Archive for the 'Game Music' Category

“Balance is Restored” – Final Fantasy VI (Distant Worlds 2014 em Londres)

Por Alexei Barros

Além do “Character Medley”, o outro segmento do Final Fantasy VI que estreou na apresentação de agosto em Chicago da turnê Distant Worlds para comemorar o aniversário de 20 anos do jogo foi o “Balance is Restored”. “Balance is Restored”? Não há uma música com esse nome na Final Fantasy VI Original Soundtrack

No post anterior eu não havia dito que era a oportunidade perfeita para enfim orquestrarem a “Ending Theme” em seus 21 minutos de duração? Por ora, a “Balance is Restored” é o que chega mais perto disso, pois é o trecho original do tema de encerramento que começa por volta de 11 minutos – depois disso toca o tema principal da série. Está longe do que considero o ideal, que evidentemente é a música em sua totalidade, mas ao menos dá um gostinho. O arranjo me pareceu muito decente pelas ótimas participações da flauta e não feito no improviso como outros segmentos da turnê. Se não me equivoco, o desfecho dessa versão orquestrada não é similar ao da faixa sintetizada. Curioso para saber quem foi o arranjador.

Como no outro vídeo, a gravação foi feita na apresentação em Londres e está em boa qualidade.

“Character Medley” – Final Fantasy VI (Distant Worlds 2014 em Londres)

Por Alexei Barros

Em 2014, Final Fantasy VI comemora 20 anos de existência, e felizmente a turnê Distant Worlds não deixou essa data passar em branco implementando novos segmentos do jogo no programa. O número que mais me chamou a atenção foi o “Character Medley”. Parecia promissor: o RPG do SNES é conhecido até hoje pelo maior elenco de personagens jogáveis da série, alcançando um total de 14 heróis. Mas… O problema é que o medley faz referência a apenas três deles e mais o vilão Kefka. Com só isso, fica fácil reclamar de qualquer um dos temas que faltaram, mas às vezes sinto que sou um fã solitário da “Edgar and Sabin”

A decepção aumenta ainda mais porque essa era a ocasião apropriada para enfim orquestrar oficialmente a “Ending Theme” na glória dos seus 21 minutos de duração, com alusões a todos os temas dos personagens e transições já prontas na faixa original. Tudo bem que um colosso desse tamanho complicaria a montagem do programa e é difícil de arranjar tanto tempo para ensaiar em uma turnê, mas acho que valeria a pena o sacrifício.

Ainda se os temas dos personagens escolhidos para o “Character Medley” fossem inesperados… A composição “Terra” já aparecia em um segmento próprio desde o 20020220 e “Celes” é uma variação da “Aria Di Mezzo Carattere”, que abre a ópera exaustivamente reproduzida em concertos da série. E não vejo muito sentido em colocar “Kefka” aí no meio. Evidentemente ele é um personagem do jogo, mas se supõe que um medley assim faça alusão aos heróis, não ao vilão… Fora que o mesmo tema já apareceu em versões mais refinadas no “Encore: Final Boss Suite” do Symphonic Fantasies Tokyo e no “Final Fantasy VI Symphonic Poem (Born with the Gift of Magic)” do Final Symphony.

A única surpresa é “Locke”, cuja orquestração exaltou o heroísmo e coragem do personagem. Se a transição da “Terra” e da “Kefka” ficou ok, dessa segunda para a “Celes” há um vazio. A única passagem realmente competente é da “Celes” para a “Locke”, o que não é coincidência: essa é a ordem na qual os temas dos dois personagens aparecem na “Ending Theme”.

O arranjo foi tocado pela primeira vez em agosto de 2014, na apresentação do Distant Worlds em Chicago, mas esse vídeo gravado em Londres em novembro está em qualidade superior em relação aos registros que encontrei da estreia. A performance é da Royal Philharmonic Concert Orchestra.

“Character Medley”
“Terra” ~ “Kefka” ~ “Celes” ~ “Locke”

Distant Worlds: music from Final Fantasy The Celebration: uma celebração aquém das tradições da série

Por Alexei Barros

O que faço comentando um Blu-ray que saiu há mais de um ano? Eu não deveria me importar tanto com a data de lançamento dos álbuns de game music, até porque as trilhas são atemporais. Mas o principal motivo é que a turnê Distant Worlds recentemente adicionou novos números no programa e quando fui ver os posts antigos percebi que passei batido por algumas novidades do ano passado. Então senti que devia reparar essa lacuna.

Lançado em junho de 2013, o Distant Worlds: music from Final Fantasy The Celebration registra o espetáculo comemorativo de 25 anos da série da Square Enix realizado no Japão com a Kanagawa Philharmonic Orchestra e o Real Singers of Tokyo sob a regência de Arnie Roth. Algumas partituras novas que estrearam no Final Fantasy Orchestral Album foram gravadas oficialmente em vídeo pela primeira vez, como “The Dreadful Fight” (FFIV), “The Mystic Forest” (FFVI) e “The Dalmasca Estersand” (FFXII) – segmentos que, se me dissessem que foram tocados uns anos atrás, eu acharia uma mentira. Fora isso, o concerto é carente de novidades mais relevantes, mas, ainda assim, há dois medleys mais ou menos inéditos. Mesmo que eles não sejam tão bons quanto deveriam, eles reservam algumas curiosidades interessantes.

10. “Chocobo Medley 2012″
Originais: “Choc-a-bye Baby” (Final Fantasy XI) ~ “Mambo de Chocobo!” (Final Fantasy V) ~ “Chocobos of Pulse” (Final Fantasy XIII)
Composição: Naoshi Mizuta, Nobuo Uematsu e Masashi Hamauzu
Arranjo: Arnie Roth e Eric Roth

A versão anterior do medley dos chocobos, “Chocobo Medley 2010″, combinava a “Bo-down” (FFXIV) e a “Brass de Chocobo” (FFX), que, por sua vez, era um segmento próprio de nome “Swing de Chobo” tocado desde o More Friends. A nova edição foi totalmente reformulada, agora com três faixas relacionadas às aves da série. A primeira delas, do FFXI, não traz a icônica melodia dos chocobos e, na realidade, é uma música cortada do jogo, embora tenha sido lançada no Final Fantasy XI Original Soundtrack Premium Box (ela está no sexto disco, que contém 18 faixas não aproveitadas). É a segunda vez que uma composição excluída foi orquestrada, já que a “Battle Scene 3″ (FFII) foi arranjada no Symphonic Odysseys. Se isso virar uma tendência, espero que não se esqueçam das faixas excluídas do FFIV e FFV.

Mas voltando aos chocobos… A  “Choc-a-bye Baby” é tocada em toda a sua singeleza, imitando com fidelidade os timbres da composição do Naoshi Mizuta. Essa delicadeza vai embora com a animação da “Mambo de Chocobo!” (FFV), em uma performance lúdica do coral que imita os urros da sintetizada. Com os coristas soletrando “chocobo”, é feita a transição para a fantástica “Chocobos of Pulse” (Final Fantasy XIII), que considero a melhor versão do tema dos chocobos e enfim encontrou seu lugar no Distant Worlds.

18. “Battle & Victory Theme Medley”
Originais: “Clash on the Big Bridge” (Final Fantasy V) ~ “Seymour Battle” (Final Fantasy X) ~ “Those Who Fight” (Final Fantasy VII) ~ “Fanfare” (Final Fantasy)
Arranjo: Arnie Roth e Eric Roth

Por mais que seja atraente a ideia de juntar três temas de batalha e mais a fanfarra da vitória, esse segmento parece feito no improviso, meio amador, meio aleatório. As transições não ficaram nada boas, e não tenho dúvidas que um arranjador do nível de um Shiro Hamaguchi faria algo muito melhor, isso se a ideia fosse apresentar um arranjo similar às originais. A “Clash on the Big Bridge” já aparecia em um segmento próprio e a “Those Who Fight” foi arranjada em releituras superiores (no Symphonic Fantasies e Symphonic Odysseys). A única novidade é a “Seymour Battle” (FFX), que havia participado uns anos atrás de uma enquete feita com o público para decidir qual música devesse ser arranjada. O trecho dessa música ficou decente, com boa participação da bateria e dos metais. Não sei se ela merecia um número só para ela, mas talvez o potencial da faixa não foi completamente explorado no meio das outras duas.

Ah, a apresentação está inteirinha no YouTube. Ou pelo menos enquanto a Square Enix não solicitar a retirada do vídeo.

O que são esses arranjos de F-Zero em Mario Kart 8?

Mute City
Por Alexei Barros

Há inacreditáveis dez anos a Nintendo não lança um F-Zero – o último foi o F-Zero Climax, que saiu apenas no Japão para GBA em 2004. Desde então, a produtora tem gostado de provocar, e a mais recente referência é o primeiro DLC do Mario Kart 8, que, entre outras coisas, acrescenta o hovercar Blue Falcon e a pista Mute City.

A consequência disso é que, como não poderia deixar de ser, nessa pista toca o tema “Mute City”. Não apenas isso: a música originalmente assinada pela Yumiko Kanki foi arranjada com a mesma pegada das músicas jazz fusion do Mario Kart 8. Essa guitarra afiadíssima, esse saxofone arrebatador… Não achei que viveria para ver isto:

Mute City

Versão completa:

Assim como a trilha original, muitos nomes importantes do cenário J-Fusion participaram da gravação desse tema. Alguns dos instrumentistas são diferentes, o que me leva a deduzir que essa performance foi gravada depois. Destaco a participação na bateria de Hiroyuki Noritake, que foi integrante do T-Square de 1985 a 2000 – o atual baterista da banda, Satoshi Bandoh, foi quem havia tocado no restante da trilha. E, como antes, a guitarra é comandada por Takashi Masuzaki, do Dimension. O trompetista cubano Luis Valle e o violinista Masatsugu Shinozaki, que participou de bilhões de trilhas e álbuns (e ainda arranjou o onipotente Ogre -Grand Repeat-), são músicos novos em relação à lista original. Os dois e mais o Masato Honma (não confunda com o também saxofonista Masato Honda) estão creditados no fim do vídeo, mas não aparecem. A lista completa:

Guitarra: Takashi Masuzaki
Baixo: Teppei Kawasaki
Bateria: Hiroyuki Noritake
Trompete: Luis Valle
Saxofone alto: Masato Honma
Saxofone tenor/barítono: Takuo Yamamoto
Violino/erhu: Masatsugu Shinozaki

O arranjo está entre as melhores que já escutei da música com banda e só não sacramento esse título porque a competição é acirrada. Também gosto muito da “Mute City” do álbum F-Zero, da “Mute City” do Super Smash Bros. Melee e da “Endless Challenge”, na versão do F-Zero X do álbum F-Zero Guitar Arrange. Difícil eleger uma…

Podia ter ficado só nisso, só que, como já disse, a Nintendo gosta de provocar. O que aconteceu: na tela de resultados das colocações foi inserida a versão arranjada da “Ending Theme” do F-Zero de SNES, uma música curta, porém altamente cativante e com baixo marcado ainda por cima. Mancada isso…

O canal da Nintendo publicou ainda vídeos das outras músicas do DLC, alguns deles também mostrando os instrumentistas. Neles é possível ver Masatsugu Shinozaki no erhu e violino e o Luis Valle no trompete.

Dragon Driftway

Hyrule Circuit

Muito agradecido pelas dicas dadas pelo Orakio “O Gagá” Rob e Rafael Fernandes, ambos proprietários felizes do Wii U.

Press Start 2014: a celebração musical de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS

Como na época do Super Smash Bros. Brawl, o Press Start foi no embalo de um lançamento da série. Neste ano, o primeiro ato inteiro e o bis tiveram relação com o novo jogo para o 3DS


Por Alexei Barros

Se você estava contando os dias para o lançamento de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS eventualmente soube que o jogo saiu 13 de setembro no Japão. Aproveitando a ocasião, o Press Start 2014 aconteceu nesse dia, com duas apresentações no Tokyo Metropolitan Art Space e performance da Kanagawa Philharmonic Orchestra com programa idêntico em ambas as ocasiões. O primeiro ato foi todo dedicado às músicas relacionadas com o jogo portátil, ao passo que o segundo foi mais variado. Seguindo a tradição, confira o set list detalhado para depois saber minhas observações sobre o concerto baseado nas informações que consegui filtrar do report da Famitsu.

Ato I

01. Super Smash Bros. for Nintendo 3DS: “Main Theme”
02. Super Mario Bros.: Medley
03. Super Metroid: “Space Warrior – Samus Aran’s Theme”
04. Star Fox: “Planet Corneria”
05. Donkey Kong Country: “Jungle Level”
06. Animal Crossing: New Leaf: Kotobuki Land Medley
07. Kirby’s Dream Land: “Green Greens”
08. Kid Icarus Uprising: “Dark Pit’s Theme”
09. The Legend of Zelda: Ocarina of Time: “Gerudo Valley”
10. Mega Man 2: Medley
11. Fire Emblem: Shadow Dragon: “Fire Emblem”
12. Pokémon X & Y: Battle! (Trainer Battle)

Ato II

13. Persona 4: “Poem for the Souls of Everybody” ~ “Reach Out To The Truth” ~ “A Corner of Memory”
14. Castlevania: Symphony of the Night: “Dracula’s Castle” ~ “Wood Carving Partita” ~ “Lost Painting” ~ “Dance of Pales” ~ “Death’s Ballad”
15. Etrian Odyssey: “Labyrinth I – Emerald Woodlands [Dungeon 1F~5F]“ ~ “Battle – Initial Strike [Normal Battle - First Part]“ ~ “Battle – Destruction Begets Decay [Normal Battle - Last Part]“ ~ “Labyrinth V – The Fallen Capital of Shinjuku [Dungeon 21F~25F]“
16. Suikoden: “Into a World of Illusions”
17. Toukiden: “The Time of Oni” ~ “Ephemeral” ~ “March of Heroes” (Toukiden: The Age of Demons) ~ “ウタカタ・秋艶” ~ “千年ヲ駆ケシモノ” (Toukiden Kiwami)
18. Pokémon X & Y: “Title Screen” ~ “Kalos Region Theme” ~ “Lumiose City” ~ “Snowbelle City” ~ “The Sun Shines Down”
19. Final Fantasy XIII: “Vanille’s Theme” ~ “Blinded By Light” ~ “Final Fantasy XIII – The Promise”

Bis

20. The Legend of Zelda: Ocarina of Time: “Zelda’s Lullaby” ~ “Song of Storms” ~ Epona’s Song ~ “Song of Time” ~ “Saria’s Song”
21. EarthBound: “Onett”
22. Super Smash Bros. for Nintendo 3DS: “Staff Roll (Super Smash Bros.) Ver. 2″

Continue lendo ‘Press Start 2014: a celebração musical de Super Smash Bros. for Nintendo 3DS’

“Chrono Cross Medley” – Chrono Cross (Brass Exceed Tokyo)

Por Alexei Barros

Em 2012 eu publiquei um arrojado medley de Chrono Cross da Cosmosky Orchestra, mais uma dessas incríveis orquestras pró-amadoras japonesas. Se não viu, faça o favor de ver (e rever). Como são raras as ocasiões em que outras músicas do RPG do PlayStation são tocadas além de “Scars of Time” e “Radical Dreamers”, eu não poderia sonhar com outra performance similar… Daí me surge a Brass Exceed Tokyo para apresentar um medley diferente, no mínimo tão bom quanto o da Cosmosky (algumas escolhas de faixas são semelhantes inclusive). É inacreditável!

Como o próprio nome diz, trata-se de um grupo de instrumentos de sopro, mas isso não significa que a ausência de cordas prejudique a interpretação das músicas de Yasunori Mitsuda – é tudo uma questão de adaptação. E como a Cosmosky, a Brass Exceed Tokyo é acompanhada na performance por um coral (aqui, o Chorus Exceed).

E é justamente o coro que inicia o medley, seguido pela flauta se destacando na parte mais calma da melodia de “Scars of Time”, com acompanhamento do violão e do baixo elétrico. Na virada da música, o solo é feito por um saxofone soprano com um resultado no mínimo surpreendente. O coral volta a participar, entoando a melodia etérea de “Garden of God”.

Quebrando um pouco o clima dessa atmosfera sagrada, surge uma castanhola e toda a Brass Exceed Tokyo para tocar a “Arni Village: Another”, no momento que considero o ápice do medley tamanha a perfeição com que a música foi reproduzida. Eu me senti novamente explorando a cidade de Termina na realidade alternativa. Em seguida, harpa e violão se destacam na performance da The Bend of Time, que ganha a participação dos trombones e do coral em um momento inspirador.

A partir daí a miscelânea segue os passos da versão da Cosmosky, apresentando a “Magical Dreamers ~The Wind, the Stars, and the Sea~”, com direito a guitarra e percussão. Os metais e a bateria se unem, aumentando a empolgação (basta reparar no gingado do maestro). Em um trecho fantástico dos xilofones e das flautas a “The Dream that Time Dreams” tem início e quando entra a referência do tema do “Chrono Trigger” já presente na original o coral vem com tudo. Para concluir, surge uma nova aparição da “Scars of Time” com coral. Esses japoneses estão de parabéns.

Detalhe: tudo isso pode ser apreciado com uma gravação muito competente, com várias câmeras e tudo mais. O áudio também está uma beleza.

“Chrono Cross Medley”

“Scars of Time” ~ “Garden of God” ~ “Arni Village: Another” ~ “The Bend of Time” ~ “Magical Dreamers ~The Wind, the Stars, and the Sea~” ~ “The Dream that Time Dreams” ~ “Scars of Time”

“Final Fantasy VI Symphonic Poem (Born with the Gift of Magic)” (Final Symphony 2014 em Estolmo, Suécia)

Por Alexei Barros

Com extensos segmentos de Final Fantasy VI, VII e X, o Final Symphony estreou em 2013 na Alemanha e no mesmo ano chegou à Inglaterra. Desde então o espetáculo se transformou em uma miniturnê, passeando por outros países da Europa e até o Japão.

Em nenhuma dessas oportunidades o Final Symphony chegou a ser transmitido seja em vídeo ou em áudio, como tanto nos deixou mal acostumados a série de concertos Symphonic (Shades, Fantasies, Legends e Odysseys), que foi organizada pelos mesmos responsáveis (Thomas Boecker e equipe). Só consegui ouvir gravações da plateia que permitem ter uma boa ideia dos arranjos, mas evidentemente nada que chegue perto da excelência das transmissões (o que dirá dos CDs). Isso até agora…

O site da Royal Stockholm Philharmonic Orchestra publicou uma gravação do dia 18 de junho do segmento “Final Fantasy VI Symphonic Poem (Born with the Gift of Magic)” na magnitude de seus 19 minutos. A oportunidade é perfeita, já que Final Fantasy VI completa 20 anos de existência em 2014. Pessoalmente, é a minha trilha favorita da série e do Nobuo Uematsu, que estava no ápice da inspiração ao compor obra-prima depois de obra-prima (os temas de combate, os temas dos personagens, a ópera, o tema de encerramento… é uma coisa de outro mundo).

Com tanto tempo assim, muitas dessas composições memoráveis foram desenvolvidas no poema sinfônico. Não entrarei em muitos detalhes como costumava fazer (até porque o CD do concerto vem vindo aí pelo que diz o site oficial do Final Symphony), mas há clássicos atemporais como “Overture”, “Terra’s Theme”, “Kefka”, “Battle Theme” (morri nessa hora), “Save Them!” e outras. Como o arranjo é do Roger Wanamo, você pode esperar por algumas delas sendo executadas ao mesmo tempo por diferentes instrumentos da orquestra.

Sob a regência do maestro Andreas Hanson, a orquestra teve, como não poderia deixar de ser, uma performance esplêndida, como já vimos em outras oportunidades (a exemplo do concerto LEGENDS, com músicas da Nintendo). Por ora, se você quiser ler uma análise aprofundada desse e dos demais números do Final Symphony, não deixe de conferir o report in loco assinado pelo Luiz “Radical Dreamer” Macedo.

Agora… o que é essa gravação? Ela está realmente perfeita, melhor do que a das transmissões em streaming. O corte das câmeras acompanha a participação dos instrumentos, como em um espetáculo gravado em DVD. Ficou realmente incrível. Ao clicar na imagem abaixo, você será redirecionado para o site da RSPO e lá você pode voltar para o mundo encantador de Final Fantasy VI onde tecnologia e magia se misturam…

RSOPlay


RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr bannerlateral_consolesonoro bannerlateral_zeebobrasil bannerlateral_snk-neofighters brawlalliance_banner_copy
hadoukeninenglish hadoukenenespanol hadoukenenfrancais hadoukeninitaliano hadoukenindeutscher hadoukenjapones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.555 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: