Archive for the 'Symphonic Fantasies' Category

Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente


Por Alexei Barros

Por mais tempo que um indivíduo se dedique a uma determinada obra, sempre há espaço para melhorias. Quem é perfeccionista e vê o que foi feito anos depois, fica com vontade de mexer aqui, retocar ali e até, por que não, começar do zero. Isso em qualquer atividade. Nos videogames, esse aperfeiçoamento vem na forma das atualizações online. Na música e, especialmente, nas músicas orquestrais, o trabalho de aprimoramento é muito maior. Já imaginou ter que imprimir todas as partituras dos instrumentistas de novo? Pelo tempo e dinheiro que se gasta com isso, os polimentos são raros nos concertos de games.

Mas, quando o Symphonic Fantasies, originalmente executado em 2009 na Colônia, Alemanha, é frequentemente exaltado – “absoluto” e “impoluto” foram adjetivos frequentes quando me referi ao concerto e depois ao álbum publicado em 2010 –, logo você vai imaginar que a produção do espetáculo se acostumará com os elogios, repousando na confortável zona de conforto das reprises idênticas à primeira apresentação. Porém, nada disso aconteceu quando o Symphonic Fantasies foi mostrado em Tóquio em janeiro de 2012, récita esta registrada no álbum Symphonic Fantasies Tokyo, lançado em 11 de junho deste ano.

O impacto causado pelo Symphonic Fantasies foi muito grande há três anos. De uma só vez, o concerto revolucionou nas suítes gigantes (de cerca de 18 minutos), na transmissão em vídeo ao vivo para todo o mundo e na qualidade impecável da performance. Dessa forma, foram feitos convites para apresentações em outros países, e o próprio Nobuo Uematsu sugeriu levar o Symphonic Fantasies ao Japão. Mas, para chegar nesse nível, foram necessários 14 dias cheios de ensaios. Ter todo esse tempo livre nas agendas de orquestras pelo mundo não é comum.

Enquanto isso, graças ao êxito do Symphonic Fantasies, aconteceram mais dois concertos-tributo em Colônia: o Symphonic Legends, em homenagem à Nintendo, em 2010, e o Symphonic Odysseys, em reverência ao Nobuo Uematsu, em 2011. Ainda no ano passado aconteceu o LEGENDS, uma revisão do Symphonic Legends na Suécia que serviu para o produtor Thomas Boecker tirar a conclusão de que seria possível ter a mesma qualidade apresentada na Alemanha com apenas dois dias de ensaio. “A experiência em Estocolmo com LEGENDS me mostrou que, se as partituras forem bem-feitas e os músicos estiverem motivados e forem bons, vai funcionar”, disse antes da realização do Symphonic Fantasies em Tóquio. Além disso, os arranjos foram ajustados para otimizar a performance. “Quanto mais conhecimento o arranjador tiver, ele pode encontrar soluções para fazer soar bem sem ser MUITO difícil de tocar. Então é isso que vamos fazer. O tempo que vamos ganhar dessa forma será gasto para fazer soar ainda mais emocionante, mais bonito.”

Com isso, Boecker decidiu investir em 2012 no Symphonic Fantasies em Tóquio, no décimo ano consecutivo em que ele produz concertos de games, chegando ao país onde tudo começou. O primeiro dessa dezena, o First Symphonic Game Music Concert, em 2003, foi também primeiro espetáculo de game music fora do Japão. Para tanto, ele contratou a Tokyo Philharmonic Orchestra, a mais antiga orquestra de música erudita nipônica (formada em 1901), e o Tokyo Philharmonic Chorus, ambos recorrentes em álbuns e récitas de jogos eletrônicos. Benyamin Nuss no piano e Rony Barrak na darbuka voltaram ao palco e, no lugar do norte-americano Arnie Roth, o alemão Eckehard Stier assumiu a regência. Foram realizadas apresentações nos dias 7 e 8 de janeiro no Tokyo Bunka Kaikan, o mesmo local do Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert. No primeiro dia, estiveram presentes Hiroki Kikuta (Secret of Mana) e Yasunori Mitsuda (Chrono Trigger e Cross) e, no outro, além dos dois, a mestra Yoko Shimomura (Kingdom Hearts). Para completar o quarteto de compositores da Square que haviam comparecido ao espetáculo em Colônia, só ficou faltando mesmo o Nobuo Uematsu.

Como o Symphonic Fantasies original já tinha sido lançado em CD na Europa e no Japão, não seria de esperar que a versão mostrada em Tóquio também fosse. Eis que inesperadamente em maio de 2012 o álbum Symphonic Fantasies Tokyo foi anunciado e em junho foi lançado – por enquanto, somente com publicação no continente europeu.

A principal diferença é que, enquanto o álbum do Symphonic Fantasies original condensava todo o concerto em um CD e deixava o segmento do bis para lançamento digital, o álbum do Symphonic Fantasies Tokyo cobre o espetáculo na íntegra, forçando a divisão do programa em dois discos. O primeiro, com a abertura e as suítes de Kingdom Hearts e Secret of Mana; o outro com as suítes de Chrono e Final Fantasy e o novo bis.

O encarte, com 20 páginas repletas de fotos das apresentações e perfis dos envolvidos, possui agora um prefácio assinado pelo Masashi Hamauzu, que não teve músicas executadas no concerto, mas vem se tornando cada vez mais frequente nas produções do Thomas Boecker. Aliás, só de ver o nome dele, já me deu vontade de que fosse feita uma suíte da série SaGa – obscura no ocidente, mas popular no Japão –, com os seus trabalhos no SaGa Frontier II e especialmente no Unlimited Saga. Mas essa vontade fica para uma próxima. Outra decisão que achei acertada foi a adoção do inglês no texto, dada a universalidade do idioma, visto que, no álbum gravado na Alemanha, a edição japonesa estava escrita na língua local e, na europeia, em alemão. O único ponto um pouco chato disso é a dificuldade de retirar o encarte da caixa do álbum, porque ficou bastante justo, no limite. Se você conseguiu tirar uma vez, é provável que não vai querer fazer isso de novo com medo de estragar o papel.

Uma grande vantagem do Symphonic Fantasies Tokyo em relação ao Symphonic Fantasies é justamente o fato de o concerto ter sido gravado no Japão. Como dito aqui tantas vezes, o público nipônico é extremamente acanhado e, verdade seja dita, educado. Uma plateia inteligente, que respeita a performance e quer apreciá-la, quer fazer valer o ingresso. Durante os dois CDs não há um pio sequer da plateia e nem mesmo aplausos ao final da execução de cada número, o que dá ao Symphonic Fantasies Tokyo a impressão de ter sido gravado em estúdio tamanho o silêncio. No CD do Symphonic Fantasies dá para ouvir, durante a execução do tema dos Chocobos, um “woow” proferido por um fã tresloucado. Hoje, esse cara deve estar muito por feliz por ter o grito eternizado e arranhado a perfeição da performance. Aqui não há nada disso, muito felizmente. Por isso… viva os japoneses!

Já adianto que, excetuando o Encore, todo o resto da seleção de músicas arranjadas é similar ao primeiro Symphonic Fantasies. Mesmo que continue achando que algumas faixas poderiam entrar (nada vai me tirar da cabeça que fez muita falta a “Danger” no Secret of Mana e talvez mais alguma música animada do jogo), não vou repetir tudo o que já falei. É tudo uma questão de comparações. Se na ocasião do concerto eu confrontei os arranjos orquestrais com as originais e no review do álbum coloquei frente a frente os arranjos da mixagem do CD com a versão transmitida, o cotejo agora será entre os dois álbuns. As novidades do Symphonic Fantasies Tokyo estão nas entrelinhas, nas interpretações, nas sutilezas, portanto vamos revisitar aos poucos, com calma, as histórias contadas pelas suítes no palco do concerto realizado na Terra do Sol Nascente.

Continue lendo ‘Symphonic Fantasies Tokyo: as já conhecidas fantasias sinfônicas em interpretações mais que perfeitas na Terra do Sol Nascente’

Symphonic Fantasies Tokyo: novamente a fantasia suprema, agora direto do Japão

Por Alexei Barros

O ano de 2012 começou muito bem em matéria de concertos de games, e nos dias 7 e 8 de janeiro o Symphonic Fantasies foi apresentado pela primeira vez no Japão. Os arranjos foram aprimorados em relação à récita de 2009, e o Encore foi totalmente reformulado, utilizando as melodias sobrepostas da “Destati” (Kingdom Hearts), “Meridian Dance” (Secret of Mana), “World Revolution” (Chrono Trigger), que substituiu a “Lavos’ Theme”, “One-Winged Angel” (preciso mesmo dizer de qual jogo?), “Kefka”“Dancing Mad” (Final Fantasy VI). Nisso, Kefka e Sephiroth entraram em uma ferrenha batalha musical. Embate improvável de acontecer nos jogos… a não ser por Dissidia e variantes.

Esse banquete sinfônico não podia se perder no tempo e não vai, porque em junho, daqui a pouco, será lançado o Symphonic Fantasies Tokyo, álbum que traz a gravação baseada nas apresentações nipônicas. Os solistas Benyamin Nuss (piano) e Rony Barrak (percussão) participaram, assim como a Tokyo Philharmonic Orchestra e o Tokyo Philharmonic Chorus sob a regência do maestro Eckehard Stier.

O “Encore” está incluso no pacote, diferentemente do álbum original do Symphonic Fantasies, no qual o segmento do bis foi vendido digitalmente. Serão 80 minutos de música em dois CDs, e o produto inclui um encarte de 20 páginas, mostrando fotos dos ensaios e dos concertos – algo que, para mim, fez muita falta no lançamento alemão –, isso tudo com um prefácio escrito pelo Masashi Hamauzu. É o melhor do melhor, agora ainda melhor.

Symphonic Fantasies Tokyo está à venda no site da MAZ Sound Tools GmbH, que entrega para qualquer lugar do mundo.

Symphonic Fantasies no Japão: supremo como sempre e com uma inédita e impensável batalha musical entre Kefka e Sephiroth


Por Alexei Barros

Mal começou o ano e já temos concertos de games. Ou melhor, o Japão tem: nos dias 7 e 8 de janeiro o Tokyo Bunka Kaikan sediou a apresentação do Symphonic Fantasies, espetáculo originalmente executado em Colônia, na Alemanha, em 2009, em tributo às séries Kingdom Hearts, Chrono e Final Fantasy, além de Secret of Mana. Como comentado antes, Tokyo Philharmonic Orchestra e Tokyo Philharmonic Chorus realizaram a performance sob a batuta do maestro Eckehard Stier.

No primeiro dia, somente Hiroki Kikuta e Yasunori Mitsuda puderam comparecer, mas Yoko Shimomura e Nobuo Uematsu prepararam cartas lidas pela anfitriã aos fãs explicando por que não puderam comparecer e que gostariam muito. No outro dia, porém, Yoko Shimomura também apareceu. Além deles, Roger Wanamo e Jonne Valtonen, os arranjadores finlandeses, estiveram presentes e subiram ao palco.

A minha, a sua, a nossa maior dúvida é saber se a apresentação foi a mesma da executada três anos antes. No que se refere às quatro suítes, basicamente sim, mantendo a mesma seleção de faixas. Com a palavra, o produtor Thomas Boecker: “De maneira geral, nós fizemos muitas melhorias pequenas, como transições aperfeiçoadas etc. No entanto, como dito, são todas pequenas – incluindo partes mais difíceis para o Benyamin Nuss em Kingdom Hearts”. Importante salientar que retocar arranjos prontos não é uma coisa tão fácil de fazer. Já se deu conta de que todas as partituras dos instrumentistas precisam ser reimpressas?

Mas, meu amigo, o melhor ficou mesmo para o final, com o perdão do clichê. O “Encore (Final Boss Suite)” de 2009, o qual era arranjado pelo Jonne Valtonen com auxílio de Roger Wanamo, era um medley com um formato mais tradicional que as suítes executadas, com um tema da batalha final de cada série representada: “Destati” (Kingdom Hearts), “Meridian Dance” (Secret of Mana), “Lavos’ Theme” (Chrono Trigger) e “One-Winged Angel” (Final Fantasy VII), esta entremeada por um solo de percussão de Rony Barrak. Esqueça isso!

“Em relação ao Encore, foi um arranjo completamente novo. ‘Destati’ foi aumentada um pouco, e teve as participações de Rony Barrak e Benyamin Nuss”, afirma Boecker. Além disso e da “Meridian Dance”, a “Lavos’ Theme” foi substituída pela “World Revolution”. “[O arranjo] foi feito pelo Roger Wanamo, então agora todas as transições estão suaves, e há um monte de diferentes melodias sobrepostas de novo. O grande final é uma batalha musical entre Kefka e Sephiroth”. Com isso, a “Kefka” e a “Dancing Mad” foram adicionadas. Agora me responda: o que deve ter sido esse arranjo?

[via Dengeki, 4Gamer.net, Famitsu]

Datas do Symphonic Fantasies no Japão

Por Alexei Barros

Mês passado foram anunciadas as apresentações em 2012 no Japão do Symphonic Fantasies, concerto originalmente executado em 2009 em Colônia na Alemanha. Sabia-se que Tokyo Philharmonic Orchestra, Tokyo Philharmonic Chorus, além dos solistas Benyamin Nuss e Rony Barrak, sob a regência de Eckehard Stier, seriam os responsáveis pelo espetáculo.

A mais recente novidade é a revelação de quando e onde acontecerão as récitas: dias 7 e 8 de janeiro no Tokyo Bunka Kaikan, casa de espetáculos famosa pela acústica excelente. No mesmo local ocorreu o Dairantou Smash Brothers DX Orchestra Concert em 2002 e, mais recentemente, em agosto de 2011, o Family Classic Concert “Dragon Quest World”. Há algo em torno de 2300 assentos, então a expectativa é que 4600 japoneses assistam ao Symphonic Fantasies, isto é, se não houver ninguém que compareça aos dois espetáculos. A venda de ingressos começará no dia 19 de outubro.

Sem dúvidas promete ser um espetáculo tão épico como antes em um período meio morno dos concertos de games como é o começo de ano.

Symphonic Fantasies no Japão


Por Alexei Barros

“Um sonho que se tornou realidade”, assim definiu Thomas Boecker ao informar o advento do concerto Symphonic Fantasies – music from Square Enix no Japão que se dará em 2012, ainda sem data definida. Tamanha empolgação se explica muito facilmente, pois será o décimo concerto consecutivo do produtor alemão, cuja primeira apresentação data de 2003, First Symphonic Game Music Concert, o primeiro concerto de games realizado fora do Japão. Além disso, é muito raro récitas estrangeiras de games mostrarem que o ocidente é capaz de produzir espetáculos tão bons e, por que não, até melhores que os nipônicos com as próprias músicas que eles criaram.

Fazendo um exercício de memória, lembremos que o primeiro a realizar tal façanha foi o Video Games Live em 2009, mas o fato de a turnê nunca mais ter voltado para lá é um indício de que as coisas não foram tão boas como propalado pelos organizadores. No ano passado houve a visita a Tóquio da excursão Distant Worlds, que é produzida pela AWR Music do maestro Arnie Roth. Considerando que a maior parte das partituras veio de apresentações antigas feitas no próprio Japão não dá para considerar totalmente.

Já o alemão Symphonic Fantasies chegou ao Japão somente pela transmissão em vídeo em 2009 (e gravações publicadas no YouTube e Nico Nico Douga) e pelo lançamento em CD realizado em setembro de 2010. Com o terreno preparado, não tem como dar errado: a performance será da Tokyo Philharmonic Orchestra (a mesma do Monster Hunter 5th Anniversary Orchestra Concert ~Hunting Music Festival~) e do Tokyo Philharmonic Chorus, que já participou das gravações de dezenas de trilhas de jogos e animes. Solistas, os mesmos de sempre: Benyamin Nuss e Rony Barrak, e na batuta da regência, Eckehard Stier, que conduziu a gravação do álbum drammatica. Originalmente o concerto exigiu 14 dias de ensaios; mesmo se não for exatamente as duas semanas a disciplina e experiência japonesas vão certamente garantir qualidade similar exibida pela WDR Radio Orchestra e WDR Radio Choir há dois anos. Alguns dos compositores, como o Yasunori Mitsuda e a Yoko Shimomura até promoveram o espetáculo no Twitter, mas ainda não está confirmada a presença deles e do Hiroki Kikuta e Nobuo Uematsu como na Alemanha, porque vai depender de coincidir as agendas dos compositores. Mas, como em 2009, os dois arranjadores finlandeses Jonne Valtonen e Roger Wanamo estarão presentes.

Em julho de 2012 o mesmo Symphonic Fantasies também terá duas reprises na Alemanha.

[via Square Enix]

Symphonic Fantasies terá duas reprises em 2012


Por Alexei Barros

Agora que a tetralogia de concertos tributo foi encerrada com o Symphonic Odysseys, eleger o melhor varia da opinião de cada um, mas acho difícil de tirar o posto de apresentação mais impactante do Symphonic Fantasies em 2009 por conta do formato inovador de quatro suítes extensas e, para quem não pôde estar em Colônia na Alemanha, a inédita transmissão ao vivo em vídeo. Tudo devidamente registrado em um impoluto CD.

De fato, o Symphonic Legends e o Symphonic Odysseys são frutos do sucesso do Symphonic Fantasies. Na ocasião, a produção recebeu muitos convites para que o concerto fosse executado em outros países, incluindo o Japão, já que os ex-compositores da Square Enix compartilharam o interesse de levar a récita ao país natal. O problema é que para realizar um espetáculo desse nível foram necessários 14 dias de ensaios, dada a complexidade das partituras e outros detalhes, isso para orquestra e coral de primeiro nível como são os casos da WDR Radio Orchestra Cologne e do WDR Radio Choir Cologne. Tempo inviável para uma turnê, por exemplo.

Sendo assim, o Symphonic Fantasies terá reapresentações no mesmo Cologne Philharmonic Hall nos dias 5 e 6 de julho de 2012 para que mais pessoas possam assistir ao espetáculo in loco. A batuta da regência desta vez será do maestro sueco Niklas Willén, o mesmo que conduziu o Symphonic Legends, e Rony Barrak está confirmado na percussão. Por enquanto, não há planos de modificação dos arranjos. As vendas dos ingressos começarão em dezembro de 2011.

[via VGM Lounge]

Symphonic Fantasies: as fantasias reais eternizadas em um CD imaculado

Por Alexei Barros

Seis meses de arranjo e orquestração. Catorze dias de ensaios. Para pouco mais de 1 hora e 20 minutos de apresentação. Compensa tanto tempo e labor? Respondo com um decisivo sim (sem esquecer o processo de seleção de faixas, a parte burocrática de licenciamento e a fadiga dos instrumentistas e envolvidos). Vale não apenas pela experiência musical ímpar que se vivencia naquela hora – inesquecível para os 2000 espectadores in loco; memorável para tantos outros mundo afora –, como também porque agora o resultado do processo esmeroso ficou imortalizado em um disco para infindáveis apreciações.

Falo evidentemente do Symphonic Fantasies, concerto em homenagem à Square Enix que foi aclamado em diversas partes do planeta graças à inédita transmissão em streaming de vídeo, a ponto de ser elogiado pelos responsáveis de outras produções, como Tommy Tallarico, do Video Games Live, e Hiroaki Yura, do A Night in Fantasia. A fórmula inovadora delineada pelo produtor Thomas Boecker e idealizada pelo arranjador Jonne Valtonen de coadunar temas das mesmas séries em suítes longas de alto valor artístico se mostrou muito mais acessível do que se poderia imaginar para um público acostumado com arranjos presos aos temas originais, que é o que os concertos de games, em sua imensa maioria, costumam oferecer.

Tudo aconteceu no dia 12 de setembro de 2009, no suntuoso Philharmonic Cologne Hall na cidade de Colônia, Alemanha, com a performance da WDR Radio Orchestra Cologne, com aproximadamente 80 integrantes, e do WDR Radio Choir Cologne, formado por 40 coristas, sob a regência de Arnie Roth. Na plateia, estavam Yoko Shimomura, representando a série Kingdom Hearts; Hiroki Kikuta, Secret of Mana; Yasunori Mitsuda, Chrono Trigger e Chrono Cross; e, finalmente, Nobuo Uematsu, a série Final Fantasy.

Depois de rumores esparsos, o disco foi anunciado pelo administrador da WDR Orchestra, Winfried Fechner, em entrevista ao SEMO realizada em março de 2010. A data de lançamento foi veiculada pelo site da Amazon alemã inicialmente para dia 21 de maio com publicação da Sony Classical Germany. Todavia, tratava-se de um equívoco da loja virtual, que alterou a data para 31 de dezembro. Posteriormente ocorreu a revelação oficial para setembro, desta vez com o selo da Decca (Universal Music). Em seguida, o lançamento alemão foi precisado para o dia 24 e, numa decisão rara, adiantado para uma semana antes, 17 de setembro, pouco mais de um ano depois da realização do concerto. Dois dias antes, a Square Enix publicou o álbum no Japão com número de catálogo SQEX-10202.

O conteúdo musical é o mesmo, a diferença é o encarte. A edição germânica possui na capa um estiloso controle-violino de madeira, ao passo que a japonesa possui a imagem da lateral de uma espécie de enciclopédia com os nomes dos compositores em destaque. No livreto há perfis dos principais envolvidos, mas infelizmente a compreensão do texto é limitada aos entendedores dos dois idiomas locais. Um detalhe que poderia ser acrescentado são as letras em latim e tradução das suítes de Secret of Mana e Final Fantasy como foram escritas especialmente para o concerto de acordo com os universos dos respectivos jogos e séries. Cada suíte tem quatro faixas detalhadas (exatamente as anunciadas antes do concerto), e não seria muito pedir que fossem arroladas todas as músicas homenageadas – a ordem é impossível, eu sei, pelo menos a lista completa, ainda que na maioria dos álbuns a informação não seja divulgada oficialmente.

Apesar de planejado para ser executado ao vivo, o conceito do Symphonic Fantasies está muito mais de acordo com um álbum. Explico. Exceção à suíte de Final Fantasy, que segue formato mais simples de medley, ou seja, faixa A + faixa B + faixa C e assim por diante com devidas transições, as outras três suítes são quebra-cabeças, com idas e vindas, variações, sobreposições de melodias e alusões sutis. É impossível absorver tudo de primeira, por isso é um imperativo novas audições. Por que então ouvir o CD se as gravações estão no YouTube e afins?

Primeiro porque é muito mais recompensador possuir uma recordação material de um espetáculo histórico e caprichado como o Symphonic Fantasies, e outro porque a qualidade está ainda melhor, acredite você, como se não bastasse a perfeição da transmissão ao vivo. Editada e mixada no WDR Radio Studios, a gravação passou pelo crivo do arranjador e dos quatro compositores e foi masterizada no Abbey Road Studios. Parece gravado em estúdio pela nitidez de som estonteante, e só se percebe que é ao vivo pelos aplausos no final de cada um dos cinco números e pelos risos ao fundo acompanhado de um “woow!” de um infeliz da plateia quando é tocado o tema dos Chocobos.

Falei cinco números. O sexto, “Encore (Symphonic Fantasies)”, que era um medley convencional de oito minutos com quatro temas de batalha contra chefe, acabou não cabendo no CD e está somente disponível na versão digital. Embora preferisse dois discos para que fosse registrada a experiência do concerto em sua plenitude, não é uma ausência vital. Não deixa de ser uma decisão ousada, visto que a miscelânea acabava com a “One-Winged Angel”, e não é todo dia que sai um álbum de um concerto relacionado com Final Fantasy sem o tema considerado muitas vezes pelos fãs casuais como obrigatório.

Posto isso tudo, revisitei a abertura e as quatro suítes com o perdão da sua paciência porque há muitos detalhes que vieram à tona com a mixagem do CD. Não mencionei novamente as músicas que senti falta ou então comparei com outros arranjos. Seria redundante, sem falar que um ano depois, passo a compreender a ausência de algumas, porque cada segmento possui a própria vibração e complementa o outro no contexto do concerto, em uma escala gradativa. Foi tudo planejado e equilibrado para não enfastiar ou cansar os ouvidos no decorrer das suítes e na récita como um todo.

Depois do Hadouken você também pode conferir no Goear as suítes nas versões do álbum, mas fica o aviso: nada se compara ao CD, que está superior evidentemente. Um concerto com semelhante perfeição de performance suplica para ser apreciado na melhor qualidade possível.

Continue lendo ‘Symphonic Fantasies: as fantasias reais eternizadas em um CD imaculado’

Mais samples do Symphonic Fantasies

Por Alexei Barros

Enquanto a maioria dos álbuns de apresentações são postergados durante meses sem a menor responsabilidade, a versão alemã do CD do Symphonic Fantasies, que sairia 24 de setembro, não será mais, porque o lançamento foi adiantado em uma semana. Ou seja, 17 de setembro, apenas dois dias depois da chegada da edição japonesa.

Falando nela, o site oficial nipônico contém um sample de cada suíte, além da abertura, (as amostras são de trechos diferentes da página alemã) e impressiona que a qualidade está superior à gravação do rádio porque escuto coisas que não ouvia até então. No excerto do tema de combate do Final Fantasy VII, os baixos do WDR Radio Choir Cologne aparecem em maior relevo. Todos passam a impressão de que estamos dentro do Cologne Philharmonic Hall tamanha a presença da WDR Radio Orchestra Cologne – leve em conta que digo isso depois de conferir com fones de ouvido.

O Symphonic Shades foi tido como uma das produções mais aclamadas pela perfeição, só vislumbro agora semelhante qualidade somada ao apelo da Square Enix, já que a popularidade do predecessor ficava mais cerceada à Europa pelos sucessos locais do Commodore 64 e do Amiga. Imagino o sucesso que o Symphonic Fantasies fará entre os japoneses.

Grato ao Fabão pelo toque.

[via SEMO]

Samples do Symphonic Fantasies e Benyamin Nuss Plays Uematsu


Por Alexei Barros

Setembro promete não apenas pelas realizações do Press Start 2010 dia 11 e do Symphonic Legends dia 23. Neste mês também serão lançados os CDs Symphonic Fantasies, gravação do concerto tributo à Square Enix dia 24, e do Benyamin Nuss Plays Uematsu dia 17, álbum solo de piano com peças do mais popular compositor de game music.

Ao entrar no site oficial do Symphonic Fantasies, você será agraciado com um sample de um minuto de cada uma das quatro suítes (Secret of Mana, Crono, Kingdom Hearts e Final Fantasy) escolhida de maneira aleatória no momento em que entra na página. Por mais que já conheça os arranjos da gravação do rádio, dá uma ideia da qualidade. Quanto ao Benyamin Nuss Plays Uematsu, é possível escutar o início da “Fantasy over Themes of Final Fantasy VII” aqui, conforme reparado pelo Radical Dreamer em um post anterior.

E pelo jeito setembro valerá o ano inteiro em termos de concertos de games, visto que não terá nada de muito extraordinário depois disso.

A track list e a capa do CD do Symphonic Fantasies

Por Alexei Barros

O último post sobre o Symphonic Fantasies serviu para falar que o lançamento do disco ocorreria em setembro. Surgiram mais detalhes: o álbum, que possui a gravação do concerto que homenageou as séries Kingdom Hearts, Chrono e Final Fantasy, além do Secret of Mana, chega dia 24 daquele mês – um dia depois de quando acontece o sucessor Symphonic Legends –, com o preço de 19,95 euros.

Como a apresentação teve 82 minutos de duração, residia a dúvida se seria um CD duplo ou um CD simples com o segmento de abertura ou encerramento exclusivo para a venda digital. Ficamos com a segunda opção. “Encore (Symphonic Fantasies)” foi excluído e deverá ser lançado digitalmente no futuro. Abaixo a track list definitiva. Os links são da transmissão pelo rádio, mas a qualidade do CD será ainda superior, já que a gravação foi editada e mixada no WDR Studios com o aval de todos os compositores e arranjadores e masterizada no Abbey Road Studios.

01 – “Fanfare Overture”
02 – “Fantasy I: Kingdom Hearts”
03 – “Fantasy II: Secret of Mana”
04 – “Fantasy III: Chrono Trigger/Chrono Cross”
05 – “Fantasy IV: Final Fantasy”

Embora preferisse o CD duplo com todo o espetáculo na íntegra, o programa foi pensado para ter dois epílogos, tanto que quando assisti ao vivo imaginei que a suíte de Final Fantasy havia concluído com maestria, recebendo com completo espanto o número do desfecho.

Publicado pela Decca (Universal Music), o álbum contém um encarte de 16 páginas com informações sobre as séries e os compositores e está disponível para pré-venda no WDR Shop, que é mais voltado para os alemães. Para o resto do público, recomenda-se esperar pela disponibilidade na Amazon e de outras lojas online. Abaixo você confere a capa, que traz um violino-controle e o novo logotipo. Eu gostava mais daquele logo azul, com um símbolo alusivo a cada série, mas, claro, o que importa é o conteúdo. Tanto faz a capa no final das contas.

[via SEMO]


RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr bannerlateral_consolesonoro bannerlateral_zeebobrasil bannerlateral_snk-neofighters brawlalliance_banner_copy
hadoukeninenglish hadoukenenespanol hadoukenenfrancais hadoukeninitaliano hadoukenindeutscher hadoukenjapones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.534 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: