Arquivo para agosto \29\UTC 2009



“Battle Theme” – Lunar: Silver Star Story (Rigor Mortis)

Por Alexei Barros

Quando vejo alguém reclamar dos J-RPGs, umas das críticas mais frequentes é o fato de que em todas as batalhas você sempre ouve a mesma música martelando na cabeça. Mas, me desculpe, quem faz esse tipo de reclamação não deve ter jogado algum RPG com trilha do Noriyuki Iwadare.

Um exemplo de uma faixa que não cansa é a “Battle Theme” do Lunar: Silver Star Story, que receberá o remake Lunar: Harmony of Silver Star para PSP no final do ano. Melodioso e fantástico, o tema de combate incorpora timbres diversos e em um momento até se imagina um solo de guitarra. Nem projetaria no piano – como que não lançaram uma coletânea no piano de Lunar? Ficou sensacional no arranjo e nas mãos de Rigor Mortis mesmo com a duração tão diminuta. Momento raro também ver um performance pró-amadora com músicas do Iwadare.

Anúncios

“1000 Words Orchestra Version” – Final Fantasy X-2 (Beginning of Fantasy)

Por Alexei Barros

Vou me abster de comentar sobre Final Fantasy X-2. Primeiro, porque vergonhosamente (ou felizmente) nunca joguei. Segundo, porque é muito provável que se eu inserir qualquer adjetivo na frente do jogo, daqui a alguns meses, do nada, surgirá um comentário desse naipe. Ou pior.

Independentemente disso, o fato é que todos os concertos de Final Fantasy monopolizam o trabalho de Nobuo Uematsu. A “Song of Prayer” (FFX) no Voices music from Final Fantasy é uma exceção da regra, pois foi executado um tema de outro músico, mas talvez não dê para considerar porque é uma composição conjunta do Uematsu com o Masashi Hamauzu.

A outra vez foi nesse espetáculo indonésio Beginning of Fantasy, em que tocaram a “1000 Words Orchestra Version” do mencionado FFX-2, precisamente o único episódio da série principal sem qualquer envolvimento de Uematsu – se é que dá para considerar o FF X-2 canônico.

Assinada pela dupla Noriko Matsueda (compositora de “Boss Battle 1” do Chrono Trigger) e Takahito Eguchi (participou de Sonic the Hedgehog da nova geração), a canção que segue o estilo pop do Uematsu tem a voz da Kumi Koda nas originais: “1000 Words (FFX-2 Mix)” e a orquestrada “1000 Words Orchestra Version”. Na apresentação, é a cantora Sherina quem reproduz com perfeição a bela música. O solo de violino também é pleno – na música com banda o solo é feito pelo violão.

Os extras da Chrono Trigger DS OST

Por Alexei Barros

Ainda que a trilha de Chrono Trigger de DS seja praticamente idêntica à versão do Super Nintendo, a Square Enix lançou dia 29 de julho a CT DS Original Sound Track, incluindo também as faixas adicionais compostas pelo Tsuyoshi Sekito para a edição do PlayStation.

Além dos três CDs, o pacote inclui um DVD exclusivo, que contém uma entrevista (em japonês) de Yasunori Mitsuda, um vídeo da “Chrono Trigger ~Orchestra Version~” com cenas do jogo e outro vídeo da “Chrono Trigger Medley ~Orchestra Version~”, mostrando por trás dos os bastidores da gravação do Chrono Trigger Orchestra Extra Soundtrack. Ao lado de Mitsuda é possível ver a prolífica arranjadora Natsumi Kameoka, também do drammatica, Echoes of War e Piano Collections Kingdom Hearts.

Felizmente, pessoas solidárias se predisporam a subir os três vídeos no YouTube (clique no link da janela para ver o último, disponível em HD). Obrigado.

“Wind Garden” – Super Mario Galaxy (VGO Chamber Group @ IGC East)

Por Alexei Barros

Mesmo não sendo de autoria do mago Koji Kondo, mas do Mahito Yokota, o tema da florida Gusty Garden Galaxy, “Wind Garden”, é um dos mais empolgantes do Super Mario Galaxy, isso antes de o jogo ter sido lançado. Nesta releitura da Video Game Orchestra Chamber Group, até por ser uma orquestra de câmara, não há metais e tímpanos, o que retira um pouco da pompa e ganha em suavidade: as cordas e o violão ficam mais aparentes. De toda forma, a música permanece memorável com a levada acústica. O solo que seria feito pelo trompete é reproduzido pelo saxofone soprano e, claro, tem também o diferencial do baixo elétrico, ainda que em participação discreta.

Symphonic Fantasies: três das seleções de Final Fantasy

Por Alexei Barros

A suíte de Final Fantasy terá a árdua missão de realizar o fechamento do Symphonic Fantasies, concerto alemão que se dará nos dias 11 e 12 de setembro – não está longe. Indiscutivelmente, é a franquia que contou com mais músicas orquestradas no passado, uma vez que é a única que teve espetáculos próprios dentre as quatro séries selecionadas. No entanto, se parece factível condensar em 17 minutos a alma sonora de Kingdom Hearts, Secret of Mana e Chrono Trigger e Cross, já que são poucos jogos, por conseguinte menos músicas, Final Fantasy foi um desafio e tanto criar uma unidade com fanta fartura e diversidade.

Primeiro pela quantidade. Sabendo que na suíte haverá apenas as composições de Nobuo Uematsu (não espere por faixas de FFX, XI, XII e XIII e spin-offs feitas por outros músicos), são nada menos do que 578, levando em conta que as icônicas foram reprisadas no decorrer dos anos. Mas mais que 500 são com certeza. Ademais, o ecletismo de estilos. Enquanto no princípio o erudito era mais adotado, com o passar dos anos Uematsu enveredou pelo rock, techno, celta, pop, e algumas dessas músicas até foram orquestradas.

Final Fantasy: 20
Final Fantasy II: 23
Final Fantasy III: 44
Final Fantasy IV: 44
Final Fantasy V: 67
Final Fantasy VI: 61
Final Fantasy VII: 85
Final Fantasy VIII: 74
Final Fantasy IX: 110
Final Fantasy X: 32 (e mais 14 com Masashi Hamauzu e 2 com Junya Nakano)
Final Fantasy XI: 11
Final Fantasy XII: 7
Total: 578

Na suíte de Final Fantasy, a WDR Radio Orchestra será acompanhada, como no segmento de Secret of Mana, pelo WDR Radio Choir. A confirmação do coral pode sinalizar a presença de músicas como “One-Winged Angel”, “Liberi Fatali” e “FFXI Opening Theme”, mas não necessariamente. É muito provável que o coro seja implementado em músicas que não tenham vozes na versão original. Isso, aliás, já foi realizado, com êxito absoluto, no primeiro concerto da série, Final Fantasy Symphonic Suite, como na “Scene I”, releitura da “Main Theme” (FFII).

Enfim, falemos de três das escolhas. Uma não poderia faltar pela representatividade, outra me agradou, apesar de mais conhecida, e a última… absolutamente fantástica.

“Prelude” (Final Fantasy)

Fina FantasyA melodia que perdurou ao longo da série é uma das mais icônicas, e está intimamente relacionada à Final Fantasy. Até por ser um tema simples, foi executada na maioria das apresentações em medleys, quase sempre abrindo uma longa sequência de músicas – ocorrência que também deve se repetir no Symphonic Fantasies. A primeira lembrança da “Prelude” ocorreu no FF Symphonic Suite, em arranjo do Takayuki Hattori, no medley “Scene V ~Prelude~”, em que é executada na harpa com acompanhamento da flauta (de 1:26 a 3:57), após um início original, sem ser baseado em alguma música do Uematsu. No espetáculo posterior de FF, 20020220, a música abre o “Final Fantasy I-III Medley”, e o mesmo acontece no “Final Fantasy I-III Medley 2004”, que tem seleções diferentes, no Tour de Japon, ambos com arranjo de Shiro Hamaguchi. O tema só veio a ser executado em um segmento próprio no Voices, em que a “Prelude” ficou magnífica com o acompanhamento do coral GYA em arranjo da Sachiko Miyano.

“Bombing Mission” (Final Fantasy VII)

Final Fantasy VIIA música da primeira missão de FFVII é bem conhecida, embora seja muitas vezes preterida por outros temas de popularidade ainda maior do jogo. Debutou no Tour de Japon, foi reprisada no More Friends e faz parte do repertório do Distant Worlds. Sou fascinado pela versão do Shiro Hamaguchi, e ainda não me cansei dela. Fica a dúvida de que forma a “Bombing Mission” aparecerá na suíte como é uma música de abertura – papel que presumo ser desempenhado pela “Prelude”.

[ATUALIZAÇÃO] Interessantemente, a parte “Opening” da música não será executada no Symphonic Fantasies, somente a “Bombing Mission”, apesar de ambas estarem juntas em uma mesma faixa na Final Fantasy VII OST. Na original “Opening ~ Bombing Mission”, a “Bombing Mission” inicia em 1:13.

“Clash on the Big Bridge” (Final Fantasy V)

Fina Fantasy VMorri. Alguém poderia explicar como uma das músicas mais criativas do Nobuo Uematsu jamais foi orquestrada? Vai me dizer que porque FFV é injustamente considerado um jogo inferior? O fato é que no Orchestral Game Concert 2 foram tocadas quatro faixas do jogo, mas não a “Clash on the Big Bridge”. No 20020220, mais uma, “Dear Friends”, nome que inspirou a turnê americana Dear Friends, e no Tour de Japon, outra, a “Ahead On Our Way”, que havia aparecido no OGC2, mas não a “Clash on the Big Bridge”. E revoltante é que a música poderia ser eleita para a turnê Distant Worlds, e o público acabou escolhendo a “J-E-N-O-V-A” (FFVII), mas não a “Clash on the Big Bridge”. Depois de tantas indas e vindas, enfim Jonne Valtonen será o responsável pelo famigerado arranjo sinfônico, agora sim, da “Clash on the Big Bridge”.

Na terça-feira que vem, no dia 1 de setembro, saberemos mais uma música de cada suíte, totalizando outras quatro. Todo o restante será surpresa.

[via Symphonic Fantasies]

“Chrono Trigger Medley” – Chrono Trigger (VGO Chamber Group @ IGC East)

Por Alexei Barros

Estava com saudade dos vídeos da Video Game Orchestra. Finalmente foram publicados novos, referentes à apresentação ocorrida no dia 8 de maio no evento IGC East (Independent Game Conference) no The Fenway Center. Esse espetáculo marcou o debute da VGO Chamber Group, um grupo reduzido que reúne os melhores musicistas da VGO, e executa arranjos diferentes da orquestra, mesmo porque não há metais e outros instrumentos.

Começo com o “Chrono Trigger Medley”. Apesar de todas as músicas da miscelânea já terem sido arranjadas profissionalmente, algumas anos atrás, outras há pouco tempo, pequenos detalhes deixam a performance criativa. As primeiras quatro faixas são levemente inspiradas na orquestração do “Chrono Trigger Medley ~ Orchestra Version” (que continua com outras músicas), mas aqui foi emendada no tema principal “Chrono Trigger” de maneira propícia e natural.

Na instrumentação, a principal diferença é o uso do baixo elétrico de Jon Kolar, que fez o acompanhamento em “Guardia Millenial Fair”, “Frog’s Theme” e “Chrono Trigger”, conferindo peso à performance ao tocar as linhas graves correspodentes das originais que costumeiramente são ignoradas nos arranjos sinfônicos. Aproveitando que a VGO utiliza baixo, aliás, não há música mais perfeita na trilha do Chrono Trigger para incluir em um medley do jogo que a “Secret of the Forest”.

Outra novidade são os sussurros nas pausas da “Guardia Millenial Fair”. Sussurros no plural, já que na original há uma espécie de grito somente durante o primeiro respiro – os integrantes da VGO murmuraram durante as outras duas interrupções também. Por fim, a “Chrono Trigger” ganhou uma leve inspiração jazzística no saxofone soprano de Zac Zinger.

“Chrono Trigger Medley”

“A Premonition” ~ “Guardia Millenial Fair” ~ “Wind Scene” ~ “Frog’s Theme” ~ “Chrono Trigger”

Os dois trailers de Dragon Ball Online – com músicas de Yuzo Koshiro

Por Alexei Barros

Não é novidade (assim espero) que o Hadouken e os MMOs são como água e óleo, mas sempre surgem motivações que me impelem a andar por territórios ainda não explorados.

Recentemente foi preconizado o segundo trailer do MMORPG Dragon Ball Online – por pura topeirice passei batido pelo primeiro –, e talvez poucos tenham se recordado, ou mesmo saibam, que o Yuzo Koshiro é o compositor desse jogo que sai em novembro de 2009 na Coreia do Sul.

Mais interessante é que em ambos se escutam as músicas limpas, ou seja, sem quaisquer efeitos sonoros como se poderia imaginar, para plena contemplação das obras-primas Koshirianas. O tema do primeiro é normal, nada de extraordinário, agora no segundo o tema sinfônico é um primor.


RSS

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: