Textos categorizados 'Yuzo Koshiro'

O ineditismo da X’mas Collections II: Yuzo Koshiro arranja Nobuo Uematsu


Por Alexei Barros

Neste longo período sem atualizações, uma das coisas que passei batido – e jamais poderia – é o lançamento do álbum X’mas Collections II music from Square Enix em novembro de 2013 – a data dá uma amostra de quanto essa notícia é velha. Geralmente, confesso, não costumo ficar ansioso ou dar muita atenção para esse tipo de coletânea, como foi o caso da que veio antes dessa, que saiu em novembro de 2010. Seria o caso de ignorar se não fosse pelo fato de o CD ter… Uma música do Final Fantasy arranjada pelo Yuzo Koshiro!

Trata-se de algo completamente inédito na carreira do compositor, que, não faz muito tempo arranjou o tema de Zelda do Koji Kondo para o Super Smash Bros. Brawl e para o Press Start. Agora, a combinação Yuzo Koshiro e Final Fantasy nunca aconteceu, assim como Yuzo Koshiro e Nobuo Uematsu.

Foi um acontecimento tão raro que na ocasião o site 4gamer.net entrevistou o Koshirão para falar especialmente sobre esse arranjo. Mesmo via Google Translator deu para entender algumas coisas bastante interessantes. O pedido partiu da Square Enix, e o Yuzo Koshiro teve liberdade de escolher qual música quisesse – ele selecionou o tema da “Rydia” do Final Fantasy IV. O compositor disse que na época não estava jogando muitos RPGs, porque em 1991 ele estava se dedicando às lutas de Street Fighter II nas casas de arcade. Mas a informação mais reveladora da entrevista é que, pelo que entendi, o Nobuo Uematsu disse para o Yuzo Koshiro que tentou recriar o som do ActRaiser na trilha do Final Fantasy IV.  Ambos os jogos saíram no início da vida do Super Nintendo – e que início de console.

Na entrevista, o Koshirão compartilha mais detalhes do arranjo, mas foi algo que foi além da minha compreensão e das capacidades do Google Translator. Mas, pelos créditos do encarte, é possível constatar que, em vez de fazer algo totalmente sintetizado como era mais comum em sua carreira, o Yuzo Koshiro utilizou a performance de violino e clarinete reais.  O restante é simulado (e nisso incluo a orquestra e até uns timbes de coral), que se passam muito bem por reais. Em quase 5 minutos, o tema da conjuradora de monstros é desenvolvido muito bem, fazendo a sublimidade do arranjo atingir níveis estratosféricos.

Ouça, enfim:

“Rydia / X’mas Edit”

[via 4Gamer.net]

Omega Catastrophe: o melhor álbum de fãs com músicas da Sega já lançado

Omega Catastrophe
Por Alexei Barros

Você sabe, há tempos bato na tecla de que as bandas de fãs japonesas são melhores que as ocidentais. Com o passar dos tempos, essa tecla ficou amarelada, empoeirada e engordurada. Mesmo completamente imunda, volto a repetir: as bandas de fãs japonesas são melhores que as ocidentais. Agora há mais um álbum para mostrar essa discrepância. Omega Catastrophe, que traz algo incomum no meio doujin: músicas da Sega.

Japonês que é japonês costuma ser nintendista. Sem se delongar muito com explicações, como já falei no post anterior sobre o concerto de Phantasy Star, o Sega Mark III (como o Master System ficou lá conhecido) perdeu feio para o Famicom e, na geração seguinte, o Mega Drive acabou ficando atrás até do PC Engine. Ironicamente, o Saturn se deu bem no Japão, mas talvez já fosse tarde demais. Isso sem contar os arcades da Sega sob a liderança magistral do Yu Suzuki, é claro, máquinas de grande sucesso no arquipélago japonês. Não quero dizer que o Japão não gosta da Sega, não é isso, só que, em linhas gerais, a maioria dos álbuns doujin pega músicas da Squaresoft e jogos da Nintendo, ficando atrás somente do fenômeno Touhou Project.

Fora desses padrões temos o Omega Catastrophe, mais um álbum do selo doujin Dangerous Mezashi Cat. Eu já os conhecia desde o CD Megalomania (com músicas do Mega Man), imaginando que fosse uma obra única. Quando fui ver eles já tinham lançado mais de uma dezena de discos. Dos que ouvi, todos são recomendadíssimos pelos arranjos focados na guitarra (com um timbre afiado) que se fazem passar por profissionais, coisa que raramente ou quase nunca acontece com bandas ocidentais. Na minha torpe opinião, evidentemente. Apesar de o trabalho doujin ser quase inexistente nas homenagens à Sega, há boas referências profissionais: S.S.T. Band e [H.]. O que é mais incrível: falando como fã das duas, afirmo sem medo que em alguns momentos os arranjos conseguem suplantar versões que considerava imbatíveis. Sério, seriíssimo. Os arranjos, aliás, são feitos por diferentes nomes desconhecidos neste lado do mundo, e há somente um guitarrista que atende pela alcunha Namihei.

O foco do Omega Catastrophe é de jogos de Mega Drive e não apenas títulos da Sega como veremos a seguir. Só não encare isso como uma obra que procura arranjar os maiores medalhões do 16-bit da Sega porque há algumas ausências fortes, como as séries Sonic, Golden Axe, Streets of Rage, Shining Force e por aí vai.

Depois do Hadouken, minha visita por todas as faixas, algumas de maneira mais sucinta que o normal.
Continuar lendo ‘Omega Catastrophe: o melhor álbum de fãs com músicas da Sega já lançado’

“Keep the groovin’ (Round 4)” – Streets of Rage (Happy Fun Time Game Band)

Por Alexei Barros

Encontrar performances decentes de Streets of Rage pode ser uma tarefa extremamente difícil – mais difícil até do que a Sega lançar um novo jogo da série. Por algum motivo que estou para descobrir, a trilogia de pancadaria urbana da Sega não está entre os preferidos dos japoneses nos arranjos amadores, diminuindo a chance de vir à tona uma versão verdadeiramente apreciável. Mas, do ocidente mesmo, da Grã-Bretanha, eis que surge para surpreender a Happy Fun Time Game Band.

Vendo a banda tocar a “Keep the groovin’ (Round 4)”, aumenta ainda mais a dúvida a respeito da escassez de arranjos de Streets of Rage; os timbres que o Yuzo Koshiro utilizou de fato buscam imitar instrumentos reais de uma banda. Para quem sabe e manja, é muito fácil: bastava tirar de ouvido e separar os instrumentos. E é isso que a Happy Fun Time Game Band deve ter feito, porque ela se limitou a executar a música ao vivo, com a adição de solos ocasionais.

Além da bateria e baixo elétrico muito bons, a versão do grupo conta também com bongôs, teclado e saxofone (esses dois últimos tocados pela mesma pessoa; que maravilhas que a edição não faz). Meu único senão é o sax; não sei se pela mixagem ou sabe se lá por qual motivo, as intervenções desse instrumento ficaram, para mim, meio fake – se eu não visse o musicista, talvez nem acreditasse que era de verdade –, a ponto de preferir que o próprio teclado reproduzisse os trechos correspondentes. Tirando isso, é uma performance acima da média e ganha pontos extras pela escolha do jogo.

Se você gostou, é possível baixar no formato WAV essa performance no SoundCloud.

Agradecimentos ao Cledson pela valiosa dica.

Press Start 2012 anunciado; supremacia portátil na primeira meia-dúzia de seleções

Por Alexei Barros

Vem ano, passa ano e chega essa época temos o quê? Anúncio de uma nova edição da série japonesa de concertos Press Start. Em 2012, isso aconteceu mais de um mês atrás, mas venho reparar essa falta. Para não ficar um post muito grande com todos os números do programa anunciados até agora, vou respeitar a ordem de atualizações em posts avulsos.

Como em 2011, serão três apresentações. As duas primeiras vão ocorrer em Tóquio no Bunkamura Orchard Hall dia 23 de setembro, às 14h00 e 18h30 locais, ambas com Taizo Takemoto na regência da Tokyo Philharmonic Orchestra. A última vai ser bem depois, dia 10 de novembro, em Nagoya, no Chukyo University Civic Center Cultural Hall. Takemoto voltará à condução, regendo a Nagoya Philharmonic Orchestra.

Como sempre há jogos japoneses recentes no programa, e a primeira rodada de atualizações serve quase como um parâmetro de tendências da indústria nipônica de games: quatro dos seis selecionados são de títulos para portáteis.

- “Save the Princess Famicom Medley”

Diria que a equipe organizadora do Press Start já foi mais criativa nas temáticas dos medleys – gostava especialmente dos que agrupavam jogos por gêneros ou produtoras. Neste segmento, a intenção é reunir músicas de jogos do Famicom que tenham o mote de salvar a princesa. Seria leviano dizer que são todos daquela saudosa geração dos 8-bit ou a maioria, mas, sem forçar a memória, dá para lembrar uma infinidade. Entre os títulos, temos “surpresas”, como Super Mario Bros. e The Legend of Zelda. Sinceramente, consegui compreender pouca coisa aproveitável do texto de revelação do Kazushige Nojima. A única informação, talvez não tão interessante assim, é que alguns desses jogos são conversões de arcades da época.

- Kid Icarus: Uprising: “Chapter 12: Wrath of the Reset Bomb”

Kid Icarus, o original de NES, foi tocado no bis em 2011, uma lembrança em virtude da iminência do lançamento de Kid Icarus: Uprising. O jogo do Nintendo 3DS veio, tirou 40/40 na Famitsu, a desenvolvedora Project Sora acabou e a trilha sonora é formidável. Não poderia ser diferente, considerando os envolvidos. Só a nata: Noriyuki Iwadare, Motoi Sakuraba, Masafumi Takada, Yasunori Mitsuda e Yuzo Koshiro. Dentre tantas músicas magistrais, a escolhida é assinada por este último, o Koshirão para os mais íntimos. A “Chapter 12: Wrath of the Reset Bomb” já é orquestrada por natureza e valerá a experiência para quem estiver lá in loco mesmo. Pelo pouco que entendi no texto do Masahiro Sakurai, a mente por trás do Uprising, ele enalteceu o fato de que a música muda de pegada ao longo das viagens aéreas. Para representar isso, a faixa selecionada não poderia ser melhor, porque parece que são umas cinco músicas em uma tamanha a variação de motivos na mesma peça. Confesso que, das que me recordo, a “Chapter 15: Mysterious Invaders”, também do Koshiro, foi a que mais me impressionou, mas poderia perder graça ao vivo sem os efeitos eletrônicos.

- Gravity Rush

Conhecido por Gravity Daze no Japão, o jogo do PS Vita acabou empolgando tanto o Shogo Sakai que ele quase se esqueceu de falar da trilha sonora no texto do anúncio. Como nenhuma música foi citada especificamente, tudo leva a crer que será um medley. O autor, Kouhei Tanaka, é pródigo em fazer faixas que misturam orquestra e banda não só em jogos (as trilhas da série Alundra são dele), como também em animes e tokusatsus. Inclusive ele é o compositor do Flashman, e a espetacular “Star Condor, Take off!!” mostra bem isso o que comentei da mescla de instrumentos. O número do Gravity Daze promete. Faixas boas não faltam: a faixa-título “Gravity Daze” (bela virada com a entrada da bateria), “Clearly Dangerous” (guitarras em destaque… e o que é aquele saxofone rouco?), “Trump Card” (a pompa, a glória), entre outras. O jogo inclusive já foi tocado no Video Games Unplugged: Symphony of Legends.

- God Eater: “God and Man Vocal Ver.”

Curioso esse jogo só aparecer agora, sendo que, no Japão, foi lançado em 2010. Apesar de não considerar a obra-prima do talentoso compositor Go Shiina, é uma boa escolha. Embora eu ache que seleção melhor, depois do Tales of Legendia, seria o Mr. Driller Drill Land. Mas uma coisa de cada vez. A canção escolhida é a maravilhosa “God and Man Vocal Ver.”, interpretada pela australiana Donna Burke, que havia cantado a “Heaven’s Divide” (MGS: Peace Walker) no Press Start 2010. De acordo com Masahiro Sakurai, a música foi usada em comerciais e até foi nomeada na categoria “Melhor canção original de videogame” no Music Award Hollywood 2010. Isso pode ser considerado uma façanha para uma composição japonesa, visto que esse tipo de premiação ocidental ignora o oriente, como se, atualmente, apenas compositores americanos e europeus fossem bons.

- The Legend of Zelda: Skyward Sword: “Skyward Sword Main Theme”

De novo Zelda, mas, pela primeira vez, Skyward Sword. Ainda na onda dos 25 anos da série comemorados no The Legend of Zelda 25th Anniversary Symphony, o Press Start 2012 vai mostrar a “Skyward Sword Main Theme” (aquela do trailer, da Zelda’s Lullaby ao contrário), executada como bis no concerto comemorativo. O maestro Taizo Takemoto, que assinou a revelação, foi quem regeu inclusive a apresentação no Japão da turnê. Muito legal isso tudo, só não entendo por quê, falando da Nintendo, a resistência às músicas de Metroid e Donkey Kong.

- Nora to Toki no Koubou: Kiri no Mori no Majo

Assim como o Super Nintendo, o DS possui uma safra gigante de J-RPGs nunca lançados no ocidente, o que também ajuda a criar a sensação nesta geração de que há uma escassez desse gênero que foi tão prolífico no PlayStation. Lançado em 2011, Noora to Toki no Koubou: Kiri no Mori no Majo é um RPG da Atlus o qual nunca tinha ouvido falar antes do Press Start 2012, mesmo constatando que a trilha sonora é criada pela Michiko Naruke, a compositora principal da série Wild Arms. As faixas têm estilo celta e, sabendo você que não me embeveço tanto com esse tipo de música (claro, sempre há exceções), ouvi a OST inteira, mas não arriscaria apontar uma que se destaque. Tá bom, uma vai: “Everyday Lifestyle”. Pela paz e serenidade, fica no ar um clima bem pastoral, do campo. Uma novidade? Não entendi o que o Shogo Sakai disse no site. De todo modo, foi uma boa seleção para dar variedade ao programa.

[via PRESS START]

Fúria de Streets of Rage reacende em coletânea


Por Alexei Barros

Duvide da Sega. Mas nunca da Wave Master. Em mais uma iniciativa que contradiz a situação errante da produtora japonesa, a publicadora WM vai lançar uma daquelas coletâneas que deixam os seguistas malucos, dispostos a comer qualquer frango que encontrarem no chão: Bare Knuckle Original Soundtrack, simplesmente um álbum de quatro CDs da série Streets of Rage que vai chegar ao varejo japonês em 27 de junho.

Não parece nada de mais se considerarmos que cada trilha sonora da trilogia foi lançada separadamente nos anos 1990 – Bare Knuckle, Bare Knuckle II e Bare Knuckle III – e as três saíram na Yuzo Koshiro Best Collection Vol. 2 em 2007 com o acréscimo de nove faixas do Streets of Rage 3 não publicadas anteriormente em CD.

Acontece que por algum mistério da natureza, as músicas do Streets of Rage 1 e 2 nesses álbuns não correspondem exatamente às faixas escutadas no Mega Drive. São, na verdade, da placa de som Sound Board II do computador japonês da NEC PC-8801, mesmo que o sistema jamais tenha recebido iterações da série. Os ouvidos mais atentos vão reparar que a mixagem das músicas nos álbuns é estranha – compare a “Dreamer” do CD com a “Dreamer” do jogo. Curiosamente, a trilha do Streets of Rage 3 lançada em CD equivale de fato à original do console de 16-bit da Sega.

O que vai acontecer na vindoura coletânea: as trilhas equivalentes do Mega Drive serão remasterizadas – a primeira composta pelo Yuzo Koshiro e as das continuações em uma parceria dele com o Motohiro Kawashima. Pela primeira vez também serão vendidas em CD as trilhas do Streets of Rage 1 e 2 das versões de Game Gear. Sei que ambos tiveram adaptações para Master System, mas, se não estou falando nenhuma besteira, as músicas são praticamente idênticas pela similaridade de hardware dos dois aparelhos 8-bit (coteje um com outro). Por fim, a compilação inclui ainda aquele “Legend Mix” que emenda 12 faixas da trilogia em um arranjo ininterrupto de 45 minutos que tinha sido disponibilizado para download no site do Koshirão uma época (lá pra 2004) e foi apresentado ao vivo no Game Music Club Event.

Para ficar perfeito, eu queria pelo menos um arranjozinho que fosse da [H.], lembrando que a banda da Sega já releu músicas do Yuzo Koshiro do Etrian Odyssey I e II no Sekaiju no MeiQ Super Arrange Version e Sekaiju no MeiQ² *shoou no seihai* Super Arrange Version, respectivamente. Mas isso só sonhando mesmo.

Agradeço ao furioso Rafael Fernandes por me alertar a discrepância de sonoridade das músicas dos CDs e dos jogos.

[via ebten]

As sinfonias sintetizadas que quase enganam

Por Alexei Barros

Eu sempre tive certa repulsa às músicas sintetizadas que emulam orquestras pelo artificialismo dos timbres. Apenas um Yuzo Koshiro – e olhe lá – consegue utilizar timbres verdadeiramente convincentes que deixam na dúvida se a gravação foi reproduzida por dezenas de instrumentistas ou simulada por computador – dúvida que é elucidada, na medida do possível, ao ver créditos ou não dos musicistas no encarte ou no próprio jogo.

Mas mudo meu conceito neste post. Nesse terreno de diversidade de conteúdo que é o YouTube, há arranjadores amadores, se é que já não viraram profissionais, que mostraram a excelência de versões sinfônicas sintetizadas. Se não nos enganam por completo, matam a avidez por arranjos de músicas que dificilmente entrariam em concertos. E, caso fossem escolhidas, demorariam muito pela natureza obscura de alguns jogos.

Em vez de redigir um post para cada arranjo, preferi concentrar todos os interessantes que encontrei em um, porque, apesar de tudo, uma versão sintetizada não tem o mesmo peso de uma verdadeira. Mas nada impede que, se surgirem outras, eu faça um post no estilo daquela série Músicas que não faltam… ah, deixa pra lá.

Alex Kidd in Miracle World – “Alex Kidd (Main Theme)”

Alex Kidd é um jogo meio ingrato para aparecer em concertos, porque é o tipo de título antigo que apareceria no Press Start, isso se o Master System não fosse uma pulga perto do colosso Famicom no Japão.

Blake Robinson, nome que você lerá muitas vezes neste post, fez uma versão bem curta do tema principal imitando uma orquestra. Só que ele não se deu por feliz e colocou um coro de crianças virtual. Combinou perfeitamente.

DuckTales – “The Moon”

“The Moon” é uma das faixas mais incríveis não só do NES, não só da Capcom, de toda a geração inteira 8-bit. Mas quem mandou fazer uma música tão boa em um jogo licenciado? Isso talvez poderia trazer alguma dificuldade na hora de a composição entrar em um concerto… ou não.

A vontade de ouvir a “The Moon” orquestrada é tanta que existem cerca de cinco ou seis arranjos orquestrais diferentes, mas, até que me convençam o contrário, este é o melhor de todos, com um bom jogo de pizzicatos edulcorados por um piano incidental.

Golden Axe II – “Boss (Stage 1-3)”

Ouvi antes o arranjo e fiquei espantado como, orquestrada, a música ganhou uma nova dimensão. A escolha dos metais para reproduzir a melodia é adequada, e é incrível que os trompetes simulados soem tão bem.

Mario Paint – “BGM 1″

Se nem todos os jogos da série principal do Mario foram lembrados nos concertos, o que dirá os títulos de outros gêneros que levam a assinatura bigoduda. Mario Paint é um desses e, convenhamos, com Hirokazu Tanaka envolvido na composição, não tem por que dar errado um arranjo desse tipo. Ah, se o Orchestral Game Concert tivesse mais dez edições…

Mario Party – “The Stolen Star”

Mario Party nem é, a meu ver, o jogo do Mario não canônico de maior expressão, mas tem algo interessante na composição na autoria desta trilha: é do Yasunori Mitsuda. O dia em que fizerem um concerto de tributo a ele, um arranjo competente como este daria uma bela variada em meio aos Chronos e Xenos.

Metal Gear: “Operation Intrude N313″ ~ “Theme of Tara” ~ “Red Alert”

Com toda a fama da vertente Solid, muitos podem estranhar que existe vida na série Metal Gear antes de 1998. E mais: que há músicas boas dos primeiros jogos da era MSX2. Este arranjo consegue transmitir a tensão e o nervosismo da missão de Snake, em uma tradução muito fiel para orquestra sintetizada das faixas originais. O autor do feito é o brasileiro André Colares, que já fez trilhas pra curtas e peças de teatro e almeja entrar na área de games. Se você curtiu, não deixe de entrar no canal do rapaz para ouvir composições originais. E eu se fosse você também pediria que ele fizesse mais arranjos de músicas de games.

Sonic the Hedgehog – “Final Zone”

O arranjo “Sonic the Hedgehog: Staff Credits” do Richard Jacques para o Video Games Live tem todas as músicas das zonas do Sonic 1, certo? Todas, menos a “Final Zone”. Assim como no Alex Kidd, Blake Robinson colocou timbres de coral, mas aqui no caso adulto mesmo. E mais uma vez foi uma escolha certeira. Deu um clima meio Super Mario Galaxy, não?

Sonic the Hedgehog 4: Episode I – “Splash Hill Zone Act 1”

Há um longo caminho (Sonic 2, Sonic 3…) até chegarmos às versões orquestradas do Sonic 4, mas o Blake Robinson já deu uma palhinha de como ficaria o tema da fase inicial do Episode I, provavelmente o melhor do jogo. Só deixaria num andamento mais rápido.

Streets of Rage 2 – “Back to The Industry”

A dificuldade para achar arranjos orquestrais de Streets of Rage não está no papel. Claro, não é uma tarefa fácil pela característica dançante das músicas. O arranjador ubergrau conseguiu extrair uma sinfonia da “Back to The Industry”, rendendo uma bela peça orquestral e sem descaracterizar a faixa. Nem está entre as minhas favoritas a original, mas se ele fizesse o mesmo com outras do Koshirão…

Se você conhecer outros arranjos do tipo, sinta-se à vontade para se manifestar nos comentários. Quem sabe eu não me anime a fazer uma segunda parte.

Agradeço secretamente o espião Rafael Fernandes pela indicação do canal do Blake Robinson.

Kid Icarus: Uprising: Koshirão, Mitsuda, Sakuraba, Iwadare e Masafumi Takada são os compositores; ouça os primeiros samples


Por Alexei Barros

Eu sou fervorosamente favorável ao retorno de séries estimadas que estão há anos em letargia. Fico satisfeito com o regresso. Foi assim na E3 2010 com o anúncio de Kid Icarus: Uprising, terceiro jogo da franquia da Nintendo que possuía apenas dois jogos, o primeiro para NES (1987) e a continuação, Kid Icarus: Of Myths and Monsters, para Game Boy (1991). Como se não bastasse no mesmo evento ter sido anunciado Donkey Kong Country Returns.

Mas, se DKC Returns saiu para Wii em 2010, eu confesso ter desanimado ao saber que Uprising seria para 3DS. Nada contra o aparelho, é que eu pensei: “Com tanta coisa para jogar para DS ainda, por que eu compraria JÁ outro portátil?”. Claro que o descaso seria temporário. Temporário até sair o Professor Layton vs. Ace Attorney eu imaginava.

Nem acompanhava com muito afinco as novidades e vídeos de Kid Icarus: Uprising pela expectativa mediana. Daí notei que o meu desdém era descabido quando vi que: 1) O jogo tirou 40/40 da Famitsu. Certo que a nota máxima da revista ficou um pouco banalizada, mas muitos títulos AAA não gozaram da mesma avaliação; 2) Revelam os compositores da trilha, simplesmente: Yuzo Koshiro, Masafumi Takada, Motoi Sakuraba, Noriyuki Iwadare e Yasunori Mitsuda. Só isso. Os três últimos são mestres dos RPGs – fizeram as trilhas de Star Ocean, Grandia e Chrono Trigger, respectivamente. Takada acompanhou a loucura de Goichi Suda em jogos como killer7 e No More Heroes antes de virar freelancer e Koshirão não preciso dizer quem é.

Masahiro Sakurai, o líder da Project Sora, desenvolvedora do Uprising, realmente tem um cuidado especial com as músicas de suas produções. Não é de se estranhar que ele seja um dos responsáveis da série de concertos Press Start, que, aliás, tocou Kid Icarus em 2011, e tenha angariado 36 compositores para os arranjos da trilha de Super Smash Bros. Brawl.

Para criar expectativa, ele inclusive havia avisado que o compositor do Uprising trabalhou no jogo de (luta? Ou gênero indefinido?) de 2008. Isso dava margem para a participação de Hirokazu Tanaka, que criou, para variar, músicas soberbas no jogo original, tal como em Metroid.

Mesmo sem ele, como reclamar com um quinteto desses? O melhor é que o site oficial do jogo é bem generoso: até agora são sete faixas, e as amostras podem ser ouvidas na íntegra. Acompanhe na ordem.

As duas primeiras possuem um viés sinfônico (não arriscaria dizer que foram gravadas por uma orquestra de fato), e a segunda, do Koshirão, tem timbres de coral. A terceira, de novo do Sakuraba, tem potencial para ser uma nova “Gerudo Valley”, com um violão estilo flamenco simplesmente magnífico. Para quem reclama da mesmice Sakurabística no rock progressivo, aí está a resposta.

O Sakuraba volta a roubar a cena na quarta, com reminiscências do tema “Underworld” do Hip Tanaka que é a música-chave da série. Essas cordas ficaram uma pintura, e depois são reforçadas por uma guitarra alucinante. Guitarra? De novo na quinta, em uma promissoríssima faixa do Yasunori Mitsuda. Na sexta temos a pompa dos melhores tempos de Noriyuki Iwadare em Grandia – para você ver o nível do negócio. Do Masafumi Takada pode se esperar tudo. Tudo menos um solo de violino acompanhado por percussão, retomando o flamenco da terceira.

Abaixo os links diretos para as faixas, levando em conta que esses nomes não são as traduções oficiais.

01 – “Main Theme” (Motoi Sakuraba)
02 – “Magna Theme” (Yuzo Koshiro)
03 – “Black Pit Theme” (Motoi Sakuraba)
04 – “Chapter 4 Air Battle” (Motoi Sakuraba)
05 – “Boss Battle” (Yasunori Mitsuda)
06 – “Star Pirate Theme” (Noriyuki Iwadare)
07 – “Practice Room” (Masafumi Takada)

Com todo o respeito ao Final Fantasy XIII-2, já temos a trilha do ano?

[ATUALIZAÇÃO] Antes que eu ousasse reclamar do lançamento do álbum, a Nintendo anunciou a Shin Hikari Shinwa Palutena no Kagami Music Selection, que pode ser trocada na Club Nintendo nipônica por 400 pontos (ou 250 se você morar no Japão e tiver comprado o Uprising). Ou seja, não dependeremos dos ripadores do YouTube desta vez.

[via Andria Sang, My Nintendo News]

Live 5pb.2010: Yuzo Koshiro e Kenji Ito perdidos no meio das seiyuus


Por Alexei Barros

Ano novo, vida nova… e eu ainda falando de notícias velhas. Por completo esquecimento, faltou comentar o show Live 5pb.2010, ocorrido dia 16 de outubro do ano passado. Antes vale uma explicação para situar as coisas.

O selo 5pb iniciou em 2007 um espetáculo que tinha tudo para ser o sucessor espiritual da saudosa série Game Music Festival por reunir as bandas oficiais, ou seja, com os compositores, em um único evento. Assim veio o Extra – Hyper Game Music Event 2007, que originou o CD duplo Hyper Game Music Event 2007 Extra The Live Album Vol.1, sendo que o volume dois e um DVD foram silenciosamente cancelados; e o Extra – Hyper Game Music Event 2008, que foi assistido in loco pelo Fabão – a ida de um conhecido a uma apresentação japonesa é um acontecimento à parte. Chegaram a participar, alguns em uma edição, outros nas duas, gente como [H.], The Black Mages, Motoaki Furukawa e Voyager, Hirokazu Tanaka, Kimitaka Matsumae, Shinji Hosoe, Kenji Ito, Yuzo Koshiro, Akira Yamaoka e Norihiko Hibino.

Não tenho informações se foi um sucesso. Mas é fato: shows focados nas seiyuus dá muito mais audiência do que um espetáculo com bandas e compositores de jogos, por mais populares que sejam os videogames, isso que é o Japão. Então o Extra deu lugar ao Live 5pb.2009. Muitas músicas de games fizeram parte do programa, porém mais com um pé no anime do que qualquer coisa por adotarem um J-rock muito recorrente nas animações japonesas. Enfim chegamos ao Live 5pb.2010, com a diferença que, além das cantoras-celebridades, dois compositores de game music caíram de paraquedas: Yuzo Koshiro e Kenji Ito. Por que estavam fazendo lá?  Para participar da performance de faixas assinadas por eles.

Yuzo Koshiro tocou teclado na performance da Akiko Hasegawa de “I Can Fly”, tema de abertura de Criminal Girls, RPG da Nippon Ichi de PSP. Kenji Ito, por sua vez, acompanhou também no teclado a cantora nao na “Ryusei no Bifröst”, canção de abertura de Choujigen Game Neptune, RPG para PlayStation 3 da Compile Heart. Escutou? Eu avisei que tem mais cara de anime.

Mas há uma esperança…


[via Famitsu, Live 5pb.2010]

Press Start The 5th Anniversary: desfalcado, reverberado e abrupto


Por Alexei Barros

Arranjos exclusivos, fartura de jogos nipônicos, seleções obscuras… são alguns motivos para mostrar tanta admiração pela série de concertos Press Start, que conta com apresentações desde 2006 no Japão. A cada ano lamentava pela inexistência de CDs e DVDs, o que significava que as performances se perderiam no tempo e no espaço, exceto pelas gravações da plateia que surgiram em 2006 e 2007, sendo que de 2008 em diante não passou do terreno da imaginação.

Então o impossível aconteceu: em agosto foi anunciada a compilação comemorativa de aniversário Press Start The 5th Anniversary, à venda em 11 de setembro, dia da realização do Press Start 2010. Apesar de celebrar o quinto aniversário, o álbum mescla seleções de somente duas apresentações: do Press Start 2008, com a Kanagawa Philharmonic Orchestra no Bunkamura Orchard Hall, e do Press Start 2009, com a Tokyo City Philharmonic Orchestra no Tokyo Metropolitan Art Space. Sempre que um produto muito aguardado finalmente é lançado, vem a inevitável pergunta: a espera valeu a pena? Respondo de cara: não. O que leva a outro questionamento: “você ficava elogiando toda hora e agora vem dizer que não é tão bom assim?”. Calma.

À primeira vista chateia a pouca quantidade de faixas para uma coletânea: nove, em um total de 50 minutos – para efeitos de comparação, o Video Games Live: Level 2 e o Play! A Video Game Symphony Live estão entupidos até a boca, com 74 minutos. Ou seja, sobraram 24 minutos de CD. Se fossem segmentos de seis minutos, caberiam mais quatro faixas. Imagino a substância que trariam Out Run, Castlevania, Mega Man 2 e Wild Arms. Isso até daria para relevar.

O principal problema do álbum é a equalização equivocada, que conta com muita reverberação (valeu, 00Agent!), prejudicando a nitidez dos instrumentos, a ponto de parecer que a orquestra está muito mais longe do que verdadeiramente está. Fora isso, não existe a profundidade sonora que torna as performances orquestradas tão especiais. Ainda que gravado ao vivo, é inaceitável para um CD como ambas as apresentações aconteceram em salas de concerto, onde a arquitetura privilegia a acústica. Seria covardia comparar com o Symphonic Fantasies, um exemplo de perfeição entre os concertos de games. Para pegar um caso mais próximo, japonês, cotejo com o Monster Hunter 5th Anniversary Orchestra Concert ~Hunting Music Festival~, que, inclusive, aconteceu no Tokyo Metropolitan Art Space, o mesmo local do Press Start 2009, e viceja uma qualidade invejável de produção. Mais desanimador é que a reverberação exagerada persiste no Super Mario Bros. 25th Anniversary Special Sound Track Press Start Edition, que ainda farei um post específico.

Segundo, os arranjos não são tão bons quanto deveriam. As transições que reclamo tanto são irregulares em vários números do álbum. Não que sejam ruins, é que o Kazuhiko Toyama e o Nobuyuki Nakamura definitivamente não estão entre os melhores arranjadores do mundo. Falta polimento em muitas passagens e percepção de como encadear as músicas em um medley. Às vezes parece que as faixas e a sequência são pré-definidas por alguém e eles têm que se virar com isso, no momento em que mudanças e cortes poderiam ser feitos para o bem dos arranjos.

Mesmo assim, a track list foge do padrão do que se costuma ouvir nos concertos ocidentais. Importante ressaltar que o disco não representa a totalidade da experiência, como não há nada da Square Enix e da Nintendo. Depois do Hadouken minhas pútridas impressões do álbum que, mesmo com os já mencionados contratempos, tem os seus momentos.

Continuar lendo ‘Press Start The 5th Anniversary: desfalcado, reverberado e abrupto’

O jazzístico trailer de apresentação de Mystery Room

Por Alexei Barros

Jazz é um dos muitos estilos musicais com que Yuzo Koshiro mostrou imensa aptidão. O exemplo máximo disso é a trilha do Super Adventure Island, que também tem um pé no ska. Depois das faixas à moda antiga da série Etrian Odyssey e do 7th Dragon, aparentemente teremos um Koshirão jazzístico no Nintendo DS com Mystery Room, jogo de solução de crimes da Level-5.

Não parece ser gravada com instrumentos reais, mas a qualidade é bastante convincente, e o trailer, que explica em japonês um pouco da jogabilidade, empolga em pouco mais de um minuto pelo tema musical inspirador que combina com o clima detetivesco. É quase como se ouvíssemos o Gyakuten Meets Jazz no próprio jogo.


RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr bannerlateral_consolesonoro bannerlateral_zeebobrasil bannerlateral_snk-neofighters brawlalliance_banner_copy
hadoukeninenglish hadoukenenespanol hadoukenenfrancais hadoukeninitaliano hadoukenindeutscher hadoukenjapones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.513 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: