodou sobremaneira foi a reação do público às cenas dos jogos no telão durante a execução. A forma banal com que a nostalgia é evocada me faz perguntar se estou ficando velho demais para não me extasiar mais com frases tão “desconhecidas” como “Thank You Mario! But Our Princess Is In Another Castle!”. Será que a turnê vai ter que mudar o nome para Play! A Video Games Live Symphony? Espero que não aconteça a fusão.

– “Super Mario Medley”

“Course Clear” ~ “Overworld” (Super Mario Bros.) ~ “Main Theme” (New Super Mario Bros.) ~ “Castle” ~ “Underworld” (Super Mario Bros.) ~ “Airship” (Super Mario Bros. 3) ~ “Underwater” (Super Mario Bros.) ~ “Egg Planet” (Super Mario Galaxy) ~ “Fateful Decisive Battle” (Super Mario Galaxy 2)

Symphonic Fantasies terá duas reprises em 2012


Por Alexei Barros

Agora que a tetralogia de concertos tributo foi encerrada com o Symphonic Odysseys, eleger o melhor varia da opinião de cada um, mas acho difícil de tirar o posto de apresentação mais impactante do Symphonic Fantasies em 2009 por conta do formato inovador de quatro suítes extensas e, para quem não pôde estar em Colônia na Alemanha, a inédita transmissão ao vivo em vídeo. Tudo devidamente registrado em um impoluto CD.

De fato, o Symphonic Legends e o Symphonic Odysseys são frutos do sucesso do Symphonic Fantasies. Na ocasião, a produção recebeu muitos convites para que o concerto fosse executado em outros países, incluindo o Japão, já que os ex-compositores da Square Enix compartilharam o interesse de levar a récita ao país natal. O problema é que para realizar um espetáculo desse nível foram necessários 14 dias de ensaios, dada a complexidade das partituras e outros detalhes, isso para orquestra e coral de primeiro nível como são os casos da WDR Radio Orchestra Cologne e do WDR Radio Choir Cologne. Tempo inviável para uma turnê, por exemplo.

Sendo assim, o Symphonic Fantasies terá reapresentações no mesmo Cologne Philharmonic Hall nos dias 5 e 6 de julho de 2012 para que mais pessoas possam assistir ao espetáculo in loco. A batuta da regência desta vez será do maestro sueco Niklas Willén, o mesmo que conduziu o Symphonic Legends, e Rony Barrak está confirmado na percussão. Por enquanto, não há planos de modificação dos arranjos. As vendas dos ingressos começarão em dezembro de 2011.

[via VGM Lounge]

Como não poderia ser diferente: Symphonic Odysseys terá transmissão ao vivo em vídeo!


Por Alexei Barros

Talvez alguns já sabiam ou, se não, imaginavam: o Symphonic Odysseys, concerto em homenagem ao Nobuo Uematsu que acontecerá  no próximo sábado, dia 9 de julho, poderá ser assistido ao vivo e em cores de qualquer lugar do mundo pela internet. Isso não é surpresa se você seguiu a parte da série germânica Symphonic realizada na cidade de Colônia: o Symphonic Shades pôde ser conferido pelo rádio em 2008; o Symphonic Fantasies foi contemplado em vídeo em 2009; e o Symphonic Legends também acompanhado em vídeo em 2010… opa! De fato, ano passado ocorreu um problema técnico da rádio WDR, que não liberou a transmissão para os espectadores estrangeiros, restringindo a exibição do vídeo aos residentes no país germânico. (Aliás, foi garantido o direito junto à Nintendo para o registro em vídeo por demanda em alta qualidade do Symphonic Legends, e estranhamente a licença não foi aproveitada até agora.) E se acontecer de novo? Vamos torcer para que não, e tudo leva a crer que o erro não será repetido. Decerto o espetáculo promete ser o melhor do quarteto de récitas Symphonic na Alemanha.

Para quem passou batido pelo post do programa, há dez números confirmados para a execução no Cologne Philharmonic Hall, com a WDR Radio Orchestra Cologne e o WDR Radio Choir Cologne sob a precisa condução do maestro Arnie Roth. A fanfarra de abertura, uma composição original e conjunta do Nobuo Uematsu com o Jonne Valtonen, o arranjador principal, inclusive foi liberada para download, oferecendo uma amostra da magnitude do concerto.

Pelo lado da Square Enix, três itens de Final Fantasy, sendo segmentos avulsos de FFX (com coral), FFXIV e uma suíte de 15 minutos com o jovem Benyamin Nuss como solista no piano; King’s Knight, Chrono Trigger (ambos com coro) e Makai Toushi SaGa & SaGa 2: Hihou Densetsu, conhecidos no ocidente por The Final Fantasy Legend e Final Fantasy Legend II. Da Mistwalker, Blue Dragon, The Last Story e Lost Odyssey, representado por uma suíte extensa de 15 minutos com coral e órgão de tubo. Ainda haverá muitas surpresas – sabe se lá o que teremos.

Sei que nem todos são fãs do Nobuo Uematsu, afinal cada um tem as suas preferências, mas se for o caso de apreciar e puder não perderia tal oportunidade, especialmente porque o Symphonic Odysseys encerra a tetralogia dos concertos tributo em Colônia.

Serão feitas duas apresentações: uma às 15 horas e outra às 20 horas locais – somente a segunda será transmitida. Confirmando como sempre pelo 24 Time Zones, são cinco horas a menos no Brasil em relação à Alemanha. Ou seja, o espetáculo começará às 15 horas no horário de Brasília no sábado, 9 de julho.

Caso queira apenas ouvir o rádio, entre aqui e clique em “WDR Live Stream”.

Os links para a transmissão em vídeo podem ser conferidos aqui, na coluna à direita. Para você se situar:

– Livestream für Windows-Mediaplayer -> Streaming ao vivo para Windows Media Player
– Livestream für iPhone und iPad -> Streaming ao vivo para iPhone e iPad
– Livestream in hoher Vollbildqualität -> Streaming ao vivo em tela cheia de alta qualidade
– Livestream für mobile Endgeräte mit niedriger Bandbreite -> Streaming ao vivo para dispositivos móveis com baixa largura de banda

[ATUALIZAÇÃO] Breve adendo: ao entrar no site da WDR, você notará que há um flash player com a artwork do Kaim Argonar de Lost Odyssey no centro da tela. Por questões legais, este player só funcionará na Alemanha e NÃO estará disponível para pessoas de fora do país. Mas é claro que os links da transmissão que comentei acima devem abrir normalmente com o Windows Media Player ou programa de sua preferência em qualquer localidade.

[via Symphonic Odysseys]

“Meridian Dance” – Secret of Mana (Game Music Laboratory Tokyo 2nd [unplugged])

Por Alexei Barros

Ao terminar Secret of Mana, você acabará ouvindo muito mais vezes a “Danger”, que toca na batalha contra os chefes, do que a “Meridian Dance”, que aparece somente no combate final. Óbvio. Mas isso não está relacionado à popularidade, porque, pelo que acompanho nos comentários, a “Meridian Dance” parece ser muito mais elogiada que a “Danger”. Isso acontece em muitos outros casos também, mas é só uma constatação, porque prefiro a “Danger”.

Por isso, não é de estranhar que no Game Music Laboratory Tokyo 2nd [unplugged] tenham tocado, além da “Danger”, a “Meridian Dance”, visto que o violinista Hiroaki Yura, acompanhado por outro violino, piano, baixo e bateria já tinha executado a “Meridian Dance” na apresentação Passion (2007) na Austrália. A maior vantagem em relação à nova versão é que dá para ouvir muito bem o baixo elétrico, coisa que não era possível no outro por ser uma gravação da plateia com muita ambiência.

Mas… não gostei de três coisas. Dispensável o uso da keytar nesta performance, dialogando com o violino – melhor seria se fosse com a guitarra ou mesmo outro violino. E outra: os solos alternados cairiam melhor na segunda vez em que a banda repetisse a faixa, não logo de cara, para preservar toda a maravilhosa alternância melódica da música. O ponto em que escolheram para terminar ficou estranho. Em compensação, a reprodução da progressão harmônica no violino (a partir de 0:52 no vídeo) é digna de louvor, ainda que o Hiroaki Yura tenha errado um pouco no final deste trecho.

Durante os aplusos, os compositores Kenji Ito e Hiroki Kikuta, o autor desta faixa, sobem ao palco.

“Mega Man X Medley” – Mega Man X (Shirotan no Hito e Yutaromeo)

Por Alexei Barros

Se você tiver meia hora disponível e aprecia as músicas de Mega Man X sob uma releitura rock, é difícil não se embevecer com o trabalho da dupla Shirotan no Hito (teclado e programação) e Yutaromeo (guitarra) em um medley com quase todas as faixas do jogo. Também está creditado no final do vídeo, na parte da bateria, um tal de Shirotan, que imagino ser o mesmo do teclado, visto que não aparece nenhum baterista.

Gostei do resultado, mas por pouco não publiquei: o que mais me incomodou foi um timbre enjoado do teclado (o segundo, posicionado em cima) que, vai entender por que, imita uma guitarra, fazendo a melodia e comprometendo a apreciação de “Opening Stage”, “Boomer Kuwanger Stage”, “Spark Mandriller Stage” e “Sigma Stage 2”. Felizmente, não é toda hora que aparece, e as partes da “Launcher Octopuld Stage” e “Burnin’ Noumander Stage” ficaram especiais, com a guitarra de verdade arrebentando. A “Sigma Stage 1”, por sua vez, trouxe lembranças da trilha do Ace Combat 4 por faixas como a “Farbanti”.

A miscelânea está devidamente detalhada abaixo. Acrescento, por fim, que a execução da “Ending” ficou bem bizarra (primeiro tecladista que vejo usar um par de lápis para tocar…), e a “Staff Roll” nem sequer foi arranjada.

– Mega Man X Medley
“Title”
~ “Opening Stage” ~ “Zero” ~ “Demo”
“Stage Select 1” ~ “Icy Penguigo Stage” ~ “Storm Eagleed Stage” ~ “Sting Chameleao Stage” ~ “Launcher Octopuld Stage” ~ “Stage Select 1” “Burnin’ Noumander Stage” ~ “Armor Armage Stage” ~ “Boomer Kuwanger Stage” ~ “Spark Mandriller Stage” ~ “Get a Weapon” – “Sigma Stage 1” ~ “Sigma Stage 2” ~ “Sigma Stage 3” “Sigma Stage 4” ~ “Sigma 1st” ~ “Ending” ~ “Staff Roll”

O programa do Symphonic Odysseys

Por Alexei Barros

Nesta enxurrada de novidades do Symphonic Odysseys enfim foi revelado o set list completo do concerto tributo ao Nobuo Uematsu que acontecerá no próximo sábado, dia 9 de julho, em duas apresentações: às 15 horas e 20 horas locais da cidade de Colônia na Alemanha. Todos os ingressos estão esgotados e a estimativa é que 4000 pessoas compareçam ao Cologne Philharmonic Hall para conseguir autógrafos com o compositor bigodudo e assistir ao espetáculo executado pela WDR Radio Orchestra Cologne e WDR Radio Choir Cologne, com regência de Arnie Roth.

A princípio, haverá dez segmentos, sendo seis para o primeiro ato e quatro para o segundo. A maioria dos arranjos é feita pela equipe interna do Merregnon Studios, a infalível dupla da Finlândia: Jonne Valtonen e Roger Wanamo, assim como no Symphonic Fantasies (naquela ocasião, em 2009, Wanamo era convidado e ainda não fazia parte do time). Valtonen foi responsável por sete números e Wanamo por dois. Para fechar um de Jani Laaksonen, que não conhecia.

Comento então primeiro as certezas. A faixa que tanto quebrava a cabeça para descobrir de Chrono Trigger é “Silent Light” – eu tinha jogado seguro e dito que seria esta entre outras quatro que separei. O que me pegou de surpresa é saber do coral em latim no arranjo, como está creditado o letrista Mikko Laine, também finlandês. Isso porque a faixa sintetizada é baseada em timbres que remetem apenas a piano, flauta, baixo elétrico (sensacional na original, por sinal), talvez algumas cordas e, em alguns momentos, um “Aaaaah” em que se imagina o coro. Fique claro que será um arranjo criativo, não uma tradução literal. Desde já é um dos que estou mais ansioso.

Pela duração reduzida das faixas, eu imaginava que o segmento do Makai Toushi SaGa e SaGa 2: Hihou Densetsu abarcasse mais músicas, como, por exemplo, “Prologue” e a “Searching for the Secret Treasure”, mas como posso reclamar das duas escolhidas? “Main Theme” é fundamental, icônica e nostálgica e “Save the World” era simplesmente tudo o que eu queria. Não estou decepcionado, mas fiquei surpreso com a ausência, ao menos por enquanto, da “Wipe Your Tears Away”, por aparentemente ser uma música importante no contexto da série SaGa por prosseguir no Romancing SaGa e Romancing SaGa 2.

Pulando décadas no tempo, “A Fleeting Dream” do Final Fantasy X tem aparição incrivelmente inesperada, visto que o jogo sempre foi representado na maioria das vezes por “At Zanarkand” e “Suteki da ne” nos concertos da série. Curiosamente, a faixa na trilha original é arranjada por Masashi Hamauzu, que fora o arranjador convidado do Symphonic Legends e LEGENDS. Por ser totalmente sintetizada, a beleza da composição pedia por renovação. Como imaginava, a seção de The Last Story corresponde à  “Toberu mono”, aquela traduzida extraoficialmente por “The Flying One” – é que “Spreading Your Wings” é a tradução oficial da mais emotiva composição da trilha norteada pelo estilo preponderante de Hollywood.

A seguinte confirmada é a escolha mais curiosa. Duvido que alguém achava que uma faixa recente como a “On Windy Meadows”, a qual conhecemos do Final Fantasy XIV Field Tracks, não só fosse selecionada, como recebesse um segmento exclusivo. Para falar a verdade, nem esperava que FFXIV aparecesse no Symphonic Odysseys, como o jogo vem sendo bem simbolizado na turnê Distant Worlds, que não possui a “On Windy Meadows” no repertório.

A parte referente ao Blue Dragon estava em sigilo e a selecionada, “Waterside”, é um belo solo de piano que originou uma melhor ainda na trilha, “Waterside ~for Piano and Orchestra~”. Jonne Valtonen, que é o arranjador do segmento, inclusive já concedeu uma interpretação arrojada da “Waterside” em um solo de piano no Benyamin Nuss Plays Uematsu.

Por último, estão detalhadas todas as faixas da suíte de Lost Odyssey, trazendo mais duas para se somarem àquela trinca previamente confirmada. Além da “Prologue” / “Main Theme”, que abre e fecha a suíte, “Dark Saint” e “Light of Blessing ~ A Letter”, haverá o tema de combate “A Mighty Enemy Appears!” (a.k.a. “A Formidable Enemy Appears!”) e a melancólica “A Sad Tolten”. Promete!

Sobre os números que são desconhecidas as faixas, só se sabe até agora duas músicas da suíte de Final Fantasy, e a novidade é que o segmento estará dividido em três movimentos com as características nomenclaturas em italiano para designar o andamento do concerto para piano. Por fim, King’s Knight, o mais obscuro de todos, trará coral. Acabam aqui meus comentários sobre o programa, mas vai saber o que teremos mais, como o produtor Thomas Boecker deixou no ar: “Sinto que o aspecto surpresa no concerto é um benefício para uma experiência especial e pessoal”.

Set list:

01 – “Opening Fanfare by Nobuo Uematsu”
Arranjo: Jonne Valtonen

02 – “Final Fantasy (Concerto for Piano and Orchestra)”

I. Grave – Allegro
II. Adagio Cantabile
III. Allegro Molto

Arranjo: Roger Wanamo

03 – “King’s Knight (A Pretty Day Out)”
Arranjo: Jonne Valtonen
Letra: Mikko Laine

04 – “Chrono Trigger (Silent Light)”
Arranjo: Jonne Valtonen
Letra: Mikko Laine

05 – “The Final Fantasy Legend and Final Fantasy Legend II (Main Theme and Save the World)”
Arranjo: Jonne Valtonen

06 – “Final Fantasy X (A Fleeting Dream)”
Arranjo: Roger Wanamo
Letra: Mikko Laine

Intervalo

07 – “The Last Story (Spreading Your Wings)”
Arranjo: Jani Laaksonen

08 – “Final Fantasy XIV (On Windy Meadows)”
Arranjo: Jonne Valtonen

09 – “Blue Dragon (Waterside)”
Arranjo: Jonne Valtonen

10 – “Lost Odyssey (Suite)”

I. Prologue (Main Theme)
II. A Formidable Enemy Appears!
III. A Sad Tolten
IV. Dark Saint
V. Light of Blessing ~ A Letter
VI. Epilogue (Main Theme Reprise)

Arranjo: Jonne Valtonen
Letra: Mikko Laine

Baixe o programa em PDF aqui.

[via Symphonic Odysseys]


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: