Vergonha e decepção com Resident Evil 4

Por Gustavo Hitzschky

Resident Evil 4. Um dia exclusivo para GameCube – e a cabeça de Shinji Mikami ainda está mais ou menos no lugar. Como fã da série, demorei muito para jogar, basicamente por dois motivos. O primeiro é justamente a antiga exclusividade que o console da Nintendo possuía (não sou como mestre Pranda, não tenho todas as plataformas do mundo). O segundo é que, ao ver a mudança na perspectiva da cãmera e na jogabilidade, fiquei com quatro patas atrás. De alguma forma, não estava enganado. Infelizmente.

Foi assim. Comprei o Resident neste ano, pelo que recordo, e joguei aproximadamente uma hora e meia. Parei, não curti, encheu o saco, mas seria uma injustiça julgá-lo apenas por aqueles poucos momentos que passei com ele. A impressão inicial, entretanto, não havia sido nada positiva. Aquele não era mais um capítulo da franquia que conhecia.

O motivo pelo qual abandonei a jogatina depois de uma hora e meia e retomá-la somente agora é que fiquei completamente indignado com a quantidade de inimigos em cada tela e como era complicado tentar desviar deles. Claro, os Ganados não são tão cretinos como os zumbis. E por falar neles, os zumbis, a marca mais definida e forte de Resident, não estão presentes. É como Mario sem Goombas. Tudo bem, não sejamos tão fanáticos, perdoemos o deslize da Capcom. Mas vamos em frente.

Resident jamais se consagrou e angariou tantos seguidores ao longo dos anos por se caracterizar como um game de ação incessante. No entanto, não paramos de atirar no 4. Sério. Em alguns ambientes, cheguei a cogitar que os adversários eram infinitos, que não parariam de vir a não ser que saísse dali. E isso é chato. Odeio generalizar, mas abro aqui uma exceção. Resumindo RE4, diria que o objetivo do jogador é limpar a área em que se encontra, pegar uma chave que está com determinado oponente e abrir a porta para avançar. O jogo é isso. Puzzles? Ah, é um mundo acomodado, em que pensar, raciocinar e usar o cérebro é atividade ultrapassada, para seres de gerações antiquadas e saudosistas que insistem em não aderir às mudanças. Quebra-cabeças são artigos de luxo, raros, escassos e, quando presentes, ridículos. Não demoramos cinco minutos para solucioná-los. Afinal, é bem mais divertido resolver tudo na bala.

Inimigos mortos durante o jogo: 801 (OITOCENTOS E UM). Esta estatística é exibida depois da seqüência final. Somada toda a série, não se tem um número de adversários como o do 4. Ora, então por que não fazer de RE4 um game em primeira pessoa? O lance não é só matar alopradamente? Estaria aí um belo concorrente de Doom e Quake. A Capcom perdeu uma belíssima oportunidade.

Reclamavam da câmera e do controle de Resident Evil. A câmera piorou, o controle nem tanto. Piorou porque várias vezes a cabeçorra do Leon fica na sua frente e bloqueia a visão, obrigando o jogador a permanecer de lado se quiser olhar o que está ali. Não dá para ter uma noção ampla do que está ao redor, a perspectiva gruda no protagonista e é difícil mirar ao longe.

Estou falando, falando e tudo quanto é site e revista especializada deram notas altíssimas para o RE4. Nunca dei muita importância para a opinião dos ditos “especializados”, sempre preferi consultar os amigos no assunto videogames. Sensei Alexei já me alertava, antes de jogar o 4, que eu não iria curtir tanto assim, pois conhecia meus gostos e preferências. Estava certo. Vamos cair na conversa de que gosto não se discute, mas não me cabe darem avaliação máxima para essa porcaria, com o perdão do meu admitido exagero.

Fico pensando se a Capcom, por acaso, fez alguma pesquisa para saber o que os jogadores mais gostavam em Resident Evil e o que estava errado. Se tal levantamento foi realizado, o resultado deve ter sido o seguinte: o que mais se aprecia é matar inimigos, mas os zumbis são muito imbecis, então vamos colocar seres mais desenvolvidos. O que menos se aproveita são puzzles e a câmera, portanto vamos mudar isso. Não acho que a enquete existiu e até apostaria que as respostas não seriam essas. Por que será que mudaram tanto? Tentativa de apagar o vexame do abjeto Code: Veronica? Fôlego novo a uma série que demonstrava sinais de desgaste e cansaço? Cogitemos, apenas.

Passamos as mais de vinte horas (no meu caso, quase trinta) de jogatina matando. Só. Daí terminamos e destravamos os modos extras Separate Ways, Assignment Ada e The Mercenaries. E qual é o foco destes modos de jogo? Matar mais ainda, veja você a criatividade infindável da Capcom. Sinceramente, não agüentava mais, não via a hora de terminar o martírio.

Para não me acusarem de injusto, vão aqui alguns pontos bacanas. A ambientação é impecável. As três grandes áreas – o vilarejo, o castelo medieval e a ilha – são excelentes em termos de imersão e de transmitir uma sensação de medo como jamais se experimentou em toda a série. Ao lado da música, urros horrendos e ruídos esquisitos, o receio em tomar o próximo passo é constante, de fato. Combates contra chefes estão em bom número, e aí, pelo menos aí, há uma certa estratégia para eliminá-los em vez de disparar de forma tresloucada. O ponto alto da aventura, para mim, é a simples menção do nome Albert Wesker, que dispensa comentários para quem acompanha a franquia.

Sobre o enredo, prefiro não comentar tanto para evitar spoilers, se é que um game já mais ou menos veterano ainda exija tal zelo. O desenrolar é interessante, doses homeopáticas de informações que vão compondo o todo, mas, no fim das contas (licença poética aqui, mestre Pranda), o objetivo de Lord Saddler é dos mais clichês: acabar com a hegemonia dos Estados Unidos. Estava gostando até ter conhecimento disso, e depois a trama se tornou comum, mais uma. Acerca da linearidade, seria sacanagem criticar por conta disso, já que hoje em dia tenho a impressão de que praticamente tudo que jogo é linear. Melhor nem falar nada.

É duro escrever palavras amargas sobre uma série tão adorada por mim. Mas, precisamente por ser fã incondicional da franquia é que me vejo na obrigação de ser mais crítico do que os demais. Acredite, não queria ter tais sensações ao experimentar um capítulo de Resident Evil. O review-desabafo era necessário. Triste.

Por fim, um vídeo de uma versão de RE4 que estavam criando, mas desistiram, talvez por acharem parecida com as incursões anteriores. Por que não lançaram essa?

About these ads

45 Responses to “Vergonha e decepção com Resident Evil 4”


  1. 1 Giglio 14/07/2007 às 7:19 pm

    Zerei o primeiro no GameCube, não tinha jogado nada da série antes. Este, sim, eu venci a contragosto — estava achando chato demais. Reconheço a importância que teve pra firmar o gênero, mas acho o RE4 galáxias melhor em ambientação, jogabilidade e absolutamente tudo mais. Opiniões são como borboletas, claro…

  2. 2 Alexei Barros 14/07/2007 às 10:39 pm

    Certo. Apesar de não concordar com tudo, achei os comentários realmente válidos, com exceção de que a câmera piorou. Nos episódios anteriores, a visão fixa provocava situações enervantes. Por exemplo, quando você queria voltar para outro cenário e achava que não tinha ninguém atrás, mas na verdade apareciam dezenas de zumbis te agarrando. Fora isso, a cabeça do Leon não é tão grande assim a ponto de atrapalhar a visualização:p.

  3. 3 Fabio Bracht 15/07/2007 às 8:07 pm

    Deja vu? Eu fiz um post exatamente assim no 16-BIT há um tempo atrás. Só que eu não reclamei tanto quanto tu, já que não tinha essas exigências de fã da série. Também reclamei sem ter jogado extensivamente, tanto é que depois passei a gostar um pouco mais do jogo.

    Acho ele bem legal, pretendo jogar no Wii (já que só joguei uns 40% no PS2), mas ainda não consigo enxergar essa obra-prima que todo mundo parece ver.

  4. 4 Vinícius 15/07/2007 às 10:28 pm

    Se olhar pra RE4 pensando nos outros jogos da série vai achar ele uma porcaria mesmo. Foge totalmente do universo anterior, muitas mudanças no estilo e jogabilidade. É difícil olhar pra ele sem pensar nos outros jogos, difícil mas não impossível, quando consegui achei um belo jogo de ação. Joguei duas vezes e ainda quero jogar novamente, no dia em que tirar os consoles do armário. Hehe…

  5. 5 Volt 15/07/2007 às 11:10 pm

    RE4 é praticamente uma outra série, nada a ver com as outras versões, eu gostei muito, mas se realmente quisessem um RE old-school a decepção seria tremenda, que acho que foi mais ou menos o seu caso

  6. 6 Gustavo Oliveira 16/07/2007 às 12:26 pm

    Sinceramente?

    RE4 decepcionou pouquíssimas pessoas, e claro que meu amigo Hitzschky, em toda a sua sabedoria (afinal somos todos Gustavos, certo?) falou e disse. Afinal, pensei que só eu não tivesse gostado muito do jogo.
    Concordo 90% com o texto. Não acho a câmera nem um pouco ruim, mas claro que isso é uma opinião minha.
    Até acho que se a pessoa que estiver jogando desvencilhar a imagem de resident evil anteriores ao tão aclamado RE4, terá um bom jogo de ação. Só temos um problema: Não tem como desvencilhar a imagem do jogo. É o Leon que está em nossa tela, atirando e fugindo de seres… que seres são aqueles?

    O vírus/bactéria/parasita “las plagas” realmente não me convenceu, um enredo xoxo com flashes de jogos anteriores, meras citações. Pelo menos o jogo continua desempenhando o principal: deixar o jogador tenso. Os ambientes escuros, os BILHÕES de inimigos e os barulhos que eles fazem, conseguem desestabilizar qualquer sistema nervoso. Principalmente os barulhos de serra elétrica.

    Enfim, Resident Evil 4, não é um péssimo jogo como disse Hitzschky, mas mancha o nome da série.

  7. 7 Rodrigo 16/07/2007 às 4:44 pm

    Comprei o RE4 para wii e estou esperando ele chegar via correio.
    Aí me deparo com este texto.

    Como eu gastei uma boa grana nele, espero que estejas imensamente errado ;P

  8. 8 Gustavo Hitzschky 16/07/2007 às 6:40 pm

    Poxa, curioso encontrar outras pessoas que de fato não curtiram tanto o jogo assim como eu. Fabito, me lembro do seu post perfeitamente, e quando li já tinha jogado um pouco de RE4. Pensei que meu texto seria bem na linha do seu. Meu xará Oliveira foi perfeito nos comentários, nádegas a acrescentar. Rodrigo, fique tranqüilo, você terá um bom jogo em mãos, mas, como bem disse o Oliveira, não espere que ele seja como os anteriores da série, infelizmente.

  9. 9 Gustavo Oliveira 17/07/2007 às 2:19 pm

    Opa, Valeu.

    hehehe

    Muito arigatô

  10. 10 Gustavo Oliveira 17/07/2007 às 3:04 pm

    Ah,
    e tem mais.

    Chega de tanto Gustavo.
    No AUDIOGAME eu já tenho o problema de escrever um texto e o pessoal achar que foi o GUS quem escreveu.

  11. 11 Lucas Patricio 18/07/2007 às 12:27 am

    Eu ia comentar que no blog do Bracht ele tinha dito (quase) as mesmas coisas…

    Eu também sou mega fã da série, mas para poder jogar RE4 e aproveitar, é preciso esquecer suas raizes…Porque muito pouco da série original foi aproveitada. Uma das poucas coisas que se manteve, foi o sistema (horrivel) de trocar arma no pause…

    Mas no geral o game é bem bacana, pena que o enredo é MUIIITOO fraco mesmo…Mas como eu disse no 16-Bit: No geral, o jogo vale a pena ser jogado…É o que eu acho…

  12. 12 Claudio Prandoni 22/07/2007 às 12:54 pm

    Como de praxis, mestre Hitzman é de uma eloqüência impressionante em críticas e argumentações. Mas confesso que boa parte da validade delas é em decorrência dos gostos pessoais do mestre. Assim como o Alexei, também achei que Hitzman não curtiria muito o RE4 por conta de fugir demais das raízes da série.

    Comigo aconteceu ao contrário. Nunca consegui engolir direito a mecânica de jogo do RE1. Tanto que comecei a jogá-lo no PSone e só consegui terminá-lo anos depois no remake de GC. Ainda assim, só encarei o primeiro episódio – e posteriormente também o Zero – após jogar o RE4 e terminá-lo umas duas vezes.

    Um comentário geral da galera aí em cima que é bem pertinente é de que como jogo de ação RE4 é sensacional – digno da aclamação generalizada que tem recebido/recebeu. Contudo, como capítulo da série fica devendo em certos aspectos mesmo.

  13. 13 leon scot kennedy 22/07/2007 às 9:59 pm

    quem falar de mim de novo vai levar um tiro de minha MAGNUM.50.:p

  14. 15 Giglio 26/07/2007 às 11:01 pm

    Foi mal, mas quem não ficou tenso com chuva pesada, refém a tiracolo e hordas de camponeses com tochas e objetos afiados na mão tá na onda que não querer gostar de RE4. Pronto, falei.

  15. 16 alexandre 30/07/2007 às 2:04 am

    Também não gostei do jogo. Por vezes, tive a sensação de que estava jogando Tomb Raider; como a cena em que o personagem atravessa um corredor se desviando das lâminas penduradas no teto como pêndulos. Patético. RE4 só se salva mesmo no quesito jogabilidade, que a mim surpreendeu bastante. Parabéns pelo blog!

  16. 17 Bicho do Mato 31/07/2007 às 5:35 pm

    Não era para ser um total espanto o fato da serie se tornar uma aventura, Devil My Cry foi uma sobra genetica de Residente, e se não me engano Onimusha.
    O jogo ficou muito pior, se Tyrant e Nemesis (RE1 e RE3) se unissem, ainda assim não seriam pareo para Leon.

  17. 18 claudio 20/08/2007 às 6:09 pm

    apos o primeiro portao a tela fica embassada só da para enxergar a mira lazer da arma podem me ajudar? mandem resposta para meu e-mail claudio-caldas@hotmail.com

  18. 19 claudio 20/08/2007 às 6:11 pm

    ha o jogo é resident evil 4 para pc apos o primeiro portao a tela fica embassada não da para enxergar nada me ajudem respostas para meu e-mail claudio-caldas@hotmail.com

  19. 20 Sean Masters 03/09/2007 às 12:03 pm

    Sinto muito, mas discordo imensamente do seu texto. Claro que o jogo mudou o foco, mas acho isso hoje em dia extremamente normal. Vários jogos saíram da mesmice que eram e se tornaram mais “paulera”, vide Prince Persia, Zelda Twiligth Princess e Tomb Raider. A Capcom não vai mais produzir Resident Evil em seu foco antigo, vide a versão zero, exclusiva (esta sim) para Game Cube: É um jogo n estilo do 1, mas que não vendeu muita coisa. As empresas procuram sempre inovar e tornar divertido é claro… Mas a questão “este dá dinheiro” é sempre mais elevada. Eu acho que o melhor que um bom jogador faz ao jogar RE4 é esquecer dos jogos anteriores e deixar de fazer comparações. Comparar Resident Evil 1 com o 4 é tão desajustado como comparar Super mario Bros com Super mario 64.

  20. 21 GORKY 26/09/2007 às 10:16 pm

    VCS SAO TODOS UM BANDO DE PATOS ESTE JOGO E MASSSA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    HAHAHAHAHA…. SE QUER FACIL VAI PESCAR

  21. 22 **GORKY** 29/09/2007 às 1:56 pm

    SEUS PATOS SAO TODOS UMS MERDINHAS QUASE TRINTA HORAS PARA ZERAR UM JOGO Q FOI E REVOLUÇAO DO PS2!!!
    HAHAHAHAHA!!!! EU GASTEI EXATAMENTE 5H E 39MINUTOS!!!!
    SOBRE A CAMARA MELHOR IMPOSSIVEL EU ACHO Q NUM ERA A CABEÇA DO LEON Q ATRAPALHAVA E SIM SEU NARIZ!!!!HAHAHAHA!!!
    SE QUER FACILIDADE VAI FAZER “””BALE”””!!!!!!!!!
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAA1!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  22. 23 Chicão do Açougue 16/11/2007 às 9:14 pm

    É…talvez seja o nariz mesmo hahaha!
    Agora sem brincadeiras.
    Não sei como alguém pode levar esse texto a sério, depois de o autor dizer que “enjoou” após 1h e 30 mins de jogo.
    Acho que você nem devia ter se dado ao trabalho de terminar o jogo, jogou de extrema má vontade e apenas com o intuito de detonar esse belo jogo.
    São exatamente como fãs lunáticos do Final Fantasy VII, que deixam a paixão falar mais alto.

    Os movimentos de câmera melhoraram bastante, e até para quem não tem muita familiaridade, pode logo se acostumar com ela (menos no computador, aonde se usa o shift ou um mouse extremamente sensivel ao toque).

    Todos os fãs de Resident sentiram falta dos Zumbis que é a marca registrada do jogo, porém, os “Ganados” não fazem feio, ainda mais com cenários maravilhosos como aquele, onde chuva pesada e florestas macabras dão um toque de mestre ao jogo.
    É como disse nosso amigo Giglio, só com muita má vontade pra não gostar.

    Talvez não tenha tanta “classe” como o rapaz que escreveu o texto, que apesar da total parcialidade ficou bem escrito.
    O que eu queria dizer é o seguinte: É questão de opinião gostar do jogo ou não, mas ser um fanático maluco e escrever uma merda dessa dum jogo bem feito?!Quem pensa que é?CARLOS BOÇA?GHAHAHAHAHAH!

    Quem ainda não jogou e leu esta incrivel resenha com palavras de “dificí cumprienção” , não se assuste , se você não for um lunático apaixonado pela mesmice pode gostar bastante do jogo.

  23. 24 supernaut 16/03/2008 às 6:49 pm

    Concordo com você. Fugiram muito ao estilo do que era o Resident Evil originalmente. Criaram um outro jogo completamente diferente e simplesmente usaram o nome “Resident Evil”.

    Não concordo com tudo que você disse, mas a história foi essa mesmo…

  24. 25 rodrigo 20/07/2008 às 10:58 am

    são todos filha da p;;;.;.;/;m,
    é o melhor jogo do mundo.
    os anteriores que são um lixo,com a quela camera loka de desgraçada.
    quem falo que deu final em 30 horas?ha,ha,ha
    voce nem conhece o jogo seus b./.ç\~!!!!

  25. 26 rodrigo 20/07/2008 às 11:07 am

    resident evil é um jogo perfeito!,jogabilidade,camera,graficos,enredo tudo magnifico.
    ele é viciante,intrigante,estrondoso!!!
    há ,eu já dei final com leon umas 20 vezes e desafio alguem a dar final mais rapido que eu
    [cheguei ao final com 6 horas de jogo]
    SEIS HORAS seus panacas!!!

  26. 27 gringo mem 20/07/2008 às 6:56 pm

    resident evil 4 pode ter alguns pontos meio fracos como o enredo e muita repetição de personagens ,mas falando abertamente ,voces estão todos enganados!o jogo é inacreditavel nem comparado com os anteriores e é um classico que será marcado para sempre .

  27. 28 hyperiongames 12/03/2009 às 11:53 am

    Vou ser sincero: Gostei de Resident Evil 4 porem quando jogo ele não sinto que ele seja mesmo um RE. Por mais cliche que pareça a Umbrela e os zumbis fazem uma falta danada.
    Como fã da serie RE4 está entre meus preferidos assim como RE5 que começei a jogar ontem vejo estes episodios como “aparte” apesar de serem ligados com a cronologia oficial da serie.
    Mais como diria o grande Koema-Sama “Fazer o que”…
    PS: Resident Evil 2 ainda é o melhor

  28. 29 DemoniO_666 09/09/2009 às 1:32 am

    RE4 não fala de uma empresa que contaminou uma cidade e precisa de combatentes, mais sim fala de um agente do governo que foi enviado a uma cidade da espanha para salvar a filha do presidentedos EUA. RE4 foi feito para mostrar abilidades de personagens como Leon e Ada.Que agora estão mais amadurecidos desdo RE2.Se for considerar com um episodio “a parte”, por mim foi considerado muito bom,RE nunca mais sera o mesmo pois esse é o resultado da evolução das plataformas e dos graficos.Achei muito bom o modo Assignment Ada,pois explica todo enredo que é quase indesifravel jogando com Leon pela primeira vez. Mais em fim…todos tem sua opinião e devem ser respeitadas. *(L)*Resident Evil*(L)*

  29. 30 DemoniO_666 09/09/2009 às 7:25 am

    fazendo uma correção,eu quis citar o modo Separate Ways xD

  30. 31 Helton 25/10/2009 às 10:25 am

    Kra eu tambem zerei em 6 horas sem morrer.ta certo q o jogo saiu um pouco do que é resident mas o q teria para fazer no games seguintes.Racoon city ja foi pro pal e todos os zumbis ja dançaram é preciso inovar e estar em lugares diferentes com novo inimigos.Em relaçao a jogar é preciso ser louco pra jogar 1 h 30m de um jogo q nao c gosta eu jogo nem 5m e ja paro quando nao gosto.Eu respeito sua opiniao mas c tratando do q ocorreu nos games anteriores nao tinha muito o q fazer.

  31. 32 Mrkinhoz 21/01/2010 às 11:13 pm

    Resident Evil 4 foi o único que consegui zerar em menos de 1 semana, os outros nunca consigo pelo tempo que tenho. Me decepcionou muito.

  32. 34 El Borra 25/01/2010 às 1:34 pm

    RE4 eh um excelente jogo, acho q o povo n gostou pq “mudou” o jeito… mas se n fosse RE seria um excelente jogo

  33. 35 knight 15/02/2010 às 12:29 am

    cara eu acho q mudaram de enredo muito bruscamente eles poderiam ter amenizado um poucoter tambem poderiam ter colocado pluzzes mais dificeis ate um bebe resolve os do re4. re deixou de ser um survive horror e virou um jogo de açao e alias mortos-vivos tem q ser burros e lerdos pq estao meio mortos so os extinstos os controlam!

  34. 36 Khoe 22/03/2010 às 12:23 am

    Afff…o q vcs qeriam?que resident ficasse na mesmice de sempre pra sempre,uma hora o jogo teria q evoluir,pra min nao podia ter evoluido melhor,é claro ele nao é perfeito,mas é sensacional.

  35. 38 Rhenan 09/11/2010 às 12:45 pm

    Apesar de chefes legais, ambientação bem construída e gráficos ótimos para a época, RE4 não me ganhou.
    Leon é um heroizinho esnobe e todo o apelo hollywoodiano me entristeceu demais. Lord Saddler fala com Leon no comunicador e ambos soltam frases clichês e piadinhas ridículas, isso sem mencionar a seqüência final do Jet-Ski, que me deixou puto de ódio. Sério, que merda eles estavam pensando?! Depois de todo aquele terror, mutilações, chutes no boga e Ganados correndo atrás de você com serras elétricas e dinamites… LEON E A FILHA DO PRESIDENTE FOGEM EM UM JET-SKI E A MENINA AINDA DÁ EM CIMA DO LEON!?
    Parece um filme do Michael Bay!


  1. 1 A menina, o cachorro e os alquimistas « Hadouken Trackback em 05/09/2007 às 1:21 am
  2. 2 Hadouken Trackback em 25/12/2007 às 2:24 am
  3. 3 A vivacidade do espaço morto « Hadouken Trackback em 26/10/2008 às 6:04 pm
  4. 4 “Wind Garden” – Super Mario Galaxy (Zach Sershon) « Hadouken Trackback em 12/01/2009 às 9:35 pm
  5. 5 Blogs x mídia impressa: em quem confiar? « Hadouken Trackback em 18/07/2009 às 3:34 am
  6. 6 Promissor desastre iminente « Hadouken Trackback em 23/10/2010 às 12:35 am
  7. 7 Escalpe Hadouken 2010 « Hadouken Trackback em 31/12/2010 às 1:12 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr bannerlateral_consolesonoro bannerlateral_zeebobrasil bannerlateral_snk-neofighters brawlalliance_banner_copy
hadoukeninenglish hadoukenenespanol hadoukenenfrancais hadoukeninitaliano hadoukenindeutscher hadoukenjapones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.513 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: