Sekaiju no MeiQ³ *seikai no raihousya* Super Arrange Version: a base para o sucesso


Por Alexei Barros

Os álbuns Sekaiju no MeiQ Super Arrange Version e especialmente o Sekaiju no MeiQ² *shoou no seihai* Super Arrange Version fazem parte do panteão dos melhores álbuns arranjados de game music pela seleção de nomes, que foi de Michio Okamiya a Kenichiro Fukui, de [H.] a Norihiko Hibino. Mesmo não sendo este dois projetos de custo elevado, aqueles com orquestras grandiosas e tudo mais, o orçamento do sucessor Sekaiju no MeiQ³ *seikai no raihousya* Super Arrange Version foi diminuído, o que fez com que Hibino, diretor de som dos projetos anteriores não participasse do terceiro, referente ao Etrian Odyssey III: The Drowned City, como revelado em entrevista publicada no SEMO. Por consequência, nada de convidados.

Coube a Hitoshi Sakimoto supervisionar os arranjos dos principais nomes de sua trupe no estúdio Basiscape: Noriyuki Kamikura, Mitsuhiro Kaneda, Kimihiro Abe, Yoshimi Kudo e Azusa Chiba. Ainda que jamais tenha subestimado a competência destes expoentes, o álbum superou minhas expectativas por mesclar performances que remetem aos melhores momentos da jdk Band (pelo violino) e da Shinsekai Gakkyoku Zatsugidan (pelo sax). Sem exagero. Não há uma música sequer detestável, coisa que não aconteceu com o Sekaiju no MeiQ² *shoou no seihai* Super Arrange Version – repudiei os arranjos do Jeff Curry, o baixista da The Outer Rim. Os time de instrumentistas é bem enxuto, para não dizer modesto, sendo que dois dos próprios arranjadores tocaram guitarra: Kudo e Kamikura. Teisena no violino, Naomu Soeda na flauta e no sax e Daisuke Miyazaki na guitarra e no violão completam a banda.

Mais uma vez contaminado pelo Twitter, dei somente rápidas pinceladas nas músicas.

01 – “That’s the Adventure’s Opening”
Arranjo: Noriyuki Kamikura

Feche os olhos e relaxe ao som etéreo do saxofone, enquanto o violão se destaca com uma participação comovente.

02 – “Townscape – Engrave Thy Name”
Arranjo: Mitsuhiro Kaneda

Apesar de sintetizados, os metais ficaram convincentes. O problema é que a faixa começa a ficar muito repetitiva e somente o solo de violino foi capaz de nos tirar do estado modorrento.

03 – “Labyrinth I – Waterfall Woodlands”
Arranjo: Azusa Chiba

Bem ao estilo da cantora Akiko Shikata, uma música étnica que é ditada por sussurros indecifráveis, percussão e violinos. Escute a canção “Locus” do álbum Harmonia para ver se não é parecido.

04 – “Battlefield – The First Campaign”
Arranjo: Yoshimi Kudo

Se você estava achando tudo calmo demais, aqui está a resposta com um arranjo hard rock com violino no melhor estilo jdk Band de uma das músicas mais avassaladoras da trilha.

05 – “Labyrinth II – Water Woods of the Submarine Ridge”
Arranjo: Kimihiro Abe

O solo de violoncelo sintetizado tira um pouco do brilho de uma música de ambiente que lembra Yasunori Mitsuda em Chrono Cross. A diferença de vivacidade para o violino mais para frente é gritante.

06 – “Battlefield – That Fresh Blood is Thine or the Enemy’s ~ Disturbances – The End of the Raging Wave”
Arranjo: Noriyuki Kamikura

Mais Black Mages impossível pela semelhança do timbre de teclado e pelo uso da guitarra pesada. Acredito que o arranjo não extraiu tudo o que a composição tinha a oferecer – não superou a original.

07 – “Townscape – Sunlit Water Surface”
Arranjo: Noriyuki Kamikura

Sax confere tempero especial a uma música bastante animada que possui um agradável solo de violão. A [H.] pode não ter participado, mas deixou a sua influência aqui. Porém, faltou o naipe de metais completo – de verdade, não o simulado.

08 – “Labyrinth III – Brilliant Cavern ~ Labyrinth IV – Deep Ocean Ritual Temple”
Arranjo: Yoshimi Kudo

Mudou o arranjador e ainda assim sinto o cheiro de Black Mages no ar, aproveitando-se de um baixo mais acentuado. Isso até entrar o sax, para dar mais vida à música que parecia caso perdido.

09 – “Battlefield – Those That Slay and Fall”
Arranjo: Noriyuki Kamikura

Um espetáculo musical. Baixou um Osamu Koike, um dos saxofonistas convidados da Shinsekai nos álbuns arranjados da SNK, no Naomu Soeda, que simplesmente arrebentou tudo nesta performance. Digo mais, aquela retomada espetacular do sax em 1:59 vale o álbum inteiro.

10 – “Labyrinth V – Chalky Woods”
Arranjo: Mitsuhiro Kaneda

A introdução deixa uma levada celta no ar e na sequência o violino embala uma releitura simples e excepcional, com direito a um solo de piano mais próximo do encerramento.

11 – “Disturbances – Each Justice”
Arranjo: Noriyuki Kamikura

Releitura soberba, fazendo por merecer a influência de Beethoven na composição. O piano apresenta-se de maneira desenvolta e ainda permite que as guitarras ocupem o papel principal. Lembrou-me muito BlazBlue.

12 – “Labyrinth VI – The Evil God in the Dark Ocean Depths ~ Disturbances – Calling That Detestable Name”
Arranjo: Noriyuki Kamikura

O clima atmosférico muda subitamente para uma extensa e pouco melódica sessão de hard rock. Cansativa.

13 – “Your Adventure Has Ended”
Arranjo: Azusa Chiba

Chiba incorporou de vez o estilo da Akiko Shikata em uma canção maravilhosa com o vocal estiloso aparecendo ainda mais.

0 Responses to “Sekaiju no MeiQ³ *seikai no raihousya* Super Arrange Version: a base para o sucesso”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej

%d blogueiros gostam disto: