Arquivo de maio \30\UTC 2012

Fúria de Streets of Rage reacende em coletânea


Por Alexei Barros

Duvide da Sega. Mas nunca da Wave Master. Em mais uma iniciativa que contradiz a situação errante da produtora japonesa, a publicadora WM vai lançar uma daquelas coletâneas que deixam os seguistas malucos, dispostos a comer qualquer frango que encontrarem no chão: Bare Knuckle Original Soundtrack, simplesmente um álbum de quatro CDs da série Streets of Rage que vai chegar ao varejo japonês em 27 de junho.

Não parece nada de mais se considerarmos que cada trilha sonora da trilogia foi lançada separadamente nos anos 1990 – Bare Knuckle, Bare Knuckle II e Bare Knuckle III – e as três saíram na Yuzo Koshiro Best Collection Vol. 2 em 2007 com o acréscimo de nove faixas do Streets of Rage 3 não publicadas anteriormente em CD.

Acontece que por algum mistério da natureza, as músicas do Streets of Rage 1 e 2 nesses álbuns não correspondem exatamente às faixas escutadas no Mega Drive. São, na verdade, da placa de som Sound Board II do computador japonês da NEC PC-8801, mesmo que o sistema jamais tenha recebido iterações da série. Os ouvidos mais atentos vão reparar que a mixagem das músicas nos álbuns é estranha – compare a “Dreamer” do CD com a “Dreamer” do jogo. Curiosamente, a trilha do Streets of Rage 3 lançada em CD equivale de fato à original do console de 16-bit da Sega.

O que vai acontecer na vindoura coletânea: as trilhas equivalentes do Mega Drive serão remasterizadas – a primeira composta pelo Yuzo Koshiro e as das continuações em uma parceria dele com o Motohiro Kawashima. Pela primeira vez também serão vendidas em CD as trilhas do Streets of Rage 1 e 2 das versões de Game Gear. Sei que ambos tiveram adaptações para Master System, mas, se não estou falando nenhuma besteira, as músicas são praticamente idênticas pela similaridade de hardware dos dois aparelhos 8-bit (coteje um com outro). Por fim, a compilação inclui ainda aquele “Legend Mix” que emenda 12 faixas da trilogia em um arranjo ininterrupto de 45 minutos que tinha sido disponibilizado para download no site do Koshirão uma época (lá pra 2004) e foi apresentado ao vivo no Game Music Club Event.

Para ficar perfeito, eu queria pelo menos um arranjozinho que fosse da [H.], lembrando que a banda da Sega já releu músicas do Yuzo Koshiro do Etrian Odyssey I e II no Sekaiju no MeiQ Super Arrange Version e Sekaiju no MeiQ² *shoou no seihai* Super Arrange Version, respectivamente. Mas isso só sonhando mesmo.

Agradeço ao furioso Rafael Fernandes por me alertar a discrepância de sonoridade das músicas dos CDs e dos jogos.

[via ebten]

Final Symphony: Final Fantasy VI, VII e X em uma nova sinfonia

Por Alexei Barros

Desde o Symphonic Odysseys, discutia-se a possibilidade da realização do concerto nos mesmos moldes que visava à comemoração dos 25 anos da série Final Fantasy que se completarão em dezembro de 2012. Mas, com o anúncio do Symphonic Game Music Concert 2012, que já tem as confirmações de Journey e Turrican II no repertório, acreditei que a ideia seria descartada. E não foi. Em 2013, a mesma equipe capitaneada pelo produtor Thomas Boecker de apresentações como o Symphonic Fantasies vai trabalhar no espetáculo Final Symphony (o nome pode ser alterado).

Ainda sem dia e data definidos, será mais um concerto focado em Final Fantasy. Porém, a principal diferença para a turnê Distant Worlds, que cobre a série toda (com uma má vontade tremenda com o FFXII) selecionando muitas canções pop, é que a récita se enfocará em três episódios em uma abordagem mais erudita: Final Fantasy VI, Final Fantasy VII e Final Fantasy X. Opinião minha, não leve muito a sério: nem acho que o FFX se destaque pela trilha; a meu ver, o sistema de combate é o que sobressai diante da falta de carisma de alguns personagens e os retões com zero de exploração que o jogo possui – por favor, não atire em mim. Musicalmente eu preferiria o FFIV, mas entendo que o FFX seja muito mais popular e assim o concerto pega representantes da série em três gerações. Mas ainda tem um motivo a mais para me empolgar.

O Final Symphony terá três arranjadores e cada um deles se enfocará em um capítulo específico. Roger Wanamo vai cuidar de FFVI, Jonne Valtonen de FFVII e Masashi Hamauzu de FFX. Nobuo Uematsu estará envolvido na consultoria dos arranjos, o que não significa que somente músicas escritas por ele serão executadas. Ou seja, haverá faixas do FFX assinadas pelo Hamauzu no concerto. Desde já, ou melhor, desde sempre, sonho com a assombrosa “Decisive Battle” numa performance no piano do Benyamin Nuss – o jovem alemão inclusive está confirmado. “People of the North Pole”, também do Hamauzu, não seria nada mal.

Com o concerto voltado para três jogos somente, aumentam as chances de aparecerem faixas nunca ou raramente arranjadas dessa trinca. “Searching for Friends”, do FFVI, é uma que acredito ser uma das candidatas, visto que a composição tem aumentado de popularidade, se é que já não era famosa antes, especialmente entre os japoneses. A música ficou em segundo lugar na votação das 700 melhores faixas de games numa eleição entre os nipônicos e recentemente foi inclusa no álbum Piano Opera Final Fantasy IV/V/VI – demorei tanto para escrever um post sobre o CD e já saiu faz tempo; foi mal. Embora a limitação de tempo seja um potencial problema, desejo fortemente a presença da “Ending Theme”, em toda a glória dos seus 21 minutos de duração. E, em relação ao FVII, já chegou a hora de “Cid’s Theme”.

A orquestra escolhida para o Final Symphony ainda não foi anunciada, mas é uma orquestra classe A, com 80 instrumentistas. Vale ressaltar que não haverá uma única apresentação. Ainda que o espetáculo não vire uma turnê gigante, outros países além da Alemanha vão receber o concerto. De qualquer forma, o maestro Eckehard Stier está confirmado na regência.

[ATUALIZAÇÃO] O site oficial do concerto foi inaugurado – ainda é um teaser.

[via SEMO]

“Sonic Medley” – Sonic the Hedgehog e Sonic the Hedgehog 2 (Joystick 4.0)

Por Alexei Barros

Além de desatualizado, também estou ficando desatento: aconteceu nos dias 16 e 17 de março o concerto Joystick 4.0 na Suécia e só soube dias desses. Já publiquei gravações das edições anteriores que impressionaram com orquestras grandiosas, com uma qualidade desproporcional à obscuridade da apresentação.

Pelo pouco que vi, alguns arranjos são os mesmos dos anos passados, mas há novos. E um dos novos é justamente de um personagem, digamos, maltratado pela Sega, de fama avassaladora no Brasil (eu arriscaria dizer maior que na Europa): o Sonic. E como o arranjo se sai comparado com a obra-prima “Sonic the Hedgehog: Staff Credits” do Richard Jacques para o VGL e o excelente trabalho da “Sonic the Hedgehog” do Yuzo Koshiro para o Play! A Video Game Symphony?

Para mim, não supera ambos, apesar de também incorporar músicas do Sonic 2. O maior problema é encarar esse medley como o representante definitivo de Sonic em um concerto com outras séries. Se fosse em uma apresentação exclusivamente dedicada ao Sonic, não haveria crítica em relação ao que considero o maior pecado: como ignorar a “Green Hill Zone”? E, por tabela, também omitir a “Emerald Hill Zone”? Mas vamos em frente.

Na abertura, a “Title” do Sonic 1 é reproduzida maravilhosamente nos metais, com as flautas fazendo breves intervenções. O belo excerto mostra que a partitura não é uma reprodução exata da sintetizada, mas uma verdadeira releitura orquestral. Após a explosão dos tímpanos, as cordas estupendas ensaiam aos poucos a entrada da “Final Zone”, e logo os metais graves avisam a chegada do Dr. Robotnik com a “Boss” do Sonic 1. De maneira apropriada, a peça emenda na “Boss” do Sonic 2! Está aí uma coisa que eu queria ouvir orquestrada há muito tempo. O clarinete e depois o oboé entoam essa melodia que remonta típicos ritmos russos, e os metais mais espalhafatosos combinam com a figura pitoresca do vilão. Na onda dessa pompa, com a glória dos tímpanos e dos metais, surge a majestosa “Wing Fortress Zone”. Terminando o medley muito bem, volta o Sonic 1 com a “Staff Credits”.

As transições são ótimas, o arranjo é muito bom, mas não consigo ouvir a performance e elegê-la como representante da identidade musical da série em sua totalidade. Se sobrou pompa, faltaram temas mais animados que combinaram tão bem com as trombetas jazzísticas no arranjo do Richard Jacques.

P.S.: O comecinho da peça está cortado, mas é o único vídeo disponível no YouTube desta performance até o momento.

“Sonic Medley”

“Title” ~ “Final Zone”“Boss” (Sonic the Hedgehog) ~ “Boss”“Wing Fortress Zone” (Sonic the Hedgehog 2) ~ “Staff Credits” (Sonic the Hedgehog)

As sinfonias sintetizadas que quase enganam

Por Alexei Barros

Eu sempre tive certa repulsa às músicas sintetizadas que emulam orquestras pelo artificialismo dos timbres. Apenas um Yuzo Koshiro – e olhe lá – consegue utilizar timbres verdadeiramente convincentes que deixam na dúvida se a gravação foi reproduzida por dezenas de instrumentistas ou simulada por computador – dúvida que é elucidada, na medida do possível, ao ver créditos ou não dos musicistas no encarte ou no próprio jogo.

Mas mudo meu conceito neste post. Nesse terreno de diversidade de conteúdo que é o YouTube, há arranjadores amadores, se é que já não viraram profissionais, que mostraram a excelência de versões sinfônicas sintetizadas. Se não nos enganam por completo, matam a avidez por arranjos de músicas que dificilmente entrariam em concertos. E, caso fossem escolhidas, demorariam muito pela natureza obscura de alguns jogos.

Em vez de redigir um post para cada arranjo, preferi concentrar todos os interessantes que encontrei em um, porque, apesar de tudo, uma versão sintetizada não tem o mesmo peso de uma verdadeira. Mas nada impede que, se surgirem outras, eu faça um post no estilo daquela série Músicas que não faltam… ah, deixa pra lá.

Alex Kidd in Miracle World – “Alex Kidd (Main Theme)”

Alex Kidd é um jogo meio ingrato para aparecer em concertos, porque é o tipo de título antigo que apareceria no Press Start, isso se o Master System não fosse uma pulga perto do colosso Famicom no Japão.

Blake Robinson, nome que você lerá muitas vezes neste post, fez uma versão bem curta do tema principal imitando uma orquestra. Só que ele não se deu por feliz e colocou um coro de crianças virtual. Combinou perfeitamente.

DuckTales – “The Moon”

“The Moon” é uma das faixas mais incríveis não só do NES, não só da Capcom, de toda a geração inteira 8-bit. Mas quem mandou fazer uma música tão boa em um jogo licenciado? Isso talvez poderia trazer alguma dificuldade na hora de a composição entrar em um concerto… ou não.

A vontade de ouvir a “The Moon” orquestrada é tanta que existem cerca de cinco ou seis arranjos orquestrais diferentes, mas, até que me convençam o contrário, este é o melhor de todos, com um bom jogo de pizzicatos edulcorados por um piano incidental.

Golden Axe II – “Boss (Stage 1-3)”

Ouvi antes o arranjo e fiquei espantado como, orquestrada, a música ganhou uma nova dimensão. A escolha dos metais para reproduzir a melodia é adequada, e é incrível que os trompetes simulados soem tão bem.

Mario Paint – “BGM 1″

Se nem todos os jogos da série principal do Mario foram lembrados nos concertos, o que dirá os títulos de outros gêneros que levam a assinatura bigoduda. Mario Paint é um desses e, convenhamos, com Hirokazu Tanaka envolvido na composição, não tem por que dar errado um arranjo desse tipo. Ah, se o Orchestral Game Concert tivesse mais dez edições…

Mario Party – “The Stolen Star”

Mario Party nem é, a meu ver, o jogo do Mario não canônico de maior expressão, mas tem algo interessante na composição na autoria desta trilha: é do Yasunori Mitsuda. O dia em que fizerem um concerto de tributo a ele, um arranjo competente como este daria uma bela variada em meio aos Chronos e Xenos.

Metal Gear: “Operation Intrude N313″ ~ “Theme of Tara” ~ “Red Alert”

Com toda a fama da vertente Solid, muitos podem estranhar que existe vida na série Metal Gear antes de 1998. E mais: que há músicas boas dos primeiros jogos da era MSX2. Este arranjo consegue transmitir a tensão e o nervosismo da missão de Snake, em uma tradução muito fiel para orquestra sintetizada das faixas originais. O autor do feito é o brasileiro André Colares, que já fez trilhas pra curtas e peças de teatro e almeja entrar na área de games. Se você curtiu, não deixe de entrar no canal do rapaz para ouvir composições originais. E eu se fosse você também pediria que ele fizesse mais arranjos de músicas de games.

Sonic the Hedgehog – “Final Zone”

O arranjo “Sonic the Hedgehog: Staff Credits” do Richard Jacques para o Video Games Live tem todas as músicas das zonas do Sonic 1, certo? Todas, menos a “Final Zone”. Assim como no Alex Kidd, Blake Robinson colocou timbres de coral, mas aqui no caso adulto mesmo. E mais uma vez foi uma escolha certeira. Deu um clima meio Super Mario Galaxy, não?

Sonic the Hedgehog 4: Episode I – “Splash Hill Zone Act 1”

Há um longo caminho (Sonic 2, Sonic 3…) até chegarmos às versões orquestradas do Sonic 4, mas o Blake Robinson já deu uma palhinha de como ficaria o tema da fase inicial do Episode I, provavelmente o melhor do jogo. Só deixaria num andamento mais rápido.

Streets of Rage 2 – “Back to The Industry”

A dificuldade para achar arranjos orquestrais de Streets of Rage não está no papel. Claro, não é uma tarefa fácil pela característica dançante das músicas. O arranjador ubergrau conseguiu extrair uma sinfonia da “Back to The Industry”, rendendo uma bela peça orquestral e sem descaracterizar a faixa. Nem está entre as minhas favoritas a original, mas se ele fizesse o mesmo com outras do Koshirão…

Se você conhecer outros arranjos do tipo, sinta-se à vontade para se manifestar nos comentários. Quem sabe eu não me anime a fazer uma segunda parte.

Agradeço secretamente o espião Rafael Fernandes pela indicação do canal do Blake Robinson.

Symphonic Fantasies Tokyo: novamente a fantasia suprema, agora direto do Japão

Por Alexei Barros

O ano de 2012 começou muito bem em matéria de concertos de games, e nos dias 7 e 8 de janeiro o Symphonic Fantasies foi apresentado pela primeira vez no Japão. Os arranjos foram aprimorados em relação à récita de 2009, e o Encore foi totalmente reformulado, utilizando as melodias sobrepostas da “Destati” (Kingdom Hearts), “Meridian Dance” (Secret of Mana), “World Revolution” (Chrono Trigger), que substituiu a “Lavos’ Theme”, “One-Winged Angel” (preciso mesmo dizer de qual jogo?), “Kefka”“Dancing Mad” (Final Fantasy VI). Nisso, Kefka e Sephiroth entraram em uma ferrenha batalha musical. Embate improvável de acontecer nos jogos… a não ser por Dissidia e variantes.

Esse banquete sinfônico não podia se perder no tempo e não vai, porque em junho, daqui a pouco, será lançado o Symphonic Fantasies Tokyo, álbum que traz a gravação baseada nas apresentações nipônicas. Os solistas Benyamin Nuss (piano) e Rony Barrak (percussão) participaram, assim como a Tokyo Philharmonic Orchestra e o Tokyo Philharmonic Chorus sob a regência do maestro Eckehard Stier.

O “Encore” está incluso no pacote, diferentemente do álbum original do Symphonic Fantasies, no qual o segmento do bis foi vendido digitalmente. Serão 80 minutos de música em dois CDs, e o produto inclui um encarte de 20 páginas, mostrando fotos dos ensaios e dos concertos – algo que, para mim, fez muita falta no lançamento alemão –, isso tudo com um prefácio escrito pelo Masashi Hamauzu. É o melhor do melhor, agora ainda melhor.

Symphonic Fantasies Tokyo está à venda no site da MAZ Sound Tools GmbH, que entrega para qualquer lugar do mundo.

Artwork do dia: Yoshitaka Amano e a minha inesperada caricatura

Por Claudio Prandoni

Lá no já longínquo ano de 2007 eu comentei por aqui o quanto curtia a arte do japonês Yoshitaka Amano, famoso por estas bandas por boa parte da arte da série Final Fantasy.

Então, o jovem Prandoninho sequer sonhava em encontrar com o figura ao vivo. Mas veja só você: isso rolou recentemente, durante a edição 2012 do Gameworld, feira de games que desde 2010 rola no primeiro semestre do ano em São Paulo.

Por conta do trabalho, tive chance de assistir a duas palestras de Amano e até entrevistar o cara – depois de acompanhar filas imensas de fãs apaixonados terem seu momento de brilhar muito ao conhecer o cara, tirando fotos e autografando livros e mangás.

Maroto que só, fiz a entrevista (que você pode ver na íntegra aqui) e aproveitei para pegar um autógrafo do Amano, que fez esse belo desenho aí abaixo – que me lembra muito a Celes, do Final Fantasy VI. Ou seria a Terra, a personagem favorita de Amano-sensei?

Por um lampejo de sorte, calhou de eu terminar a entrevista bem na hora em que o fotógrafo que estava trabalhando comigo na feira chegou para fazer fotos de Amano.

Daí confirmei aquela história de que japoneses gostam muito de fotos: o artista ficou tão, mas tão feliz com o resultado que logo se colocou a fazer uma caricatura muito legal do fotógrafo!

No embalo, emendou um desenho de outro rapaz que estava na sala e daí… meio que eu era o próximo da fila. Amano se colocou ao meu lado e começou a fazer uma caricatura minha, só que de perfil, de ladinho. O resultado é esse aí abaixo!

Como um colega figuraça jornalista comentou na hora “ficou mais bonito do que o original!”. Eu, minha mãe e minha namorada discordamos, mas não dá pra negar que o trampo ficou bacana. O estilo de Amano é bem único e confesso que fiquei bem feliz, honrado e emocionado mesmo, de ter conseguido tal honra!

Na ocasião, rolou uma exposição de obras do artista no evento. Felizmente, a mostra volta ao Brasil neste mês de maio, com mais itens e até aquarelas pintadas por Amano durante sua visita ao nosso país. Confere lá!


RSS

Twitter

Procura-se

Categorias

Arquivos

Parceiros

bannerlateral_sfwebsite bannerlateral_gamehall bannerlateral_cej bannerlateral_girlsofwar bannerlateral_gamerbr bannerlateral_consolesonoro bannerlateral_zeebobrasil bannerlateral_snk-neofighters brawlalliance_banner_copy
hadoukeninenglish hadoukenenespanol hadoukenenfrancais hadoukeninitaliano hadoukenindeutscher hadoukenjapones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.536 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: