Quase game music: seleção de cinco músicas orquestradas com guitarra

Por Alexei Barros

Orquestra e guitarra. Unir os dois elementos é um desafio e tanto em espetáculos, sobretudo em salas de concerto, onde o som dos instrumentos da orquestra é reproduzido sem auxílio de microfones, enquanto que da guitarra é amplificado evidentemente. Quando bem executada, a mistura tem um resultado esplendoroso, pois abundam músicas de games com a junção.

Exemplos não faltam. Nem sonhando dá para dizer que no Video Games Live a mescla é um sucesso, já que, pelo menos nos shows que vi no Brasil, a pequenez da orquestra é eclipsada pelo guitarra – veremos se no Video Games Live: Level 2 a coisa toda funcionou pelo menos. Nos demais concertos, foram convocadas bandas de rock, como a -123min no Third Symphonic Game Music Concert, Machinae Supremacy no PLAY! em Estocolmo em 2007, After Forever no Games in Concert 3, além de todas as vezes que o The Black Mages tocou a “Advent One-Winged Angel”. No Press Start, desde a primeira edição, o guitarrista Haruo Kubota participou de diversos segmentos. Para completar as exemplificações, no próprio Games in Concert a Metropole Orchestra possui um guitarrista que talvez seja o responsável pelos melhores resultados da mistura em concertos de games, a exemplo da versão suprema da “Moon Over the Castle” (Gran Turismo 4). Todas têm em comum o fato de as gravações oficiais inexistirem ou serem amadoras. Mesmo no Games in Concert, em que há registro profissional, mal se consegue ver onde está o guitarrista.

Mas você sabe como é. Aquela coluna lateral de vídeos relacionados do YouTube é uma benção, e por meio dela em deparei com performances orquestradas sensacionais com guitarra, só que não de game music. Antes que alguém diga “esse de games virou blog de musica”, todos os vídeos tem relação indireta com compositores que eventualmente fizeram músicas para jogos ou pela orquestra que tocou em determinada trilha. Por certo, quem acompanha o blog há algum tempo não se surpreenderá ao constatar que quatro são de compositores nipônicos, e o que não é foi tocado no Japão.

A ideia do post é justamente mostrar como a guitarra poderia ser aproveitada de várias formas diferentes na companhia da orquestra, e de como os espetáculos de games, em especial os japoneses, estão atrás do que se faz em outros nichos, tanto em performance, como em disponibilidade de gravação. Claro que isso depende do estilo. Não estou dizendo que a guitarra é obrigatória. Por fim, você sabe que quase não gosto de comparar e dar indiretas. Então, em todos os casos não vi o guitarrista saltitar ou fazer estripulias exibicionistas.

Os bons achados depois do Hadouken que provavelmente você discordará da ordem.

05) “Tomorrow’s Affair” (Harmony Live) – Shin Nippon Orchestra e T-Square

Preciso falar de novo a relação do T-Square com games? Tudo bem: o líder e guitarrista da banda, Masahiro Andoh, é o principal compositor das séries Arc the Lad e Gran Turismo. Os integrantes do grupo nesta época, considerada por muitos como a fase áurea, ainda tocaram em tantos álbuns arranjados e trilhas. Não acaba aí. O registro desta apresentação provém do VHS Harmony Live (1994), e mescla arranjos dos discos Classics e Harmony (depois ainda seria lançado o Takarajima) em que músicas conhecidas foram adaptadas para orquestra, algumas com participação dos membros do T-Square. O arranjador e maestro do espetáculo é o Keiichi Oku, que fez parte do Orchestral Game Concert 4 e 5, e é o autor da “Castlevania Medley” do Press Start 2007. Também foi arranjador e pianista do Arc The Lad Piano Album, e ainda arranjador da “Moon Over The Castle ~Orchestral Version~” do Gran Turismo 4. Como se percebe, Oku tem uma parceria de longa estrada com Masahiro Andoh.

Originalmente do CD Rockoon (1980), a “Tomorrow’s Affair” recebeu uma roupagem rebuscada nas cordas, com eventuais entradas dos metais. Mitsuru Sutoh em dado momento também acompanha no baixo elétrico. O que estava ótimo fica melhor ainda quando sola o violino. Pouco depois é a vez de Masato Honda intervir com um solo de saxofone, e, em seguida, quando a música engrandece, a guitarra estupenda de Masahiro Andoh… é de arrepiar. O duo sax e guitarra segue até o final desta versão que transformou a música original.

04) “Fugue” (Concerto Suite Live) – New Japan Philharmonic e Yngwie Malmsteen

O virtuose sueco Yngwie Malmsteen não tem qualquer relação com games, mas o DVD Concerto Suite Live With the New Japan Philharmonic, utiliza tal orquestra que tocou nas trilhas de Kingdom Hearts e Tales of Legendia e nos concertos Bio Hazard Orchestra Concert, Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert e Tour de Japon: music from Final Fantasy. Melhor ainda é o regente do espetáculo: Taizo Takemoto, o maestro-gamer do Press Start.

A guitarra é o centro das atenções durante a maior parte da música, que de maneira alguma nubla a New Japan Philharmonic. Muito pelo contrário, a orquestra interage magnificamente com solos fervorosos de Malmsteen. Para completar, um coral encantador. O estilo erudito da composição com o aditivo da guitarra me faz lembrar de Castlevania. Você há de perceber que tanto este como o vídeo anterior foram registrados no Bunkamura Orchard Hall, palco de vários concertos de games.

03) “Theme from Ultraman” (Ultraman) – Tokyo Metropolitan Symphony Orchestra e Takahiro Matsumoto

Até onde é de meu conhecimento, o lendário guitarrista Takahiro Matsumoto não chegou a compor uma música diretamente para videogames, mas diversas canções da dupla B’z, que ele forma com Koshi Inaba, apareceram em jogos musicais, como Taiko no Tatsujin 4, beatmania GB GotchaMIX2 e GitaDora! GuitarFreaks 4th Mix & DrumMania 3rd Mix. Além disso, no Burnout Paradise e Dominator e até mesmo no Tokimeki Memorial Girl’s Side. Para compensar, a Tokyo Metropolitan Symphony Orchestra tocou em todas as Symphonic Suites modernas de Dragon Quest.

Assinada pelo próprio Matsumoto, “Theme from Ultraman” é ouvida no filme Ultraman de 2004. Aqui a guitarra é alvo de todos os holofotes e, mesmo com um timbre pesado, não engole a orquestra, criando uma combinação poderosíssima. Traçando um paralelo com game music, tal vibração é sentida na “Thanatos” do Soulcalibur IV.

02) “Asahi No Naka e” (Patlabor: The Movie) – Kenji Kawai

Kenji Kawai é um compositor de anime antes do que qualquer coisa. A trilha de Nobunaga’s Ambition Online é um o exemplo mais notório de jogo, sendo que ele também criou músicas para o Folklore. Nesta performance espetacular do Kenji Kawai Concert 2007 Cinema Symphony a orquestra era formada por instrumentistas avulsos e esteve acompanhada de uma banda igualmente competente.

Das cinco seleções, esta é a que possui em menor evidência a guitarra, tocada aqui pelo próprio Kawai, que acompanha a orquestra por toda a música do anime Patlabor: The Movie. O baixo elétrico de Fumiki Ikema, a bateria de Shiro Ito e o piano de Fumito Hirata são todos sensacionais. Melhor ainda são os solos de teclado de Tohru Shigemi. Pelo timbre e pela levada progressiva, renderia uma performance de alguma obra memorável do Motoi Sakuraba.

01) “Wonderful Guys” (Seibu Keisatsu Part-II) – Siena Wind Orchestra e Nozomi Furukawa

Tema do seriado policial Seibu Keisatsu Part-II transmitido de 1982 a 1983 no Japão, é assinado por Kentaro Haneda, compositor que faleceu em 2007 de câncer de fígado. Nos games criou as trilhas da série Wizardry, e regeu as performances da franquia no Orchestral Game Concert. Como arranjador, vale mencionar os excelentes álbuns Symphony Ys e Symphony Sorcerian. A Siena Wind Orchestra, por sua vez, tocou em cinco faixas arranjadas no álbum Elfaria Suite, referente ao RPG da Hudson do Super Famicom lançado somente no Japão.

Como é uma orquestra de sopro, ou seja, sem instrumentos de corda, os metais brilham maravilhosamente. O baixo elétrico slap chama a atenção na companhia da bateria, mas o destaque vai todo para o solo de guitarra magistral de Nozomi Furukawa, que tocou em várias trilhas de games e álbuns, como no F-Zero X Guitar Arrange Edition. E aquela intervenção dos trombones no meio do solo? Não por menos o maestro Yutaka Sado regeu com tanta energia. Uma performance similar cairia bem com a “Theme of Grandia”.

3 Responses to “Quase game music: seleção de cinco músicas orquestradas com guitarra”


  1. 1 Eric 22/10/2010 às 10:42 am

    Nunca pensei que veria Malmsteen sendo citado por aqui… o.O

    • 2 Alexei Barros 22/10/2010 às 12:07 pm

      Nem eu! \o/

      Incrível a coincidência de o concerto ser regido pelo Taizo Takemoto e ainda acontecer em lugar que sediou tantos espetáculos de games.

      Cheguei a cogitar também comentar o show Visual Sound Theories que o Steve Vai fez com a Metropole Orchestra (a mesma do Games in Concert), mas preferi me concentrar nas orquestras japonesas.


  1. 1 “Opening Theme” – Wizardry (Score) « Hadouken Trackback em 21/01/2011 às 8:22 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr

%d blogueiros gostam disto: